O humor da Belle Époque | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/11/2002
O humor da Belle Époque
Gian Danton

+ de 4100 Acessos

Existe uma linha dos estudos históricos que tem como filosofia usar os produtos culturais criados pela sociedade para estudar e compreender uma certa época. É o que faz Elias Thomé Saliba, em Raízes do Riso, recentemente lançado pela editora Companhia das Letras. O volume analisa a representação humorística na época da Belle Époque brasileira.

Elias Thomé Saliba é professor livre-docente na USP. É autor do volume 3 da História da Vida Privada no Brasil, "A Dimensão Cômica na Vida Privada na República".

O livro parece, para um leitor desavisado, uma simples coletânea de piadas, mas passa longe disso. É, na verdade, um estudo aprofundado da cultura e da história brasileira. Saliba não quer apenas mostrar o riso nacional, mas demonstrar que o que esse riso tem de brasileiro.

A preocupação com a questão da identidade é revelada logo no início, quando é contada uma piada na qual um francês, um inglês e um alemão são convidados a escreverem sobre o camelo.

O francês vai ao Jardim Botânico, fica por lá meia-hora, conversa com o guarda, joga pão ao camelo, cutuca o bicho com a ponta do guarda-chuva e, ao voltar para casa, escreve um folhetim cheio de observações picantes e espirituosas.

O inglês prepara-se para a aventura e organiza uma expedição ao Oriente, onde passa três anos e produz um grosso volume, repleto de fatos, mas sem ordem ou conclusão.

Quanto ao alemão, tranca-se num quarto e lá produz uma obra em vários volumes intitulada "A Idéia do camelo deduzida da concepção do Eu".

Saliba arrisca deduzir como o brasileiro reagiria ao desafio: adiaria indefinidamente o estudo, iria para a praia, tomaria uma cerveja e, depois de muito conversar com os amigos sobre o camelo, comporia um samba intitulado "Eu não sou camelo não".

É justamente compreender essa essência do brasileiro, através do humor, que Saliba pretende com seu livro.

Como o volume é resultado de um trabalho científico, antes ele passeia pelas principais definições do que vem a ser humor.

A mais famosa é a do filósofo Henri Bérgson, segundo o qual o cômico nascia do contraste entre os elementos mecânicos e vivos. Como se vê, uma definição muito influenciada pelos fatos ocasionados pela revolução industrial. Os desajustes entre as mudanças e as reações das pessoas a elas estão na base do humor. Exemplo disso é a cena, comum em muitos filmes mudos, da pessoa que se empenha de pequenas ocupações cotidianas, mas as coisas foram embaralhadas ou trocadas de lugar: mete a caneta no tinteiro e sai cola, acredita sentar-se na cadeira e cai. Em suma, age em decorrência de um ritmo ou hábito adquiridos e não consegue se adequar às mudanças.

Uma definição talvez mais interessante seja a de Luigi Pirandello. Para ele, o risível tem suas bases, na época da revolução industrial, nas imprevisíveis rupturas de realidade.

Para ele, o riso nasce da percepção do contrário. Como exemplo, temos uma velha que se pinta, veste-se como moça e pinta os cabelos. Ao vê-la, temos a percepção de que ela não é nem uma velha respeitável, nem uma moça, e dessa percepção do inusitado da situação, surge o riso. Mas o riso também nasce de um sentimento de superioridade.

Entretanto, para Pirandello, a percepção do contrário pode transformar-se num "sentimento do contrário" no momento em que aquele que ri procura conhecer os motivos pelos quais a velha procura mascarar sua velhice. Nesse momento há uma percepção, por parte daquele que ri, de que também ele pode ficar velho e fazer o possível para reconquistar a juventude perdida. Nesse momento, o riso se transforma em sorriso. O cômico se transforma em humor. Para passar de um para outro, é necessário renunciar ao distanciamento e à superioridade.

Exemplo disso é Dom Quixote. Suas atitudes são cômicas, mas Cervantes o descreve como se também ele, Cervantes, fosse um pouco Quixote.

O escritor russo Nicolai Gogol também apresenta essa guinada. Seus personagens são cômicos, desajeitados, perdedores, mas Gogol se compadece deles. É o riso entre lágrimas.

Para Pirandello, essa característica do humor poderia ser usada para conscientizar o público, leva-lo a rever suas próprias premissas e preconceitos. Não é à toa que o conceito de obra aberta, de Umberto Eco, valoriza tanto o humor.

Essa capacidade de conscientização e de crítica social do humor vai ser explorada do Saliba. Raízes do Riso trata da Belle Époque porque foi uma época que no Brasil o humor tornou-se a principal forma de protesto contra os desvios da República. Os humoristas, que sonharam com a abolição e o regime republicano, viam seus sonhos transformarem-se em pesadelo (na verdade, o Brasil passou da monarquia direto para a ditadura militar, sem qualquer transição democrática). Os intelectuais do período eram chamados de mosqueteiros da sátira, ou Dom Quixote da comédia.

Em nossa época, de disputa eleitoral, vale a pena resgatar uma dessas reflexões críticas sobre o pleito. De autoria de Guimarães Passos e publicada originalmente no semanário O Filhote, o poema abaixo narra as desventuras de um brasileiro de sotaque lusitano num dia de eleição e mostra que público e privado sempre foram inseparáveis na democracia brasileira:

José, natural das Ilhas,
que fala cerrado e grosso,
disse anteontem para as filhas:
votem o diavo du almoço!

Beijam se andam mais dipressa!
Bamos! Preciso cumer,
Porque a eleição já cumeça;
Quero cumprir meu deber!

A amásia dele, mulata,
Acode: Que é, seu Zezinho?
Jesus! Este home me mata...
Pro que é que sai tão cedinho?

E o Zé, palpando a barriga:
Tenho presssa d'almuçar!
Saiva você, rapariga,
Que o seu home bai botar!

E ela: Você botar? Iche!...
Seu Zezinho, tome nota!
Não caia n'algum espiche:
Há tanto tempo não bota!

Para ir além





Gian Danton
Macapá, 1/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
02. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
03. Fabio Weintraub, poesia em queda livre de Jardel Dias Cavalcanti
04. Despindo o Sargento Pimenta de Luiz Rebinski Junior
05. Sabe-tudo dá plantão em boteco paulistano de Ana Elisa Ribeiro


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. Público, massa e multidão - 30/8/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. O filósofo da contracultura - 18/10/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Procura- Se Hugo / 8ª Ed
Diléa Frate
Ediouro
(2002)



II Simposio Estadual do Café
Cetcaf
Cetcaf
(1996)



Cenas Brasileiras
Rachel de Queiroz
ática
(2002)



Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll; Adaptado por Débora J. Durães
Abril
(2011)



Não Faça Tempestade Em Copo DÁgua no Trabalho
Richard Carlson
Rocco
(1999)



Meditação dos Guias Interiores
Edwin C. Steinbrecher
siciliano
(1990)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1974)



Guia Prático para a Ascensão
Tony Stubbs
pensamento
(2004)



Antologia Poética
Manuel Bandeira
Global
(2013)



Inocência
Visconde Te Taunay
Escala
(1992)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês