Pieguice ou hipocrisia? | Rosângela Vieira Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/3/2013
Pieguice ou hipocrisia?
Rosângela Vieira Rocha

+ de 5000 Acessos

A exagerada demonstração de afeto por meio de frases, desenhos, pinturas e exclamações é algo que vem se tornando tão habitual entre nós, que chego a duvidar que o sentimento tão decantado, que parece ter tomado de assalto o país inteiro, seja real e verdadeiramente consistente.

Vejo expressões de afeto, abraços e beijos por toda parte: nas escolas, shoppings, estacionamentos, cinemas, lojas, restaurantes, bares, enfim, é como se uma gigantesca onda sentimental tivesse varrido todos os lugares. Nada contra abraços e beijos, mas quando o público não deixa nenhum lugar para o privado, dá uma sensação de estranheza danada. E quem não quiser ver os detalhes que se vire, pois parece existir uma vitrine geral, onde todos estão em exposição. Encontrar um cantinho mais opaco? Impossível, a ribalta é globalizante.

Nas redes sociais, blogs e sites, é um verdadeiro festival. Os beijos, antes dados no rosto, testa, boca, que sei eu, atravessam agora os limites da pele e da mucosa, e vencendo todos os obstáculos da anatomia humana, dirigem-se diretamente ao coração. Sim, todos os beijos agora são encaminhados para esse maravilhoso e sofrido órgão, que, além de cumprir as importantíssimas e complexas tarefas que lhe foram destinadas, ainda tem de receber, quer queira quer não, uma overdose quase que infinita de beijos. Assim, sem mais nem menos, sem cirurgia nem nada.

Pesado de beijos, quase aos pedaços, o pobre coração ainda é desenhado por toda parte. Antes, ficava inscrito em cascas de árvores, entalhado a canivete pelos apaixonados. No máximo, era enfeite de anel. Agora passou a enfeitar roupas, colares, brincos, bichinhos de pelúcia, bolos, doces, chocolates, chaveiros, uma imensa quantidade de objetos.

O amor, considerado em todas as épocas o mais nobre dos sentimentos, anda perdendo a nobreza, banalizado em frases toscas, desenhos ruins, na boca de personagens mal alinhavados, ou compondo frases cheias de erros, inclusive de ortografia. Só se fala em amor. Será que é amor mesmo?

Gritada e não mais confessada em sussurros à meia-luz, a expressão "eu te amo" vai perdendo o seu conteúdo, a sua significação original, para se transformar quase que em cumprimento, um enfeite, um jeito de dizer "quero te agradar falando isso". Se a expressão se transformasse em verdade cada vez que é repetida, não precisaríamos de mais nada, pois faríamos parte de um mundo pleno, autêntico nirvana, extensão do paraíso na terra.

Os elogios também agora são ditos o tempo todo, com ou sem base real. As redes sociais estampam fotos de filhos, netos, sobrinhos, com o obrigatório comentário do autor da postagem, decantando a beleza dos fotografados. Belos ou não, isso parece não ter a menor importância. "Lindo" passou a ser sinônimo de "meu" (filho, neto ou sobrinho). Todo mundo agora é lindo e não se sabe mais o que isso significa. Lindo não é mais lindo, virou outra coisa.

O mais grave de tudo é a infantilização generalizada que vem ocorrendo. Adultos mandam fotos com flores, estrelas, coraçõezinhos e laços a outros adultos, de preferência cor-de-rosa ou de bolinhas. Tudo me leva a pensar que uma segunda infância anda se instalando por aqui. Todos querem ser crianças, e para isso não se importam de forçar a barra, adotar gostos infantis, falar de ursinhos e assemelhados.

Por falar em animais, é importante registrar um outro fenômeno, provavelmente tão sério quanto o da infantilização das pessoas, que é a "humanização" dos animais domésticos. Se fossem apenas idolatrados, até aí tudo bem, tem gosto pra tudo, mas o que vem ocorrendo parece-me bastante grave, a começar por aqueles que postam nas redes, praticamente todos os dias, fotos de seus cães e gatos de estimação, como se fossem únicos, vindos de outro mundo, os reis da cocada preta. O problema é que, além dos brinquedos que já ganhavam, os cães, sejam machos ou fêmeas, agora vestem roupinhas, capinhas, casaquinhos, xales e não sei mais o quê. Não bastassem as roupas, as cadelas levam laços de fita no pelo e algumas usam até correntes de ouro. Sem contar, é claro, os anéis nas patas.

Além de festas de aniversário, geralmente bastante dispendiosas, os cães costumam ganhar também festas de "casamento", em que a "noiva" é adornada com véu e grinalda. As festas são praticamente idênticas às festas tradicionais de casamento, com direito a música, bolo, bem-casados, champanhe e lembrancinhas para os convidados.

Causa-me espanto ver com que orgulho os donos contabilizam os gastos com essas festas de "casamento". Parece que, quanto maior o custo, maior é o amor que sentem por seus cães. É evidente que cada um gasta o próprio dinheiro como quiser e minha função não é dar lição de moral, longe de mim tal ideia. O que me espanta é ver a inserção de uma cerimônia humana por excelência, inclusive definida pelo Código Civil Brasileiro, no universo dos bichos de estimação.

Um amigo meu, escritor muito perspicaz, me disse que fica morto de vergonha de São Francisco de Assis. Segundo ele, que é devoto do santo, se São Francisco viesse nos fazer uma visita, ficaria estupefato com a maneira como os animais estão sendo tratados. Ou melhor, digo eu, destratados e ridicularizados, pois, ao serem considerados pessoas, são destituídos do que os define, que é sua natureza de bicho. São Francisco protegia os animais e os respeitava como animais, nem sequer lhe passava pela cabeça mudar algo tão elementar.

Mas, para os donos que insistem em agregar complementos usados pelos humanos aos seus animais, ainda que estes sejam supérfluos, como roupas, adereços e festas, os bichos deixam de ser considerados bichos, mudam de status, pois passam a ser "extensões" de quem os cria, espelhos nos quais estes se veem. Quem não tem filho, cria cachorro ou gato como gente. Quem tem, por vezes cria também. E estamos conversados.

Os casos da banalização dos sentimentos, da infantilização das pessoas e da "humanização" dos animais domésticos foram escolhidos por serem emblemáticos da sociedade em que vivemos. Aparentar sentir tornou-se mais importante do que sentir de verdade, fingir que é criança é preferível a assumir-se como adulto, e brincar de casinha com animais, como se estes fossem amiguinhos humanos ou meros bonecos, completa o quadro "paradisíaco" da falta de compromisso e da breguice. Aí sim, fica tudo azul, azul até demais, como na canção popular. E, claro, com as indispensáveis e pavorosas bolinhas cor-de-rosa.


Rosângela Vieira Rocha
Brasília, 28/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 150 anos de Miguel de Unamuno de Celso A. Uequed Pitol
02. Orkut, um sonho impossível? de Daniela Castilho
03. Risco, o filme de Marcelo Maroldi


Mais Rosângela Vieira Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Português Linguagens 7ª Série Manual Professor
Willian Roberto Cereja Thereza Cochar Magalhães
Atual
(2006)



Economia Bandida (lacrado)
Loretta Napoleoni
Bertrand Brasil
(2010)



DEF 2000/01 Dicionário de Especialista farmacêuticas
Não informado
Jornal Brasileiro de Medicina
(2000)



Finanças Corporativas
José Carlos Franco de Abreu Filho
Fgv
(2008)



Teoria do Reforço para Professores
Madeline Hunter
Vozes
(1981)



Guerra Civil
Stuart Moore
Novo Século
(2016)



Como Lidar com a Mídia
Paulo Henrique Amorim
Geração
(2019)



Completa Biblioteca do Ensino Atual - História, Soc., Filos e Psic.
Não informado
Difusão Cultural do Livo
(2006)



O Caso - Sem Aviso - O Bagalô - Segundas Chances
r Lee Child - David Rosenfelt - Sarah Jio - Nick Trout
Seleções Reader`s Digest
(2015)



Brasil Iluminado
Gustavo Soares
Arteensaio
(2011)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês