Eu, o insular Napumoceno | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 15/2/2022
Eu, o insular Napumoceno
Renato Alessandro dos Santos
+ de 7000 Acessos

Meu nome é Napumoceno da Silva Araújo.

Sou protagonista de O testamento do Sr. Napumoceno. Quem me deu vida foi Germano Almeida, escritor de Cabo Verde, país meu e dele, nosso, enfim. Nosso porque, de 1460 a 1975, durante 515 anos, foi dos portugueses. Onde já se viu? Um país daquele tamanhinho, mesmo que 22 ou 23 vezes maior que o nosso, querer nos pôr arreio, e por tanto tempo! O curioso é que os portugueses, em sua maioria, viviam em rédeas curtas, no final, desafiando os caprichos do Salazar, e com isso tinham uma vida pautada pela submissão também, e me pergunto – e lamento o estado de ser da natureza humana – como podiam eles nos privar de liberdade e de soberania quando passavam, dentro de casa, praticamente, a mesma coisa? Gente é bicho esquisito, cheio de contradições.

Mas eu, enfim. O Germano me pôs nisso e cá estamos. Escrevi meu testamento em 1974, dez anos antes de minha morte. No além, me contaram que a vida de uma pessoa é cheia de pontos luminosos, e esses pontos não são tantos assim, no que diz respeito a mim, mas tenho lá momentos que sempre acreditei importantes e, por isso, em vez de dar lume a um testamento convencional, resolvi reunir a praticidade que sempre orientou meus dias e escrever um livro, um testamento. O Germano, então, fez um romance, usando a ficção para registrar a vida que fez de mim um dos mais notáveis homens de meu país. Meu país! Vocês o conhecem?

Mário Prata conseguiu o impossível, ó pah! Pois ele não falou de Cabo Verde, em 1996, para os leitores brasileiros, com aquele mesmo sorrisinho que a Monalisa tem?! Olha o que ele fez, na apresentação do livro do Germano:

Existe o mundo. No mundo, tem a África. Na África existe um arquipélago, um país, chamado Cabo Verde. São dez ilhas. A mais distante do continente chama-se São Vicente. Na ilha de São Vicente tem a cidade de Mindelo. Em Mindelo tem um bairro afastado chamado Boa Vista. Em Boa Vista existia um tal de senhor Napumoceno da Silva Araújo, criação de um tal de Germano Almeida.

Mário Prata foi, também, guião, quer dizer, roteirista, do filme que saiu do livro que saiu do meu testamento. Meu testamento! Os poucos pontos luminosos enumero-os aqui. Cabem nos dedos da mão: 1) minha vinda para a ilha de São Vicente (trocando a enxada pelos negócios); 2) o lucro que obtive com a maior venda de guarda-chuvas da história de Cabo Verde; 3) o nascimento de Graça, minha filha (de quem, em vida, nunca reconheci a paternidade); 4) minha passagem meteórica e quiçá, vá lá, oportuna pela política; 5) Adélia, a quem deixei apenas Só, de Nobre, como herança. Contando assim, a coisa toda parece meio sem graça, mas Germano soube dar acabamento literário, com engenho e arte, às poucas mais de 150 páginas do livro seu, cuja estrela sou eu, nunca é demais repetir.

Por exemplo: as transições que usa da terceira para a primeira pessoa. Sei que Saramago – ele mesmo me conta, aqui, no éter da eternidade – aprontou das suas. “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”, me fica repetindo toda hora. Já entendi, Zé. Saramago fez muito disso, isto é, passar de um narrador a outro, praticamente fundindo-os como se fosse a coisa mais natural do mundo. Ai, Zé... Parece loucura? Oi? Se ele fez assim, por que Almeidinha não poderia? Olha um exemplo aqui: começa onisciente e, de repente, é o safado do meu sobrinho que continua o discurso:

O espírito exigentemente honesto do sr. Napumoceno levou-o a reconhecer no testamento que sem dúvida alguma foi Carlos quem impulsionou e diversificou a importação da firma para produtos até lá desconhecidos do mercado local mas cuja colocação se mostrou logo garantida. Evidentemente que a Araújo deve continuar com o seu arroz, o seu açúcar e as suas latas de banha, mas, meu caro tio, o mundo já é outro, a cidade já tem outras necessidades e é preciso aproveitar, não ficar no ramerrame.

Duas coisas aí: a firma e meu sobrinho Carlos. A firma Araújo, Ltda., que criei e que me criou como o fui aos olhos de toda a população do Mindelo. Deu-me posses, nome, importância. A outra coisa: Carlos. Achava que seria meu único herdeiro! E podem imaginar sua surpresa quando descobriu que, do mar todo, levaria para casa apenas umas conchinhas? Gostava dele, trabalhou pra mim na firma; era fincado e mourejado, mas, armado em homem fino, o parvo queria me pôr de lado nos negócios e tocar o barco. Sem mim! A gota d’água veio com um disparate! Um dia, atirou-me um monte de asneiras não na cara, que ele não foi homem pra isso, mas no gravador de mensagens que eu trouxe dos EUA. Não suportei.

Quando ouvi a gravação, fiquei gira! Mandei-o embora e, das coisas que disse a meu respeito, não que não tivesse lá alguma razão, vá lá, mas um homem decente tem de saber a hora de falar e a hora de calar. Não calou e se deu mal. Creio que o pior de tudo foi ele ter dito o que disse não me olhando nos olhos, mas para uma máquina eletrônica! Muitos leitores do livro do Germano, como o Renato, aspirante a médium que psicografa este texto, viram que não fui tão cordeiro como parecia às gentes que, comigo, fizeram negócios. O caráter e a memória confundem e turvam as águas do tempo, mas, das duas, uma: os que sentiram a minha falta choraram por mim; os que não me queriam bem pagaram-me com um piparote à la Cubas, também na eternidade etérea cá comigo, não é, meu Brás? Gostaria de dizer, também, que ainda penso muito em Adélia. Ah, Adélia...

Por último, Germano, Renato e quem mais vier a este lado do paraíso gorjear um dia ― até mesmo tu, leitor ou leitora em tua última diáspora ―, venham cá para uma visitinha ao amigo. Só peço isto: não se esqueçam de me trazer um dedinho daquela cachaça dourada de estalar os beiços, por favor. Ah, e tragam também um punhadinho de terra lá do Mindelo.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 15/2/2022

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2022
01. Lá onde brotam grandes autores da literatura - 26/4/2022
02. Quem vem lá? - 28/6/2022
03. Eu, o insular Napumoceno - 15/2/2022
04. O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas) - 20/9/2022
05. Aonde foi parar a voz da nossa geração? - 8/2/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historia Dos Estados Unidos: Das Origens Ao Seculo Xxi
Marcus Vinicius De Morais, Sean Purdy, Luis Estevam Fernandes, Leandro Karnal
Contexto
(2021)



The Road To Middle Earth
Tom Shippey
Harper Collins
(2012)



A Personalidade Através do Desenho
Dra Fernanda Barcellos
Do Autor
(1975)



Vozes do éden
R. M. Lamming
Bertrand Brasil
(2011)



Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico
Othon G. R. Filho
Irmãos Vitale
(2008)



Tratado de Direito -penal Parte Geral 1
Cezar Roberto Bitencourt
Saraiva
(2011)



Inteligência das emoções
Alírio De Cerqueira Filho
Plenitude
(2013)



La Armonia En El Color - Nuevas Tendencias
Bride M Whelan
Color Harmony
(1994)



Livro Literatura Estrangeira 10 Coisas Que nos Fizemos (E Provavelmente Não Deveriámos)
Sarah Mlynowski
Galera
(2013)



A arte da guerra
Sun Tzu
Ciranda cultural
(2019)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês