Caindo as fichas do machismo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
Mais Recentes
>>> Você na Vitrine( a ) de Benjamim Silva pela Insular (2003)
>>> Larissa de Ganymédes José pela Brasiliense (1985)
>>> Manual de Processo do Trabalho de Valton Pessoa pela Podivm (2007)
>>> Catarina, a Mamelouca- uma Rapsódia Prosaica de Ana Brancher pela Letradágua (2006)
>>> Novo Código Civil - Exposição de Motivos e Texto Sancionado de Senador Jose Agripino pela Brasilia (2006)
>>> Exercício e o Coração: 3º Edição de Victor F. Froelicher e Outros pela Revinter
>>> Segredos de Justiça: Disputas, Amores e Desejos nos Processos de ... de Andréa Maciel Pachá pela Agir (2014)
>>> Jogando para Ganhar - Manual de Condicionamento Fisico de Simon Cook & Tony Toms pela Hemus (1979)
>>> Criatividade para Administração de José Luiz Hesken Ph. D. pela Vozes (1980)
>>> Perfis /problemas na Literatura Brasileira de Luís Felipe Ribeiro e Outros pela Tempo Brasileiro (1985)
>>> Capitão América: o Soldado Invernal (45) de Ed Brubaker & Steve Epting pela Salvat (2014)
>>> Heróis de Verdade - Pessoas Comuns Que Vivem Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Neuroanatomia Funcional - 2° Edição de Angelo Machado pela Atheneu
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4: Sequências Matrizes Deter... de Gelson Iezzi e Outros pela Atual (2013)
>>> Análise Técnica de Ações de Carlos Alberto Debastiani pela Novatec (2008)
>>> Vitaminas Filosóficas: a Arte de Bem Viver de Theo Roos pela Casa da Palavra (2006)
>>> A Outra de Mirian Goldenberg pela Revan (1990)
>>> Constituição e Política de Janaína Santin e Liton Lanes Sobrinho (orgs.) pela Upf (2006)
>>> Zoologia de Fernando Roma pela Sistema Coc
>>> A Terapia da Reencarnação de Harald Wiesendanger pela Pensamento
>>> Redes Locais de Computadores - Protocolos de Alto Nível e Avaliação de Giozza Araújo Moura Sauvé pela Mc Graw-hill / Embratel (1986)
>>> A Grave no Direito Brasileiro de Raimundo Simão de Melo pela Ltr (2017)
>>> Tráfico de Anjos de Luiz Puntel pela Ática (2003)
>>> Dias Melhores Virão de Max Lucado pela Thomas Nelson (2018)
>>> Escrevo Desde um Interstício: a Ficção de Júlio Cortázar de Jayro Schmidt pela Fcc (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/9/2016
Caindo as fichas do machismo
Marta Barcellos

+ de 3300 Acessos

“Quer dar uma olhadinha na frente?” Não!, respondo, sem disfarçar a expressão de pânico. O céu azul-olimpíada resplandece no inverno carioca, eu já tinha cantado aos berros três músicas seguidas (uma delas de Tim Maia), a orla sem trânsito, a paradinha rápida no posto, e, de repente, aquela ameaça. Não! Por favor, não encoste no capô do meu carro, não diga que o nível de óleo está baixo, que o radiador precisa de aditivo nem me ameace com alguma daquelas mentiras que você jamais diria a um homem.

Eu, distraída, ousando me divertir sozinha e à toa, mas...Ora, aparento, sou, não posso (nem quero) deixar de ser: mulher. Era o de sempre – só que dei pra pensar nessas coisas

Quando comprei meu primeiro carro, depois de economizar microssalários por cinco anos, minha mãe achou prudente ter “a conversa” comigo. Era hora de enfrentar as coisas da vida: Filha, você precisa saber como lidar com mecânicos, borracheiros, frentistas de postos de gasolina. É preciso sair do carro, ficar séria, mostrar autoridade, demonstrar algum conhecimento do assunto. Seja o mais homem possível.

Pra ela nem era tão difícil, porque de fato entendia de mecânica. Naquela época, vale lembrar, os carros eram sempre usados, muito usados. Enguiçavam, furavam pneu, tinham sempre problema na vela ou no carburador. Fiquei com trauma da situação, de ir pro borracheiro, fingir interesse em ver o rasgo na câmara do pneu, eu que não entendia nada, tentando entender, mais ou menos, menos.

De volta ao posto de gasolina, sinto a ficha cair. Plim!, caiu mais uma ficha do quanto já fui vítima do machismo sem perceber. Ou melhor, acreditando ser tudo natural da condição feminina. Quem mandou seguir os conselhos maternos e ser uma “mulher emancipada”? Agora aguenta. Seja homem. Seja grata de ter conquistado tantos direitos, o de trabalhar, o de comprar um carro com o próprio dinheiro, o de fazer dupla jornada. Não vá ficar de mimimi, só porque sempre querem enganar as mulheres no posto de gasolina.

A minha geração de mulheres era essa, a geração grata pela dupla (tripla) jornada, grata quando o marido “ajudava”, grata por se tornar chefe na empresa (sem reparar que os chefes homens sempre ganham mais). Comecei a ser despertada, pelas novas feministas, quando senti algum espanto atordoado com as marchas das vadias. No entanto, a primeira ficha, de verdade, caiu (plim!) quando minha filha entrava na adolescência e consegui “desnaturalizar” as cantadas na rua. Tomada pela raiva, e pelas terríveis lembranças vividas nesta fase, decidi: minha filha não precisa passar por isso! Não precisa! É uma covardia, e não é "normal"!

Outro dia, pela enésima vez, me flagrei me justificando (para um homem) por andar tão "distraída" na rua, e não reconhecer os conhecidos (são sempre eles que me acham). Foi quando outra dessas fichas caiu. Plim! Um homem pode andar pelas calçadas encarando, procurando curioso por fisionomias conhecidas. Uma mulher, não. Quer dizer, pode, deveria poder, mas depois de meia dúzia de situações constrangedoras, em que acharam que estávamos “dando mole”, aprendemos a não olhar mais para o “psiu”. Ou seja, eu não sou uma bocó andando na rua – foi tudo um treinamento de "sobrevivência" ao machismo.

Quanto mais bem sucedidas, mais as mulheres da minha geração tendem a minimizar o machismo. Ora, se elas conseguiram... Aí você começa aquele trabalho básico do feminismo: se fosse homem, nessas situações de clube do bolinha que se repetem nas esferas de poder, não teria sido mais fácil? Ou menos constrangedor? Às vezes consigo que uma amiga se surpreenda – e finalmente se sinta no direito de reconhecer em si uma vítima. Plim!

Agora dei para imaginar quando será que as fichas vão cair para o machismo e a misoginia (de homens e mulheres, é bom lembrar) por trás do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Presidenta??? Quanto há de machismo e misoginia no estranhamento a essa palavra, corretíssima pela norma culta? Plim!



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 9/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
02. O chamado de Cthulhu de Gian Danton
03. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev de Ricardo de Mattos
04. A feira ao longe de Elisa Andrade Buzzo
05. A Última Ceia de Leonardo da Vinci de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Inovadores: Como um Grupo de Hackers, Gênios e Geeks...- 1ª Edição
Walter Isaacson / 1ª Ed
Intrínseca
(2020)



Manual de Massagem Em Casa
Chen Zhaoguang
Andrei
(2006)



Management For Productivity (second Edition)
John R. Schermerhorn Jr.
John Wiley e Sons
(1986)



Marcos Duprat
Jacob Klintowitz
Raizes
(1985)



Foi Ela Que Começou ; foi Ele Que Começou
Toni Brandão
Melhoramentos
(2000)



Três Deuses e uma Trindade
David Raskin
Age
(2009)



As Memórias do Livro
Geraldine Brooks
ediouro
(2008)



A Solidez do Sonho
Carlos Vogt
papirus
(1993)



Criando Meninas (2004)
Gisela Preuschoff
Fundamento
(2004)



Fragmentos de um Discurso Amoroso
Roland Barthes
Francisco Alves
(1994)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês