A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Contratos de Seguro de Vários pela Juruã (1990)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Do Seguro Contra Fogo de J. Stoll Gonçalves pela Empreza Graphica (1926)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Seguros Legislação de Nilton Alberto Ribeiro pela Francisco Alves (1974)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Terça-feira, 6/7/2010
A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa
Humberto Pereira da Silva

+ de 5500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em 2006, na Alemanha, para muitos o ambiente na seleção brasileira foi uma zorra. A imprensa teve acesso praticamente em tempo integral ao cotidiano da seleção. Com isso, se pôde creditar a perda de foco que teve como desfecho a derrota para a França. Com a escolha de Dunga para técnico nessa Copa de 2010, a "filosofia" foi radicalmente alterada. O resultado, no entanto, é que a seleção ficou exatamente onde ficara em 2006: nas quartas-de-final.

Antes de qualquer arroubo passional pela derrota e escolha de vilões, tenhamos paciência, levemos em conta um "ridículo" exercício de lógica. Devo fazer uma escolha entre duas possibilidades excludentes (ser ou não ser técnico da seleção, por exemplo). Se escolher a primeira alternativa, eu posso ou não ser bem-sucedido (ser "mais ou menos", nesse caso, é não ser bem-sucedido). Se, por outro lado, eu escolher não ser técnico, serei ou não bem-sucedido em qualquer coisa que eu escolher, como recusa da opção de ser técnico da seleção. Esse é um exercício "ridículo" e, como se diz no senso comum, É LÓGICO!

Lógico aqui não é outra coisa senão que não há qualquer garantia de bem-aventurança na escolha. Grupo fechado ou grupo aberto não implica em nada além da simples escolha. Que isso, portanto, fique de lição para sempre: toda e qualquer escolha vem com a recomendação de riscos na embalagem, como uma bula de remédio, com suas devidas contraindicações. O Brasil perdeu porque houve falhas individuais, óbvio, como também não foi a eficiência da defesa holandesa que propiciou o gol de Robinho. Falhas precisam ser lembradas? Sim, mas não se pode esquecer que não é possível não haver falhas.

Passado o jogo e a derrota contra a Holanda, o que pareceu revelador foi o medo da derrota. Ao rever recentemente um vídeo da Copa de 50, ouvi de Alcides Ghiggia, autor do segundo gol do Uruguai naquela traumática final, que após o gol de empate os brasileiros ficaram paralisados. Eis um fator a ser lembrado: em 58 o Brasil virou na final, contra a Suécia; em 62, no dramático jogo contra a Espanha, e na final, contra a Tchecoslováquia; em 70 na semifinal, contra o Uruguai (jogo em que a sombra de 50 se fez presente); em 2002 na estreia, contra a Turquia, e no difícil jogo contra a Inglaterra.

Quando o Brasil foi campeão mundial, apenas na Copa de 94 não houve virada heróica, mas essa Copa é uma exceção à regra: Baggio, eleito pela FIFA melhor do mundo em 93, desperdiçou o pênalti que deu o título. Para vencer uma Copa do Mundo é preciso superar as adversidades, ter autoconfiança para superar falhas e se impor. Quando testada efetivamente nessa Copa, a seleção de Dunga não revelou suficiente autoconfiança para inverter uma situação adversa e sucumbiu diante da Holanda. Vale dizer que autoconfiança, como muitos podem imaginar, não se adquire simplesmente num ato de vontade: ela se revela na ação. Não basta querer mostrar confiança, é preciso que o adversário sinta que um gol tomado não abala a capacidade de reação. Mas no jogo contra a Holanda, o medo de perder foi mais forte do que o sentimento de que se podia virar o jogo. É isso que está por trás do que Ghiggia disse sobre a final de 50 e que novamente se viu na seleção brasileira: paralisados com a iminência da derrota.

Falhas individuais? Os vilões de sempre? Em 74, na Alemanha, Luiz Pereira foi expulso na derrota para a mesma Holanda. Agora foi a vez de Felipe Melo. Pode-se purgar o infortúnio com as bruxas da vez. Isso, contudo, é o lado maldoso de cada um, psicanaliticamente denegado. Na vitória, não há falhas, por isso, não nos lembremos do frango do goleiro Felix no gol do Uruguai em 70, nem do pênalti infantil cometido por Nilton Santos contra a Espanha em 62, que não foi marcado pelo árbitro, tampouco tenhamos em mente a falha bisonha do grande Lúcio no gol da Inglaterra em 2002.

* * *

Acima falei de falha de arbitragem na Copa de 62. Falhas de arbitragem sempre há. Falemos então de falhas e do eventual uso de dispositivos tecnológicos para evitá-las. A discussão ficou bem acalorada com o gol de Lampard, na partida entre Inglaterra e Alemanha, uma vez que todas as imagens mostraram que a bola havia passado a linha de gol. Mas o árbitro não validou o gol. Essa discussão também ficou acalorada com o gol de Tevez, na partida entre Argentina e México. O gol, validado pela arbitragem, foi feito em impedimento, como todas as imagens mostraram.

Embora tenha havido inúmeras outras falhas de arbitragem na Copa, esses dois lances, que ocorreram no mesmo dia em partidas diferentes, mobilizaram aficionados de todo o mundo. O que muitos expressam é a necessidade de a FIFA fazer uso de dispositivos tecnológicos que evitem situações em que uma das equipes é visivelmente prejudicada. Se muitos desejam o uso de tecnologia, há também os que invocam que um dos aspectos que dá charme ao futebol é justamente a falibilidade do árbitro e as controvérsias que suas decisões provocam. Não à toa, o gol de Lampard trouxe à memória a final da Copa de 66, entre Inglaterra e Alemanha, quando o gol de Hurst na prorrogação desempatou o jogo e praticamente selou a vitória dos ingleses; mas a bola de Hurst, ao contrário da de Lampard, teria pingado na linha do gol, como as indefinidas imagens da época parecem revelar (vale observar, para bem julgar, que as imagens de que hoje dispomos são exageradamente mais definidas que as de 66). Ou seja, a Inglaterra teria chegado ao título com um gol que, de fato, não ocorreu.

Uma vez que a definição das imagens hoje é notória e a possibilidade do uso de dispositivos para dirimir dúvida é inconteste, parece óbvio que apenas interesses exclusos (manipulação de resultados, por exemplo), justificariam que a FIFA se mantenha surda ao clamor. Há nessa discussão sobre o uso de tecnologia para dirimir dúvida no futebol, contudo, um ponto que precisa ser realçado: o gol de Lampard ocorreu de fato, a bola cruzou a linha, como reza a regra. Com o gol, apelemos para o senso comum "é lógico": o resultado da partida não seria o que foi. A Alemanha chega às semifinais da Copa com o resultado de um jogo que não corresponde ao que de fato ocorreu. E para tanto, se não se pode ser tão assertivo em relação a 66, o mesmo não se pode dizer agora: todos que viram as imagens sabem que foi gol de Lampard.

A respeito do gol de Tevez, contudo, não se pode dizer a mesma coisa. Pode parecer estranho, mas não o é. No caso, mesmo impedido, Tevez marcou o gol, mas nem sempre uma situação de impedimento implica num gol. O impedimento deve ser ou não marcado antes da conclusão da jogada. Ou seja, assinalado o impedimento, a jogada está parada. As circunstâncias do gol de Tevez revelam a singularidade da situação, que não seriam as mesmas num outro lance em que um jogador eventualmente impedido concluiria o lance. No gol anulado de Robinho contra a Holanda, eu ouvi pela TV o apito antes da conclusão do lance. Robinho ouviu ou não o apito? O uso de dispositivos tecnológicos quando um jogador estiver impedido implica em parar ou não a jogada? Se sim, a presença do árbitro numa partida de futebol se reduziria praticamente à mediação da tensão entre os jogadores. Nesse caso eu concordo que o erro faz parte dos riscos do jogo, num lance em que não há como saber seu desfecho.

O uso de tecnologia no futebol para "auxiliar" a arbitragem precisa ser pensado com cuidado, para não ficarmos em casuísmos e discussões tolas. Quando a bola cruza ou não a linha do gol, a marcação ou não do árbitro implica de fato numa alteração do resultado da partida. Uma situação de impedimento ou um pênalti não altera o resultado: Azamoah Gyan, Cardozo e Xavi Alonso sabem bem isso.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 6/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. K 466 de Renato Alessandro dos Santos
02. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
03. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
04. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
05. Dos sentidos secretos de cada coisa de Ana Elisa Ribeiro


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva
01. Uma vida bem sucedida? - 14/4/2005
02. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
03. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
04. Sobre a leitura dos clássicos - 14/2/2005
05. George Steiner e o crepúsculo da criação - 6/9/2004


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2010
22h43min
Dunga foi galgado à condição de técnico do Brasil por conta da esbórnia que foi a Copa anterior. Todos conheciam seu estilo generalesco. A clausura de 2010 foi exagerada, mas fazia parte do pacote. Caso não a quisessem, que não contratassem o gaúcho de Ijuí. Penso que a caça às bruxas, se for feita, deve limitar-se às escolhas táticas. Não ter outro esquema que não o contra-ataque fere qualquer esboço de bom-senso. Todos, até mesmo Dunga, sabiam que o time não sabia sair da marcação bem feita. Ao adversário, bastava abrir um jogador na ponta-esquerda, para segurar Maicon, e o resto o próprio Brasil produziria. Alegam que Dunga passou para os jogadores a intranquilidade vista em campo. Ora, são todos bem crescidos para deixarem-se influenciar. A Cesar o que é de Cesar e a Carlos Caetano o que é dele, e somente dele, Carlos Caetano. Sobre a questão da arbitragem, nada mais do que o normal: choram os prejudicados e calam-se os beneficiados.
[Leia outros Comentários de MarcosAntónioTeixeir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATIVIDADES PROCESSADORAS DE ANGIOTENSINA EM PEÇONHAS ANIMAIS
HUGO JUAREZ VIEIRA PEREIRA, MARIA E. DA C. MARQUES UND CLEDSON B. DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CULTURA LETRADA: LITERATURA E LEITURA
MÁRCIA ABREU
UNESP
(2006)
R$ 15,00



OS PRINCÍPIOS ELEMENTARES DE CRISTO
PAUL C. JONG
HEFZIBA
R$ 7,00



NOÇÕS DE HISTÓRIA DAS LITERATURAS
MANUEL BANDEIRA
COMPANHIANACIONAL
(1940)
R$ 20,70



DEPOIS DO BARRASHOPPING: A HISTÓRIA DA TRANSFORMAÇÃO SOCIAL POLÍT
MAURO ROCHA
AUTOR (RJ)
(2009)
R$ 23,28



ESPACIO JOVEN A2. 1 LIBRO DEL ALUMNO + CD-ROM + ELETECA ACCESS
OUTROS; DAVID ISA DE LOS SANTOS
EDINUMEN
(2014)
R$ 12,00



GANSOS DO CAPITÓLIO
HUMBERTO DE CAMPOS
MÉRITO
R$ 10,00



A AMAZÔNIA NO SÉCULO XXI
VIOLETA R. LOUREIRO
EMPÓRIO DO LIVRO
(2009)
R$ 55,00



O MUNDO EMOCIONANTE DO ROMANCE POLICIAL
PAULO DE MEDEIROS E ALBUQUERQUE
FRANSCISCO ALVES
(1979)
R$ 20,00



PROJETADO PARA MUDAR
DEONE ZELL
RECORD
(1998)
R$ 15,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês