O desempenho da China no desenvolvimento de costas | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Quinta-feira, 4/9/2008
O desempenho da China no desenvolvimento de costas
Vicente Escudero

+ de 3800 Acessos


O etíope Abebe Bikila e seu genuíno pé-de-atleta.

Muitas águas passaram desde as Olimpíadas de 1960, em Roma, quando o corredor etíope Abebe Bikila venceu a maratona e conquistou a primeira medalha de ouro de um país africano na competição.

Descalço, o corredor etíope incorporou o espírito olímpico do jogo limpo e da superação, vencendo a prova e dizendo ao mundo que correra sem tênis para mostrar que seu país sempre competiu com determinação e heroísmo.

Quase cinqüenta anos depois a competição acontece na China, um país em crescimento, que ensaia uma hegemonia geopolítica, supostamente às portas da democracia e ainda engatinhando na interpretação dos esportes como valorização e celebração da superação dos limites físicos do ser humano.

Crescimento ou desenvolvimento? Independente da denominação, esta disputa não é justa e não está sendo encarada de frente. A linha de chegada está distante, apesar do crescimento econômico do país causar torpor suficiente para cegar parte da crítica, defensora irrestrita do modelo econômico chinês. Quem liga se a China impede, na ONU, o fim do massacre de Darfur, no Sudão, para enriquecer fornecendo armamento ao conflito?

A ideologia comunista gradualmente diminui. Seu perfil político, agora, é traçado de acordo com as demandas econômicas do mercado: teme-se mais a concorrência do que a figura de Mao.

Então, com todas estas peculiaridades, a China rema... rumo ao...?

Vale a pena falar do remo, esporte que pratiquei durante uns quatro anos. Comecei com o canoe, barco de madeira para iniciantes, depois passei para o skiff, barco profissional, levinho, que não deve pesar mais de quinze quilos. E ele voa, se voa! Depois de muito tempo de treinamento, com o sincronismo afiado dos remos, a sensação da remada se transforma num suave deslize sobre a água, uma viagem de um quilômetro, solitária, de costas, rumo à chegada.

E é assim que a China cresce: de costas. Se o skiff segue leve, num ritmo cadenciado, firme e seguro, rumo ao pódio, a China atropela tudo, como um barco viking desgovernado, comandado pelo timoneiro gigante Yao Ming ― de tranças? ―, no rio Huang He em direção ao Tibete, passando por cima dos direitos humanos, do crescimento sustentável e do espírito olímpico.

Toda olimpíada é sedutora e, diante de um estádio como o Ninho de Pássaro ou de um ginásio como o Cubo D'Água, todos se esquecem que os operários destas construções foram gentilmente expulsos de Pequim após o término das obras. Segundo fontes não-oficiais, naturalmente.

A China atual é algo novo na geopolítica. Qualquer previsão sobre o resultado da mistura entre a submissão da doutrina de Confúcio com a escola keynesiana, corrupção crescente, governo comunista e partido único, tem a seriedade de uma consulta ao I Ching.

Diante destas singularidades, fica a pergunta: qual democracia força a participação de um corredor contundido?

Ah, quase ia me esquecendo! Também pratiquei vôlei e natação, o que que não aumenta, em nada, as chances de eu levantar a bola da China.

Esporte e intelecto: mens sana in corpore sano?
Confesso. Pratico esportes desde sempre. Comecei com a natação, depois o vôlei e, por último, o remo. Noves fora as esporádicas partidas de basquete. Sempre estive próximo a atletas: jogadores de vôlei, um goleiro de futebol, um jogador de basquete, todos profissionais. Joguei até no time de futebol da minha rua. Tínhamos uniforme e tudo. Aos sábados e domingos "tirávamos um contra". Entupíamos um carro com o time todo ou bagunçávamos dentro do ônibus até o local do derby.

Quase participei das famosas peneiras de vôlei. Ainda moleque, percebi que minha cabeça estava mais no mundo da lua do que os meus pés no chão da quadra e acabei deixando de lado a idéia de me profissionalizar no esporte. Mas só por isso?

Não. Em primeiro lugar, porque não gostava da rotina do esporte profissional, em segundo e em menor grau, porque esporte profissional, no Brasil, deve ser praticado fora do Brasil. Patrocínio sério, estrutura adequada, salários em dia e respeito só existem por aqui, e um pouco, no futebol. O oportunismo das outras esferas repete-se no trato dos esportes.

Admito. O primeiro destes conflitos pesou. Nunca tratei o esporte como uma excludente de qualquer atividade intelectual, menos ainda como tábua de salvação para qualquer problema. Entre uma rotina extenuante, de abnegação, e um futuro universitário, optei pela segunda opção. Impossível praticar, profissionalmente, as duas modalidades.

Nem por isso abri mão do esporte. Continuo nadando, correndo e acreditando que, tanto nas ciências, como no esporte, todo desafio é íntimo, toda superação é individual.

Lições da olimpíada de Pequim.
Os americanos, que são chegados em descer a porrada, não sabem passar o bastão.

Mas, e a China? Bem... a China conseguiu treinar o primeiro corredor de 110 metros rasos com barreiras, sincronizado. Com o governo, claro.

A tal professora primária ― literalmente ― do Michael Phelps, estava certa. Além de só ganhar peso nas olimpíadas, ele, até hoje, nada.

Por último, o mais importante:

Ninguém pega o Usain Bolt...!


Vicente Escudero
Campinas, 4/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Curso superior de auto-ajuda empresarial de Pilar Fazito


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. A mitologia original de Prometheus - 2/8/2012
03. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
04. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
05. Ascensorista para o arranha-céu da literatura - 13/7/2007


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mudanças e Permanências
Revista Fepal - Setembro de 2002
Fed Psicanalítica da a Latina
(2002)



Roberto Civita. o Dono da Banca
Carlos Maranhão
Companhia das Letras
(2016)



A Viagem de Pedraluarez Cabral, Contada por Castanheda
Geraldo de Oliveira Santos Neves
Prefeitura Recife (pe)
(2000)



Chocolate -traição
Isabel Tarcha
Celebris
(2004)



Coleção Primeiros Passos o Que é Educação
Carlos Rodrigues Brandão
Brasiliense
(1991)



Recursos Atípicos (capa Dura)
Hortêncio Catunda de Medeiros
Forense (rj)
(1980)



How to Defeat Saddam Hussein
Col. Trevor N. Dupuy
Warner
(1991)



A Conquista da Liberdade
Jose Luis Martinez
Santuario
(2003)



Livro Gigante Ler e Colorir Capitão América
Editora Culturama
Culturama
(2017)



Como uma Pipa no Ar
Ricardo Viveiros
Clemente e Gramani
(2008)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês