Televisão | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS >>> Televisão

Segunda-feira, 12/5/2014
Televisão
Julio Daio Borges



Digestivo nº 500 >>> Luciano do Valle (1947-2014)
Luciano do Valle foi Galvão Bueno antes de Galvão Bueno. E, principalmente, melhor que Galvão Bueno. Quando o tom oficialesco de Galvão Bueno se consagrou na TV Globo, era na TV Bandeirantes que os telespectadores iam buscar refúgio. Luciano do Valle driblou a correção política ao dar espaço a um desbocado Silvio Luiz, nos anos 80, e a um nada sofisticado Neto, nos anos 90. E, em vez de repousar sobre os louros da fama, abriu novas frentes para a transmissão esportiva. Quem viveu os anos 80 se lembra de Bernard, e sua "jornada nas estrelas", Montanaro, William e Xandó, a chamada "geração de prata" do vôlei brasileiro. Assim como quem viveu os anos 90 obviamente se lembra de Marcelo Negrão, Tande, Giovane e Maurício, que conquistaram, efetivamente, o ouro para o Brasil. Luciano do Valle forjou, igualmente, carreiras como as de Hortência e Paula, no basquete feminino. E, mais discutivelmente, a de Adilson Rodrigues "Maguila", no boxe. Quando o Brasil descobria a NBA, Luciano do Valle apelidou Paula de "Magic Paula" (evocando Magic Johnson). E quando o mundo se espantava com Mike Tyson, quis, com o "professor" Newton Campos, que o Brasil tivesse, nos pesos pesados, seu representante. (Não durou dois rounds com Evander Holyfield, em 1989, para a decepção geral da nação.) Em sua primeira encarnação, Luciano do Valle juntou-se à equipe esportiva da Globo durante a cobertura da Copa de 70. Consagrou-se, nessa década, quando cobriu as principais vitórias de Emerson Fittipaldi na F1. Depois da Copa da Espanha, em 82, saiu da Globo para a Record, mas fez escola mesmo, a partir de 83, na Bandeirantes. Praticamente criou o "Canal do Esporte", apostando em transmissão esportiva maciça, aos domingos, com o Show do Esporte. (Quando não competia com Galvão Bueno, estava competindo com ninguém menos que Silvio Santos.) Luciano do Valle ainda foi pioneiro da Fórmula Indy no Brasil e quis fazer até o futebol americano cair no nosso gosto. Exageros à parte, ficamos sem alternativa na próxima Copa do Mundo, justamente a do Brasil. Não dá para comparar Luciano do Valle com Milton Neves ou ― pior ― com José Luiz Datena. Mas pior ainda será Galvão Bueno reinando absoluto na Globo. O homem que já esculhambou Pelé, em pleno Tetra, sofreu a campanha do "Cala a Boca, Galvão", na última Copa, e não abaixou a crista, aparentemente não será detido em pleno voo, nem pela proverbial sinceridade de Casagrande. Cléber Machado? É muito bom-mocismo para um locutor só... Mas voltando a Luciano do Valle, o fato é que a TV Bandeirantes deve-lhe muito, para não dizer tudo. Antes de ser hoje esse player representativo da comunicação brasileira, o Grupo Bandeirantes contou com a visão, o pioneirismo e a grande capacidade de realização do campineiro Luciano do Valle Queirós. [Comente esta Nota]
>>> Luciano do Valle
 



Digestivo nº 496 >>> A morte da MTV Brasil
Desde o advento da internet, a MTV já foi acusada de muita coisa. No auge do MySpace (quando da aquisição por Rupert Murdoch), a MTV foi acusada de não ter inventado as redes sociais. Afinal, na década de 90, a emissora tinha o público jovem "na mão"... Por analogia: por que a MTV não inventou o Facebook, ou o Instagram? (Ou, no Brasil, o Orkut?) Também já acusaram a MTV de não ter inventado o YouTube. Afinal, a emissora detinha o monopólio dos vídeos musicais em décadas anteriores... Acontece que a Blockbuster não inventou o Netflix. Nem a Barnes & Noble inventou a Amazon. Do mesmo jeito, as gravadoras não inventaram o iTunes, nem a Apple (apesar de existir, originalmente, uma gravadora com esse nome). A verdade é que ninguém detém o monopólio da inovação. Nem empresas "de ponta". E trabalhar com público jovem não é garantia de nada. É garantia, talvez, de que você pode passar de moda. No Brasil, a MTV local foi "tendência" nos anos 90. Tanto que influenciou a linguagem da televisão brasileira no período. Mas, a partir dos anos 2000, a MTV Brasil, assim como sua matriz, perdeu o norte. O negócio da música, com a pirataria e o download, deixou de ser o que era. Com as gravadoras em crise, a MTV perdeu seu alicerce: a veiculação de clipes (jabá?). A programação, no Brasil, deu uma guinada "comportamental". O alvo continuou sendo o público "jovem", mas o consumo deixou de ser direcionado para a música. A MTV Brasil poderia ter retirado o "M" do nome, porque funcionava nos moldes de uma TV qualquer, ou de um canal, dependendo de publicidade. E a MTV Brasil lançou humoristas, além de VJs, que foram alçados ao mainstream. Mas por que a MTV não teve a ideia do Porta dos Fundos? (Seguem as perguntas.) Ainda assim, o grosso do faturamento da emissora se concentrava num único evento anual, o VMB, o "oscar" da MTV Brasil, com shows e apresentadores em performances que pretendiam entrar para a História. Com a última reestruturação do Grupo Abril, que descontinuou títulos como Alfa e Bravo!, e ameaçou pilares como Playboy e Capricho, a MTV Brasil acabou sacrificada. Sua "morte" foi dramática, com direito a contagem regressiva e o retorno de VJs que marcaram época e que haviam sumido do mapa. A geração que assistiu ao nascimento da emissora, nos primórdios da década de 90, se comoveu. Mas e a geração de jovens que cresceu com a internet? O canto do cisne, que deve ter retirado a audiência do traço, não foi suficiente, contudo, para reverter o processo. A MTV Brasil, apesar dos pesares, não "morre". Ela retorna às mãos de sua controladora original, a Viacom. E qual é o legado dessa primeira encarnação da MTV para o Brasil? Será que é musical? Será que é a de ter atualizado o "gosto" para um padrão mais "globalizado"? Será que é ter promovido encontros musicais nos VMBs? É mais provável que sua contribuição tenha menos a ver com o "M" do que com o "TV". Se o rock brasileiro dos anos 80 descobriu a juventude como mercado, a MTV Brasil descobriu como audiência televisiva. É óbvio que a síndrome de Peter Pan cansa, mas não foi a MTV que inventou, foi o rock ― e a internet, desde os "diários de adolescente" (blogs?), não tem feito muito para reverter esse quadro... [Comente esta Nota]
>>> O fim da (primeira) MTV Brasil
 



Digestivo nº 466 >>> House, 6ª Temporada
Se começou como uma das melhores temporadas de House — com Gregory no hospital psiquiátrico —, a Sexta terminou com uma das piores audiências desde a Primeira. Desde que perdeu a equipe que o consagrou, House vinha tentando reestruturá-la e as últimas temporadas foram basicamente sobre isso. Como ninguém mais aguentava seus processos de seleção — e as mortes, na equipe —, os roteiristas acharam por bem devolver-lhe Chase e Foreman, acrescidos de Taub e de "Thirteen". Cameron se afastaria (com o fim de seu casamento), Wilson perderia traumaticamente a namorada, ciceroneando House (no novo apartamento), enquanto Cuddy se amancebaria com Lucas... A Sexta temporada foi importante para, inicialmente, enfraquecer o personagem todo-poderoso de Hugh Laurie. Afinal, ao ceder à internação no hospital psiquiátrico, House estava admitindo que não conseguia mais lutar contra o vício em Vicodin. Estava admitindo uma fraqueza, uma derrota, e, mais adiante, estava se submetendo a um terapeuta que poderia discutir "de igual para igual" com ele (como até então ninguém havia feito). Nos derradeiros meta-episódios — presentes desde a Primeira temporada —, Cuddy também lhe falaria umas verdades, até porque ela estava noivando, Wilson retomando um casamento, e só ele, House, não conseguia avançar (move on), amadurecer: estava sozinho, estava condenado à solidão. Poderia ser um final demolidor mas um beijo selou uma promessa... para a Sétima temporada. A exemplo de Lost, os roteiristas de House estão ficando sem saída, ou então desistem de ser "coerentes", como os de 24 Horas. Assim como Jack Bauer — que House, às vezes, cita —, Gregory ou morre por bala (como já quase morreu), ou por vício, ou, finalmente, enlouquece de vez. A mensagem do seriado parece ser: não adianta você ser um gênio, se você não for também... um homem, um ser humano. É uma bonita mensagem, mas o melhor de House talvez sejam os diálogos — até porque Hugh Laurie nunca foi tão engraçado quanto... House. [Comente esta Nota]
>>> House, M.D.
 



Digestivo nº 465 >>> Lost Season Finale
E Lost acabou. Talvez já tivesse acabado em alguma temporada anterior, quando a sobreposição de camadas de "realidade" tornou o final simplesmente impraticável. Primeira metade do avião; outra metade do avião (2ª); outra metade da ilha (3ª); saída da ilha (a ilha dentro de nós) (4ª); a ilha no tempo, retorno à ilha (5ª); morte da ilha, morte do elenco, morte do seriado. "Se a morte é o fim, então, para acabar, temos de matar", devem ter pensado, e "mataram". A solução deus ex machina foi simplista, para uma série em que se havia investido tanto... Segundo Nietzsche, o sonho é o grande culpado pela nossa irracionalidade. Se no sonho foi "possível", inconscientemente passamos a acreditar que é possível também em vigília. Freud assimilou a mensagem, e criou a psicanálise (ainda que finja não ter lido Nietzsche direito). Ao matar todos os personagens, ou simplesmente revelar que estavam todos mortos, os criadores de Lost apelaram para o vale-tudo do sonho. Daí o final alternativo, em que tudo não passava de... um sonho de cachorro... De certo modo, Lost sempre se alimentou das reticências. E, nesse fator "wiki", residiu, desde o começo, boa parte de seu sucesso. Onde fãs, no sonho que é a internet, podiam construir hipóteses, teorias, soluções para Lost. Talvez por isso J.J. Abrams, um dos criadores da série, quando foi editar a Wired, só tenha falado em mistério, mistério, mistério... Eram as mesmas reticências. Quando teve de preenchê-las, J.J. Abrams mostrou que não estava preparado. Afinal, nas temporadas anteriores, nunca fora necessário... Sempre havia mais uma temporada, para preencher as lacunas. E mais uma. E mais uma... Até que acabou. Como tudo acaba. E J.J. Abrams acabou junto... ;-) [Comente esta Nota]
>>> Lost
 



Digestivo nº 442 >>> Bored to Death, por Jonathan Ames
Detetives existem aos montes, principalmente em subliteratura policial, que se diz baseada em Edgar Allan Poe, mas que, na maioria dos casos, não tem nada que remeta ao grande mestre do conto. Jonathan Ames, por sua vez, é um escritor pouco conhecido, em Nova York, com um trabalho não muito significativo na imprensa, que assiste a seu casamento desabar, quando, num surto de desânimo, e solidão, decide colocar um anúncio no Craigslist, o maior site de classificados da internet, dizendo-se detetive particular e cobrando barato. O que era uma brincadeira, ou uma private joke, acaba virando coisa séria, quando a primeira cliente liga e Jonathan tem, como missão, encontrar sua irmã desaparecida. O detetive iniciante, no entanto, é desajeitado, está deprimido, não sabe quase nada da profissão, a não ser por alguns livros, como os de Raymond Chandler, que leu distraidamente. Fazendo contraponto: seu chefe, um egomaníaco, capaz de arrastar Jonathan para uma cabine de banheiro, a fim de fazer-lhe confissões, ou de telefonar-lhe na calada da noite, para resolver um problema de pele, com um tratamento pouco convencional; também seu melhor amigo, um desenhista de quadrinhos igualmente loser, que tenta recuperar a relação com a mulher, enquanto prejudica o relacionamento de Jonathan e censura-o por sua nova aventura como investigador. O detetive improvisado soluciona o primeiro enigma quase que por acaso. Surge, obviamente, outro, e a porção cômica se sobressai, porque são maiores as trapalhadas — mas Jonathan, sem medo do perigo, sente-se renovado, vivendo uma existência que não é a sua, e que acaba de inventar, graças à internet... Esse é, mais ou menos, o "argumento" de Bored to Death, uma série de TV, assinada por Jonathan Ames (é seu nome verdadeiro), e que estreará na HBO brasileira em breve. Na première, à noite num cinema em São Paulo, havia, além de assinantes de TV a cabo, blogueiros que, por ironia, criaram, igualmente, uma personagem na internet, e que, algumas vezes, até vivem dela... A possibilidade de ser "outra coisa" está instalada e, ainda que Bored to Death não seja da maior profundidade, coloca essa discussão em pauta. [1 Comentário(s)]
>>> Bored to Death
 
Julio Daio Borges
Editor
mais televisão | topo


Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIGA ADEUS AO VELHO ARISTÓTELES
WILSON DAHER
FLOR DE LYS
(1997)
R$ 4,95



CORAÇÃO FERIDO
CHELSEA CAIN
SUMA DE LETRAS
(2007)
R$ 55,00



IRACEMA - LENDA DO CEARÁ
JOSÉ DE ALENCAR
ÁTICA
(1997)
R$ 35,00
+ frete grátis



PENSANDO A FÍSICA (2ª EDIÇÃO)
MÁRIO SCHENBERG
BRASILIENSE
(1985)
R$ 30,00



4 EM 1 - LEGISLAÇÃO ADMINISTR., CONSTITUCIONAL, CPC...- 2015
SARAIVA
SARAIVA
(2015)
R$ 40,00



O POVO FALA
JOÃO BATISTA DE ANDRADE
SENAC
(2002)
R$ 22,00



SHAMAN KING VOL 11
HIROYUKI TAKEI
JBC
(1998)
R$ 4,70



GRAMATICA REFLEXIVA 7 NOVA ORTOGRAFIA
WILLIAM ROBERTO CEREJA THEREZA COCHAR
ATUAL
(2008)
R$ 38,00



PRÁTICA DA PEQUENAS CONSTRUÇÕES
ALBERTO DE CAMPOS BORGES
EDGARD BLÜCHER
(1977)
R$ 10,00



SAARA UMA AVENTURA NA ÁFRICA
CIZIA ZYKË
BEST SELLER
R$ 4,00





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês