Eu, o insular Napumoceno | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Teoria Geral Do Processo de Candido Rangel Dinamarco pela Malheiros Editores / Juspodivm (2008)
>>> Chekisty Historia Da Kgb de Dziak, John J, pela Imago (1998)
>>> Principios Basicos Do Saneamento Do Meio de Anesio Rodrigues de Carvalho pela Senac (2005)
>>> Aprenda Inglês Sem Mestre de Maria margarida morgado pela Presença (2009)
>>> Mestre Kim - Cidadão do Mundo de Yong Min Kim e Janir Hollanda pela Daedo (2016)
>>> Livro de Ouro do Yoga de Andre De Rose pela Ediouro (2019)
>>> O homem mais rico da Babilônia de George S Clason pela HarperCollins (2020)
>>> A Mesa com Carybé. O Encantamento dos Sabores e das Cores da Bahia de Solange Bernabó pela Senac Nacional (2007)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J. K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Regulamentos de Tráfego Aéreo - Vôo Visual de Plínio Jr pela Asa (1996)
>>> Chronos: Viajantes do Tempo Volume I de Rysa Walker pela Darkside (2017)
>>> Homem-Aranha: Tormento de Todd McFarlane pela Panini Comics (2013)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 5 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 6 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (seleção) pela Objetiva (2001)
>>> O Casamento de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (2016)
>>> O Colecionador de Borboletas de Cecília Mouta pela Novo Século (2012)
>>> O Modelo Toyota: 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do Mundo de Jeffrey K. Liker pela Bookman (2005)
>>> Ela Que Não Está de Daniel Senise pela Cosac & Naify (1998)
>>> Anjos da Neve de James Thompson pela Record (2013)
>>> Assistentes Virtuais Inteligentes e Chatbots de Leôncio Teixeira Cruz pela Brasport (2018)
>>> Linguagem Do Corpo. Beleza E Saude de Cristina Cairo pela Mercuryo Jovem (2007)
>>> Todos Os Nomes de José Saramago pela Planeta Deagostini (2003)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela Principis (2019)
>>> Cozinha Mágica de Márcia Frazão de Marcia Frazão pela Prestigio (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 15/2/2022
Eu, o insular Napumoceno
Renato Alessandro dos Santos
+ de 6300 Acessos

Meu nome é Napumoceno da Silva Araújo.

Sou protagonista de O testamento do Sr. Napumoceno. Quem me deu vida foi Germano Almeida, escritor de Cabo Verde, país meu e dele, nosso, enfim. Nosso porque, de 1460 a 1975, durante 515 anos, foi dos portugueses. Onde já se viu? Um país daquele tamanhinho, mesmo que 22 ou 23 vezes maior que o nosso, querer nos pôr arreio, e por tanto tempo! O curioso é que os portugueses, em sua maioria, viviam em rédeas curtas, no final, desafiando os caprichos do Salazar, e com isso tinham uma vida pautada pela submissão também, e me pergunto – e lamento o estado de ser da natureza humana – como podiam eles nos privar de liberdade e de soberania quando passavam, dentro de casa, praticamente, a mesma coisa? Gente é bicho esquisito, cheio de contradições.

Mas eu, enfim. O Germano me pôs nisso e cá estamos. Escrevi meu testamento em 1974, dez anos antes de minha morte. No além, me contaram que a vida de uma pessoa é cheia de pontos luminosos, e esses pontos não são tantos assim, no que diz respeito a mim, mas tenho lá momentos que sempre acreditei importantes e, por isso, em vez de dar lume a um testamento convencional, resolvi reunir a praticidade que sempre orientou meus dias e escrever um livro, um testamento. O Germano, então, fez um romance, usando a ficção para registrar a vida que fez de mim um dos mais notáveis homens de meu país. Meu país! Vocês o conhecem?

Mário Prata conseguiu o impossível, ó pah! Pois ele não falou de Cabo Verde, em 1996, para os leitores brasileiros, com aquele mesmo sorrisinho que a Monalisa tem?! Olha o que ele fez, na apresentação do livro do Germano:

Existe o mundo. No mundo, tem a África. Na África existe um arquipélago, um país, chamado Cabo Verde. São dez ilhas. A mais distante do continente chama-se São Vicente. Na ilha de São Vicente tem a cidade de Mindelo. Em Mindelo tem um bairro afastado chamado Boa Vista. Em Boa Vista existia um tal de senhor Napumoceno da Silva Araújo, criação de um tal de Germano Almeida.

Mário Prata foi, também, guião, quer dizer, roteirista, do filme que saiu do livro que saiu do meu testamento. Meu testamento! Os poucos pontos luminosos enumero-os aqui. Cabem nos dedos da mão: 1) minha vinda para a ilha de São Vicente (trocando a enxada pelos negócios); 2) o lucro que obtive com a maior venda de guarda-chuvas da história de Cabo Verde; 3) o nascimento de Graça, minha filha (de quem, em vida, nunca reconheci a paternidade); 4) minha passagem meteórica e quiçá, vá lá, oportuna pela política; 5) Adélia, a quem deixei apenas Só, de Nobre, como herança. Contando assim, a coisa toda parece meio sem graça, mas Germano soube dar acabamento literário, com engenho e arte, às poucas mais de 150 páginas do livro seu, cuja estrela sou eu, nunca é demais repetir.

Por exemplo: as transições que usa da terceira para a primeira pessoa. Sei que Saramago – ele mesmo me conta, aqui, no éter da eternidade – aprontou das suas. “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”, me fica repetindo toda hora. Já entendi, Zé. Saramago fez muito disso, isto é, passar de um narrador a outro, praticamente fundindo-os como se fosse a coisa mais natural do mundo. Ai, Zé... Parece loucura? Oi? Se ele fez assim, por que Almeidinha não poderia? Olha um exemplo aqui: começa onisciente e, de repente, é o safado do meu sobrinho que continua o discurso:

O espírito exigentemente honesto do sr. Napumoceno levou-o a reconhecer no testamento que sem dúvida alguma foi Carlos quem impulsionou e diversificou a importação da firma para produtos até lá desconhecidos do mercado local mas cuja colocação se mostrou logo garantida. Evidentemente que a Araújo deve continuar com o seu arroz, o seu açúcar e as suas latas de banha, mas, meu caro tio, o mundo já é outro, a cidade já tem outras necessidades e é preciso aproveitar, não ficar no ramerrame.

Duas coisas aí: a firma e meu sobrinho Carlos. A firma Araújo, Ltda., que criei e que me criou como o fui aos olhos de toda a população do Mindelo. Deu-me posses, nome, importância. A outra coisa: Carlos. Achava que seria meu único herdeiro! E podem imaginar sua surpresa quando descobriu que, do mar todo, levaria para casa apenas umas conchinhas? Gostava dele, trabalhou pra mim na firma; era fincado e mourejado, mas, armado em homem fino, o parvo queria me pôr de lado nos negócios e tocar o barco. Sem mim! A gota d’água veio com um disparate! Um dia, atirou-me um monte de asneiras não na cara, que ele não foi homem pra isso, mas no gravador de mensagens que eu trouxe dos EUA. Não suportei.

Quando ouvi a gravação, fiquei gira! Mandei-o embora e, das coisas que disse a meu respeito, não que não tivesse lá alguma razão, vá lá, mas um homem decente tem de saber a hora de falar e a hora de calar. Não calou e se deu mal. Creio que o pior de tudo foi ele ter dito o que disse não me olhando nos olhos, mas para uma máquina eletrônica! Muitos leitores do livro do Germano, como o Renato, aspirante a médium que psicografa este texto, viram que não fui tão cordeiro como parecia às gentes que, comigo, fizeram negócios. O caráter e a memória confundem e turvam as águas do tempo, mas, das duas, uma: os que sentiram a minha falta choraram por mim; os que não me queriam bem pagaram-me com um piparote à la Cubas, também na eternidade etérea cá comigo, não é, meu Brás? Gostaria de dizer, também, que ainda penso muito em Adélia. Ah, Adélia...

Por último, Germano, Renato e quem mais vier a este lado do paraíso gorjear um dia ― até mesmo tu, leitor ou leitora em tua última diáspora ―, venham cá para uma visitinha ao amigo. Só peço isto: não se esqueçam de me trazer um dedinho daquela cachaça dourada de estalar os beiços, por favor. Ah, e tragam também um punhadinho de terra lá do Mindelo.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 15/2/2022

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O caso da cenoura de Elisa Andrade Buzzo


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2022
01. Quem vem lá? - 28/6/2022
02. Lá onde brotam grandes autores da literatura - 26/4/2022
03. Eu, o insular Napumoceno - 15/2/2022
04. O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas) - 20/9/2022
05. Aonde foi parar a voz da nossa geração? - 8/2/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




30 Anos : Avanços e Conquistas das Mulheres
Vários Autores
Sjdc
(2016)



Col 12 Fábulas de Ouro - o Patinho Feio (1993)
Maltese Editora
Maltese
(1993)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Livro - As 14 Pérolas Budistas
Ilan Brenman; Ionit Ziberman
Brinque-book
(2009)



O Autodidata
Marco Antonio
Lge
(1999)



Antologia Escolar de Contos Brasileiros
Herberto Sales
Ediouro
(2000)



Bela Distração (vol. 1 Irmãos Maddox)
Jamie Mc Guire
Verus
(2016)



Antologia e Fogo Morto - Resumo Textos e Comentários (vestibular)
Manuel Bandeira e José Lins do Rego
Nucleo
(1989)



Dialogos I- Menon Banquete Fedro
Platao
Ediouro



Simbad
Mauricio de Sousa
Girassol
(2015)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês