Menos que um, novo romance de Patrícia Melo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 15/11/2022
Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 5200 Acessos


Uma espécie de Les Miseràbles à brasileira. Eis o que é o novo romance de Patrícia Melo. Menos que um, publicado este ano pela editora Leyla, é uma terrível viagem ao círculo infernal da vida dos moradores de rua, dos sem-teto, sem comida, sem rumo, abandonados à própria sorte e tratados como seres indesejados por todos os estratos da sociedade.

Também é o retrato de uma humanidade que desistiu de si mesma, pois, ao criar essa espécie de não-vida para uma grande parcela da sociedade, ela se desumaniza em seus princípios civilizatórios. Patrícia Melo faz um mergulho sem igual no universo daqueles restos humanos que, com suas roupas rasgadas, sua fome constante, sua solidão irremediável, sua carência de tudo, transitam pelas ruas de nossas cidades como se não fizessem parte do nosso mundo.

À margem da margem. Sem uma cama para dormir, sem um chuveiro para se banhar, sem uma mesa para comer, sem proteção nenhuma diante das ameaças constantes que sofrem no seu dia a dia nas ruas, sem privacidade para cagar, mijar ou trepar, vivendo de uma caridade que raramente vem, sendo enxotados de todos os lugares, sendo perseguidos por assassinos noturnos, por policiais violentos, chutados e queimados por lojistas que os querem mortos e longe de seus estabelecimentos comerciais – jogados à própria sorte e desgraça: eis os moradores de rua, os desvalidos dos desvalidos, que o romance joga na nossa cara nos mostrando o grau de desumanidade na qual a nossa sociedade chegou.

O escritor, o artista, tem uma atração natural pelos desvalidos, pelos marginalizados. Como dizia Baudelaire, “é um amigo terno de tudo o que é fraco”. Mas é preciso coragem para enfiar o nariz nessa ferida aberta e exposta aos nossos olhos, produzida pelo sistema social injusto e desumano que se estabeleceu em nosso país.

E como dizia Marx, se você quer ver o que um sistema econômico faz com as pessoas é só olhar para seus corpos, pois é ali que se manifesta de fato o estrago. E os corpos de que o romance de Patrícia Melo expõe não cheiram ao que uma pessoa normal gostaria de cheirar. É preciso que o escritor desça aos infernos para revelar o cheiro de enxofre e morte que dali exala. E sua missão é “apoderar-se da atenção pública e curvá-la com sua obra para os abismos prodigiosos da miséria social” (Baudelaire).

Os órfãos das grandes cidades, esses homens e mulheres, essas crianças e velhos, esmagados pelas engrenagens de nossa sociedade que os abandona ao deus-dará, são os personagens visitados por Patrícia Melo com grandeza moral e com uma força literária raramente vista contemporaneamente, nos colocando dentro de um universo no qual jamais nos aproximaríamos, esse universo do qual, inclusive, afastamos os olhos e o nariz cotidianamente.

Menos que um é um livro necessário. Cumpre a mesma função que Les Misèrables, de Victor Hugo. Ainda citando Baudelaire: “Enquanto existir, por obra das leis e dos costumes, uma danação social que crie, artificialmente, infernos em plena civilização e que complique com uma fatalidade humana o destino que é divino... enquanto houver na terra ignorância e miséria, livros dessa natureza serão úteis.”


Cruzando vidas que se perdem pela miséria, pelo crack, pela violência, o romance nos faz acompanhar o dia a dia de moradores de rua: planejando suas camas no chão duro com papelões, pedindo comida, andando sem rumo e sem esperança o dia todo, sem proteção contra o sol, a chuva e o frio que os adoecem, transitam por ruas inóspitas às suas existências, entrando e saindo de albergues que limitam seu trânsito, embora ofereçam uma dignidade mínima, tentando manter-se coesos numa comunidade de despossuídos (o que lhes resta de humanidade) com destinos semelhantes, acostumando-se à doença, ao mau cheiro, à dependência alcóolica e de crack que os transtorna no seu já desesperado estado de insana miserablilidade.

Patrícia Melo não nos poupa de nada, nos devolve “aqueles que sofrem por causa da miséria e que a miséria desonra”: a vida de catadores de latas para vendê-las por um mísero trocado, a busca por comida em latas de lixo de restaurantes, a precariedade da vida de meninas abandonadas pela família, homens que perderam o emprego, a casa, a família - e se encontram perdidos na prisão da miséria e do abandono, de onde é praticamente impossível sair.

Também a resistência existe. O relato dela aparece no romance, nas invasões de prédios abandonados e na resistência contra tropas policiais grotescas e violentas (o famoso pobre espancando pobre), que armados de escudos, cassetetes e bombas fazem o serviço sujo quando judicialmente os sem-teto são despejados dessas moradias improvisadas e precárias.

O romance de Patrícia Melo tem um propósito. Nos mostrar em que pé a humanidade chegou criando essa legião de miseráveis, transformados em algo próximo a um bicho, como no revelador poema “O Bicho”, de Manuel Bandeira.

Menos que um nos diz que perdemos a chance de nos tornar realmente humanos ao compactuarmos com essa desumanização.

A força poética do texto da escritora nos envolve nessa rede de vidas perdidas de tal forma que saímos dilacerados de dentro do livro. Ampliamos de alguma forma, no entanto, nossa humanidade, removendo de nosso olhar o preconceito que temos contra os deserdados das cidades, esses seres engolidos por uma injustiça atroz, apagados da história, sem voz, sendo apenas menos que um. Patrícia Melo devolve a eles sua voz, que fala alto dentro do leitor.

Menos que um exibe a solidão, o abandono e a marginalidade através de um grito que se faz sentir não só pela existência dos personagens, mas nas entranhas da costura do romance, aberto num vai e vem desesperador, como se fosse as próprias entranhas dos personagens.

Os grandes escritores têm essa prodigiosa capacidade de nos mostrar um mundo que jamais veríamos, de nos mostrar o que de horrível a humanidade criou para si, nos tornando participes dessa tragédia a partir do próprio terreno onde ela existe e se manifesta, seja com seu mau cheiro, com sua podridão, com sua solidão, sua miséria, desespero, crime e morte: aqui está ela, esfregada em nossos focinhos perfumados e desumanizados, nas letras de por Menos que um.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 15/11/2022

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Polly de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. Guignard, retratos de Elias Layon - 13/12/2022
04. Neste Momento, poesia de André Dick - 20/9/2022
05. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês