O fim da revista Bravo!, na editora Abril | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
Mais Recentes
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
>>> Pequena Filocalia
>>> Antologia poética e inéditos
>>> O processo do tenente Ieláguin
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Segunda-feira, 26/8/2013
O fim da revista Bravo!, na editora Abril
Julio Daio Borges

+ de 5500 Acessos




Digestivo nº 493 >>> A Bravo! está acabando desde que mudou para a Abril, em 2004. A Luiz Felipe D'Ávila coube o pioneirismo de fundar a revista na editora que levava seu nome. Por outro lado, o autor da coluna Filípicas (na igualmente extinta República) nunca teve a preocupação de "operar no azul". No dizer de um editor de cultura, ex-colaborador da revista, Luiz Felipe D'Ávila, com alguns telefonemas, conseguia financiar a Bravo!. Provavelmente tinha a esperança de que ela se pagasse com o tempo, mas, até onde sabemos, isso nunca aconteceu. Concebida por Wagner Carelli, que jamais teve fama de "econômico", há dez anos se dizia que cada edição da revista custava R$ 250 mil. O arranjo com a Abril ― quase um arranjo em família ―, foi providencial. Garantiu a sobrevivência da Bravo! por quase uma nova década. Nos comunicados recentes da Abril, ficou no ar que a morte de Roberto Civita precipitou a da revista, que, segundo dizem, ele protegia. A Bravo! era de outra época: Paulo Francis, que colaborou com a Repúbica, provavelmente colaboraria com ela. (A Bravo! é de 1998; Francis nos deixou em 1997.) Não custa lembrar que a internet comercial, no Brasil, é de meados da década de 90. Logo, a Bravo! é quase pré-internet... Elitista, com um acabamento digno de "livro-objeto", nunca dialogou com as "massas". Seria que deveria? Ganharia alguma sobrevida com isso? (Ou, se o fizesse, teria deixado de ser a Bravo!?) Além do projeto gráfico que, embora custoso, influenciou outras publicações (como a breve Raiz, outra cria de Wagner Carelli), a Bravo! consagrou o formato "ensaio" na imprensa brasileira. Capitaneada por Sérgio Augusto, a seção rendeu um de seus melhores livros, Lado B (reunindo igualmente crônicas de outra extinta, Bundas). Foi na Bravo! que Daniel Piza publicou alguns de seus melhores escritos sobre artes plásticas, e, num dado período, contava bastante com os "frilas" da revista. Junto com a poeta Flávia Rocha, hoje à frente da Academia Internacional de Cinema (AIC), Michel Laub, hoje escritor requisitado, despontou igualmente na Bravo!. Na venda para a família Civita, diziam que a única mudança seria a inclusão do "logo" da Abril na capa da revista. Mas o apelo ao pop foi inevitável e a Bravo! foi perdendo, gradualmente, as assinaturas que haviam forjado sua identidade. Substituiu os ensaístas por blogueiros, mas não foi feliz na troca. Há anos fechada dentro de um saco plástico, não se sabia mais o que acontecia com ela (tornou-se impossível folheá-la nas bancas). A verdade é que, nos seus melhores anos, a Bravo! teve a relevância de uma Piauí. Abandonada por seu criador, foi definhando lentamente. Sua "morte" é um lembrete de que revistas acabam (sobretudo as culturais). E de que, se um dia João Moreira Salles se cansar, a Piauí pode ter o mesmo fim. (Com a diferença de que não há mais um Roberto Civita para abrigá-la sob o guarda-chuva da Abril...)
>>> Abril encerra a revista Bravo
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



O CURUMIM DOURADO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
JOSÉ ARRABAL
FTD
(1990)
R$ 4,00



FRANK MILLER RONIN Nº 4
DC COMICS
DC COMICS
R$ 7,00



O DIÁRIO DE
LARISSA MANOELA
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 10,00



O NATAL DE POIROT
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1987)
R$ 8,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



A HISTÓRIA DE LULA, O FILHO DO BRASIL
DENISE PARANÁ
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,99
+ frete grátis



FALA SÉRIO! VOCÊ TAMBÉM NÃO ESTÁ A FIM DELE
IAN KERNER
BEST SELLER
(2006)
R$ 36,04



ORÁCULO DOS ANJOS
AMBIKA WAUTERS
MADRAS
R$ 30,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês