Acaricia meu sonho, de Marcelo Barbão | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
>>> Arquitetura & construçao--outubro--2007--escadas na medida certa. de Abril pela Abril (2007)
>>> Beethoven de Bernard Fauconnier pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E O Cliente De Sábado de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Ladrão de casaca de Maurice Leblanc pela L&Pm (2012)
>>> Convite para um homicídio de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Assassinato no beco de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Dom quixote de Miguel de Cervantes pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia - volume 2 de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> As melhores histórias da mitologia de A.S. Franchini pela L&Pm (2012)
>>> Maigret E A Mulher Do Ladrão de Georges Simenon pela L&Pm (2012)
>>> Os primeiros casos de Poirot de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2556--o poder fulminante das redes sociais de Abril pela Abril (2017)
>>> Cartier-bresson: o olhar do século de Pierre Assouline pela L&Pm (2012)
>>> Teoria quântica de John Polkinghorne pela L&Pm (2012)
>>> Andy Warhol de Meriam Korichi pela L&Pm (2012)
>>> Pretinha, Eu? de Julio Emilio Braz pela Scipione (2004)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura de Miguel de Angeli, Jose Cervantes pela Scipione (2006)
>>> O Natal do Avarento, de Charles Dickens pela Scipione (2012)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Scipione (2010)
>>> O Corcunda de Notre-Dame de Victor Hugo pela Scipione (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/5/2008
Acaricia meu sonho, de Marcelo Barbão
Rafael Rodrigues

+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Enquanto um sem número de aspirantes a escritor com vinte e poucos anos não vêem a hora de terem seus primeiros contos, poesias ou romances publicados em livro e até pagam do próprio bolso edições independentes que acabam servindo de presente para amigos e parentes (que jamais lerão o livro, infelizmente ― ou felizmente, em alguns casos), há escritores ― e, não, aspirantes ― que preferem esperar, amadurecer e aprimorar sua escrita para só então publicar.

Não que não existam bons autores jovens. Mas eles são cada vez mais raros. Há algumas décadas era quase comum escritores de vinte e poucos anos escreverem obras-primas. Era um outro tempo, se melhor ou pior que hoje não cabe aqui a discussão, mas é notório que antigamente os jovens não eram tão jovens.

Por isso, quando encontramos autores como Humberto Werneck, que tem, há décadas, um original guardado (e só recentemente publicado, em tiragem limitadíssima); ou Diter Stein, que passou mais de uma década tentando publicar e reescrevendo seu livro; ou Mayrant Gallo, que passa anos e anos à procura do verso perfeito para seus poemas ou do desfecho perfeito para os seus contos, é necessário festejar. A vez, agora, é de festejar Marcelo Barbão e sua novela Acaricia meu sonho (Amauta Brasileira, 2007, 98 págs.), que vem a ser seu primeiro livro.

Barbão, como é mais conhecido e como assinou o livro, esperou um bom tempo para publicar sua primeira obra. Mesmo já a tendo pronta há algum tempo. O motivo? Sinceramente, não sei, não lhe fiz essa pergunta. Ou, se fiz, já não me lembro a resposta. O que sei é que essa "demora" foi boa, pois percebe-se que, em Acaricia meu sonho, Barbão tem pleno domínio sobre sua ficção, e, não, o contrário.

A história: uma mulher retorna, depois de alguns anos, à cidade onde conheceu o grande amor de sua vida, quarenta anos antes. Através das referências, logo descobrimos que a cidade é Buenos Aires. E talvez não pudesse ser outra, se não ela. O frio do outono e a inevitável associação da cidade a Borges, Casares e Cortázar (mesmo que este último não tenha nascido lá) dão à novela um clima de fantasia, no sentido do gênero literário.

E é nesse clima de fantasia que acompanhamos essa mulher, cujo nome não sabemos, em sua jornada solitária pelas ruas de Buenos Aires e por suas memórias, em busca de alguma notícia de seu amado, cujo nome também não é revelado. Sabe-se, apenas, que foi um grande escritor e tradutor, e que, depois de alguns meses vivendo com a protagonista e narradora da novela, vai para a França. Ela sabe, em seu íntimo, que jamais o verá novamente, mas precisa fazer essa espécie de via-crúcis, como se somente depois de tentar encontrá-lo uma última vez, mesmo sabendo que isso não acontecerá, ela pudesse se libertar da ausência de sua presença (ou da presença de sua ausência, como o leitor preferir).

Dividida em capítulos curtos, todos eles tendo como títulos nomes de canções argentinas, a narrativa da novela é, me perdoem o clichê, ágil e fluente, mas também delicada e inebriante. É clichê, mais um, mas o ritmo de Acaricia meu sonho pode ser comparado ao de um bom tango argentino.

Em determinados momentos, fatos se misturam a lembranças e devaneios. Há trechos, inclusive, nos quais podemos ficar em dúvida se o que a narradora diz está mesmo acontecendo ou se não passa de um sonho da protagonista. E acredito ser este o ponto alto de Acaricia meu sonho: mesmo que ela narrasse apenas "fatos reais", realmente "acontecidos" (entre aspas porque estamos falando de uma ficção), haveria mais de uma maneira de interpretar a novela. Mas, ao criar uma atmosfera fantástica (ou, se o leitor preferir, já que foram citados três dos pilares da literatura argentina, uma atmosfera "realista-fantástica"), Barbão dá à sua novela várias outras possibilidades de interpretação. Isso transforma Acaricia meu sonho em uma espécie de livro-labirinto, do qual até se pode descobrir a saída, mas é interessante retornar e tentar sair por outros caminhos.

Além de escrever um belo livro, Barbão faz, em sua novela, uma homenagem a um autor argentino (o leitor mais familiarizado com a literatura dos hermanos certamente descobrirá que autor é esse) e, assim, uma ode à literatura.

Antes de terminar este texto, me sinto na obrigação de dizer aos leitores que sou amigo de Marcelo Barbão. Hoje, quando um resenhista elogia um autor brasileiro, sempre aparece alguém pra dizer "ah, o cara deve ser amigo dele", tamanha é a fama da troca de favores que de vez em quando é feita no "meio literário" tupiniquim.

Então, para sair na frente dos pobres diabos que poderiam tentar demolir minha resenha, dizendo que elogiei Barbão pelo simples fato de ele ser meu amigo, afirmo que, sim, ele é meu amigo, e que não, não o elogio por causa disso. Os elogios são mais que merecidos, única e exclusivamente pela obra.

Peço desculpas aos leitores conscientes e de bom senso, que jamais pensariam tal absurdo não apenas de minha pessoa, mas de outros resenhistas e críticos literários que fazem seu trabalho de maneira ética e correta. Mas, infelizmente, existem aqueles que adoram criar um mal-estar, lançar no ar suspeitas bobas e infundadas. Como diz um ditado, o justo paga pelo pecador. E este recado meu é uma grande prova disso.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 23/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O lilás da avenida sou eu de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/6/2008
02h32min
Este texto tanto nos permite conhecer um pouco do autor (e da obra), como também permite que aquilatemos o nível do resenhista-comentarista: além de escrever bem, com substância, parece agir com franqueza e movido, apenas, pelo senso estético. Fiquei curioso em conhecer o livro de Marcelo Barbão, e em ler mais comentários desse tal de Rafael Rodrigues...
[Leia outros Comentários de Marcos Tavares ]
17/6/2008
09h47min
Olha, Rafael: Não fosse eu, também, um velho amigo do Barbão, não tivesse eu lido o livro, como o fiz, e viajado com ele (o livro) pelas "calles porteñas", esteja certo de que teria um bom motivo pra fazê-lo, ao ler sua resenha... Sermos amigos do Barbão, e ler o escritor Barbão, nos faz privilegiados! Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Nabil Onaissi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pai-nosso - a Oração Que Jesus nos Ensinou
Carolina Chagas
Larousse
(2007)



Manual de Frascati
Não Encontrado
Não Encontrado
(2002)



Mad Em Português Nº 64
Vários Autores
Vecchi
(1979)



Dicionário de Derivativos Inglês Português
José Evaristo dos Santos
Atlas
(1998)



A Luneta Mágica
Joaquim Manuel de Macedo
Paulus
(2008)



É Preciso Pouco para Ser Feliz!
Giuliano Milan
Novo Seculo
(2010)



Práticas de Linguagem - Leitura e Produção de Textos Único
Ernani Terra e José de Nicola
Scipione
(2010)



Sabiston - Fundamentos de Cirurgia 2ª Edição
David C. Sabiston Jr e H. Kim Lyerly
Guanabara Koogan
(1996)



Direito Administrativo
Sonia Yuriko Kanashiro Tanaka
Malheiros
(2008)



Correspondência Comercial En Espanol
Josefa Gòmez de Enterría
Sgel
(1995)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês