Digestivo nº 311 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
Mais Recentes
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Mundo é Plano uma Breve História do Século XXI de Thomas L. Friedman pela Objetiva (2005)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 12/1/2007
Digestivo nº 311
Julio Daio Borges

+ de 4900 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Literatura >>> Poeta das mercadorias
Marx e sua análise econômica da sociedade estão de tal forma impregnados no nosso vocabulário, e mesmo no nosso modo de pensar, que às vezes é necessário um livro, como o de Edmund Wilson, para nos revelar esse fato. Ainda que Marx e o subseqüente marxismo sejam, de certa maneira, o tema central de Rumo à estação Finlândia, Wilson se orgulhava de ser um “jornalista cultural”, e o volume que ele dedicou às revoluções em 1940, da Francesa (1789) à Russa (1917), foi, surpeendentemente, o primeiro lançamento da Companhia das Letras, em 1986. O quebra-cabeças se completa com a notícia de que a editora relançou a obra, por ocasião de seus 20 anos, em formato pocket, e com a informação de que Rumo à estação Finlândia teve nada mais nada menos de 13 (treze) reimpressões no Brasil. É certo que Marx e o marxismo acabaram fora de moda neste século: o primeiro foi excomungado na era do capitalismo redivivo e o segundo – já uma massa disforme de idéias no tempo do próprio Karl –, terminou como cacoete ideológico de quem ainda não acredita em coisas como globalização. Por estar há mais de 60 anos atrás de nós, Edmund Wilson não faz campanha nem para este nem para aquele lado: Rumo à estação Finlândia permite, pela isenção, que a quarta capa o chame inclusive de “historiador” – e com seu talento de jornalista, o autor efetivamente nos convence de que as revoluções podem ainda ser emocionantes, e interessantes. De Michelet a Lênin, passando por Renan, Lasalle, Trotski e, claro, Karl Marx e Friedrich Engels, Wilson transita com segurança pela verdadeira História das Idéias – e, independentemente do resultado político, sobrevive galhardamente nos anos 2000. A preço mais acessível, agora pela Companhia de Bolso, o volume de pouco mais de quinhentas páginas pode servir de alento ao jovem leitor com saudade daquele tempo perdido do engagement... [1 Comentário(s)]
>>> Rumo à estação Finlândia
 



Música >>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
Infelizmente, no mercado, na opinião pública e até no meio artístico, “popular”, em matéria de música, acabou virando sinônimo de popularesco. O termo popular, muitas vezes hoje, se converte em arma política, no sentido de impor, à estética, um apelo comercial e uma demagogia indesejáveis. Assim, somos obrigados a concordar com os alto-falantes, já que eles supostamente representam o gosto da maioria – e ai de quem contra-argumentar: estará sendo, para começar, antidemocrático; e, para terminar, sectário. Mas, quando parecíamos perdidos no labirinto do mau-gosto da soi-disant “música popular brasileira contemporânea”, eis que Benjamin Taubkin e o Núcleo de Música de Abaçaí surgem para nos salvar. Com... verdadeira música popular: sim, sambas-de-roda do Recôncavo Baiano; uma ciranda pernambucana; três temas do Congado Mineiro; e duas peças das Caixeiras do Divino, do Maranhão. De início – para os ouvidos maltratados pelo pagode acrílico, pelo bolero sertanejo e pelo axé bumbum – pode soar, conceitualmente, assustador; porém, basta colocar o CD Cantos do Nosso Chão (Núcleo Contemporâneo, 2006) para tocar que, como proferiu o jornalista Belmiro Braga, surge logo “uma luz calma que torna o mundo maior”. Quem precisa do salvo-conduto do name-dropping, além do piano delicado de Benjamin, de suas harmonias e contracantos, e do trabalho de pesquisa de quase 30 anos do Grupo Abaçaí, vai encontrar: Mônica Salmaso, Teco Cardoso (à flauta) e Paulo Freire (até na viola de cocho). Cantos do Nosso Chão realiza, em outras palavras, a ambição feliz de Dorival Caymmi – de atingir a simplicidade (e a eternidade) de uma “Ciranda Cirandinha”. Numa época de crise de identidade do que se convencionou chamar de MPB, a resposta pode estar, de novo, na tradição. [Comente esta Nota]
>>> Cantos do Nosso Chão
 



Artes >>> It’s digital, it’s DaniCast
Se a expressão “artista multimídia” não existisse, ela teria de ser inventada para Daniela Castilho. Das artes plásticas à videoarte, passando pela escrita e pela educação (que pode ser também uma arte), não parece haver forma de expressão que a curiosidade de Daniela não tenha ainda tocado e em que seu talento não tenha se manifestado. Pioneira na internet (DaniCast está na Rede desde 1994) e, antes dela, nas mídias digitais, Dani já mexeu com webdesign, já empreendeu na Web, já ganhou dinheiro na época da bolha, já foi blogueira avant la lettre, já expôs em galerias virtuais e já foi convidada para a Bienal de Florença (a física – duas vezes). Antes do reconhecimento oficial, DaniCast já era um ídolo – no mundo dos games (por conta dos add-ons que inventou para o jogo The Sims e que, graças à WWW, se espalharam pelo mundo). Atualmente, além dos cursos em Direção de Arte para Cinema, Dani dá os primeiros passos num documentário sobre seu pai, o maestro Carlos Castilho, e prepara-se para sua primeira “individual”, no Dynamite Pub, cuja abertura acontece no próximo dia 15, segunda-feira, às 20. Ambiciosa como sempre, e sempre no bom sentido, Daniela Castilho vai expor – no espaço que fica na rua Cardeal Arcoverde, nº 1857, Vila Madalena – suas “fotopinturas” (fotos digitais impressas em vinil com pintura aplicada) e seus vídeos (realizados durante o ano de 2006 e disponíveis no YouTube). Como desdobramento, DaniCast quer comercializar, através da internet, tiragens limitadas (e especiais) das mesmas peças numeradas (e assinadas) que estarão em exposição e à venda no pub até 15 de fevereiro. Daniela Castilho nunca precisou apelar para sua árvore genealógica (ao contrário de muitos “artistas” que só tem o DNA, ou nem isso), mas parece reunir os dons de seis gerações de artistas plásticos, músicos, personalidades e ativistas políticos. Lá na ponta, ela comanda atualmente o show com seu primo... Marcelo Camelo. Será que ele vai aparecer para dar uma canja? [Comente esta Nota]
>>> Daniela Castilho no Dynamite Pub
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/1/2007
13h18min
Sinto que nossa musica - a musica popular brasileira - tenha, por convençao das ignorancias e preguiças da massa, atingido um ponto de solidificaçao impropria ao bom gosto e 'a qualidade artistica. Penso que o brasileiro em geral quando compra um calçado sente-se seguro e incluido no grupo ao comprar um Nike. Porque ele vai arriscar adquirir pra si uma arte desconhecida e diferente ao ouvido do povo? Isso me da' medo, restringe mais e mais os bons ouvintes da boa musica... Afinal quem manda ainda é o mercado. Torço para que trabalhos como o de Benjamin Taubkin perdurem... E eu sigo calçando sandalias.
[Leia outros Comentários de Bruno Melo]
15/1/2007
21h42min
Li o "Rumo à Estação Finlândia" já faz alguns anos. Talvez uma das melhores abordagens da revolução soviética porque Edmund Wilson, pese sua simpatia pela causa, não permite que sua objetividade seja ameaçada, de forma que seu enfoque não perde o foco e é neutro na medida do possível. Wilson valoriza a questão humana por trás da questão puramente política. É irônico que a gente aprenda coisas sobre a revolução russa, e aprenda bastante, com livros escritos por norte-americanos, como John Reed e Edmund Wilson. Sendo que o último é bem melhor. Muito bem lembrado.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Emagreça sem segredos
Jeanne Lima
Literare Books International
(2018)



Para Mim, Chega!
Yvonne Bezerra de Mello
Rosa dos Tempos
(1998)



Orgias
Luis Fernando Veríssimo
L&pm



Cozinha Vegetariana. Maçã
Caroline Bergerot
Cultrix
(2012)



A Witch Called Wanda
Telma Guimarães Castro Andrade
Atual
(1996)



O Pensamento Judeu Como Fator de Civilização
Leon Roth
Biblos
(1965)



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Os Thibault 1
Roger Martin Du Gard
Globo
(1986)



Unati - Espaço Aberto ao Ensino e á Criatividade
Maria Candida Soares del Masso
Cultura Academica
(2012)



Dinâmica de Grupo Iniciação a Seu Espírito e Algumas de Suas Técnicas
Jean-marie Aubry
Loyola
(1978)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês