Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) | Fabio Gomes | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 11/5/2020
Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
Fabio Gomes

+ de 15700 Acessos

Nestes tempos de quarentena em função da pandemia de Covid-19, quase todos os estados brasileiros - e também alguns municípios - lançaram editais emergenciais de socorro à classe artística, que viu sua renda desabar vertiginosamente logo no começo das (indispensáveis) medidas restritivas. Teatros foram fechados, deixando sem palco atores e músicos; também estão sem funcionar cinemas e livrarias, estas impactando no rendimento de escritores. Embora um ou outro dos editais emergenciais tenha se voltado apenas para a classe dos músicos, a maioria deles buscou contemplar também os profissionais da área de Literatura, possibilitando-lhes remuneração pela realização de recitais, oficinas e debates transmitidos via streaming, seja em vídeos gravados, ou mesmo em lives, seja publicando textos (em geral poemas) em redes sociais. 

Nem todas as iniciativas visando valorizar a poesia no âmbito da quarentena, porém, são de iniciativa da esfera pública. Um projeto de destaque é o 40 Poemas, que iniciou as postagens no Instagram em 3 de abril e conclui em 12 de maio. Aqui o foco é trazer um(a) autor(a) lendo seu poema em áudio (outro diferencial num campo onde têm predominado os vídeos) - ouça por exemplo Mary Paes lendo "Devaneios Loucos"

Já no Mato Grosso do Sul, 14 poetas se uniram para criar o projeto Poema na Quarentena MS, que difere um pouco de outras iniciativas similares: primeiro, porque nos vídeos postados desde o dia 6 de maio um autor lê um texto de outro, num rodízio até se completarem os 14; segundo, porque o projeto não tem uma página própria, você localiza os vídeos no Facebook através da hashtag #poemanaquarentenams

De tudo que foi falado até agora, nada chega a ser novidade: nem a presença de poesia na internet, muito menos a gravação de autores lendo seus próprios textos. O que é raro sim são projetos onde um poeta lê poemas alheios. Além do exemplo sul-mato-grossense citado logo acima, o único outro exemplo que conheço é... meu: toda quarta posto um vídeo lendo autores brasileiros cuja obra esteja em domínio público, na série Rapidola Clássico; claro que podem haver outros cuja existência me escape, peço que quem conheça me indique para que eu possa incluí-los no texto. De todo modo, os exemplos que vou mencionar a seguir são de autores interpretando sua própria criação (não pretendo, porém, esgotar o assunto, dadas as dificuldades de se proceder a um levantamento que conseguisse abranger tudo o que se fez neste campo). 

O que pode ser definido como novidade, não do pandêmico 2020, mas da internet em si, é a possibilidade de a poesia chegar ao público na voz do autor sem que seja necessário um suporte físico, como o LP ou o CD. Ou seja, havia a necessidade de o poeta precisar convencer uma gravadora a (ou ser convidado por uma para) lançar um disco falado, e nem é preciso dizer que a prioridade das gravadoras sempre foi lançar música e não poesia. Isso desde os primórdios da indústria musical brasileira, que deu seus primeiros passos em 1902.

O primeiro disco brasileiro a trazer um poema foi lançado em 1906: Edmundo Araújo interpretava "Se se morre de amor", de Gonçalves Dias. Outros discos de intérpretes se seguiram, até que em 1928 Olegário Mariano inaugurou no país a prática de poetas gravarem sua própria obra, registrando na Parlophon "As Duas Sombras", "O Soldadinho que Passa" e "Meu Brasil". Em 1945, quando a gravadora Continental retomou os discos de poetas, chamou novamente Olegário Mariano; a iniciativa durou até 1951 e incluiu também Manuel Bandeira e Ascenso Ferreira.  

Estes três autores também fariam parte do grande momento da poesia em disco no Brasil: a coleção Poesias, da gravadora (também chamada por vezes de 'selo') Festa, cujo slogan inspirou o título deste artigo: a empresa iniciou suas atividades em 1955 apresentando-se como "a primeira editora brasileira de literatura falada em discos long-play de 33 R.P.M.". 

Até 1958, Festa lançou 13 LPs reunindo 24 poetas, sempre com um autor ocupando um lado inteiro do disco. Foram 24 e não 26 porque Manuel Bandeira e Guilherme de Almeida estiveram presentes em dois discos. A lista de autores que gravaram pelo selo Festa abrange os principais nomes vivos da poesia brasileira na época (podemos citar Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, João Cabral de Melo Neto, Murilo Mendes, Paulo Mendes Campos e Vinicius de Moraes). A empresa também lançou o poeta Abgar Renault, que só publicaria seus versos em livro em 1966, dez anos após sua estreia em disco. Houve ainda uma série de compactos literários lançados em 1963 e 1964, tendo como novidade o registro também de prosadores: a coleção trouxe Rubem Braga lendo crônicas e Erico Verissimo, fragmentos  de sua monumental obra O Tempo e o Vento

Existe um canal no YouTube inteiramente dedicado aos discos do selo Festa: Selo Festa Irineu Garcia. Depois que ele encerrou suas atividades, em 1971, voltaram a ser raros em nosso país o lançamento de discos de poetas. Cabe mencionar as Antologias Poéticas de Vinicius de Moraes (1977) e de Ferreira Gullar (1979) e, já na fase do CD,  A Poesia Viva, de Ariano Suassuna (1998). 

  • Para a redação deste texto, foi de fundamental importância a leitura da dissertação de Mestrado em Meios e Processos Audiovisuais da Escola de Comunicações e Artes da USP Literatura e música: a trajetória da gravadora Festa (1955-1971), de autoria de Ana Paula Orlandi Mourão Delfim, onde colhi todos os dados sobre discos de poesia de 1906 a 1979. Sem a divulgação deste estudo na internet, eu não poderia ter escrito este artigo. 



Fabio Gomes
Macapá, 11/5/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caí na besteira de ler Nietzsche de Marol Azevedo
02. Plágio de Daniel Bushatsky
03. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes de Marcelo Spalding
04. Genialidades múltiplas de Marcela Tullii
05. Michael Jackson: a lenda viva de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Fabio Gomes
Mais Acessadas de Fabio Gomes em 2020
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) - 11/5/2020
02. Vamos pensar: duas coisas sobre home office - 6/4/2020
03. A medida do sucesso - 27/1/2020
04. Elis vive - 16/3/2020
05. Arte sem limites - 2/3/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bê-a-bá do Consumidor: Dicas para Compras e Reclamações
Professor Rizzato Nunes
Método - Casa do Direito
(2006)



Contos de Vista
Elisa Lucinda
Global
(2004)



Olhar Estrangeiro New York
Lenira Fleck
Território das Artes
(2007)



Sucessão Trabalhista Conseqüências Nas Relações de Emprego
Patrícia Manica Ortiz
Thomson
(2005)



Administração de Sistemas de Informação
Ivo Soares Melo
Pioneira
(1999)



Direito do Trabalho Versão Universitária
Renato Saraiva
Metodo
(2008)



O Universo de Harry Potter de A a Z
Aubrey Malone
Nova Fronteira
(2013)



Guard Your Tongue
Chofetz Chaim
Benei Yakov
(1975)



Beleza para a Vida Inteira
Cristiana Arcangeli
Senac
(2002)



A Voz do Coração
Suzanne Marllit
Brasileira





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês