O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas) | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
Mais Recentes
>>> Pedra do Feitiço - Reportagens Africanas de Ferreira da Costa pela Len Pôrto (1945)
>>> Processo Decisório de Max Bazerman pela Elsevier (2014)
>>> Livro As Grandes Obras Politicas De Maquiavel A Nossos Dias Jean Jacques Chevallier 1998 de Jean-jacques Chevallier pela Fisicalbook (2001)
>>> Manual De Prática Jurídica Civil. Para Graduação E Exame Da Oab de Nehemias Domingos De Melo pela Atlas Juridico - Grupo Gen (2008)
>>> Drummond de Andrade Poesia e Prosa Volume Único de Carlos Drummond de Andrade pela Nova Aguillar (1979)
>>> Contos Chineses de Paulo Bazaglia - Coordenação pela Paulus (2024)
>>> Edith Head's Hollywood de Edith, Calistro, Paddy Head pela Angel City Press (2008)
>>> Neagle. Vivendo Um Sonho Nos Estados Unidos de Victor Trindade pela Astral Cultural (2017)
>>> Celso Furtado E O Brasil de Nd Perseu Abramo pela Fundaçao Perseu Abramo (2000)
>>> A Vida Contemplativa de Alan Watts pela Record (1971)
>>> Paula de Isabel Allende pela BestBolso (1994)
>>> O Cavaleiro da Mão de Ferro de Goethe pela Ultramar (1945)
>>> Energia Programada de José Amorim pela Centro Redentor (1996)
>>> A Magia das Velas de Eddie Van Feu pela Escola (2008)
>>> Camões Médico ou Medicina dos Lusíadas e do Parnaso de Afrânio Peixoto pela Aillaud e Bertrand
>>> Basic Grammar In Use de Raymond Murphy pela Cambridge University Press (1993)
>>> Dossie Peixotinho de Palhano Junior, Lamartine, Neves, Walace Fernando, Lins, Francisco Peixoto pela Lachatre (1997)
>>> Clavigo de Goethe pela Melhoramentos
>>> Por Toda Parte 9 de Solange Utuari pela Fisicalbook (2016)
>>> Impact 4 de Thomas Fast pela Cengage Elt (2016)
>>> Algebra Para Leigos ( For Dummies ) de Mary Janesterling pela Alta Books (2009)
>>> Alice No País Das Maravilhas de Lewis Carrol pela Scipione (2002)
>>> Protesto Extrajudicial de Domingo Pietrangelo Ritondo pela Campus (2015)
>>> The Official Guide To The Gre General Test de Educational Testing Service pela Mcgraw Hill (2016)
>>> O Livro De Dinaer de Jorge Tavares pela Novo Século (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 20/9/2022
O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
Renato Alessandro dos Santos
+ de 5600 Acessos

Neste intervalo entre a partida e a chegada, com essa correria de um lado a outro, a travessia que faz acontecer a vida a gente está aqui pra isso, diria Jô Soares é recompensada quando a bandeirada, ao final, traz alguma coisa boa como prenda, galardão ou dávdiva. Compreender melhor as coisas e as pessoas, por exemplo.

Raciocinei isso com compadre meu Quelemém, e ele duvidou com a cabeça! ― Riobaldo, a colheita é comum, mas o capinar é sozinho... ― ciente me respondeu.

O sertão é, como a vida, símbolo de que, ao se conhecer melhor o mundo, conhece-se melhor a si mesmo. O através não é fácil; da obra que estabelece o ponto mais alto da arte de artesão de Guimarães Rosa, chegar ao derradeiro final é empreitada dedicada, recortada pelo tempo e ajustada à determinação de leitores que pelejam, confiantes em não desistir do caldeirão repleto de tesouro que a prosa sinuosa de Riobaldo, ao fim do arco celeste, como sói à literatura melhor, presenteia àqueles que têm plena consciência de quão necessária é a leitura dessas veredas.

A vida inventa! A gente principia as coisas, no não saber por que, e desde aí perde o poder de continuação ― porque a vida é mutirão de todos, por todos remexida e temperada.

Palmilhar o Grande sertão significa desafiar o que nosotros, os próprios leitores, imaginamos ser tarefa árdua, difícil, complicada, mas, na correnteza, trata-se mesmo é de entregar-se à oferta especial de algo sublime, experimental e valioso, contido na linguagem que traz, no plano da expressão, o emprego de novas palavras em novas estruturas, como um passarinho capaz de viajar de costas mirando acima de si o firmamento infinito, que esbanja aquele azul estourado onde as nuvens formam sílabas inexatas, mas repletas de formas que aguçam a curiosidade de quem as vê. Passarinhãozinho.

Medito como aos poucos e poucos um passarinho maior ia cantando esperto e chamando outros e outros, para a lida deles, que se semêlha trabalho. Me passavam inveja, de como devia de ser o ninho que fizessem ― tão reduzido em artinha, mas modo mandado cabido, com o aos-fins-e-fatos.

E quem nos carrega é Riobaldo, do alto de sua visão de poeta-jagunço. É ele que começa rasteiro, vaqueiro a rodear os quatro cantos, cobra voadeira, até tornar-se Tatarana, afiançado por sua precisa mira, e, em seguida, CEO da jagunçada, o Urutu-Branco adiante do bando. O professor. Sua maneira de narrar, serpeante, peculiar, afasta e aproxima os leitores, que, da conversa entre o personagem-narrador e seu interlocutor, se achegam, aguçando os sentidos, para, nas entrelinhas dessa prosa, enxergar alguma mensagem que vai subentendida.

Demorei que ele mesmo por si pudesse pôr explicação. E foi ele disse: ― Por vingar a morte de Joca Ramiro, vou, e vou e faço, consoante devo. Só, e Deus que me passe por esta, que indo vou não com meu coração que bate agora presente, mas com o coração de tempo passado... E digo...

Riobaldo encontra Reinaldo que, mais tarde, será Diadorim e, mais tarde, bem mais tarde, será uma surpresa ao próprio Riobaldo e, decerto, a seu interlocutor decerto porque este apenas ouve, sem nunca dizer nada, enquanto, sobre os ombros do Tatarana, para ver melhor (e mais longe), vamos nós, os anões dos sertões.

Ao perto de mim, minhas armas. Com aquelas, reluzentes nos canos, de cuidadas tão bem, eu mandava a morte em outros, com a distância de tantas braças. Como é que, dum mesmo jeito, se podia mandar o amor?

Do lado de fora do romance Grande sertão: veredas, do ponto de vista de quem o lê, com a visibilidade e a fortuna crítica que a obra tem, todo mundo já sabe a respeito do sexo biológico de Diadorim, mas do lado de dentro, lá onde as orações entrelaçam-se feito cipós semânticos quando a descoberta chega, permeada de páginas e páginas de leitura muitas vezes vagarosa, como em certos trechos em que o terreno mostra-se incomunicável aos cascos cansados dos cavalos, ela a revelação chega mortificante, embalada nos presságios que, tristemente, nos levaram até ali. Estupefatos, todos, ficamos, porque não poderia ser outra a reação. E, nessa hora, já estamos perto do fim, com Diadorim recém-saíd@ do meio do redemunho. Vêm mais algumas páginas e... The End. Mas o que fica entre a primeira e a última página de Grande sertão: veredas?

― ...Mas, porém, quando isto tudo findar, Diá, Di, então, quando eu casar, tu deve de vir viver em companhia com a gente, numa fazenda, em boa beira do Urucúia... O Urucúia, perto da barra, também tem belas crôas de areia, e ilhas que forma, com verdes árvores debruçadas. E a lá se dão os pássaros: de todos os mesmos prazentes pássaros do Rio das Velhas, da saudade ― jaburú e galinhol e garça-branca, a garça-rosada que repassa em extensos no ar, feito vestido de mulher... E o manuelzinho-da-crôa, que pisa e se desempenha tão catita ― o manuelzinho não é mesmo de todos o passarinho lindo de mais amor?...

Fica essa tentativa de ser pôr, em letrinhas, a própria transmudação do que é a vida, em sua grandeza, em sua essência. O sertão é o diabo? O sertão é a própria vida? O sertão é a vida?! É? Escorrendo pelas mãos, ela nos leva, em rebuliço, enquanto se busca desesperadamente escapulir do perigo, para, se tudo correr bem, deixar-se ficar ali, embaixo de alguma árvore, à sombra, perpetuando-se em flor, vicejando em demasia, ininterruptamente, feito uma alegria repentina que surge, sabe-se lá bem de onde, sabe-se lá bem por quê.

Amável o senhor me ouviu, minha ideia confirmou: que o Diabo não existe. Pois não? O senhor é um homem soberano, circunspecto. Amigos somos. Nonada. O diabo não há! É o que eu digo, se for... Existe é homem humano. Travessia.

E o que fica, enfim, é a representação dessa peleja toda, dessa lida, manifesta em experiência, na forma de um romance: seja a experimental linguagem salpicada de centelhas cheia de neologismos carregados de melodia , seja a vida em si, emoldurada em palavras que se querem evadir de si mesmas com mil demãos de sentidos novos & em moto-contínuo.

Sertão é isto: o senhor empurra para trás, mas de repente ele volta a rodear o senhor dos lados.

Trouxeste a jacuba, leitor, a fim de, bem alimentado, atravessar este universo onde o Diabo espera por você, no meio do redemunho?

Até que, nisso, alguém se riu de mim, como que escutei. O que era um riso escondido, tão exato em mim, como o meu mesmo, atabafado. Donde desconfiei. Não pensei no que não queria pensar; e certifiquei que isso era ideia falsa próxima; e, então, eu ia denunciar nome, dar a cita! ...Satanão! Sujo!... e dele disse somentes ― S... ― Sertão... Sertão...

Nota do Editor
Leia também o "Especial Guimarães Rosa".


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 20/9/2022

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. O Véu, de Luis Eduardo Matta de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2022
01. Lá onde brotam grandes autores da literatura - 26/4/2022
02. Quem vem lá? - 28/6/2022
03. Eu, o insular Napumoceno - 15/2/2022
04. O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas) - 20/9/2022
05. Aonde foi parar a voz da nossa geração? - 8/2/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Boas Vendas! Como vender mais e melhor no varejo
Vários Autores
Sebrae
(2007)



O cartaz
Abraham Moles
Perspectiva
(2005)



Einstein e o Universo Relativístico
José Cláudio Reis e outros
Atual
(2000)



O Processo do Trabalho e o Paradigma Constitucional Processual
Artur Torres
Ltr
(2012)



Trilogia o Século
Ken Follett
Arqueiro
(2010)



O Profeta
Sholem Asch
Companhia Nacional
(1958)



La Reina Jezabel
Jean Plaidy
Ediciones B
(2007)



Conheça e Defenda Seus Direitos
Nova Cultural
Nova Cultural
(2010)



Livro Literatura Estrangeira Assassins Creed 1 Renascença
Oliver Bowden
Galera Record
(2014)



O Brincar & A Realidade
D. W. Winnicott
Imago
(1975)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês