Digestivo nº 272 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 31/3/2006
Digestivo nº 272
Julio Daio Borges
+ de 5600 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Imprensa >>> O melhor joio do trigal
Parem as rotativas, o Pasquim voltou. Agora em livro. É provável que, desde que o Pasquim começou, alguém vem tentando – desde o final dos anos 70, pelo menos – voltar com o Pasquim, voltar com o Pasquim original – ressuscitar “o melhor” do Pasquim. Jaguar, por exemplo, insistiu, já que, com ele, o Pasquim seguiu se diluindo até os anos 1990. E Ziraldo, à sua maneira, arriscou uma nova tentativa, com OPasquim21, nos anos 2000. Mas nem um dos dois projetos conseguiu preservar o espírito do Pasquim. Só agora, Sérgio Augusto e o mesmo Jaguar, parece que conseguiram o feito, em livro. E tão velha quanto a lenda de que o Pasquim iria voltar, a qualquer momento, “com tudo”, é a lenda de que ele sairia em forma de antologia. Uns falavam que, em plena era da internet, sairia logo em PDF; outros, que Jaguar havia vendido a marca “Pasquim” para uma pizzaria (ou algo assim) e que seria, portanto, impossível reunir qualquer coisa sob a alcunha Pasquim. Fora que, depois de tantas encarnações, e de tantas brigas, entre os protagonistas (e, depois, entre seus herdeiros), parecia improvável que alguém pudesse coligir o material todo, com base num consenso, até em termos de direitos autorais. Mas, vale repetir, Sérgio Augusto e Jaguar conseguiram. Seria, realmente, impossível se não estivesse aí, à venda, já na Bienal de São Paulo. O primeiro volume reúne os 150 primeiros números, de 1969 a 1971, e reproduz com um cuidado impressionante, à primeira vista, os textos e os desenhos de uma das mais brilhantes gerações de jornalistas e artistas gráficos em toda a história da imprensa brasileira. E mais do que material para aficionados ou jornalistas (ou wannabes), o volume é um documento histórico. Entre os lançamentos editoriais deste ano, é o único, até agora, imperdível. [Comente esta Nota]
>>> O Pasquim - Antologia - 1969-1971 - 352 págs. - Desiderata
 

Fernando Chaves


Música >>> Emboscada
Fabio Zanon, para quem não conhecia sua carreira de concertista internacional, era mais um daqueles colaboradores tão ciosos da Cultura FM de São Paulo. Zanon foi responsável, em 2003, pelo possivelmente melhor programa sobre história do violão veiculado pelas ondas do rádio. Percorrendo desde violonistas seminais, que fizeram a fama do instrumento nas salas de concerto (um exemplo é Joaquín Rodrigo, célebre compositor do Concierto de Aranjuez), até o flerte, riquíssimo, entre o repertório erudito e a cultura popular, ao longo de todo o século XX. Nesse sentido, sua participação nos Concertos 2006, da Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, foi emblemática, porque, além de responder ao chamado de Gilberto Tinetti para homenagear Mozart (no caso, com árias de A Flauta Mágica), Zanon passou por mestres do cruzamento entre o popular e a tradição, como Radamés Gnattali (de quem se ouviu duas tocatas e um estudo). Portanto, quem conhecia Fabio Zanon apenas das rigorosas exposições sobre a evolução de seu instrumento em freqüência modulada, tomou um susto com o exímio solista (segundo o folheto de apresentação, um dos mais requisitados atualmente no mundo). Que privilégio, então, ter Fabio Zanon num auditório tão intimista, onde ainda ofereceu peças de Francisco Mignone, de Paulo Bellinati e de compositores latinos contemporâneos (uma descoberta mais recente, confessou). Gilberto Tinetti, por coincidência, além de apresentar o melhor programa do rádio brasileiro sobre música para piano, o Pianíssimo, comanda há 10 anos a programação da Fundação, que tem, ela própria, 26 anos. A temporada de 2006 começou, agora, em março – se seguir nesse mesmo passo, vai polarizar nossa atenção, sempre mais voltada para grandes salas... [Comente esta Nota]
>>> Fabio Zanon - Concertos 2006 - Fundação Maria Luisa e Oscar Americano
 



Além do Mais >>> Falata
A fila de espera estava pra fora. Poucas vezes se viu o Salão de Idéias da Bienal do Livro tão abarrotado. O autor e o mediador tiveram de pedir passagem. Era Mario Sergio Cortella, lançando Não nascemos prontos, seu segundo volume de provocações filosóficas, pelo selo Vozes Nobilis. A platéia estava ávida e o tempo era, pra variar, curto. Mas Mario Sergio Cortella é orador hábil e, em pouco mais de quinze minutos, conseguiu passar algumas de suas considerações sobre o homem moderno. Para ele, nosso motor hoje é a urgência. Misturamos velho com arcaico (e antigo) e esquecemos de que, na tradição, pode haver valor. Confundimos fundamental com essencial e focamos numa ferramenta (por exemplo, no dinheiro), quando o foco deve estar na realização (quem sabe, numa vida boa?). Nossa tragédia, pra terminar, é tomar o outro como estranho e, na desunião, se render cada vez mais às armadilhas da modernidade. Mario Sergio Cortella, dentro de outra linha do pensamento filosófico da PUC, assume que fez a opção pela comunicação ampla, e não pelo hermetismo – e joga o jogo das palavras, e fala às pessoas, e é um bom vendedor de livros. O mediador do Salão de Idéias foi incisivo e tascou logo na primeira pergunta a dúvida que pairava no ar: “Você faz auto-ajuda? Não acha que a auto-ajuda é justamente essa diluição?”. Cortella assumiu que pode ser, sim, auto-ajuda, no sentido de estar ajudando o outro; e que não teria problema nenhum com o rótulo, se este lhe fosse atribuído, porque considera que faz, antes, filosofia e educação. É o dilema de todo intelectual brasileiro hoje: parece não haver alternativa entre falar para o povo ou falar para as paredes. A classe média (pensante) não existe, ou não conta. Vemos filósofos brasileiros de todas as plumagens correndo atrás do tempo perdido na academia: seja em cursos, seja em palestras, seja no rádio, seja até na televisão. Talvez devam aprender com Mario Sergio Cortella. [Comente esta Nota]
>>> Não nascemos prontos - Mario Sergio Cortella - 136 págs. - Vozes Nobilis
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/3/2006
20h59min
Amigos do DC (que pode ser Depois de Cristo), tenho notado as melhorias que o site vem fazendo. As questões sempre bem apresentadas e os comentários sempre com opiniões interessantes. Parabéns e continuem melhorando!
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
1/4/2006
13h15min
Depois de "Nao nascemos prontos", que tal o autor lancar "Nao morremos prontos"? Por que, mesmo tendo uma larga experiencia de vida na Terra, nunca estamos prontos para morrer?
[Leia outros Comentários de Mar]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Almanaque Ilustrado Por dentro do meio ambiente
Augusto Piratelli e Guto Lins
Desconhecida



O Reino do Rei Que Nunca Cresceu
Pablo Diego Garcia
Giostri
(2018)



Geometria Descritiva - Conceitos, Metodologia, Aplicações
Rubens Mamar
Plêiade
(2008)



Memorias do Infortunio
Su Xiaokang
Globo
(2002)



Coleção Clássica Marvel Vol. 18 - Quarteto Fantástico Vol. 3
Marvel
Panini
(2021)



Futuro: Prepare-se! - Cenários e Tendências para um Mundo de Oportunidades
Marco Aurélio F. Vianna, Sérgio Duarte Velasco
Gente
(1998)



Crime e Castigo - Vol 03
Garth Ennis
Abril Jovem
(1998)



Sherlock Holmes: um estudo em vermelho - volume 6
Arthur Conan Doyle
Zahar
(2009)



Luxúria
Eve Berlin
Lua de Papel
(2012)



Se Eu Morrer Antes De Voce
Allison Brennan
Universo dos livros
(2011)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês