O problema da Petrobras são vários | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
Mais Recentes
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 16/12/2014
O problema da Petrobras são vários
Julio Daio Borges

+ de 3100 Acessos

Para quem acha que o problema da Petrobras é ter sua cotação despencando em bolsa, lamento informar que esse é apenas o problema mais visível, o mais aparente, posto que é mensurável, nítido, incontrastável. E, ao contrário do que acreditam certos petistas, não basta cada brasileiro "comprar uma ação da Petrobras" para que tudo volte ao normal (sim, tem gente que acredita que é como fazer crowdfunding para as multas dos mensaleiros...). Repito a metáfora já utilizada: a cotação em bolsa, o valor de mercado, é apenas o termômetro. A Petrobras vive a pior crise de sua história e existem outros problemas a serem resolvidos, a fim de que o mercado reflita, posteriormente, a "boa saúde" da empresa. Como se chegou a este ponto? Tento explicar refazendo o percurso de trás para frente.

* Por que o valor da ação desabou recentemente? Entre outros motivos, porque a empresa não apresentou seu balanço "não auditado", referente ao terceiro trimestre de 2014. Traduzindo: uma empresa listada em bolsa, como a Petrobras, tem de apresentar, trimestralmente, seus resultados para o mercado, para os investidores. Quando não apresenta, é sinal de problemas. (Mais problemas.) Logo, o mercado desconfia e os investidores "punem" a ação. Pense analogamente: você investiria numa empresa que você sequer sabe se está indo bem ou mal? E digo "investir" no sentido mais amplo, não falo apenas de dinheiro. Você trabalharia numa empresa que ninguém sabe como está caminhando? Você adquiriria um produto de uma empresa que está com problemas financeiros? Em bolsa, é a mesma coisa. Por que alguém permaneceria "comprado" em Petrobras com tudo o que está acontecendo?

* Por que os resultados da empresa não foram apresentados? Entre outros motivos, por causa do petrolão. O raciocínio é simples. A Petrobras estava, supostamente, investindo numa refinaria como, por exemplo, Abreu e Lima. Se houve superfaturamento, e supostamente houve, a propina deve ser discriminada nos resultados. Porque propina não é investimento. É roubo. Não acredito que existe uma linha, no relatório da Petrobras, para "roubo" - mas propina entra como "perda". Acontece que foram *anos* de supostos desvios. Então imagina lançar isso tudo num balanço... O quanto dos "ativos" da Petrobras são ativos mesmo (ou são "passivos")? Agora imagine a mesma presidência e a mesma diretoria da empresa - que permitiram a ocorrência do petrolão - apontando o que é ativo e o que é passivo... Você confiaria? Você colocaria sua mão no fogo pelos resultados apresentados por essa gente que fez vista grossa para o petrolão?

* Por que a auditoria externa não quer assinar o balanço? Porque, justamente, as investigações continuam e, a cada dia, surge um novo desdobramento do escândalo do petrolão. Apenas um exemplo recente: na mesma sexta-feira em que a Petrobras havia prometido apresentar o "balanço não auditado" ao mercado, surgem as denúncias de Venina Velosa da Fonseca no jornal Valor Econômico. Ou seja: mesmo que a empresa tivesse apresentado os resultados, naquela sexta, eles não seriam válidos, porque o depoimento de Venina, no mesmo dia, revelava que havia ainda mais propina do que originalmente se pensava, ainda mais perdas, ainda menos ativos e ainda mais passivos. Seguindo esse exemplo: Venina, a ex-gerente que desmentiu a presidente, desembarca no Brasil a qualquer momento. E promete novas revelações. Mesmo que a Petrobras apresente seus resultados nesse meio tempo, se surgirem novos indícios de propina, como confiar nos números apresentados ao mercado (antes de Venina chegar)?

* Por que a Petrobras não contabiliza logo o petrolão "todo"? Porque não se sabe a extensão do escândalo (eu ia escrever "roubo"). São doze anos de PT no poder. A Petrobras está nas mãos de Dilma Rousseff desde 2003, quando era ministra de Minas e Energia (isso no primeiro governo Lula). O petrolão remonta, segundo o doleiro Alberto Youseff, a 2004. A operação Lava Jato foi deflagrada em março deste ano. Então, faça as contas: por baixo, são dez anos de petrolão. Nem Graça Foster, que assumiu a presidência em 2012, sabe a extensão do escândalo. E nem Sergio Gabrielli, o presidente imediatamente anterior. Nem Guido Mantega, o presidente do Conselho de Administração desde 2010. E nem Dilma Rousseff, a ex-presidente do Conselho... E mesmo que eles organizassem uma força-tarefa, para mapear o alcance do petrolão, amanhã poderia surgir um novo desdobramento, sobre o qual eles não tinham conhecimento. Uma nova Venina Velosa da Fonseca, por exemplo.

* Por que Dilma não manda todo mundo embora (presidente e diretores)? Nem todo mundo sabe, mas Graça Foster já pediu para sair. E a maioria acha que Dilma não a manda embora por serem "amigas", por consideração a ela, Graça Foster. Mas é o contrário. Dilma não manda Graça Foster embora porque, enquanto ela estiver na presidência da Petrobras, todos os ataques serão centrados nela, Graça (e na atual diretoria). Dilma não é amiga, é *muy* amiga. Nem toda a culpa pela crise é de Graça Foster, mas a tendência, quase automática, é jogar a culpa em quem está na presidência da empresa. Vamos considerar o cenário em que Graça Foster sai. No primeiro dia, as ações da Petrobras sobem. A bolsa, igualmente, sobe. Talvez até a cotação do barril de petróleo suba. Mas, nos dias subsequentes, começará a expectativa em torno de quem assumirá a Petrobras no lugar de Graça Foster. E, pelo que sabemos da capacidade decisória de Dilma, a indefinição pode se arrastar por semanas, como no ministério da Fazenda, de Mantega a Joaquim Levy. E para onde vão apontar os holofotes, enquanto a presidência da Petrobras estiver vacante? Para o Palácio do Planalto.

* Por que não chamam logo um executivo de mercado, para assumir a Petrobras? Você se lembra do parto que foi encontrar um novo ministro da Fazenda que encarasse a tarefa? Luiz Trabuco recusou. Henrique Meirelles desconversou. Não queriam assumir a herança maldita de Guido Mantega. Por que na Petrobras seria diferente? Com o PT desde 2003, e "sob os cuidados" de Dilma desde então, passando por Gabrielli, Graça Foster e até por Guido Mantega, quem vai querer aceitar essa missão (quase) impossível? Teria de ser um executivo, no mínimo, especializado em turnaround. Lembrando que um dos maiores "turnarounds" da história empresarial aconteceu na Apple, quando Steve Jobs voltou, praticamente relançando a empresa, no final da década de 90 - quando ela tinha meses de caixa, e estava, contabilmente, morrendo. Jobs, como se sabe, pediu ajuda ($) até para Bill Gates, refez toda a linha de produtos, investiu em pesquisa & desenvolvimento e, na década de 2000, começou a reconquistar o mercado, para dominá-lo só nesta década de agora... Veja o quanto demora. E estamos falando de Steve Jobs... Qual seria o grande executivo brasileiro capaz do "turnaround" da Petrobras? Henrique Meirelles? Sergio Rial? (Resisto a piadas com Eike Batista...)

* Por que *tem* de ser um nome "de mercado" (ou por que o mercado não aceita qualquer nome)? Porque é de capitalismo que estamos falando. "Socializar" a gestão da empresa, distribuindo cargos (e "benefícios") para partidos da base aliada, não deu certo. Como fez no caso da política econômica, o governo tem de reconhecer. Mesmo que o PT não reconheça. Na verdade, não importam as declarações de gente como o próprio Guido Mantega, Aloizo Mercadante e até Luiz Inácio Lula da Silva. O importante é entregar a gestão para alguém tecnicamente qualificado, em matéria de administração, e, como o caso envolve corrupção, um nome acima de qualquer suspeita, eticamente falando. Com todos os problemas (mesmo com o petrolão), a empresa não pode parar. Porque está, justamente, inserida do mercado, na economia brasileira - como poucas. Basta lembrar que, até há pouco, era a empresa brasileira de maior valor de mercado. Imagine o que isso significa em termos de empregos. Em termos de parceiros comerciais, cadeia produtiva, PIB. A Petrobras é praticamente um setor da economia brasileira. Não é para amadores. Não é para a "companheirada".

"Por que, afinal de contas, eu tenho de me preocupar com a Petrobras?", você deve estar se perguntando. "Eu não sou acionista nem nada." Mas você é brasileiro(a). Para que se tenha ideia da magnitude do impacto da Petrobras sobre nós, Dilma conseguiu segurar a inflação represando os preços dos combustíveis, via Petrobras, nos últimos *anos*. Foi um erro, obviamente, porque o governo continuou gastando e produzindo inflação, mas é só para mostrar a influência da Petrobras até sobre a economia doméstica. Fora que, se a Petrobras quebrar, o Brasil também quebra, como país. Grande parte da imagem do Brasil fora - mesmo com todos os problemas - ainda depende da performance da Petrobras. Se a empresa não paga os empréstimos que contratou, ou os bônus que emitiu, todas as outras empresas brasileiras sofrem, porque sua credibilidade é igualmente questionada. O Brasil perde seu "investment grade". E o País perde, literalmente, investimentos. O que significa menos desenvolvimento, menos empregos e menos futuro para todos. Por mais que você torça pelo impeachment da Dilma, torça para que ela dê um encaminhamento correto para a Petrobras. Antes que seja tarde (digo, mais tarde ainda). Afinal, o buraco é mais embaixo (em todos os sentidos)...


Julio Daio Borges
São Paulo, 16/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A via férrea da poesia de Mario Alex Rosa de Jardel Dias Cavalcanti
02. A poesia de pedra de Beatriz Luz de Jardel Dias Cavalcanti
03. Maria Erótica e o clamor do sexo de Gian Danton
04. 2009 e minhas leituras de Rafael Fernandes
05. Literatura virtual de Gian Danton


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2014
01. Como detectar MAVs (e bloquear) - 22/10/2014
02. Sobre o caso Idelber Avelar - 8/12/2014
03. 40 - 29/1/2014
04. Meu Primeiro Livro - 18/6/2014
05. Mamãe - 19/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LOS AZTECAS (LAS GRANDES CIVILIZACIONES)
SANDRA E GARIBAY LAURENT (PROYECTO)
VIMAN (MÉXICO)
(2006)
R$ 25,28



MUNDOS EM CONEXÃO
GEOFFREY D. FALK
CULTRIX
(2012)
R$ 14,00



ROBERT PARKER - O IMPERADOR DO VINHO
ELIN MCCOY
ELSEVIER
(2006)
R$ 55,00



FEDRO FÁBULAS (FABULARUM AESOPIARUM)
JOSÉ PÉREZ DIREÇÃO
EDIÇÕES CULTURA
(1946)
R$ 20,00



PERTURBAÇÕES DO COMPORTAMENTO DA CRIANÇA - DESCRIÇÃO, CAUSAS, TRAT...
PIERRE DEBRAY RITZEN BADRIG MÉLÉKIAN

R$ 9,80



O OPORTUNISTA
PIERS PAUL READ
CIRCULO DO LIVRO
(1973)
R$ 4,00



ARMS OF THE WORLD - 1911 - ALFA CATALOGUE OF ARMS
VÁRIOS
JOSEPH J SCHRODER JR
(1962)
R$ 200,00



FILHOS BRILHANTES ALUNOS FASCINANTES
AUGUSTO CURY
ACADEMIA DE INTELIGÊNCIA
(2006)
R$ 12,04



O LIVRO DOS AMULETOS
GABRIELA ERBETTA E MICHELLE SEDDIG JORGE
PUBLIFOLHA
(2004)
R$ 8,80



TIMOR, O NOSSO DEVER FALAR
VÁRIOS AUTORES
APEL
(1999)
R$ 22,11





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês