O mistério em Thomas Pynchon | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carta de um jovem contestador
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
Mais Recentes
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação 2ªed. de Celso Dos S. Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> A Prática Educativa Como Ensinar de Antoni Zabala pela Artmed (1998)
>>> Masculino e Feminino no Imaginário Católico de Zaíra Ary pela Annablume (2000)
>>> A Bíblia A História de Deus e de Todos Nós de Roma Downey / Mark Burnett pela Sextante (2014)
>>> O sujeito da educação - Estudos Foucaultianos de Tomaz Tadeu Da Silva pela Vozes (2002)
>>> A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência de José Reis Chaves pela Martin Claret (1998)
>>> Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente pela Mestre Jou
>>> Fundamentos de Matemática Elementar Volume 2 Logaritmos de Gelson Iezzi / Osvaldo Dolce / Carlos Murakami pela Atual (2004)
>>> As Estruturas da História de Christopher Lloyd pela Jorge Zahar (1995)
>>> Introdução à Filosofia História e Sistemas de Roberto Rossi pela Loyola (1996)
>>> A Felicidade Paradoxal de Gilles Lipovetsky pela Companhia das Letras (2007)
>>> Consiência e Cosmos de Menas Kafatos / Thalia Kafatou pela Teosófica (1994)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 3 Sistemas Lineares e Combinatória de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 2 Trigonometria e Progressões de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Aventuras no marxismo de Marshall Berman pela Companhia Das Letras (2001)
>>> Cartas do Cárcere 4ªed. de Antonio Gramsci pela Civilização Brasileira (1991)
>>> Resumo dos cursos do collège de france 1970-1982 de Michel Foucault pela Jorge Zahar (1997)
>>> Socialismo - Impasses e Perspectivas de César Benjamin e outros pela Scrita (1992)
>>> Revolting Rymes N1 - de Roald Dahl pela Puffin Books (2015)
>>> O Avesso do Trabalho de Ricardo Antunes/ Maria A. Moraes Silva (Orgs.) pela Expressão Popular (2004)
>>> Odisseia de Homero de Ana Maria Machado pela Atica (2015)
>>> Iracema -Lenda do Ceara de Jose de Alencar pela Sol-no final do livro traz questionario e respostas - coleção vestibular (2010)
>>> Divinas desventuras outras historias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das letrinhas (2009)
>>> Aurelio Mirim -Dicionario ilustrado da letra N a R- de Aurelio Buarque pela Positivo (2015)
>>> Dubliners de James Joyce pela Penguin (1996)
>>> As Chaves Perdidas da Maçonaria de Manly P. Hale pela Madras (2006)
>>> Metamorphosis and Other Stories - de Franz Kafka pela Penguim (1996)
>>> O Homem em busca de Deus de Varios editores internacionais pela Watch tower (2010)
>>> Os Irmãos Sagrados - de R.Waingarten pela Lubavitch (2012)
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/6/2011
O mistério em Thomas Pynchon
Luiz Rebinski Junior

+ de 5400 Acessos

Harold Bloom disse que ele é um dos únicos escritores "canonizáveis" de nosso tempo. Seus romances costumam passar, com folga, as quinhentas páginas. Há centenas de personagens em suas histórias, mas quase nenhuma trama. Ele é uma máquina de referências pop-eruditas e tem pouco apreço pela narrativa linear. É recluso e sua última foto data dos anos 1960.

Thomas Pynchon é considerado um gênio literário, mas não é de se estranhar que um leitor menos afeito à literatura mais experimental, tome-o como um escritor intransponível, quando não chato e "difícil". De fato, o senhor Pynchon não facilita as coisas. Seus livros não são para ler no ônibus, entre uma olhada na paisagem e uma espiada nas horas.

Seu primeiro livro, simplesmente chamado V., é um catatau sobre personagens bizarros que se cruzam em tramas não menos esquisitas. O livro foi lançado em 1963 e não poderia ter arrematado um prêmio mais adequado: ganhou o prêmio da Fundação Willian Faulkner, escritor que também desbravou a prosa menos convencional. Mas talvez seja ao lado de Joyce que Pynchon se sinta mais à vontade. A anarquia calculada da prosa é parecida.

Para um livro de estreia, V. é perigosamente complexo e ambicioso. Apenas um escritor audaciosamente seguro de sua linguagem poderia entrar na literatura pelo caminho de V.. Se fosse um outro que não ele mesmo, Pynchon certamente iniciaria sua carreira com O leilão do lote 49, seu segundo romance, menos ambicioso e mais palatável. Em seu segundo livro, o leitor continua alvo da metralhadora digressiva de Pynchon, mas está esteado por uma trama menos caótica e por personagens um pouco (não muito, só um pouco) menos malucos.

Em V., Benny Profane e Herbert Stencil percorrem caminhos tortuosos na tentativa de desvendar o mistério do romance: o que ou quem é V ― essas duas trajetórias, ao final, se encontrariam e formariam o "vê" do título. Esses dois personagens se movem através do tempo, em digressões sem aviso prévio, pelas mais alucinadas situações: depois de sair da marinha, Profane arranja um emprego de caçador de crocodilos nas galerias subterrâneas de Nova York, se junta com uma trupe de artistas chamada "A turma muito doida" e vaga sem destino pelas ruas da cidade. Profane é denominado como um "schlemihl", que no dialeto de Pynchon quer dizer um homem derrotado, um "ioiô humano", que vê o mundo por meio de lentes muito, mas muito, particulares.

Profane, de uma forma que nem mesmo o mais fértil dos leitores pode imaginar, vai fazer parte da investigação de Stencil, que tenta desvendar o enigma que seu pai, um diplomata e espião do Foreing Office britânico, preso na Segunda Guerra Mundial, deixa em seus diários antes de morrer. É o V da questão. Depois de muitas voltas e centenas de páginas, o leitor deduz (mas não pode cravar) que V é uma mulher (às vezes chamada de Vênus, às vezes de Void ou de Virgin), que nunca aparece. Então grande parte da narrativa se refere à busca incessante de Stencil a V. Nada muito complexo se os fatos narrados não fossem parte verdadeiros, parte alucinações da mente obcecada de Stencil. Nunca se sabe quando a narrativa é objetiva ou apenas fruto dos sonhos de Stencil ― como as passagens em que um padre catequiza os ratos de Nova York.

Um quebra-cabeça montado às escuras, assim é V.. Não sei qual a maneira mais correta de ler o romance, se é que existe uma maneira "certa" de lê-lo. Mas dar a largada com o espírito livre, sem se amarrar a informações que, lá na frente, Pynchon tratará de desmentir, pode tornar a leitura mais atraente e prazerosa. Então o lance é ler os capítulos de forma autônoma, sem esperar que ganchos narrativos te levem ao fim do arco-íris. E, depois, no final, tentar montar as peças. Mas é preciso ser persistente. O primeiro contato com um autor como Pynchon nunca é fácil. Mas quando você saca qual é a do cara, as coisas começam a mudar, e aí há uma grande possibilidade de você começar a achar que os críticos, dessa vez, estavam certos: o cara é gênio.

Costuma-se dizer que a narrativa de Pynchon se baseia no conceito da entropia e que é permeada por um clima de paranoia constante. Mas acho que na verdade Pynchon é um autor policial que subverte a lógica dos romances policiais: ele nunca revela o mistério das tramas. Ou revela apenas parcialmente. Claro que tem a sua pegada narrativa, que é muito peculiar e ajuda a embaraçar ainda mais as coisas, mas basicamente (se é que se pode usar esse tipo de termo aqui), é isso.

É mais ou menos assim que as coisas andam em Vício Inerente, seu último livro lançado aqui. O livro gira em torno do sumiço de um figurão do mercado imobiliário da Califórnia nos anos 1970. E quem vai tentar desvendar o mistério, por conta própria, fazendo um frila de graça, é Doc Sportello, um detetive particular hipongo, que usa "costeletas anos 50, bigode imbecil e corte de cabelo de uma escola de cabeleireiros lá em algum bulevar desolado distante de qualquer definição corrente de na-moda". A narrativa é tão alucinada quanto as viagens de LSD de Doc. Como em V., aqui também não se tem muita certeza de nada: um misterioso Canino Dourado está no centro da trama, mas não se sabe ao certo o que é: pode ser um sindicato de dentistas ou um navio, ou as duas coisas.

E aqui a regra-para-a-leitura-dos-livros-de-Pynchon continua a mesma: se você passar dos primeiros capítulos, vai ter diversão na certa. Cada fio de investigação de Doc, leva a outra ponta do caso, desdobrando a trama inicial em várias. Um pequeno ato de Doc, como fumar um baseado, pode levar páginas e páginas de uma escrita irônica, divertida e muito ácida. Viagem literária, pura. Pynchon tem um tipo de humor muito singular, inteligente e maluco. Uma espécie de Woody Allen chapado. E se você gosta de música, vai fechar o Pynchon e correr para escutar um som. Doc é movido à maconha e surf music, tem um conhecimento enciclopédico de obscuras bandas e até, acreditem, Tom Jobim. Os fãs mais ardorosos estão dizendo que Vício Inerente é um Pynchon menor. Pode até ser, mas ainda assim é daqueles livros que não se esquece facilmente. Pynchon tem uma qualidade que anda meio fora de moda na literatura nesses tempos fragmentados: com seus livros não há meio termo, ou se entra de cabeça ou não se entra. Pynchon é exigente com seu leitor. Não dá para ler duas páginas por dia, a literatura se evapora assim. E a culpa, nesse caso, não é dele.

O arco-íris da gravidade, livro que deu a Pynchon o National Book Award e lhe rendeu ainda mais fama, diz o consenso, é o seu grande romance (em todos os sentidos, pois tem mais de setecentas páginas). Não duvido e já estou preparando o espírito para encará-lo. Em breve a Companhia das Letras lançará Against the Day, o único de seus romances não lançado por aqui (Slow Learner, uma coletânea de contos, também ainda não sabe o que é a língua portuguesa). Já ouvi por aí que se trata de seu melhor livro. Também não duvido. No release que o próprio Pynchon escreveu sobre o romance (Dalton Trevisan fazia isso também até os anos 1990), diz que os personagens são "anarquistas, balconistas, apostadores, magnatas corporativos, entusiastas das drogas, inocentes e decadentes, matemáticos, cientistas loucos, xamãs, físicos, ilusionistas, espiões, detetives, aventureiras e assassinos profissionais. Com participações especiais de Nikola Tesla, Bela Lugosi e Groucho Marx". Bem, não quero parecer otimista demais, mas isso parece mais um Pynchon que vale a pena. Veremos.

Nota do Editor
Leia também "Mistério à americana" e "Crime e mistério nas letras nacionais".


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 22/6/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena de Jardel Dias Cavalcanti
02. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
03. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
04. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
05. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CORES E SABORES DE SÃO PAULO +RECEITAS ESPECIAIS DE 7 CHEFS DE SP
NILSON OLIVO
GLOBALFOOD
(2007)
R$ 1.487,00



ENCICLOPÉDIA EXITUS DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA VLM I
CIA MELHORAMENTOS
CM
(1982)
R$ 6,90



HISTÓRIA 1 PARA O ENSINO MÉDIO - COLEÇÃO COMPACTA
RICARDO, ADHEMAR E FLÁVIO

(1998)
R$ 9,00



CRIANÇA PENSA
LYA LUFT E EDUARDO LUFT
GALERINHA RECORD
(2011)
R$ 20,00



HAVERÁ UMA SAÍDA?
JORGE LUIZ MANTOAN
FÔLEGO
(2011)
R$ 7,50



STEVEN SPILBERG APRESENTA OS GOONIES
STEVEN SPILBERG
RECORD
(1985)
R$ 25,00



PORTA ABERTA - CIÊNCIAS - 1º ANO - ED. RENOVADA
ÂNGELA GIL E SUELI FANIZZI
FTD
(2014)
R$ 30,00



ENTRE O CÉU E O INFERNO
JULIO IGLESIAS
RECORD
(1981)
R$ 5,00



EROS E PSIQUE A ALMA APAIXONADA
CARLOS ALBERTO DE CARVALHO
ROVELLE
(2014)
R$ 9,90



O LIVRO DE TODOS OS TEMPOS - HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - VOLUME 4
DOMINGOS MONTEIRO
LIDADOR
(1963)
R$ 10,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês