A Velhice | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
Mais Recentes
>>> Eu sou Macuxi e outras histórias de Julie Dorrico pela Caos e Letras (2019)
>>> As festas no Brasil colonial de José Ramos Tinhorão pela 34 (2000)
>>> Brasil: Mito fundador e sociedade autoritária de Marilena Chaui pela Fundação Perseu Abramo (2000)
>>> Jetstream - pre-intermediate A- Student's Book & Workbook -c/Audio CD de Jane Revell - Mary Tomalin pela Helbling (2015)
>>> Jetstream - intermediate- Student's Book de Jeremy Harmer - Jane Revell pela Helbling (2015)
>>> Araribá Plus Geografia 8 de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2020)
>>> Tudo sobre cinema de Philip Kemp (Editor geral) pela Sextante (2011)
>>> Insta English 1 - Student's Book & Workbook de Emma Heyderman - Fiona Mauchline e outros pela Macmillan (2019)
>>> Cara, Cadê o Meu País? de David S. Moore pela Francis (2004)
>>> História da igreja católica de Philip Hughes pela Dominus (1962)
>>> Diário de Bordo de Noé de Francesca Bosca pela Ftd (2007)
>>> A 3ª Visão de Lobsang Rampa pela Record
>>> Guardiao Sete - O Chanceler do Amor de Rubens Saraceni pela Madras (2004)
>>> 200 Crônicas escolhidas de Rubem Braga pela Círculo do livro
>>> Na Praia e no Luar, Tartaruga quer o Mar de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo: Para Prevenção e Tratamento da Artrite de Peter D'Adamo e Catherine Whitney pela Campus (2004)
>>> As duas vidas de Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1977)
>>> O Mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2008)
>>> Teláris Arte 7 de Eliane Pougy - André Vilela e outros pela Ática (2019)
>>> Por amor a Audrey Rose de Frank de Felitta pela Francisco Alves (1983)
>>> Adestramento Inteligente de Alexandre Rossi pela Cms (2004)
>>> Aumente o Poder do Seu Subconsciente Para Vencer o Medo e a Ansiedade de Dr. Joseph Murphy pela Nova Era (2006)
>>> Eles não Usam Black-tie de Gianfrancesco Guarnieri pela Civilização Brasileira (2018)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/12/2020
A Velhice
Marilia Mota Silva

+ de 3300 Acessos

A Velhice
"É uma pena que exista um intervalo muito pequeno entre o tempo em que somos demasiado novos e o tempo em que somos demasiado velhos". Montesquieu; Pensées et fragments inédits de Montesquieu
.

A velhice me angustiava quando era criança. Imaginava que os velhos vivessem em agonia, apenas esperando a morte. Mais do que a degeneração da idade, me amargurava pensar que os velhos tinham um futuro curto pela frente e sabiam disso!

Pois sofri à toa, como acontece quando se sofre antecipadamente. Não é assim. Nossa perspectiva muda à medida que vamos envelhecendo:

- O futuro é curto, e sabemos disso. A consciência do tempo, ao contrário do que eu pensava, nos torna mais soltos, livres da carga de responsabilidades e preocupações que, às vezes, levamos vida afora. Estamos vivos, cada instante é glorioso!

Cada ciclo da vida tem seus desafios e sua beleza. A juventude é linda, sim, mas é difícil: escolher a profissão, tornar-se independente, adaptar-se a um mundo competitivo e bruto. E os relacionamentos, a formação da família, a educação dos filhos, a vida que pede para ser vivida enquanto é tempo que a juventude é passageira.

E quando nos damos conta, ela passou realmente. Os filhos, se os temos, são jovens adultos, estão vivendo suas próprias lutas.

- Velho vive no passado, diz-se, com pesar. Há verdade nisso, mas, de novo, é algo positivo: a partir dos sessenta, as memórias mais antigas afloram em nossa mente com mais frequência. Como se tivéssemos sido programados para isso. Elas chegam carregadas da emoção com que foram vividas. É inevitável contemplá-las, e aprender sobre nós mesmos, nossos pais, irmãos e amigos.

Nesse processo muitas vezes se percebe que tudo faz sentido. Aceitando a vida como é, aceitando a velhice e suas perdas, aceitamos também seus ganhos, sua beleza. Serenidade. A paz interior talvez seja a nossa maior conquista.

- Velho volta a ser criança, diz-se, vendo nisso sinais de senilidade. Mas essa é mais uma bênção da velhice. Nosso eu público, a armadura necessária no ambiente de trabalho, a fortaleza infatigável no dia a dia, indispensável para se dar conta de tantos papéis em que somos exigidos, vai para o armário junto com o salto alto.

A libido continua presente, mas já não é a chefe autoritária, inconveniente muitas vezes; é uma velha amiga com quem você ri junto, com quem você se entende. Em resumo, você está liberada para ser você mesma.

E hoje que sabemos da plasticidade da mente, é uma absoluta alegria continuar aprendendo. Pelo prazer de aprender. E nunca foi tão fácil, temos tudo à disposição, cursos sobre qualquer assunto, de física a jardinagem, nas melhores universidades, em seriados, livros, nas redes sociais.

Um amigo, depois de relatar as isquemias que tem sofrido e outros problemas de saúde, me escreveu: Nos últimos anos tive duas aquisições valiosas para o meu equilíbrio e paz de espírito: a conquista da minha pequenez, que diminuiu meu tom de voz e as ilusões de glória, e a conquista da desimportância, essa então é uma bênção, pq eu me maltratava por não ter lido o livro X, não ter visto o filme Y, desconhecer o filósofo Z, nao ter viajado ao país W: nada disso tem importância alguma na ordem das coisas, nem na ordem das Minhas coisas, pq nada a rigor decorria dessa importância. Qualquer decisão, atitude, decorriam sim do que eu fosse capaz de fazer com o que eu era, e não com o que eu pensava que devia ser. O envelhecimento é um confinamento a céu aberto, mas tem suas revelações doces e implacáveis: a desimportância é uma delas.

Sim, aceitar a própria desimportância. A vida ganha um sentido mais profundo, nos torna mais compreensivos, mais compassivos com os outros e com nós mesmos. Não é o fim do amor-próprio, ao contrário, nossa auto-estima talvez cresça. E a serenidade adquirida não é alheamento. As pessoas, amigos e família continuam sendo parte essencial de nossa vida, de nossas devoções.

Somos uma população crescente de pessoas acima dos 65 anos, somos um grande e precioso recurso humano que poderia ser melhor aproveitado, sobretudo nesse mundo socialmente doente. Deveríamos criar uma cultura, uma tradição que desse lugar aos mais velhos.

Falo por mim, naturalmente, e por amigas que sentem o mesmo: a boa surpresa, a alegria que tem sido viver esses anos que eu imaginava trágicos. Não sei se pensarei do mesmo jeito daqui a dez anos, ou se pensarei simplesmente. Mas, por enquanto, tudo lindo. Então, jovem, cuide-se bem e não se preocupe com a velhice. Como outras estações da vida, ela traz transformações e desafios; e talvez seja a mais feliz.



Marilia Mota Silva
Washington, 9/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Personagens secundários em séries de Rafael Fernandes


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva
01. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé - 21/10/2011
02. Cuba e O Direito de Amar (3) - 21/1/2021
03. O Vendedor de Passados - 9/5/2018
04. Memorial de Berlim - 23/12/2015
05. Nuvem Negra* - 8/2/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Practical English: 1, 000 Most Effective Words
Norman W. Schur
Ballantine Books
(1983)



Sucursal do Inferno
Izaias Almada
Prumo
(2012)



Livro Físico - Bad Blood
Sue Leather
Heinle Cengage Learning
(2013)



Hide
Lisa Gardner
Orion
(2007)



Do universo à jabuticaba
Rubem Alves
Planeta
(2010)



Dictionary of Music
Alan Isaacs / Elizabeth Martin
Hamlyn
(1982)



Instituto de Estudos Avançados - Vol. 19 - Nº 54
Universidade de São Paulo
Universidade de São Paulo
(2005)



As Noivas da Estrela
Hernani Donato
Melhoramentos
(2006)



Livro - Um Toque de Campainha - Nero Wolfe Investe Contra o Todo-poderoso Fbi
Rex Stout
Abril Cultural
(1984)



Discursos Socioculturais em Interação
Maria das Graças Dias Pereira
garamond
(2009)





busca | avançada
48369 visitas/dia
1,6 milhão/mês