A Velhice | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/12/2020
A Velhice
Marilia Mota Silva

+ de 3000 Acessos

A Velhice
"É uma pena que exista um intervalo muito pequeno entre o tempo em que somos demasiado novos e o tempo em que somos demasiado velhos". Montesquieu; Pensées et fragments inédits de Montesquieu
.

A velhice me angustiava quando era criança. Imaginava que os velhos vivessem em agonia, apenas esperando a morte. Mais do que a degeneração da idade, me amargurava pensar que os velhos tinham um futuro curto pela frente e sabiam disso!

Pois sofri à toa, como acontece quando se sofre antecipadamente. Não é assim. Nossa perspectiva muda à medida que vamos envelhecendo:

- O futuro é curto, e sabemos disso. A consciência do tempo, ao contrário do que eu pensava, nos torna mais soltos, livres da carga de responsabilidades e preocupações que, às vezes, levamos vida afora. Estamos vivos, cada instante é glorioso!

Cada ciclo da vida tem seus desafios e sua beleza. A juventude é linda, sim, mas é difícil: escolher a profissão, tornar-se independente, adaptar-se a um mundo competitivo e bruto. E os relacionamentos, a formação da família, a educação dos filhos, a vida que pede para ser vivida enquanto é tempo que a juventude é passageira.

E quando nos damos conta, ela passou realmente. Os filhos, se os temos, são jovens adultos, estão vivendo suas próprias lutas.

- Velho vive no passado, diz-se, com pesar. Há verdade nisso, mas, de novo, é algo positivo: a partir dos sessenta, as memórias mais antigas afloram em nossa mente com mais frequência. Como se tivéssemos sido programados para isso. Elas chegam carregadas da emoção com que foram vividas. É inevitável contemplá-las, e aprender sobre nós mesmos, nossos pais, irmãos e amigos.

Nesse processo muitas vezes se percebe que tudo faz sentido. Aceitando a vida como é, aceitando a velhice e suas perdas, aceitamos também seus ganhos, sua beleza. Serenidade. A paz interior talvez seja a nossa maior conquista.

- Velho volta a ser criança, diz-se, vendo nisso sinais de senilidade. Mas essa é mais uma bênção da velhice. Nosso eu público, a armadura necessária no ambiente de trabalho, a fortaleza infatigável no dia a dia, indispensável para se dar conta de tantos papéis em que somos exigidos, vai para o armário junto com o salto alto.

A libido continua presente, mas já não é a chefe autoritária, inconveniente muitas vezes; é uma velha amiga com quem você ri junto, com quem você se entende. Em resumo, você está liberada para ser você mesma.

E hoje que sabemos da plasticidade da mente, é uma absoluta alegria continuar aprendendo. Pelo prazer de aprender. E nunca foi tão fácil, temos tudo à disposição, cursos sobre qualquer assunto, de física a jardinagem, nas melhores universidades, em seriados, livros, nas redes sociais.

Um amigo, depois de relatar as isquemias que tem sofrido e outros problemas de saúde, me escreveu: Nos últimos anos tive duas aquisições valiosas para o meu equilíbrio e paz de espírito: a conquista da minha pequenez, que diminuiu meu tom de voz e as ilusões de glória, e a conquista da desimportância, essa então é uma bênção, pq eu me maltratava por não ter lido o livro X, não ter visto o filme Y, desconhecer o filósofo Z, nao ter viajado ao país W: nada disso tem importância alguma na ordem das coisas, nem na ordem das Minhas coisas, pq nada a rigor decorria dessa importância. Qualquer decisão, atitude, decorriam sim do que eu fosse capaz de fazer com o que eu era, e não com o que eu pensava que devia ser. O envelhecimento é um confinamento a céu aberto, mas tem suas revelações doces e implacáveis: a desimportância é uma delas.

Sim, aceitar a própria desimportância. A vida ganha um sentido mais profundo, nos torna mais compreensivos, mais compassivos com os outros e com nós mesmos. Não é o fim do amor-próprio, ao contrário, nossa auto-estima talvez cresça. E a serenidade adquirida não é alheamento. As pessoas, amigos e família continuam sendo parte essencial de nossa vida, de nossas devoções.

Somos uma população crescente de pessoas acima dos 65 anos, somos um grande e precioso recurso humano que poderia ser melhor aproveitado, sobretudo nesse mundo socialmente doente. Deveríamos criar uma cultura, uma tradição que desse lugar aos mais velhos.

Falo por mim, naturalmente, e por amigas que sentem o mesmo: a boa surpresa, a alegria que tem sido viver esses anos que eu imaginava trágicos. Não sei se pensarei do mesmo jeito daqui a dez anos, ou se pensarei simplesmente. Mas, por enquanto, tudo lindo. Então, jovem, cuide-se bem e não se preocupe com a velhice. Como outras estações da vida, ela traz transformações e desafios; e talvez seja a mais feliz.



Marilia Mota Silva
Washington, 9/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. Canção de som e fúria de Carina Destempero


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva
01. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé - 21/10/2011
02. O Vendedor de Passados - 9/5/2018
03. Nuvem Negra* - 8/2/2017
04. Proposta Decente? - 20/8/2014
05. Cuba e O Direito de Amar (3) - 21/1/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os 16 Heróis - E Você? Quem É?
Marcelo Assis da Silva
Madras
(2017)



Marina
Carlos Ruiz Zafón
Suma De Letras
(2011)



Os Lusíadas
Luís de Camões; Rubem Braga e Edson Braga (adap)
Scipione



Guia Prático de Labores Femininos - a Agulha e a Lã
Vários
Culturama
(1973)



New Interchange 1b
Jack C. Richards
University Press
(1997)



Os Voluntários da Patría na Guerra do Paraguai o Comando de Osório
General Paulo de Queiroz Duarte
Biblioteca do Exército
(1983)



O Amigo Imaginário
Alessandra Bourdot
Toquinha
(2007)



Nieuwe - Wereldvertaling - Heilige Schrift - (biblia Em Alemão)
Vários Autores
New World Translation Dutch
(1986)



Medicina Legal. Volume 1. Medicina Forense.
Afranio Peixoto
Livraria Francisco Alves
(1931)



Educação e Sociedade Vol. 9
Cedes
Cortez





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês