Caindo as fichas do machismo | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Amor e relacionamentos em tempos de transição
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> 9º Búzios Jazz & Blues - I
>>> Sobre palavras mal ditas
Mais Recentes
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
>>> A Evocação do Zé Batalha - uma História Afro-brasileira - Teatro Rural
>>> Na Relva da Tua Lembrança
>>> The Quest For Paradise - Visions of Heaven and Eternity in the World's Myths and Religions
>>> Assombrações e Coisas do Além
>>> Dicas Úteis Para Uma Vida Fútil
>>> Coiote
>>> Mães Que Mudaram o Mundo
>>> Quem é Lou Sciortino?
>>> Os Viúvos
>>> Do Inferno 1
>>> Geografia do Brasil
COLUNAS

Sexta-feira, 9/9/2016
Caindo as fichas do machismo
Marta Barcellos

+ de 1900 Acessos

“Quer dar uma olhadinha na frente?” Não!, respondo, sem disfarçar a expressão de pânico. O céu azul-olimpíada resplandece no inverno carioca, eu já tinha cantado aos berros três músicas seguidas (uma delas de Tim Maia), a orla sem trânsito, a paradinha rápida no posto, e, de repente, aquela ameaça. Não! Por favor, não encoste no capô do meu carro, não diga que o nível de óleo está baixo, que o radiador precisa de aditivo nem me ameace com alguma daquelas mentiras que você jamais diria a um homem.

Eu, distraída, ousando me divertir sozinha e à toa, mas...Ora, aparento, sou, não posso (nem quero) deixar de ser: mulher. Era o de sempre – só que dei pra pensar nessas coisas

Quando comprei meu primeiro carro, depois de economizar microssalários por cinco anos, minha mãe achou prudente ter “a conversa” comigo. Era hora de enfrentar as coisas da vida: Filha, você precisa saber como lidar com mecânicos, borracheiros, frentistas de postos de gasolina. É preciso sair do carro, ficar séria, mostrar autoridade, demonstrar algum conhecimento do assunto. Seja o mais homem possível.

Pra ela nem era tão difícil, porque de fato entendia de mecânica. Naquela época, vale lembrar, os carros eram sempre usados, muito usados. Enguiçavam, furavam pneu, tinham sempre problema na vela ou no carburador. Fiquei com trauma da situação, de ir pro borracheiro, fingir interesse em ver o rasgo na câmara do pneu, eu que não entendia nada, tentando entender, mais ou menos, menos.

De volta ao posto de gasolina, sinto a ficha cair. Plim!, caiu mais uma ficha do quanto já fui vítima do machismo sem perceber. Ou melhor, acreditando ser tudo natural da condição feminina. Quem mandou seguir os conselhos maternos e ser uma “mulher emancipada”? Agora aguenta. Seja homem. Seja grata de ter conquistado tantos direitos, o de trabalhar, o de comprar um carro com o próprio dinheiro, o de fazer dupla jornada. Não vá ficar de mimimi, só porque sempre querem enganar as mulheres no posto de gasolina.

A minha geração de mulheres era essa, a geração grata pela dupla (tripla) jornada, grata quando o marido “ajudava”, grata por se tornar chefe na empresa (sem reparar que os chefes homens sempre ganham mais). Comecei a ser despertada, pelas novas feministas, quando senti algum espanto atordoado com as marchas das vadias. No entanto, a primeira ficha, de verdade, caiu (plim!) quando minha filha entrava na adolescência e consegui “desnaturalizar” as cantadas na rua. Tomada pela raiva, e pelas terríveis lembranças vividas nesta fase, decidi: minha filha não precisa passar por isso! Não precisa! É uma covardia, e não é "normal"!

Outro dia, pela enésima vez, me flagrei me justificando (para um homem) por andar tão "distraída" na rua, e não reconhecer os conhecidos (são sempre eles que me acham). Foi quando outra dessas fichas caiu. Plim! Um homem pode andar pelas calçadas encarando, procurando curioso por fisionomias conhecidas. Uma mulher, não. Quer dizer, pode, deveria poder, mas depois de meia dúzia de situações constrangedoras, em que acharam que estávamos “dando mole”, aprendemos a não olhar mais para o “psiu”. Ou seja, eu não sou uma bocó andando na rua – foi tudo um treinamento de "sobrevivência" ao machismo.

Quanto mais bem sucedidas, mais as mulheres da minha geração tendem a minimizar o machismo. Ora, se elas conseguiram... Aí você começa aquele trabalho básico do feminismo: se fosse homem, nessas situações de clube do bolinha que se repetem nas esferas de poder, não teria sido mais fácil? Ou menos constrangedor? Às vezes consigo que uma amiga se surpreenda – e finalmente se sinta no direito de reconhecer em si uma vítima. Plim!

Agora dei para imaginar quando será que as fichas vão cair para o machismo e a misoginia (de homens e mulheres, é bom lembrar) por trás do impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Presidenta??? Quanto há de machismo e misoginia no estranhamento a essa palavra, corretíssima pela norma culta? Plim!



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 9/9/2016


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NINE O'CLOCK IN THE MORNING
DENNIS J. BENNETT
COVERDALE HOUSE
(1970)
R$ 29,80
+ frete grátis



THE DREAMING O REINO DOS SONHOS ESPECIAL O GUARDIÃO DO MEU IRMÃO
ALISA KWITNEY E MICHAEL ZULLI
VERTIGO
(1999)
R$ 20,00



UNIDOS PARA SEMPRE
RUTH RENDELL
L&PM
(2007)
R$ 8,00



VINHO - 101 DICAS ESSENCIAIS
TOM STEVENSON
EDIOURO
(2000)
R$ 7,09



LIVRO LIVRE, NOVAS POSSIBILIDADES PARA A LEITURA, A ESCRITA E A PUBLIC
CRAIG MOD, PAULO COELHO, CORY DOCTORROW
ÍMÃ EDITORIAL
(2011)
R$ 37,90



SER MAIS EM EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE
MARCIA RIZZI E MAURICIO SITA
SER MAIS
(2012)
R$ 9,00



O ESTRANHO
KYRA DAVIS
SUMA DE LETRAS
(2014)
R$ 12,00



ABDIAS NASCIMENTO - EXEMPLAR NOVO LACRADO
SANDRA ALMADA
SELO NEGRO
(2009)
R$ 57,99



THE BOOK OF RUNES, JOGO DAS RUNAS
RALPH BLUM
ORACLE BOOKS
(2017)
R$ 40,00



O OUTRO LADO DA LUZ
COLUM MCCANN
RECORD
(2000)
R$ 7,00





busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês