Quando amor e terra quase se confundem | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Casa de Praia com Piscina de Herman Koch pela Intrínseca (2015)
>>> Natureza Humana, Justiça vs. Poder de Michel Foucault e Noam Chomsky pela Martins Fontes (2014)
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/11/2015
Quando amor e terra quase se confundem
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1800 Acessos

São histórias que poderiam se passar em qualquer comunidade agrícola isolada do globo. Dois longas-metragens e um documentário, em cartaz na 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, têm como protagonistas aqueles que buscam seguir suas convicções e paixões, mesmo em condições adversas, sobretudo geradas pelo meio familiar e pela cultura local. Nessa jornada pela qual perpassam as personagens, imersas todas em regiões montanhosas, a relação campo versus cidade é uma sombra que os acompanha.

Em Ixcanul (2015), filme guatemalteco dirigido por Jayro Bustamante, María, uma menina maia é levada a um matrimônio forçado. Ela é apática quanto ao pretendente, e está aos poucos descobrindo sua sexualidade. Começa a amar alguém, Pepe, jovem humilde que trabalha na colheita do café e sonha ir além do vulcão, para os Estados Unidos. Com uma belíssima fotografia, imagens raras da paisagem local, um colorido figurino típico (embora num contraponto à sobriedade das roupas do dia a dia camponês), diálogos curtos e bem dosados, o longa alcança um resultado muito sensível e consistente. María parece querer ir além da vida que leva, e está disposta a fugir com Pepe. Ele se configura como o elo com a cidade. María sequer imagina como seja uma. Sua vida, ainda que talvez não se dê conta, é tão pré-determinada que os acontecimentos dão uma volta e a colocam ao mesmo lugar indesejado.

Embora tenha o desejo de ir para a cidade, esse é tão pouco delineado, pois nem ao menos sabe como é o mundo urbano. Assim como no outro longa que será comentado, a cidade é mais como um outro lugar, inacessível, distante demais, que pode ser uma tentativa de dispersão diante do embrutecimento e da inexorabilidade de sociedades fechadas em si, e que, assim, permanece como um impossível além das montanhas, além das plantações, do vulcão ou dos pastos. Ixcanul fala, então, do amor, da condição feminina, mas também, diante das condições de extrema pobreza e exploração da força de trabalho camponesa, dos destinos moldados pela força, pela impunidade e pelo mandonismo certas vezes sutil em terras longínquas.

A cidade também pode representar a perda das tradições ancestrais, e assim ser vista com maus olhos, ou então consistir numa abertura para um futuro diferente, supostamente mais de acordo com o desenvolvimento econômico-tecnológico atual. Essas são algumas das questões do filme Nômade celestial (2015), do Quirquistão, de Mirlan Abdykalykov. Uma família de nômades vive nas montanhas desse país, na Ásia central. A paisagem local é ampla e bela, e o dia a dia é todo cercado por cavalos criados soltos. Um casal de idosos e sua nora, Shaiyr, assim como sua pequena filha Umsunai convivem ainda sob o signo da morte do homem da casa, marido de Shaiyr. Após essa morte, o filho mais velho do casal é enviado à cidade, para estudar. A questão da jovem viúva reconstruir uma vida de casada se torna latente com a chegada de Ermek, um citadino que trabalha temporariamente numa estação de meteorologia nas montanhas.

Assim, Shaiyr também se depara com importantes questões que envolvem não só a sua felicidade pessoal, mas também o destino de toda sua família atenta às tradições de seu modo de vida nômade. Não parece ser à toa, e chega a ser contraditório, que essas mulheres protagonistas tenham em suas mãos a chave da existência de sua família, mas se sintam engessadas por seu próprio papel principal. Como em Ixcanul, as decisões e os atos de Shaiyr no âmbito sentimental trará sérias consequências familiares, até mesmo determinará seu futuro. As vias de acesso, como a rodovia em Ixcanul, aqui também aparecem como o local de passagem, de trânsito ao universo citadino. Sendo que outro elemento, a construção de uma ferrovia próxima ao local onde a família nômade reside, irá deflagrar trágicas e inevitáveis consequências ao seu modo de vida tradicional.

Da mesma forma, vemos em Nômade celestial o tal elo citadino, o qual se conforma nas figuras de Ermek e o filho. São eles que trazem não só objetos da cidade, sem os quais a família pode continuar a viver, mas um desejo de no campo restar apenas temporariamente - é na cidade que sua vida adquire o formato confortável que aspiram. Shaiyr permanece muito calada nesse fogo cruzado, e, assim como a garota maia, María, é uma personagem extremamente lacônica, com pouquíssimas falas ao longo do filme. O convite de Ermek para que eles se casem e morem na cidade desencadeia uma atitude reativa. No entanto, aqui a vida das personagens parece menos determinista que no longa da Guatemala, e as possibilidades de mudanças de modo de vida parecem mais abertas e um pouco menos venenosas, justamente porque não há a presença de um sistema agrícola exploratório.

Por fim, vejamos o documentário português Volta à terra, com direção de João Pedro Plácido. Temos outro entorno deslumbrante, a aldeia de Uz, no Minho, região montanhosa ao norte de Portugal rica em paisagens naturais. Uz tem apenas 49 habitantes, que vivem da agricultura de subsistência. O cotidiano local é mostrado no decorrer de um ano, seguindo as estações. Dentre alguns de seus habitantes retratados, tem destaque Daniel, de 21 anos. O jovem camponês gosta do modo de vida rural, e não pretende se mudar para a cidade tão cedo, nem mesmo na busca por um amor. É mesmo avesso à televisão e cuida do gado, em adoráveis e muitas vezes divertidas cenas com Cereja, Laranja, Galante e outros animais. Numa agenda anota as datas dos partos das vacas. Pois num contraponto, aqui temos um jovem real, procurando uma namorada (na festa para o verão o vemos flertando, e sua procura vem à tona em conversas familiares), porém ele não está disposto a seguir uma amada real na cidade, mas ambiciona que ela venha juntar-se a ele em seu mundo rural, com suas atividades bem delineadas. Daniel vai contra a corrente da imigração que esvaziou essas aldeias portuguesas da região.

Como as personagens mulheres das ficções, o vemos à vontade em seu meio natural, o campo. Por outro lado, a cidade não lhe traz certo fascínio, ainda que exatamente a ele pareça mais à mão tal possibilidade de mudança. Será difícil para o jovem camponês, deixa implícito o roteiro do documentário, atrair uma jovem disposta a compartilhar de seu modo de vida. E assim será difícil María, por sua vez, como mulher, abandonar as necessidades de seus pais, tão atados que estão à terra que lhes é apenas cedida pelas contingências. Por sua vez, Shaiyr se encontra no limiar da civilização moderna, que avança seja na forma dos trilhos ou de um marido estudado. Daniel está enraizado na terra de seu campo e parece que o amor por ela ainda é mais concreto do que os volúveis horizontes futuros do coração.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 12/11/2015


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2015
01. Rugas e rusgas - 15/1/2015
02. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá - 5/2/2015
03. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas - 26/2/2015
04. Em noite de lua azul - 6/8/2015
05. Quero ser Marina Abramović - 7/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÖSTERREICH
ROLF BAUER
HEYNE GESCHICHTE
(1980)
R$ 30,00



PÁGINAS DE RESISTÊNCIA - 1946 A 1958 TRIBUNA DO PARÁ
FRANCISCO RIBEIRO DO NASCIMENTO
IMPRENSA OFICIAL DE SP
(2003)
R$ 20,00



CALVIN E HAROLDO: YUKON HO!
BILL WATTERSON
CEDIBRA
(1989)
R$ 23,00



REFLEXÕES PARA O FUTURO - VEJA 25 ANOS
VEJA
ODEBRECHT
R$ 5,70



TERMOS E EXPRESSÕES DA PRÁTICA MÉDICA: APÊNDICES ELEMENTOS GRECO
OSIRIS COSTEIRA
FQM
(2001)
R$ 26,82



FALA NOEL - AUTOGRAFADO!!!
ELOISA DE BOTTON
OBJETIVA
(1990)
R$ 50,00



TATSACHEN ÜBER DEUTSCHLAND
LEXIKON BERTEISMAN
LEXIKOTHEK VERLAG
(1984)
R$ 30,00



QUAND LA BEAUTÉ NOUS SAUVE
CHARLES PÉPIN
POCHE MARABOUT
(2013)
R$ 40,00



S.O.S. O MUNDO PEDE CULTURA
NELLO ANDREOTTI NETO
RIDEEL
(1992)
R$ 17,00



A CRISE DE NOSSA LÍNGUA DE CULTURA
ANTONIO HOUAISS
TEMPO BRASILEIRO (RJ)
(1983)
R$ 16,28





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês