A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Amor Ao Pé Da Letra de Melissa Pimentel pela Paralela (2015)
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Terça-feira, 6/7/2010
A derrota do Brasil e as arbitragens na Copa
Humberto Pereira da Silva

+ de 5600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em 2006, na Alemanha, para muitos o ambiente na seleção brasileira foi uma zorra. A imprensa teve acesso praticamente em tempo integral ao cotidiano da seleção. Com isso, se pôde creditar a perda de foco que teve como desfecho a derrota para a França. Com a escolha de Dunga para técnico nessa Copa de 2010, a "filosofia" foi radicalmente alterada. O resultado, no entanto, é que a seleção ficou exatamente onde ficara em 2006: nas quartas-de-final.

Antes de qualquer arroubo passional pela derrota e escolha de vilões, tenhamos paciência, levemos em conta um "ridículo" exercício de lógica. Devo fazer uma escolha entre duas possibilidades excludentes (ser ou não ser técnico da seleção, por exemplo). Se escolher a primeira alternativa, eu posso ou não ser bem-sucedido (ser "mais ou menos", nesse caso, é não ser bem-sucedido). Se, por outro lado, eu escolher não ser técnico, serei ou não bem-sucedido em qualquer coisa que eu escolher, como recusa da opção de ser técnico da seleção. Esse é um exercício "ridículo" e, como se diz no senso comum, É LÓGICO!

Lógico aqui não é outra coisa senão que não há qualquer garantia de bem-aventurança na escolha. Grupo fechado ou grupo aberto não implica em nada além da simples escolha. Que isso, portanto, fique de lição para sempre: toda e qualquer escolha vem com a recomendação de riscos na embalagem, como uma bula de remédio, com suas devidas contraindicações. O Brasil perdeu porque houve falhas individuais, óbvio, como também não foi a eficiência da defesa holandesa que propiciou o gol de Robinho. Falhas precisam ser lembradas? Sim, mas não se pode esquecer que não é possível não haver falhas.

Passado o jogo e a derrota contra a Holanda, o que pareceu revelador foi o medo da derrota. Ao rever recentemente um vídeo da Copa de 50, ouvi de Alcides Ghiggia, autor do segundo gol do Uruguai naquela traumática final, que após o gol de empate os brasileiros ficaram paralisados. Eis um fator a ser lembrado: em 58 o Brasil virou na final, contra a Suécia; em 62, no dramático jogo contra a Espanha, e na final, contra a Tchecoslováquia; em 70 na semifinal, contra o Uruguai (jogo em que a sombra de 50 se fez presente); em 2002 na estreia, contra a Turquia, e no difícil jogo contra a Inglaterra.

Quando o Brasil foi campeão mundial, apenas na Copa de 94 não houve virada heróica, mas essa Copa é uma exceção à regra: Baggio, eleito pela FIFA melhor do mundo em 93, desperdiçou o pênalti que deu o título. Para vencer uma Copa do Mundo é preciso superar as adversidades, ter autoconfiança para superar falhas e se impor. Quando testada efetivamente nessa Copa, a seleção de Dunga não revelou suficiente autoconfiança para inverter uma situação adversa e sucumbiu diante da Holanda. Vale dizer que autoconfiança, como muitos podem imaginar, não se adquire simplesmente num ato de vontade: ela se revela na ação. Não basta querer mostrar confiança, é preciso que o adversário sinta que um gol tomado não abala a capacidade de reação. Mas no jogo contra a Holanda, o medo de perder foi mais forte do que o sentimento de que se podia virar o jogo. É isso que está por trás do que Ghiggia disse sobre a final de 50 e que novamente se viu na seleção brasileira: paralisados com a iminência da derrota.

Falhas individuais? Os vilões de sempre? Em 74, na Alemanha, Luiz Pereira foi expulso na derrota para a mesma Holanda. Agora foi a vez de Felipe Melo. Pode-se purgar o infortúnio com as bruxas da vez. Isso, contudo, é o lado maldoso de cada um, psicanaliticamente denegado. Na vitória, não há falhas, por isso, não nos lembremos do frango do goleiro Felix no gol do Uruguai em 70, nem do pênalti infantil cometido por Nilton Santos contra a Espanha em 62, que não foi marcado pelo árbitro, tampouco tenhamos em mente a falha bisonha do grande Lúcio no gol da Inglaterra em 2002.

* * *

Acima falei de falha de arbitragem na Copa de 62. Falhas de arbitragem sempre há. Falemos então de falhas e do eventual uso de dispositivos tecnológicos para evitá-las. A discussão ficou bem acalorada com o gol de Lampard, na partida entre Inglaterra e Alemanha, uma vez que todas as imagens mostraram que a bola havia passado a linha de gol. Mas o árbitro não validou o gol. Essa discussão também ficou acalorada com o gol de Tevez, na partida entre Argentina e México. O gol, validado pela arbitragem, foi feito em impedimento, como todas as imagens mostraram.

Embora tenha havido inúmeras outras falhas de arbitragem na Copa, esses dois lances, que ocorreram no mesmo dia em partidas diferentes, mobilizaram aficionados de todo o mundo. O que muitos expressam é a necessidade de a FIFA fazer uso de dispositivos tecnológicos que evitem situações em que uma das equipes é visivelmente prejudicada. Se muitos desejam o uso de tecnologia, há também os que invocam que um dos aspectos que dá charme ao futebol é justamente a falibilidade do árbitro e as controvérsias que suas decisões provocam. Não à toa, o gol de Lampard trouxe à memória a final da Copa de 66, entre Inglaterra e Alemanha, quando o gol de Hurst na prorrogação desempatou o jogo e praticamente selou a vitória dos ingleses; mas a bola de Hurst, ao contrário da de Lampard, teria pingado na linha do gol, como as indefinidas imagens da época parecem revelar (vale observar, para bem julgar, que as imagens de que hoje dispomos são exageradamente mais definidas que as de 66). Ou seja, a Inglaterra teria chegado ao título com um gol que, de fato, não ocorreu.

Uma vez que a definição das imagens hoje é notória e a possibilidade do uso de dispositivos para dirimir dúvida é inconteste, parece óbvio que apenas interesses exclusos (manipulação de resultados, por exemplo), justificariam que a FIFA se mantenha surda ao clamor. Há nessa discussão sobre o uso de tecnologia para dirimir dúvida no futebol, contudo, um ponto que precisa ser realçado: o gol de Lampard ocorreu de fato, a bola cruzou a linha, como reza a regra. Com o gol, apelemos para o senso comum "é lógico": o resultado da partida não seria o que foi. A Alemanha chega às semifinais da Copa com o resultado de um jogo que não corresponde ao que de fato ocorreu. E para tanto, se não se pode ser tão assertivo em relação a 66, o mesmo não se pode dizer agora: todos que viram as imagens sabem que foi gol de Lampard.

A respeito do gol de Tevez, contudo, não se pode dizer a mesma coisa. Pode parecer estranho, mas não o é. No caso, mesmo impedido, Tevez marcou o gol, mas nem sempre uma situação de impedimento implica num gol. O impedimento deve ser ou não marcado antes da conclusão da jogada. Ou seja, assinalado o impedimento, a jogada está parada. As circunstâncias do gol de Tevez revelam a singularidade da situação, que não seriam as mesmas num outro lance em que um jogador eventualmente impedido concluiria o lance. No gol anulado de Robinho contra a Holanda, eu ouvi pela TV o apito antes da conclusão do lance. Robinho ouviu ou não o apito? O uso de dispositivos tecnológicos quando um jogador estiver impedido implica em parar ou não a jogada? Se sim, a presença do árbitro numa partida de futebol se reduziria praticamente à mediação da tensão entre os jogadores. Nesse caso eu concordo que o erro faz parte dos riscos do jogo, num lance em que não há como saber seu desfecho.

O uso de tecnologia no futebol para "auxiliar" a arbitragem precisa ser pensado com cuidado, para não ficarmos em casuísmos e discussões tolas. Quando a bola cruza ou não a linha do gol, a marcação ou não do árbitro implica de fato numa alteração do resultado da partida. Uma situação de impedimento ou um pênalti não altera o resultado: Azamoah Gyan, Cardozo e Xavi Alonso sabem bem isso.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 6/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
03. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Noel Rosa de Fabio Gomes


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva
01. Uma vida bem sucedida? - 14/4/2005
02. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
03. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
04. Sobre a leitura dos clássicos - 14/2/2005
05. George Steiner e o crepúsculo da criação - 6/9/2004


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2010
22h43min
Dunga foi galgado à condição de técnico do Brasil por conta da esbórnia que foi a Copa anterior. Todos conheciam seu estilo generalesco. A clausura de 2010 foi exagerada, mas fazia parte do pacote. Caso não a quisessem, que não contratassem o gaúcho de Ijuí. Penso que a caça às bruxas, se for feita, deve limitar-se às escolhas táticas. Não ter outro esquema que não o contra-ataque fere qualquer esboço de bom-senso. Todos, até mesmo Dunga, sabiam que o time não sabia sair da marcação bem feita. Ao adversário, bastava abrir um jogador na ponta-esquerda, para segurar Maicon, e o resto o próprio Brasil produziria. Alegam que Dunga passou para os jogadores a intranquilidade vista em campo. Ora, são todos bem crescidos para deixarem-se influenciar. A Cesar o que é de Cesar e a Carlos Caetano o que é dele, e somente dele, Carlos Caetano. Sobre a questão da arbitragem, nada mais do que o normal: choram os prejudicados e calam-se os beneficiados.
[Leia outros Comentários de MarcosAntónioTeixeir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REENGENHARIA NA PRÁTICA
DANIEL P. PETROZZO & JOHN C. STEPPER
MAKRON BOOKS / ITP
(1996)
R$ 10,00



CURSO DE MERCADO FINANCEIRO
LOPES ALEXSANDRO BROEDEL
ATLAS
(2005)
R$ 67,00



PASSAGEM PARA A AMÉRICA - AUTOGRAFADO
MARÍLIA FREIDENSON E GABY BECKER ORG.
IMPRENSA OFICIAL
(2003)
R$ 70,00



UM AMOR PERFEITO
SUSAN FOX
UNICA
(2014)
R$ 10,00



EINFLUSSE AUF BETON UND STAHLBETON
KURT WALZ
VERLAG VON WILHELM ERNEST
(1950)
R$ 65,00



COMO ORGANIZAR A NOSSA RÚSSIA - ALEXANDRE SOLJENITSIN (LITERATURA RUSSA)
ALEXANDRE SOLJENITSIN
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 15,00



VIVER
ADELAIDE STEVAUX
SEARA NOVA
R$ 8,00



ESCOLHA DE MESTRE
LAWRENCE BLOCK ORGANIZAÇÃO
NOVA FRONTEIRA
(2004)
R$ 15,00



ALEXANDRE HERCHCOVITCH COLEÇÃO MODA BRASILEIRA
CHARLES COSAC
COSAC NAIFY
(2007)
R$ 64,00



FACA NA GARGANTA
HERMES LEAL
GERAÇÃO
(2006)
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês