Digestivo nº 34 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
>>> Seu Mauro
>>> Mamãe
Mais Recentes
>>> 9788522443987 de Michael Porter ( pela Campus (1999)
>>> Renunciando por Amor de Izoldino Rezende pela Cristo Consolador (2012)
>>> Linguagem de Sinais de Vários Autores pela Soc. Torre de Vigilia (1992)
>>> O Golpe de 64 e a Ditadura Militar (colecao Polemica) 5ª de Júlio José Chiavenato pela Moderna (1994)
>>> Guia Ilustrado de Peixes da Bacia do Rio Grande de Org Monica Maria Vaz pela Cetec (2000)
>>> Almas Que Voltam de Fernando do ó pela Feb (1988)
>>> Inculta e Bela V. 2 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2001)
>>> Licitações e Contratos Lei Nº 8666/93 de Varios pela Forum
>>> Livro House Of Night -Coleção Completa V.2 (7 ao 12) Ver Desc. Literatura de P.C. Cast e Kristin Cast pela Novo Seculo (2010)
>>> Luz na Penumbra de Aureliano Alves Neto e Outros pela Do Lar (1986)
>>> Quando Setembro Chegar de Fatima Arnolde pela Lumen (2013)
>>> Educação Pre-escolar de Gilda Rizzo pela Francisco Alves (1988)
>>> Dinamica de Grupo: Jogo da Vida e Didatica do Futuro de Balduino a Andreola pela Vozes (1985)
>>> Pronto Socorro de Plantas-bolso de Yone Fukusima pela Nobel (1989)
>>> O Avesso de Saulo Marden pela Do Autor (2005)
>>> Revista 58-ano I Numero 01-da União Brasileira de Escritores de Vários pela Cepe (1991)
>>> Lei de Licitações e Contratos Administrativos de Renato Geraldo Mendes pela Zenite (2006)
>>> Por Que Não o Melhor? de Jimmy Carter pela José Olympio (1976)
>>> O Branco da Maçã e Outros Lapsos de Luiz Ayrton Santos Junior pela Avant Garde (2015)
>>> Mulheres Em Terapia de Harriet Lerner pela Artes Médicas (1990)
>>> Be-a-bá da Cozinha- o Livro Que Ensina a Cozinhar de Vovó Sinhá pela Nagycolor
>>> Pregão Presencial e Eletronico de Joel de Menezes Niebuhr pela Zenite (2005)
>>> Recordações do Escrivão Isaias Caminha de Lima Barreto pela Folha (1997)
>>> Pensamentos e Emoçoes-bolso de Ana Maria Braga pela Nova Cultural (1998)
>>> Reliquias da Casa Velha de Machado de Assis pela Globo
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 30/5/2001
Digestivo nº 34
Julio Daio Borges

+ de 3900 Acessos




Além do Mais >>> 2001 será um bom ano apenas para os psiquiatras
Antonio Ermírio de Moraes, ex-baluarte do desenvolvimentismo, povoa as páginas da última edição da revista Dinheiro a fim de lavrar seu protesto contra a imprevidência do Governo Federal, do Presidente da República, e as medidas do racionamento de energia: "Se eu quebrar um dia, não posso colocar a culpa no meu diretor-financeiro. Eu estou fazendo o quê aqui?". Antonio Ermírio de Moraes não acredita num FHC que foi pego de surpresa, calcula prejuízos de US$ 75 milhões para suas empresas e, considerando que planejava uma expansão na produção, de 30 mil toneladas (em uma década), confessa: "Vou perder dez anos de trabalho". Ele faz parte de uma ala de empreendedores que, como Josué Cristiano Gomes da Silva, da Coteminas, não engole os deslizes dos "ministros do apagão", Pedro Parente e Alcides Tápias: "É essa sensação de stop-and-go que sempre atinge o País, como se nunca conseguisse superar uma crise e andar para frente." Juntando a esse sentimento, o remendar de Medidas Provisórias, as ações e exceções na Justiça, as trapalhadas oficialescas vindas de Brasília, tem-se um pandemônio instalado, lançando o Brasil na sua primeira experiência anarquista: "Esse negócio de desligar a casa de um, de outro, é impossível. Não dá para acreditar nisso", referenda Ermírio. Como se não bastasse a confusão, a partir de 1º de junho, estão previstos também novos ataques aos bolsos do contribuinte: "A arrecadação de impostos vai cair em todo o País. Só olharam o lado fiscal e o lado fiscal piorou. Vai faltar ICMS para todos os governadores. Meu medo é que eles queiram aumentar as alíquotas". Alguém duvida? [Comente esta Nota]
>>> Revista Dinheiro
 



Literatura >>> Para ser poeta, é preciso ser mais que poeta
Paulo Leminski foi. É o que atesta a recém-lançada biografia de Toninho Vaz, amigo íntimo desse "espírito ambulante da contracultura". Paulo Leminski foi também um abismo de contradições, e seria preciso alguém mais intrincado do que ele para explicá-lo em sua totalidade (coisa que Vaz não se aventura a fazer, prefere simplesmente narrar). Impossível não se intrigar com o menino prodígio que, admitido no Mosteiro de São Bentro, discutiria os clássicos latinos e gregos, a bíblia em hebraico, e que, com 18 anos apenas, fascinaria os Concretistas, dialogando de igual para igual e interpretando autores como Ezra Pound. Choca que tenha sido sugado pelo buraco negro dos loucos anos 60 e 70, que transformariam sua vida num coquetel de álcool, drogas e excessos dos quais ele jamais conseguiria se recuperar. Acontece que Paulo Leminski se misturou, de tal forma, a esse caos destrutivo que não há como separar ele, e sua produção, desse contexto alucinado: "tudo em mim / anda a mil / tudo assim / tudo por um fio / tudo feito / tudo estivesse no cio / tudo pisando macio / tudo psiu". Leminski era um homem de ambições desmesuradas e, na trilha da experimentação linguística de Guimarães Rosa, publicaria o joyceano e controverso "Catatau". Acabou, porém, mais reconhecido por suas intervenções na música popular, na televisão e nos haikais: "isso de querer / ser exatamente aquilo / que a gente é / ainda vai / nos levar além". O volume é ágil, leitura para uma sentada, e Toninho Vaz, malgrado sua subjetividade (nem um pouco isenta), conduz o leitor com a autoridade de testemunha ocular da história - e traz Leminski novamente à baila: "tudo o que passa / tudo o que dura / tudo o que duramente passa / tudo o que passageiramente dura / tudo, tudo, tudo / não passa de caricatura / de você, minha amargura / de ver que viver não tem cura". [Comente esta Nota]
>>> "Paulo Leminki: o bandido que sabia latim" - Toninho Vaz - 378 págs. - Ed. Record
 



Televisão >>> A History of America
Desde segunda-feira, está sendo transmitida, pelo GNT, a melhor série sobre Jazz até o momento: o documentário de Ken Burns, também editado em livro, em parceria com Geoffrey C. Ward. O especial varre desde as origens mais remotas do "Jass", com Buddy Bolden, Jelly Roll Morton, Sydney Bechet e Freddie Keppard até os dias de hoje, passando por iluminados como Louis Amstrong e Duke Ellington. São doze capítulos, abordando cada um seu período de cinco ou dez anos (desde 1907), intercalando comentários saboros do embaixador Wynton Marsalis, dos próprios protagonistas, e de outros estudiosos como Stanley Crouch, Gerald Early, Gary Giddins, Dan Morgenstern e Albert Murray. As imagens, as performances, as entrevistas, com as lendas e com os mitos mais importantes da música do século XX, são imperdíveis para qualquer ouvinte que se preze. O Jazz influenciou todos os ritmos, sem exceção, desde que surgiu, em New Orleans. O Jazz tem seus padrões, mas é tão infinitamente capaz de renovar-se que instaurou a primazia da interpretação, da versão, do improviso, eclodindo numa modernidade sem limites. É, sem dúvida, a maior herança cultural dos Estados Unidos da América para a Civilização Ocidental. No Brasil, foi sempre associado a um público "intelectualizado", com acesso às vanguardas sonoras, mas infiltrou-se de tal sorte na dita Música Popular que a Bossa Nova e João Gilberto (para ficar em dois exemplos) seriam outros sem ele. Ainda que se procure esclarecer as disputas e os mal-entendidos entre brancos e negros, durante a evolução do Jazz, continua inestimável a divída das Américas para com a África Negra. [Comente esta Nota]
>>> Amazon.com
 



Cinema >>> O homem é o menino perene
Está em cartaz, há mais de um mês, no Cinesesc, uma das mais belas obras de François Truffaut, Os Incompreendidos (Les quatrecents coups, 1959). Estréia do impiedoso crítico da Cahiers du Cinéma, Os Incompreendidos projetou Truffaut mundialmente, como cineasta, e garantiu-lhe vaga no panteão da Sétima Arte, calando a boca de seus desafetos e detratores. É uma obra-prima da criação humana, perceptível a olho nu, sem a necessidade de que se evoque todo o instrumental da nouvelle vague. Assim como nos chamados romances de formação, François Truffaut retrata a si mesmo, e é sempre instigante ouvir um grande autor falar sobre seu passado, de maneira honesta. Chama a atenção, 42 anos depois, a atuação de Jean-Pierre Léaud, uma estrela de brilho raro, afinal, é preciso garimpar muito até que se encontre um jovem que saiba interpretar a juventude, em 100 anos de cinema. A história é a do adolescente mal amado pelos pais, incompreendido pelos mestres, que se atira na vida urbana, e na delinqüência infantil, como se tudo não passasse de uma grande brincadeira. Acaba repreendido, aprisionado e levado para o reformatório (uma escola militar). É pungente a lealdade de seu melhor amigo (quase uma criança), a insensibilidade da mãe e do padrasto (ela, bonita e cruel; ele, bronco e pusilânime), a crueza dos cenários (a escola de paredes lascadas, a casa em forma de cubículo, a aridez das paisagens), o sofrimento da personagem principal (violentada pela realidade dos adultos, que só enxerga homens feitos, nunca imperfeitos ou "por fazer"). Qual não seria a dor de Truffaut, ao realizar um filme assim: autobriográfico. Certamente uma dor funda, que, ainda hoje, atinge o espectador e, em igual proporção, o encanta. [Comente esta Nota]
>>> O Estado de S. Paulo
 



Artes >>> Too young to die; too old to rock'n'roll
Angeli, o cartunista punk, o artista rock, o idealista hippie, é o centro das atenções na revista Caros Amigos, de maio de 2001. Junto com Toninho Mendes, foi o pai da publicação de história em quadrinhos mais marcante da década de 80: a Chiclete com Banana, cujo título homenageia Jackson do Pandeiro. Os tipos inesquecíveis que criou permaneceram no imaginário de uma geração que, nessa época, despontava para a idade dos hormônios. Como se não bastasse, financiou revistas como Circo, Piratas do Tietê, Geraldão e Níquel Náusea, que completavam o cenário de contestação e despertar orgiástico. Angeli se diz discípulo de Millôr Fernandes e Ziraldo, embora reconheça também algum pendor por Juarez Machado, no início da carreira. Estreou, em grande estilo, na revista Senhor, em 1970, aos 14 anos, e está há quase três décadas na Folha de S. Paulo. Por mérito, e até por falta de equivalentes "literários", Angeli acabou se fixando como um dos principais cronistas da metrópole paulistana. Dada a sua bagagem pop, de referências ao underground e à estética beat, desenvolveu uma produção que disseca o "submundo" de toda e qualquer grande cidade, universalmente. Seus personagens são incisivos e arquetípicos, correndo o risco de serem encontrados nas ruas, nos escritórios, na intimidade do lar, no circuito de bares. Para o bem ou para o mal, Angeli se asilou nesse labirinto que criou para si, desde os anos 70 até a aurora do século XXI, defendendo posições radicais, comercialmente desvantajosas, politicamente ingênuas (às vezes), mas resguardando sempre sua integridade. No país do faturo, é de se admirar. [Comente esta Nota]
>>> Caros Amigos
 
>>> MINHA PÁTRIA É MINHA LÍNGUA
"Na verdade, ele não é o dono da razão."
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Frommers - Guia Completo de Viagem - Orlando
Rena Bulkin
Julio Louzada
(1995)



A Última Conversão
Art Ayris - Danny Buladani e Outros
100%cristão
(2012)



Gente Catarina Origens e Raízes
Werner Zotz
Letras Brasileiras
(2002)



Bichinho de Estimação - Coleção Eu Gosto Mais Leitura
Alina Perlman
Ibep Geral
(2012)



Le Dernier Jour Dun Condamné
Victor Hugo; Lecture Accompagnée Par Alain T
Gallimard
(2000)



A Lenda do Centauro
Antonio Santos
Record
(1999)



Transformando Suor Em Ouro
Bernardo Rocha de Rezende
Sextante
(2006)



Língua e Estilo Ironia e Humor Nas Crônicas de Veríssimo
Roberto Carlos Borges
Velocípide
(2002)



Und Jetzt Ihr! Basisgrammatik Fur Jugendliche
Christine Schmidte * Marion Kerner
Hueber
(2002)



Nada Melhor Que um Beijo
Carmen Martins
Difusão Cultural do Livro
(2006)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês