Oversharing: que negócio é esse? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/6/2010
Oversharing: que negócio é esse?
Vicente Escudero
+ de 17600 Acessos


GRETA GARBO: Eu quero ficar sozinha, Mark...
MARK: Só se for comigo.

Redes sociais exploram uma atividade econômica de interesse público e devem ser tratadas com o mesmo rigor legal dispensado a outras empresas que armazenam bancos de dados de informações privadas. Se o criador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, não foi informado disso, ou acredita que quinhentos milhões de pessoas não se importam em ter as informações de seus perfis compartilhadas com outros sites, é melhor abrir rapidamente o capital da empresa na bolsa de valores e pedir para os investidores começarem a assinar os cheques das indenizações de cada uma das class actions que vêm por aí.

A maioria das redes sociais nasceu com o propósito banal de permitir a seus membros que dividissem algumas informações, fotos e mensagens com amigos, sem se preocupar em compartilhá-las com outros sites ou terceiros.

Participar delas é uma escolha individual, naturalmente.

E isso tem uma razão bem simples: não são todos que querem ter suas informações divulgadas abertamente, permitindo a devassa diária da privacidade, seja por um amigo, um desocupado mal-intencionado ou um estelionatário pronto para aplicar algum golpe.

Depois de alguns anos, elas se multiplicaram. Todas as pessoas que você conhece criaram um perfil. Algumas redes cresceram valorizando a fidelidade de seus membros, respeitando os limites legais (Orkut), outras desapareceram no meio do caminho (ConnectU) e apenas uma delas quer ditar as regras do jogo, ser a dona da bola, do campo e, acredite ou não, dos jogadores: Facebook.

Foram seis anos estendendo seus tentáculos por todo o território dos Estados Unidos. Hoje, a maior rede social do mundo já fechou contratos com mais de quinhentos milhões de pessoas no mundo todo para armazenar suas informações. E mudou, constantemente, os termos de cada um deles.

As configurações dos perfis de seus membros, nos primórdios do Facebook, eram limitadas à máxima publicidade interna da pesquisa no próprio site. Hoje, o perfil padrão compartilha com toda a internet o nome do membro, seus posts, fotos, rede de amigos e indicações de sites, restando de fora desta publicidade plena apenas as informações de contato e a data de aniversário. Toda esta transformação ocorreu sob os olhares desconfiados de uma pequena parte dos usuários nestes últimos seis anos, culminando na enxurrada de críticas do início deste ano.

Pior do que não resolver estes abusos foi a forma como as alterações foram apresentadas por Zuckerberg. Nas palavras do sujeito que entregava cartões de negócios supostamente contendo a singela frase "I'm CEO... bitch!", as alterações nos perfis dos usuários realizadas unilateralmente pelo site representam uma nova forma de navegar na web e dividir as informações com o público. Um observador atento, conhecedor de todas as alterações ao longo do tempo nos padrões de compartilhamento das informações dos perfis, poderia identificar no discurso revolucionário a hipocrisia de quem alterou a rota do barco antes mesmo de sair do porto, sem avisar a tripulação. O discurso oficial do Facebook tem sido uma mistura de eufemismos e boas intenções que tentam esconder o desejo não de dominar a internet, mas de ser a internet. Hoje você utiliza seu navegador e compra alguns livros na Amazon. Daqui a alguns anos, você vai se conectar ao Facebook para comprar alguns livros no aplicativo que roda no site, customizado de acordo com suas informações pessoais e com o conteúdo escolhido por alguém do Facebook.

Censores? Entre os meses de abril e maio de 2009, as mensagens particulares enviadas através do site, que continham links do PirateBay foram bloqueadas sem nenhuma explicação. Ao contrário das contas de e-mail comuns, em que os arquivos são analisados em busca de vírus e os spams são separados em uma caixa específica, o sistema do Facebook impedia o envio das mensagens e informava ao remetente que não havia sido possível entregá-la pela identificação de conteúdo abusivo. Alguns analistas levantaram a hipótese de que o site estaria infringindo a lei sobre escutas telefônicas e de dados ao analisar o conteúdo das mensagens, alegando ainda que a medida também seria abusiva pois os arquivos do sistema de torrents não são produto de pirataria ou ilegais em sua totalidade.

Os efeitos destes atos praticados pelo Facebook estão ligados diretamente ao fenômeno do oversharing, a exposição de informações em excesso na internet. No caso das redes sociais, uma exposição sem considerar os limites da privacidade e os problemas decorrentes de sua violação. Enquanto a maioria das pessoas não sofre suas consequências nefastas, a publicidade total de conversas, fotos e informações pessoais parece não ser um problema. Mas quando se olha para o oriente, especificamente para a China, onde milhares de funcionários do governo estão vasculhando diariamente a internet para vigiar o comportamento dos cidadãos, especificamente sobre suas opiniões políticas, não é confiável permitir que um terceiro disponibilize publicamente, sem aviso prévio, todas as opiniões de chineses sobre a democracia e o mal que faz a sua falta.

O Facebook é uma boa rede social pelas pessoas que a integram e não pela forma desorganizada que é administrada. Mark Zuckerberg e seu alto escalão não imaginam as consequências judiciais que podem sofrer com essa escalada de rompantes autoritários na direção da empresa, durante todos esses anos. Assim como as informações públicas dos usuários do Facebook, todas as decisões tomadas pelo Facebook são analisadas por toda a internet, ainda que o CEO e sua equipe pareçam acreditar no contrário, como no caso da doação feita por Zuckerberg à candidata declarada a concorrente do Facebook, a startup Diáspora.

Vale ressaltar que todas as mudanças nos padrões de publicidade das informações dos usuários do Facebook, até hoje, sempre foram defendidas em discursos maçantes pelo CEO, com o mesmo argumento vazio de que havia chegado a hora de mudar a forma de compartilhar as informações na internet, diminuindo a privacidade ao mínimo. Mas duas perguntas nunca foram respondidas por Zuckerberg: por que as pessoas precisam de menos privacidade e qual a vantagem desta mudança para a sociedade.

Alguém precisa informar Zuckerberg e sua trupe que o oversharing de decisões atabalhoadas e as constantes violações da privacidade dos usuários do Facebook vão tornar os passados irreversíveis e os futuros imutáveis. Para aqueles que utilizam o Facebook e para seus criadores...


Vicente Escudero
Campinas, 24/6/2010

Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
04. Ausência do mal? - 15/4/2010
05. Dentes usados, dentes guardados - 7/10/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Elefante Xadrez - Série Arca de Noé
Alvaro Cardoso Gomes
Ftd
(2000)



Mulheres Pintadas
Dóris Fleury
Celebris
(2003)



De Volta ao Ventre
Eduardo Rodrigues
Ftd
(1992)



Construtivismo e Mudança 29/ 10ªed / Confira!!
Sanny S da Rosa
Cortez
(1994)



Livro - O Aniversário do Dinossauro// Coleção de Aniversários (volume 1)
Índigo
Dedo de Prosa
(2012)



Louco por Viver
Roberto Shinyashiki
Gente
(2013)



O Manual da Garota Geek
Sam Maggs
Única
(2015)



O Espião Que Saiu do Frio
John Le Carre
Abril Cultural
(1980)



No Tempo da Abolição (1994)
Julieta de Godoy Ladeira
Moderna
(1994)



Rough Guide South Africa 7ªed (2012) (ingês)
Rough Guide
Rough Guides
(2012)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês