Entrevista com Sérgio Augusto | Digestivo Cultural

busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> CONVITE, 14/08, 19h || Querido Embaixador, exibição especial seguida de debate
>>> Kyungso Park se apresenta dia 15 na Caixa Cultural Brasília
>>> Dia Mundial da Fotografia no Museu da República (RJ)
>>> SHOW SPYAIR
>>> Mariana Xavier fala sobre o canal Mundo Gordelícia no Viralizando
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
>>> De Repente 30! Qual o Tabu Atual de Ter Essa Idade
>>> Uma jornada Musical
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES V
>>> A passos de peregrinos lll - Epílogo
>>> Jeferson De, Spike Lee e o novo Cinema Negro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arrington pós-TechCrunch
>>> Como se vive uma vida vazia?
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Mário Faustino e a poesia
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Autobiografia teológica
>>> Tumblr: a renovação dos blogs
>>> 10 grandes
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> O Homem dos Dados de Luke Rhinehart/ Trad.: Eliana Sabino... pela Imago (1974)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos de Robert Lindner pela Imago/ RJ. (1972)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela circulo do Livro (1981)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1978)
>>> Mutações de Liv Ullmann/ Tradução: Sônia Coutinho pela Editorial Nórdica (1979)
>>> Um Tesouro de Contos de Fadas de Vários (Clássicos Recontados) pela Ds max
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas da Oceania de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Histórias das Raças Humanas - Raças Mistas das Américas de Prof. Gilberto Galvão pela Iracema
>>> Arcanjo Zadkiel e os Anos dos Milagres de Elizabeth Clare Prophet pela Nova Era (2009)
>>> Obras Escogidas: los Buddenbrook/ Alteza Real/ Señor y Perros de Thomas Mann/ (prêmio Nobel- 1929) pela Aguilar, Madrid (1956)
>>> Obras Escogidas (tomo Ii): Bajo las Estrellas de Otoño... de Knut Hamsun (prêmio Nobel- 1920) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Maçonaria Religião e Simbolismo de Samuel Nogueira Filho pela Traço (1984)
>>> Comedias Escogidas: El Nido Ajeno/ La Noche del Sábado... de Jacinto Benavente (prêmio Nobel/ 1922) pela Aguilar, Madrid (1958)
>>> Obras Escogidas: Mirèio/ Calendau/ Las Islas di Oro... de Frédéric Mistral pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> Os Bruxos de Machu Picchu - Os Cinco Degraus do Conhecimento de Padma Patra pela Madras (1997)
>>> Comedias Escogidas/ Héroes/ Cándida/; Trata de Blancas/ Fascinación... de Bernard Shaw (premio Nobel 1925) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obras Ecogidas : una Aldea/ El Amor de Mitia y Otros Cuentos... de Iván Bunin/ (prêmio Nobel- 1933) pela Aguilar, Madrid (1957)
>>> Obra Escojida: Lírica Breve/ Teatro/ Cuento/ Aforismo... de Rabindranaz Tagore (premio Nobel 1913) pela Aguilar, Madrid (1955)
>>> A língua de eulália de Marcos Bagno pela Editora Contexto (2014)
>>> Um dia de David Nicholls pela Intrínseca (2012)
>>> A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> A culpa é das estrelas de John Green pela Intrínseca (2012)
>>> Os dois ou o inglês maquinista de Martins Pena pela Ibep Jovem (2013)
>>> O herói perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2011)
>>> O filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Cinco Minutos de José de Alencar pela L&PM Pocket (2011)
>>> O doente imaginário de Molière pela Editora 34 (2011)
>>> Iracema / Cinco Minutos de José de Alencar pela Martin Claret (2010)
>>> Bruxaria Contemporânea de Luciana Pereira Machado pela Pallotti (2008)
>>> O médico e o monstro de Robert Louis Stevenson pela Martin Claret (2013)
>>> Isaac Newton e sua maçã de Kjartan Poskitt pela Companhia das Letras (2011)
>>> Inocência de Visconde de Taunay pela Editora Ática (2011)
>>> A Verdade sobre o Sudário de Kenneth E. Stevenson e Gary R. Habermas pela Paulinas (1983)
>>> A pirâmide vermelha de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> O lado bom da vida de Matthew Quick pela Intrínseca (2013)
>>> Espumas Flutuantes de Catro Alves pela Editora Escala (2018)
>>> Os cientistas e seus experimentos de arromba de Dr. Mike Goldsmith pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um certo capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Companhia das Letras (2010)
>>> O poeta do exílio de Marisa Lajolo pela FTD (2011)
>>> Cromo-Cristal-Terapia na Apometria de Elizabeth Monteiro Schreiner pela Kuarup (1999)
>>> Uma Ideia Solta no Ar/ Girassol de Pedro Bandeira/ Ilustrações: Rogério Borges pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Um Anjo no Jardim/ Veredas de Lino de Albergaria/ Ilustr. Nélson Cru pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Senhor dos Pesadelos de Elisabeth Maggio pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Iniciação ao Tarô de Pedro Camargo pela Nova Era (1996)
>>> Sopa de Letrinhas de Teresa Noronha pela Moderna/ SP. (1991)
>>> Sai pra Lá, Dedo-duro de Fanny Abramovich pela Moderna/ SP. (1994)
ENTREVISTAS

Segunda-feira, 5/2/2007
Sérgio Augusto
Julio Daio Borges

+ de 21800 Acessos
+ 6 Comentário(s)


S.A. em foto de Maria Lucia Rangel

Sérgio Augusto nasceu a 25 de janeiro de 1942, no bairro de Santa Teresa – “a Montmartre carioca”, como ele mesmo define. Filho de pai português e de mãe filha de portugueses, revela que é “praticamente 100% lusitano”, com passaporte duplo e tudo – “posso até me candidatar a presidente da república ou a primeiro ministro de lá”, brinca. Começou no jornalismo precocemente, aos 10 anos de idade, mimeografando o Sujeira da Imprensa – “com um amigo de bairro e escola”, conta.

São 46 anos de carreira, com passagens por praticamente todos os principais jornais e revistas do País, desde a segunda metade do século XX. S.A., como é também conhecido, foi repórter e crítico de cinema da
Folha até 1996, quando passou a ser articulista do Estadão, onde está até hoje; já trabalhou em Veja, IstoÉ e até em O Cruzeiro, como editor; função que, aliás, também desempenhou no Correio da Manhã, “uma faculdade de jornalismo”, recorda, no revolucionário Pasquim e no combativo Opinião; além de ter dado a cara da Bravo! e de ter participado da antológica revista Senhor; fora, é claro, os cariocas Jornal do Brasil e O Globo.

Em livro, destacam-se, recentemente, suas coletâneas de ensaios:
Lado B (2001, Record), praticamente um clássico do jornalismo cultural contemporâneo, e As Penas do Ofício (2006, Agir) – que acaba de sair do forno. Sérgio Augusto já biografou Tom Jobim (2000), a Chanchada Brasileira (1989), o Botafogo (2005) e até Vinicius de Moraes (no prelo, pela Jobim Music). Organiza, desde 2006, em coletânea, o melhor de OPasquim, com Jaguar, pela editora Desiderata (já saiu o primeiro volume e o segundo está a caminho). O curriculum profissional de S.A. ainda passa por rádio e televisão, desde roteiro até co-produção.

Nesta Entrevista, Sérgio Augusto fala da sua saída da revista
Bravo!, depois de oito anos de colaborações; afirma que a decadência do jornalismo cultural brasileiro é “tão irreversível quanto o aquecimento global”; e conclui, com ceticismo, que “os medíocres venceram”. Elogia, em contrapartida, a nova revista Piauí, ainda que a quisesse “mais solta, mais alegre, mais espiritualmente carioca”. E, além de bastante duro com o papel – não perdoa nem as listas de best-sellers, “que eram menos deploráveis há 20, 30, 40 anos” –, não vê um futuro muito brilhante para o jornalismo nas novas tecnologias. Compara o celebrado jornalismo colaborativo a “um karaoke de escribas sem pedigree”, enquanto que define a maioria dos blogs como uma “plataforma da grafomania ególatra e onfalocêntrica”. Sem grandes esperanças para uma sociedade “majoritariamente composta por analfabetos e semiletrados” – a nossa –, confessa que, se começasse hoje, não faria crítica de cinema “de jeito nenhum”, voltaria a estudar filosofia e “partiria direto para a literatura”. – JDB

1. S.A., acho que não exagero aqui em dizer que o seu Lado B, pouco mais de cinco anos depois, já é um clássico do jornalismo cultural brasileiro. Agora, As Penas do Ofício, além de ser sua continuação, marca, de certa forma, o seu desligamento da revista Bravo!, e o fim de uma era, podemos dizer... Você também enxerga dessa maneira? Seu ensaísmo, que atingiu o auge na revista concebida por Wagner Carelli (e que provavelmente foi o ponto alto dessa mesma publicação), fica sem lugar no panorama do jornalismo impresso brasileiro? Sem Bravo!, Bundas e OPasquim21 ficamos órfãos do Sérgio Augusto ensaísta (e, posteriormente, em livro)? Por que antes foi possível e por que hoje já não é mais?

Seria muito pretensioso de minha parte falar em “fim de uma era”. Digamos que minha saída da Bravo! coincidiu com o fim de um período, de uma fase da revista. A editora Abril só a comprou com uma finalidade: transformá-la num produto mais comercial, mais vendável, mais middlebrow. E um sinal claro dessa guinada foi o chega-pra-lá dado na seção de ensaios, que era uma espécie de abre-alas da Bravo!. Fui avisado de que ela seria transferida para o final da revista, os ensaios diminuiriam bastante de tamanho e não haveria mais colaboradores fixos, que, àquela altura, eram apenas dois: o Sérgio Augusto de Andrade e eu. Ora, eu estava na revista desde o primeiro número, sempre na comissão de frente; não fazia sentido eu continuar lá, desterrado nas últimas páginas, ganhando a mesma coisa e sem presença garantida todos os meses. Só por amizade ao Almir de Freitas, ainda fiz três resenhas para o suplemento de livros, e parei. Já não era mais a minha revista, nem eu lhe fazia falta.

A Bravo! original só foi possível, assim me contaram, por ter-se beneficiado, em seu primeiro ano de vida, de facilidades criadas pela Lei Rouanet. Uma editora como a Abril, acostumada a operar em outra escala, jamais teria se interessado em editar uma revista nos moldes da Bravo!, como a pequena editora D’Avila bancou, em 1997, astuciosa e legitimamente amparada nas benesses da renúncia fiscal. Nos últimos dez anos, como sabemos, os índices de leitura e vendas de revistas e jornais caíram barbaramente, tornando ainda mais difícil a sobrevivência de publicações dedicadas a assuntos culturais, com textos livremente escritos, pessoais, mais longos e sofisticados, o oposto do lixo que predomina em nossas bancas. As bancas estrangeiras também vivem entupidas de lixo, de papinhas culturais perecíveis, mas alternativas existem. Penso na New York Review of Books, na New Yorker, na London Review of Books, na Harper’s, na Atlantic, e tantas outras.

2. Posso estar enganado, mas – como todos sabemos – você era um dos símbolos da sofisticação da Bravo!, e eu considero esse movimento seu, de afastamento da revista, muito significativo, porque coincide com um momento em que o jornalismo cultural perde muito da atenção de que desfrutava desde o final dos anos 90, no Brasil. Desde o Paulo Francis querendo que o seu Waaal fosse mais cultural do que qualquer coisa, passando pelo Daniel Piza e pelo “Caderno Fim de Semana” na Gazeta Mercantil, pela criação da Bravo! e da editora D’Avila... Até, aproximadamente, a aurora dos anos 2000, quando a editora W11 falha como projeto conjunto e termina apenas como editora Francis; quando o jornal Valor Econômico suspende seu caderno de cultura “Eu&” (sem falar no populismo do JT...); quando uma revista como a Raiz, de cultura popular, não faz nem um ano e já tem de sacrificar sua periodicidade... Fora outros “n” exemplos. Podemos falar que aquele momento da década de 1990, para o jornalismo cultural, passou e, tão cedo, não volta?

Embora deteste fazer qualquer tipo de profecia, receio que sim, que o entusiasmo daquele período não volte mais. Como as décadas anteriores à de 90 foram bem mais efervescentes, podemos concluir que o processo de decadência da imprensa cultural é algo tão indiscutível e aparentemente irreversível quanto o aquecimento global. Os jornais não estão interessados em qualidade, mas em ganhar dinheiro; ou melhor, em não perder tanto quanto perderam nos últimos anos. Ficaram populacheros, como dizem os mexicanos, atrelados à “cultura” da celebridade, à vulgaridade televisiva. Os medíocres venceram.

3. Ao mesmo tempo, o jornalismo literário passa por uma fase de grande interesse no Brasil... O que você está achando, por exemplo, da Piauí? (Aliás, eu estranho muito você não estar lá no cast da revista...) Pode ser um caminho para publicações de alto nível que, no Brasil, parecem ter esgotado as opções em matéria de jornalismo cultural “em papel”? Sei que você não é exatamente um especialista em jornalismo literário mas apelo para o seu conhecido background em termos de media criticism: o mergulho no gênero reportagem, jornalistas que são quase escritores, o foco no texto e não na imagem... – uma publicação assim é possível (ou, melhor, sustentável, a longo prazo)? Existe gente para produzi-la? Existe público leitor? Alguém ainda paga por isso?

A Piauí tem o mérito de ir contra a corrente. Não há nada sequer remotamente parecido com a Piauí em nossas bancas. Ela acredita em todos os valores nos quais eu acredito. Investe na inteligência do leitor e no seu suposto interesse por textos mais longos e elaborados, mais literários, enfim. Eu gostaria que ela fosse mais solta, mais alegre, mais espiritualmente carioca; certas pautas não me interessam, mas nem tudo que sai na New Yorker, por exemplo, me interessa. De todo modo, o projeto me parece aberto o suficiente para todo tipo de mutação. O que vale dizer que a falta de rigidez é outra de suas virtudes. Torço para que dê certo porque seu fiasco seria um golpe fatal em nossos ideais jornalísticos. Seu universo de leitores me parece, infelizmente, limitado, como limitado é o universo de leitores de qualquer coisa que fuja ao ramerrão e à baixaria triunfantes. Haja vista os livros que dominam as listas dos mais vendidos. Eis outro sinal de decadência: há 20, 30, 40 anos atrás, as listas de best-sellers eram menos deploráveis que as de hoje. Se traduzido agora, Rumo à Estação Finlândia, de Edmund Wilson, não teria vendido o que vendeu em 1986. Desculpe o meu arraigado ceticismo.

4. Li, em As Penas do Ofício, uma dura crítica sua ao formato “e-book”... Ao mesmo tempo, você é, a meu ver, um dos jornalistas mais conectados à internet desde o começo. Como você vê, em geral, o jornalismo (ou o fenômeno supostamente jornalístico) que atualmente se manifesta na World Wide Web? Outra das vedetes do jornalismo contemporâneo é o chamado “jornalismo colaborativo” – onde os leitores fazem muito do conteúdo ou, então, todo o conteúdo... Existe um coro meio eufórico no sentido de querer “matar” o jornalista off-line, o editor de antes, o “gatekeeper”, como se diz em inglês... Como você vê isso? O que há de bom e o que há de ruim nesse movimento todo? É possível generalizar ou a avaliação, de qualidades e de defeitos, tem de ser feita caso a caso?

Não gosto do e-book porque acho a tela um formato bastante ingrato para leituras mais densas e extensas. Jamais teria saco de ler um romance na tela de um computador ou numa versão e-book. Guerra e Paz, então, nem pensar. Ora, direis, que ninguém escreve mais cartapácios como Tolstói, que a modernidade ou a pós-modernidade e a revolução digital enfiaram o último prego na prosa caudalosa. Escreve, sim. Norman Mailer, por exemplo. Submundo, do Don DeLillo, é um calhamaço. Thomas Pynchon e alguns novos autores cultivam o roman-fleuve, quem sabe se até como um repto ao minimalismo, que, em mãos inferiores, nada mais é do que o triunfo da preguiça, o curto que não satisfaz.

Leio mais jornais, revistas e correlatos na grande infovia do que em papel. Mais por conveniência do que por prazer, já que é grande o meu fetiche por papel. As versões on-line chegam mais rápido e barato à minha casa. Além disso, são bem mais fáceis de “recortar” e arquivar do que os textos impressos — principalmente para quem dispõe de um arquivo pessoal no próprio New York Times, como é o meu caso, ou se utiliza dos préstimos do del.icio.us.

Quanto aos blogs, ainda os vejo como uma plataforma da grafomania ególatra e onfalocêntrica (ônfalo é umbigo em grego). São tantos blogs — alguns bons, ótimos, mesmo — que não dá tempo de acompanhá-los. Mas a maioria é feita por gente medíocre, vaidosa, semi-analfabeta e ressentida com a falta de oportunidade na chamada mídia mainstream. Fora isso, acredito no potencial da mídia eletrônica, nem que apenas como linha auxiliar da mídia impressa.

Jornalismo colaborativo é uma bobagem. É irmão bastardo do dazibao. As experiências até agora efetuadas deram chabu, sobretudo porque os leitores, de modo geral, exigem mais respeito, logo, mais e melhores profissionais a seu serviço, não um karaoke de escribas sem pedigree. Sou um meritocrata convicto. Para mim, escreve quem sabe, tem espaço quem o merece. Sei que, na prática, nem sempre as coisas funcionam desse jeito: há muito jornalista que deveria estar no lugar do contínuo, mas o jornalismo colaborativo é um avatar da casa-da-mãe-joana, a capitulação diante do amadorismo, uma depravação da democracia. Sorte nossa que ainda não cogitaram da medicina colaborativa, nem da engenharia colaborativa (se bem que uma investigação a fundo naquela cratera do metrô de São Paulo possa revelar que ela já foi posta em prática).

5. Uma coisa que as novas gerações de jornalistas certamente perdem é o convívio com os veteranos da redação... Hoje, mesmo grandes grupos de mídia terceirizam o trabalho da redação para pequenos estúdios, muito é feito por freelancers e o contato é praticamente virtual, os prazos são apertadíssimos, a remuneração, pífia (o que aumenta, individualmente, o numero de “frilas”...) e ninguém consegue se conhecer direito (tamanha a quantidade de compromissos assumidos)... Sei que você não freqüenta mais as redações de hoje em dia – então não pode confirmar 100% do que eu digo –, mas como vê o impacto de tudo isso, em maior ou menor grau, no jornalismo? Muitos jornalistas “de papel” normalmente atacam a internet por “canibalizar” suas publicações, mas você não acha que o próprio jornalismo – antes da era digital – já vinha se canibalizando sozinho, em nome de uma “profissionalização”, de “consultorias de gestão” e de uma suposta “venda” para grupos internacionais de mídia?

Se um dia o jornalismo impresso tornar-se obsoleto, acabar, como os dinossauros e o pássaro dodo, hipótese de que, aliás, duvido, espero que apareça alguém para esclarecer que a mídia eletrônica apenas lhe deu o golpe de misericórdia. Na verdade, a imprensa, tal como a conheci e pratiquei durante muitos anos, começou a morrer antes da consolidação do computador e do surgimento da internet, quando a profissão foi perversamente desvalorizada e a gestão das empresas jornalísticas escravizada ao crivo de consultorias que nada entendem das peculiaridades do jornalismo e às pressões de acionistas que tudo sacrificam pela lucratividade de seus papéis. O aviltamento dos salários, a terceirização compulsória, a obsessão pela conquista de “leitores mais jovens”, o nivelamento por baixo, a cumplicidade com a celebritite, o afluxo abusivo de jornalistas diplomados mas malformados, o desprezo pelos veteranos, geralmente tachados de “românticos” e “superados” — tudo isso contribuiu para uma queda de qualidade dos jornais e das revistas. Já na década de 80, um jornalista com 30 anos de idade era considerado “da antiga”, e por isso menosprezado. Esse culto à mocidade traz embutida uma razão cínica: o jornalista iniciante custa mais barato à empresa; ele ganha pouco e se sujeita a isso porque precisa mostrar serviço, “aparecer”. Com tantos filhinhos e filhinhas de papai rico nas redações — a onda do momento, pelo menos na imprensa carioca —, para que pensar em salários decentes?

Quando entrei na profissão, com 18 anos, a redação do Correio da Manhã mantinha um saudável equilíbrio etário, misturando gente experiente com sangue novo. Aquilo, sim, era uma faculdade de jornalismo. A três metros da minha mesa uma porta se abria para o Petit Trianon, que era como chamavam a sala dos editorialistas do jornal. Dentro, à minha disposição para uma conversa e aulas informais sobre tudo, Otto Maria Carpeaux, José Lino Grünewald, Carlos Heitor Cony, Luiz Alberto Bahia, Antonio Houaiss. Isso acabou.

6. Mesmo sem discutir o jornalismo, em termos de conteúdo, eu sinto que a figura do jornalista perdeu muito da sua força nas últimas décadas... Hoje é inimaginável uma personalidade como a do Samuel Wainer, que, com uma reportagem, reelegeu um presidente; ou, então, como a do Carlos Lacerda, que, no lado oposto do espectro político-ideológico, corroborou para o suicídio desse mesmo presidente... Ainda no jornalismo cultural, sempre me impressionou como Paulo Francis teve impacto na carreira de quase todo mundo de 1960 pra cá: colocando você no Pasquim, levando o Ruy Castro para a revista Diners, apoiando o Wagner Carelli na IstoÉ, abrindo as portas para o Daniel Piza, investindo até na carreira de cineasta do Diogo Mainardi... O que houve com o poder que emanava das grandes figuras do jornalismo brasileiro? É um problema estrutural, de falta de personalidade, ou foi um tempo que simplesmente passou?

Todos esses fatores somados. Tenho um amigo jornalista que há tempos me disse: “Nós hoje valemos 40% do que valíamos na década passada.” Não só em termos salariais, mas em prestígio mesmo. Um repórter qualquer, com apenas uma semana de exposição no Jornal Nacional, adquire uma visibilidade e um poder capazes de me reduzir, a mim, com os meus 46 anos de profissão, à estatura de um pigmeu. Uma pessoa sensata dirá que isso é uma total inversão de valores. É, mas faz sentido. Se é assim em sociedades mais avançadas, mas também videotizadas, como a americana, por que seria diferente na nossa, que, além de videotizada, é majoritariamente composta de analfabetos e semiletrados?

7. Gostaria de falar um pouco da formação do jornalista... Você e o Ruy, para ficar num exemplo de dois contemporâneos dos anos 60, pegaram ainda a “era dourada” de uma sólida formação humanística que valia muito mais do que qualquer diploma de jornalista (hoje encontrável em faculdades a cada esquina)... Eu vejo essa tentativa de profissionalização do jornalismo, por decreto, com muito ceticismo... Até porque grande parte das minhas admirações não teve diploma nenhum... O que você, Sérgio Augusto, acha importante na formação de, digamos, um jornalista cultural? Você acha que é possível montar um “currículo”? Como se ensina jornalismo a não ser na prática? Numa monografia recente sobre o Digestivo, a autora fala da volta do “especialista”, não-diplomado, através da internet (dos blogs etc.)... Você acredita que pode ser uma alternativa à equalização das redações de hoje, onde quase ninguém se destaca?

Não estudei jornalismo, que no início dos anos 60 era chamado de Jornalismo, mesmo, e não de Comunicação. Optei por Filosofia porque já freqüentava a redação da Tribuna da Imprensa e tivera uma experiência como repórter e crítico de cinema num jornal estudantil, O Metropolitano, que marcou época, circulava nacionalmente, como suplemento de O Diário de Notícias, e revelou um punhado de gente, como Arnaldo Jabor, que fazia crítica de teatro, Cacá Diegues, que chefiava a redação, etc. Com dez anos de idade eu já editava um jornal mimeografado, Sujeira da Imprensa, com um amigo de bairro e escola. Estava realmente fadado a não ter outra profissão. Não sei como funcionam as escolas de jornalismo, mas a maioria dos formandos e diplomados que conheci não as recomenda. Mas eu me pergunto que parcela de culpa têm os cursos de jornalismo. Eles são apenas a reta final de uma formação deficiente desde o primeiro grau. O curso de jornalismo perfeito, ou quase isso, ensinaria os rudimentos da profissão e daria maior ênfase ao ensino da língua, de noções básicas de filosofia, história, antropologia, estimularia a leitura, a discussão e a arte de escrever bem. Mas é preciso ter em mente que vocação e talento, só, não bastam. Quem desfrutar de padrinhos poderosos ou for adotado por uma das patotas que dominam o mercado de trabalho jornalístico nem muito talento precisará ter.

8. O Matinas Suzuki Jr. fala numa “distorção de formato”, para o jornalismo de qualidade: como não há mais espaço nos veículos estabelecidos, o bom jornalismo vai migrando para o formato livro... Você concorda com isso? Aliás, como foi a resposta às suas incursões, respectivamente, na história da chanchada, na biografia de Tom Jobim e na trajetória do Botafogo? Eu sei que são livros completamente diferentes, por editoras diferentes, com objetivos bem diferentes, e em épocas, do Brasil, diferentes... Mas eu queria saber se pode ser uma saída, realmente... Não um “modo de vida”, é claro, porque autor brasileiro, raramente, vive de direitos autorais, mas, quem sabe, apenas para continuar fazendo jornalismo de qualidade, quando surge uma certa rejeição por parte de jornais e revistas... A clareira aberta por você e pelo Ruy Castro, nesse sentido, pode ser um caminho para novos jornalistas?

Como faço do que gosto na imprensa, não considero o formato livro uma saída de emergência, uma válvula de escape, ou algo similar. Para outros, circunscritos a tarefas que consideram limitantes, o livro realmente funciona como um oásis. Os livros que eu fiz foram todos pensados como livros. Eles jamais caberiam num jornal ou numa revista. Não os fiz movido por algum tipo de frustração. Dois deles, Lado B e As Penas do Ofício, que acabo de lançar, são coletâneas de textos anteriormente publicados na revista Bravo!. Há gente que menospreza esse gênero de livro. Os gringos o praticam há décadas. De tanto em tanto tempo, jornalistas e críticos lá de fora reúnem sua produção mais recente e lhe dão a perenidade de um livro. Com isso aliviam arquivos de recortes e contribuem para o enriquecimento da memória.

9. Complementar a isso tudo, você, na editora Desiderata, está fazendo um belo trabalho de resgate do Pasquim original... Felizmente houve uma resposta consistente do público, mesmo tantas décadas depois, e o Pasquim foi best-seller, de novo, em livro... Será que essas reedições, dos “melhores momentos” do jornalismo, podem preencher lacunas na formação de jovens jornalistas – uma vez que os veteranos saíram das redações, as faculdades têm sua eficiência questionada e o anseio pela prática da profissão continua em alta? Hoje, seus escritos de poucos anos atrás já estão saindo em livro, mas será que – como honrosas exceções, como a sua – o jornalismo do futuro vai querer se lembrar deste momento agora? A exemplo do que foi o fenômeno Pasquim, vejo coisas muito interessantes acontecendo na periferia do jornalismo: pouca coisa de efetivamente aproveitável na mídia estabelecida... Concorda comigo?

O Pasquim foi um fenômeno, sem dúvida, a meu ver, incomparável. Claro que a reedição do Pasquim ou de quaisquer outras publicações de importância histórica comprovada, como, por exemplo, a revista Senhor e o SDJB (Suplemento Dominical do Jornal do Brasil), podem preencher lacunas na formação de jovens jornalistas. E, se não preencher, ao menos guardará para os pósteros um pedaço notável de nosso passado e da história do jornalismo. Se os jornalistas do futuro não quiserem se lembrar daqueles momentos e dos que estamos vivendo e registrando agora, problema deles.

Há coisas muito interessantes circulando na internet, mas ainda não me sinto capaz de colocá-las na perspectiva correta. Nem sempre o que nos parece promissor vira borboleta. Não me arrisco em profecias; sou, nesse sentido, o anti-McLuhan.

10. Quando você conta da sua estréia no jornalismo, sempre fala com muita devoção do cinema, e da crítica de cinema – algo que eu raramente encontro saindo da boca de um jornalista, mesmo que crítico, hoje... Talvez tenha a ver com aquela piada, que você também conta, sobre as redações de hoje empurrarem aquele sujeito que não domina nenhum outro assunto para a crítica de cinema, afinal aparentemente todo mundo pode ver filmes e ter opiniões sobre eles... Você se imagina começando hoje? Eu sempre pergunto, aqui, sobre os conselhos que os Entrevistados dariam para os Leitores do Digestivo – mas eu queria inverter a pergunta com você: que caminhos o Sérgio Augusto do século XXI percorreria, no seu ponto de vista? Faria jornalismo? Bateria na porta de redações estabelecidas? Tentaria a internet? Montaria, sei lá, um blog? Ou partiria, diretamente, para o mercado editorial, para os livros?

Eu partiria direto para a literatura e tentaria o quase impossível: escrever bons romances que vendessem o suficiente para que eu não precisasse bater à porta das redações estabelecidas. Viveria modestamente, mas feliz, sem precisar pensar em pautas e cumprir prazos. Estudaria filosofia, novamente. Crítica de cinema, hoje, de jeito nenhum. A crítica, de tão empobrecida e tão frugalmente servida de bons filmes e espaço nos jornais, perdeu a aura que tinha antigamente. A internet talvez fosse um canal inevitável, sendo eu um jovem, com uma carreira inteira pela frente e cada vez menos jornais e revistas à minha disposição.

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 5/2/2007


Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Jaime Pinsky por Julio Daio Borges
02. Antonio Henrique Amaral por Jardel Dias Cavalcanti
03. Ron Bumblefoot Thal por Rafael Fernandes
04. Noga Sklar por Julio Daio Borges
05. Luis Eduardo Matta por Julio Daio Borges


Mais Entrevistas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/2/2007
09h30min
Caro SA, "bela" entrevista; é realmente "prazeroso" lê-lo, sempre afiado: fina inteligência. É de um dor sem fim a sensação de "fin de siècle"; mas SA, com certeza, fica. Só acho meio quixotesco a insistência na "critica" ao ramerrão cultural. E cinema, bem, acho que na arte sempre vale olhar para o passado. O cinema de hoje, tão rápido, se esvaeceu, mas sem ressentimentos, como, outrora, a opera, a poesia épica, a canção de gesta...; ainda assim, lhe recomendaria, na escassez de nosso tempo, ver sem ressentimentos ou nostalgias, Albert Serra, "Honor de Cavalleria". Humberto
[Leia outros Comentários de Humberto Pereira]
6/2/2007
08h08min
Realmente, precisamos de gente que dê idéias, participe, crie e incentive este tipo de revista. Pode parecer que não mas existe muita gente que gosta de LER este tipo de revista, que contenha conteúdo, qualidade e informação. O "povo", de modo geral, já não vai mais às bancas de jornais pois o que mais se tem é informação complementar e não a informação consistente, que agregue valor. Acredito que mesmo com a internet pelo mundo, é possível sim este mesmo povo comprar este tipo de revista que é a Piauí, pois muitos não sabem e querem saber dela. Se puder colaborar, conte comigo pois já sou um leitor de carteirinha.
[Leia outros Comentários de reinaldo santana]
6/2/2007
10h17min
Parabéns ao Jornalista Sérgio Augusto, pelo trabalho realizado. Mas toda vez que leio entrevistas, no Digestivo, de gente de peso, fico preocupado, com a possível e inevitável inversão de valores com relação a produção jornalistica, literária e cultural.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
16/2/2007
13h10min
Sérgio Augusto, sou sua leitora e admiradora desde os tempos do Pasquim (digamos que eu comecei a ler bem cedo na vida...), mesmo antes de você ter escrito sobre meus pais (a Terezinha Zerbini, na época encabeçando o Movimento Feminino pela Anistia, e meu pai, o General Zerbini - preso e cassado pelo golpe de 64)afirmando que este último parecia um oficial inglês, com um bigode de caçador de raposa... Admiro muito tanto sua cultura (que já é erudição) como seu bom gosto, além do estilo "witty" com que escreve. Mistura de taça de champagne com Fred Astaire dançando. Você, além de lúcido jornalista, é um artista. Um dos raros presentes na época atual é poder lê-lo aos domingos no Estadão (que não compro durante a semana). Todos os meus cumprimentos seriam pouco para você.
[Leia outros Comentários de eugenia zerbini]
21/4/2007
18h45min
A revista Bravo! está de péssima qualidade. Não apenas, mas também pela saída do Sérgio Augusto. Superficial e fútil, como tudo da Abril.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
1/5/2007
17h24min
Sérgio Augusto: concordo com a superficialidade do jornalismo cultural na contemporaneidade, parece mesmo o retorno à crítica impressionista, somada a uma efemeridade intrínseca às novas tecnologias de informação e divulgação cultural. Por outro lado, penso que as novas extensões do homem na internet exigem um outro olhar sobre o conceito de "cultura", ao qual ainda não estamos adaptados, seja porque somos partes de um processo, seja porque a cultura na contemporaneidade é, ela mesma, processual. Os dinossauros, acredito, retornarão. Tempo a este tempo...
[Leia outros Comentários de Manuela Barreto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACCIÓN Y SÍMBOLO EN MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA - BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ (LITERATURA ESPANHOLA)
BRAULIO SÁNCHEZ-SAEZ
USP - FACULDADE DE DIREITO
(1940)
R$ 50,00



INSTABILIDADE DO CANTO
HENRIQUE SIMAS
JOSÉ OLYMPIO
(1963)
R$ 8,97



DICIONÁRIOS BERTRAND FRANCÊS - PORTUGUÊS
JEAN ROUSÉ
BERTRAND
(1986)
R$ 8,00



CASTRO ALVES- IMAGENS FRAGMENTADAS DE UM MITO
EDILENE MATOS
EUC- FAPESP
(2001)
R$ 24,90



MICHELANGELO - A RENASCENÇA - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 6,00



OS GRANDES PINTORES DA HISTÓRIA QUERO SABER POCKET
CONSTANTINO KOUZMIN-KOROVAEFF (TRADUÇÃO)
ESCALA
(2007)
R$ 8,00



TRÈS SAGE HÉLOISE - ROMAN
JEANNE BOURIN
LA TABLE RONDE
(1966)
R$ 14,90



GUIA PRÁTICO DE INVESTIMENTOS DAS BEARDSTOWN LADIES
BEARDSTOWN LADIES
SALAMANDRA
(1994)
R$ 20,00



MARIA NO NOVO TESTAMENTO
R.E. BROWN, K.P. DONFRIED, J.A. FITZMYER, J. REUMANN (ORG)
EP
(1986)
R$ 79,90
+ frete grátis



ANTOLOGIA POETICA
MANUAL BANDEIRA
NOVA FRONTEIRA
(2001)
R$ 10,00





busca | avançada
27806 visitas/dia
737 mil/mês