O mistério em Thomas Pynchon | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A mulher madura
>>> Regras da Morte
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Fale-me de amor de Michel Quoist pela Paulus (1988)
>>> Maravilhas do Mundo de Elvira de Oliveira pela Klick (2001)
>>> A História Crítica da Nação Brasileira de Renato Mocellin pela Do Brasil (1987)
>>> Direito Municipal na Constituição de Petrônio Braz pela Led (2001)
>>> Direitos Reais de Cristiano Chaves de Farias e Nelson Rosenvald pela Lumen Juris (2006)
>>> Linguagem de Sinais de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados (1992)
>>> Curva de rio de Juarez de Oliveira pela Caminhos da Literatura (1987)
>>> O Anjo da Morte de Ricardo Reis de Jose Sarmago pela Caminho (1984)
>>> O livro da música de Keith Spence pela Zahar (1981)
>>> Os Abutres de Taylor Caldwell pela Record
>>> Água Viva: Uma Gênese do Desenvolvimento de Eloi Fernández y Fernández pela Nova Fronteira/ RJ. (2003)
>>> A Casa Grande de Taylos Caldwell pela Record
>>> Legislação ambiental de José Geraldo Brito Filomeno. Organização pela Imprensa Oficial do Estado SP (2000)
>>> A Mulher Secreta de Victoria Holt pela Círculo do Livro
>>> Execução civil e cumprimento de sentença. Vol. 3 de Sérgio Shimura & Gilberto Gomes Bruschi pela Método (2009)
>>> Direito Processual do Trabalho de Wagner D. Giglio pela Saraiva (2005)
>>> Comentários à Constituição Brasileira de 1988. Vol. 1. Arts. 1 ao 43 de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1990)
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/6/2011
O mistério em Thomas Pynchon
Luiz Rebinski Junior

+ de 4800 Acessos

Harold Bloom disse que ele é um dos únicos escritores "canonizáveis" de nosso tempo. Seus romances costumam passar, com folga, as quinhentas páginas. Há centenas de personagens em suas histórias, mas quase nenhuma trama. Ele é uma máquina de referências pop-eruditas e tem pouco apreço pela narrativa linear. É recluso e sua última foto data dos anos 1960.

Thomas Pynchon é considerado um gênio literário, mas não é de se estranhar que um leitor menos afeito à literatura mais experimental, tome-o como um escritor intransponível, quando não chato e "difícil". De fato, o senhor Pynchon não facilita as coisas. Seus livros não são para ler no ônibus, entre uma olhada na paisagem e uma espiada nas horas.

Seu primeiro livro, simplesmente chamado V., é um catatau sobre personagens bizarros que se cruzam em tramas não menos esquisitas. O livro foi lançado em 1963 e não poderia ter arrematado um prêmio mais adequado: ganhou o prêmio da Fundação Willian Faulkner, escritor que também desbravou a prosa menos convencional. Mas talvez seja ao lado de Joyce que Pynchon se sinta mais à vontade. A anarquia calculada da prosa é parecida.

Para um livro de estreia, V. é perigosamente complexo e ambicioso. Apenas um escritor audaciosamente seguro de sua linguagem poderia entrar na literatura pelo caminho de V.. Se fosse um outro que não ele mesmo, Pynchon certamente iniciaria sua carreira com O leilão do lote 49, seu segundo romance, menos ambicioso e mais palatável. Em seu segundo livro, o leitor continua alvo da metralhadora digressiva de Pynchon, mas está esteado por uma trama menos caótica e por personagens um pouco (não muito, só um pouco) menos malucos.

Em V., Benny Profane e Herbert Stencil percorrem caminhos tortuosos na tentativa de desvendar o mistério do romance: o que ou quem é V ― essas duas trajetórias, ao final, se encontrariam e formariam o "vê" do título. Esses dois personagens se movem através do tempo, em digressões sem aviso prévio, pelas mais alucinadas situações: depois de sair da marinha, Profane arranja um emprego de caçador de crocodilos nas galerias subterrâneas de Nova York, se junta com uma trupe de artistas chamada "A turma muito doida" e vaga sem destino pelas ruas da cidade. Profane é denominado como um "schlemihl", que no dialeto de Pynchon quer dizer um homem derrotado, um "ioiô humano", que vê o mundo por meio de lentes muito, mas muito, particulares.

Profane, de uma forma que nem mesmo o mais fértil dos leitores pode imaginar, vai fazer parte da investigação de Stencil, que tenta desvendar o enigma que seu pai, um diplomata e espião do Foreing Office britânico, preso na Segunda Guerra Mundial, deixa em seus diários antes de morrer. É o V da questão. Depois de muitas voltas e centenas de páginas, o leitor deduz (mas não pode cravar) que V é uma mulher (às vezes chamada de Vênus, às vezes de Void ou de Virgin), que nunca aparece. Então grande parte da narrativa se refere à busca incessante de Stencil a V. Nada muito complexo se os fatos narrados não fossem parte verdadeiros, parte alucinações da mente obcecada de Stencil. Nunca se sabe quando a narrativa é objetiva ou apenas fruto dos sonhos de Stencil ― como as passagens em que um padre catequiza os ratos de Nova York.

Um quebra-cabeça montado às escuras, assim é V.. Não sei qual a maneira mais correta de ler o romance, se é que existe uma maneira "certa" de lê-lo. Mas dar a largada com o espírito livre, sem se amarrar a informações que, lá na frente, Pynchon tratará de desmentir, pode tornar a leitura mais atraente e prazerosa. Então o lance é ler os capítulos de forma autônoma, sem esperar que ganchos narrativos te levem ao fim do arco-íris. E, depois, no final, tentar montar as peças. Mas é preciso ser persistente. O primeiro contato com um autor como Pynchon nunca é fácil. Mas quando você saca qual é a do cara, as coisas começam a mudar, e aí há uma grande possibilidade de você começar a achar que os críticos, dessa vez, estavam certos: o cara é gênio.

Costuma-se dizer que a narrativa de Pynchon se baseia no conceito da entropia e que é permeada por um clima de paranoia constante. Mas acho que na verdade Pynchon é um autor policial que subverte a lógica dos romances policiais: ele nunca revela o mistério das tramas. Ou revela apenas parcialmente. Claro que tem a sua pegada narrativa, que é muito peculiar e ajuda a embaraçar ainda mais as coisas, mas basicamente (se é que se pode usar esse tipo de termo aqui), é isso.

É mais ou menos assim que as coisas andam em Vício Inerente, seu último livro lançado aqui. O livro gira em torno do sumiço de um figurão do mercado imobiliário da Califórnia nos anos 1970. E quem vai tentar desvendar o mistério, por conta própria, fazendo um frila de graça, é Doc Sportello, um detetive particular hipongo, que usa "costeletas anos 50, bigode imbecil e corte de cabelo de uma escola de cabeleireiros lá em algum bulevar desolado distante de qualquer definição corrente de na-moda". A narrativa é tão alucinada quanto as viagens de LSD de Doc. Como em V., aqui também não se tem muita certeza de nada: um misterioso Canino Dourado está no centro da trama, mas não se sabe ao certo o que é: pode ser um sindicato de dentistas ou um navio, ou as duas coisas.

E aqui a regra-para-a-leitura-dos-livros-de-Pynchon continua a mesma: se você passar dos primeiros capítulos, vai ter diversão na certa. Cada fio de investigação de Doc, leva a outra ponta do caso, desdobrando a trama inicial em várias. Um pequeno ato de Doc, como fumar um baseado, pode levar páginas e páginas de uma escrita irônica, divertida e muito ácida. Viagem literária, pura. Pynchon tem um tipo de humor muito singular, inteligente e maluco. Uma espécie de Woody Allen chapado. E se você gosta de música, vai fechar o Pynchon e correr para escutar um som. Doc é movido à maconha e surf music, tem um conhecimento enciclopédico de obscuras bandas e até, acreditem, Tom Jobim. Os fãs mais ardorosos estão dizendo que Vício Inerente é um Pynchon menor. Pode até ser, mas ainda assim é daqueles livros que não se esquece facilmente. Pynchon tem uma qualidade que anda meio fora de moda na literatura nesses tempos fragmentados: com seus livros não há meio termo, ou se entra de cabeça ou não se entra. Pynchon é exigente com seu leitor. Não dá para ler duas páginas por dia, a literatura se evapora assim. E a culpa, nesse caso, não é dele.

O arco-íris da gravidade, livro que deu a Pynchon o National Book Award e lhe rendeu ainda mais fama, diz o consenso, é o seu grande romance (em todos os sentidos, pois tem mais de setecentas páginas). Não duvido e já estou preparando o espírito para encará-lo. Em breve a Companhia das Letras lançará Against the Day, o único de seus romances não lançado por aqui (Slow Learner, uma coletânea de contos, também ainda não sabe o que é a língua portuguesa). Já ouvi por aí que se trata de seu melhor livro. Também não duvido. No release que o próprio Pynchon escreveu sobre o romance (Dalton Trevisan fazia isso também até os anos 1990), diz que os personagens são "anarquistas, balconistas, apostadores, magnatas corporativos, entusiastas das drogas, inocentes e decadentes, matemáticos, cientistas loucos, xamãs, físicos, ilusionistas, espiões, detetives, aventureiras e assassinos profissionais. Com participações especiais de Nikola Tesla, Bela Lugosi e Groucho Marx". Bem, não quero parecer otimista demais, mas isso parece mais um Pynchon que vale a pena. Veremos.

Nota do Editor
Leia também "Mistério à americana" e "Crime e mistério nas letras nacionais".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 22/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
04. Omissão de Ricardo de Mattos
05. Até eu caí nessa de Marta Barcellos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GRANDE ENCICLOPEDIA GEOGRAFICA MUNDIAL VOL. 1
DULCIDIO DIBO
LIBRA
(1968)
R$ 6,00



ARTE DA COMPOSIÇÃO E DO ESTILO E HISTÓRIA DA LITERATURA PORTUGUESA ...
ANTONIO DA CRUZ
VOZES
(1935)
R$ 11,56



AS TRÊS IRMÃS- CONTOS
ANTON TCHEKHOV
ABRIL
(1979)
R$ 24,00



O PODER DO AGORA
ECKHART TOLLE
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,90



LÚDICO NA QUÍMICA
CARLOS ANTÔNIO BARROS E SILVA JÚNIOR UND AYLA BIZERRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PORTUGAL E O FUTURO
ANTÔNIO DE SPÍNOLA
NOVA FRONTEIRA
(1974)
R$ 10,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



SEM PERDÃO
FREDERICK FORYTH
RECORD
(1982)
R$ 24,22
+ frete grátis



CODICE DI NAPOLEONE IL GRANDE PEL REGNO DITALIA (RIEDIZIONE)
NÃO DEFINIDO
CEDAM - PADOVA
(1989)
R$ 250,00



ATLAS DE HISTOLOGIA
MARIANA DI FIORE
GUANABARA
(1991)
R$ 160,00
+ frete grátis





busca | avançada
41334 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server