Cavaleiros e o Inexplicável | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
Mais Recentes
>>> Português Cesgranrio de Antônio Carlos Alves pela Ferreira (2010)
>>> Crimes Contra a Natureza de Vladimir Passos de Freitas e Gilberto Passos de Fr pela Revista dos Tribunais (1997)
>>> The Lost Road and Other Writings - the History of a Midle-earth 5 de J. R. R. Tolkien pela Ballantine Books (1996)
>>> Como Cultivar Orquídeas - Nº 09 de Casa Dois pela Casa Dois
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> Once in a House on Fire de Andrea Ashworth pela Henry Holt and Company (1999)
>>> Meu Filho, Meu Tesouro - Volume Único de Benjamim Spock pela Record
>>> Ripleys Believe It Or Not! de N/d pela Scholastic Books (2015)
>>> Divórcio Sempre Evitado Nunca Adiado de Edson Alves de Sousa pela Do Autor (2007)
>>> História Em Curso - o Brasil e Suas Relações Com o Mundo Ocidental de Américo Freire e Marly Silva da Motta pela Fgv (2004)
>>> O Monte Cinco de Paulo Coelho pela Objetiva (1996)
>>> Na Força do Discipulado - Você Pode Ultrapassar Seus Limites de Paulo Rangel pela Missão Primícia
>>> The Red Badge of Courage de Stephen Crane pela Dover Thrift (1990)
>>> Como nos Veio a Bíblia de Edgard J. Goodspeed pela Imprensa Metodista (1968)
>>> Os Anjos Sentinelas - Enviados de Heather Terrell pela Rai (2011)
>>> Tales of Mystery - Retold Timeless Classics de L. L. Owens pela Cover to Cover (2005)
>>> Direito Constitucional Esaf de Felipe Vieira pela Elsevier (2010)
>>> Arena de Conflitos de Wellington Balbo e Orson Peter Carrara pela Mythos Books (2009)
>>> Pensar É Transgredir de Lya Luft pela Record (2011)
>>> The Third Eye de Lois Duncan pela Bantam Books (1989)
>>> Shakti Número 5 - Julho de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Mourning the Nation de Bhaskar Sarkar pela Duke University Pres (2009)
>>> Creative Wedding Decorations You Can Make de Teresa Nelson pela Better Way Books (1998)
>>> Coleção Eles São Sete - a Gula de Angela Carneiro Ivanir Calado e Outros pela Ediouro (1995)
>>> Receitas de Alimentção Natural de Eliane Lobato pela Ediouro (1980)
COLUNAS

Terça-feira, 7/10/2014
Cavaleiros e o Inexplicável
Duanne Ribeiro

+ de 4300 Acessos

Com a armadura despedaçada, o herói avança cambaleante pela longa escadaria. Flores entorpecentes ao redor lhe nublam os sentidos, os ferimentos acumulados em uma sequência de batalhas torturam seu corpo, os olhos nem se abrem mais, no entanto ele não esquece o custo pago por seus companheiros para que ele e só ele conseguisse chegar ali. Não esquece sobretudo o objetivo: salvar a vida de sua protegida e protetora, a reencarnação da deusa Atena, a quem resta não mais do que uma hora de vida. A cena tem o gosto do épico e tons de tragédia (ou mesmo do melodrama) e é extraída de um desenho animado: Cavaleiros do Zodíaco.

Criada na década de 1980 no Japão por Masami Kurumada e trazida ao Brasil em 1994, Cavaleiros é uma história do bem contra o mal, do conflito entre escolhidos para a defesa de Atena e as ameaças que surjam. Cada um destes é representante de uma constelação - são cavaleiros de Pégaso, Andrômeda, etc. Outros animes são melhores (como Evangelion), mas tenho apego por este. Assisti a ele há cerca de 20 anos; eu era uma criança e ainda me lembro da cena que abre esta coluna e outras. Existe na série uma ética peculiar, dor e conquista, sacrifício e superação, que permaneceu em mim. Foi por ter sido marcado que fui ao cinema assistir à anêmica nova versão Cavaleiros do Zodíaco - A Lenda do Santuário.

O filme desseca o original. Aquela ética deixa de existir; há apenas uma sucessão de lutas mal ajambradas em que o esforço por resistir e por se tornar mais capaz desaparece, sendo substituído por derrotas e vitórias igualmente simplistas. Não há evolução; só a passagem mágica do estado de fraqueza ao de força. A violência é também toda extirpada - até mesmo um personagem que incrustra as paredes de seu templo com os rostos de adversários mortos, que abre caminho ao inferno e que se chama "Máscara da Morte" se transmuta na adaptação em uma figura de produção da Disney, com cantoria e personalidade caricatural. Ninguém, daqui a 20 anos, vai escrever sobre ele no Digestivo. É uma obra para ser esquecida.

Fui por nostalgia ao cinema, é por nostalgia que escrevo este texto: algo que teve sentido, que foi forte e bonito nos limites do seu gênero, foi traído. Quero trazer à tona a força, beleza e significado que havia na série. Se vocês me permitem tratar com seriedade do que não se espera ser tratado assim, tentarei reaver tudo isso.

Conquista, Aprendizado, Persistência
Diferente dos super-heróis americanos, os heróis japoneses (em Cavaleiros, e de mesma forma em Yu Yu Hakusho e Dragon Ball) não recebem, de forma completa e inescapável, seus poderes. Principalmente, não "recebem": é quase sempre pelo treino que se tornam capazes do que são. Acaso e destino, palavras fundamentais para kriptonianos e mutantes, são menos importantes que a vontade contínua de conquista. Os quadrinhos americanos com frequência apreendem o poder como um fardo (nesse sentido, o lema do Homem-Aranha, "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades", é sintomático). Os japoneses veem nele sempre um degrau; são sempre longas viagens de desenvolvimento pessoal.

Em Cavaleiros, tornar-se dono de cada uma das armaduras exige o cumprimento de um desafio particular. Um precisa chegar ao ponto de poder inverter, com um soco, o fluxo de água de uma cachoeira. Outro, assassinar o próprio mestre. Além disso, o desenvolvimento cobra na carne. Por exemplo, após a primeira saga (a fase que é resumida pelo novo filme), as armaduras estão destruídas, e só podem ser regeneradas fruindo a vida dos portadores: eles cortam os pulsos e deixam o sangue escorrer sobre os pedaços de metal, que fluorescem e se recuperam.

Isso está ausente de A Lenda do Santuário. Não há esforço - o crescimento ou é instantâneo (o único caso é o do cavaleiro de Pégaso, Seiya, e ainda assim só pela transmissão do poder da divindade) ou inexistente. Pelo contrário, a série dá aos personagens oportunidades de transbordar limites. Primeiro, pelo aprendizado. Um dos lemas é "um cavaleiro nunca é atingido pelo mesmo golpe duas vezes" - o que implica num nietzscheano "o que não me mata me fortalece", um superar-se a partir do golpe tomado, do ferimento, do inimigo. Segundo, pela persistência, no tom do verso "não aprendi a me render, que caía o inimigo, então". O cavaleiro de Cisne, Hyoga, ainda tentando avançar, rastejando, após ter o corpo varado 15 vezes por ataques do cavaleiro de Escorpião, é um exemplar maior disto.

Também se torna insosso o grande significado da entrega que existe na produção original. Nesta primeira saga, os protagonistas precisam passar por doze "casas" - templos guardados por outros cavaleiros - em cerca de doze horas, sob risco de morte da deusa que protegem. A entrega se repete a cada vez que um fica para que os outros sigam (na nova versão, esse percurso é demasiado fácil e confuso). É sempre um sacrifício pelo outro, pelo "bem maior" do grupo. Mas nesse campo a cena icônica é a que segue. Hyoga é encerrado em um cubo de gelo. É libertado, todavia debilitado, e quase não apresenta sinais vitais. Um companheiro o abraça no chão e queima sua energia, exaura-se, põe-se em risco para aquecê-lo.

A Luta é Tudo Isso
A Lenda do Santuário tem qualidades. É bem humorado e as batalhas convencem até certo ponto. A personalidade dos cavaleiros principais é razoavelmente fiel e a animação em computação gráfica, por bem feita, deve ajudar a seduzir gerações mais novas. O melhor é o design das armaduras, modernoso, até mais verossímil em alguns aspectos (sobre fantasia e verossimilhança, leia esta coluna). Além do mais, um menino na fileira à frente pareceu se divertir, e ele deve saber mais de alguma coisa do que eu, que sou um velho.

Porém, insisto, a série a que eu e todas as crianças da minha idade assistimos acumulava todos aqueles significados ao longo das lutas. Sua narrativa era muita vez arrastada e de poucos recursos, mas compunha uma releitura mais poderosa da mitologia grega. Uma última imagem: no filme, os golpes são só energia sendo descarregada. Na série, mesmo que o "meteoro de Pégaso" apareça como vários pequenos globos de força, são de fato as mãos do cavaleiro usadas com tremenda rapidez. Isto é: o poder se enraíza no humano, na habilidade humana. Não existe nada de inexplicável, melhor, o inexplicável é alcançável - e só pelo empenho.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
02. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
03. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
04. Cinema de Conflito e Entretenimento de Guilherme Carvalhal
05. Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
05. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Álbum de Baiões - Partitura Com 198 Musicas
União Brasileira de Compositores
Ubc
(1954)



A Vingança de Drácula - a Ressurreição do Dragão
Davidson Abreu
Madras
(2016)



Giri
Marc Olden
Record
(1982)



A Cidade Antiga - Vol. 1
Fustel de Coulanges
Ed. das Américas
(1961)



Kingdon Hearts II - Volume 1
Shiro Amano
Abril
(2013)



À Procura de Adão 2ª Edição
Herbert Wendt
Melhoramentos



Meu Jeito de Falar
Claire Feliz Regina
Patuá
(2014)



A Exilada - Coleção Prêmios Nobel da Literatura
Pearl Buck
Delta
(1966)



Instructor's Manual: Past in Perspective
Kenneth L. Feder
Mayfield
(1999)



Mude Seu Destino
Peggy Mccoll
Larousse
(2008)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês