Digestivo nº 311 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
21254 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Orquestra Sinfônica de Jerusalém apresenta-se em São Paulo
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> Era uma vez um tirano
>>> Menino de Engenho
>>> Os Miseráveis. Tradução e adaptação Walcyr Carrasco.
>>> Valentino: Une grande histoire italienne
>>> Luxury Houses Toscana
>>> O Mestre
>>> Os marxismos depois de Marx
>>> Poética
>>> Locke
>>> Músicos Em Ordem de Batalha
>>> O valete de espadas
>>> A Festa da Língua
>>> Alimento Diário Profetas menores- Ageu e Malaquias
>>> A Salvação Orgânica- Edificação
>>> A Essência do Eneagrama
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 12/1/2007
Digestivo nº 311
Julio Daio Borges

+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Literatura >>> Poeta das mercadorias
Marx e sua análise econômica da sociedade estão de tal forma impregnados no nosso vocabulário, e mesmo no nosso modo de pensar, que às vezes é necessário um livro, como o de Edmund Wilson, para nos revelar esse fato. Ainda que Marx e o subseqüente marxismo sejam, de certa maneira, o tema central de Rumo à estação Finlândia, Wilson se orgulhava de ser um “jornalista cultural”, e o volume que ele dedicou às revoluções em 1940, da Francesa (1789) à Russa (1917), foi, surpeendentemente, o primeiro lançamento da Companhia das Letras, em 1986. O quebra-cabeças se completa com a notícia de que a editora relançou a obra, por ocasião de seus 20 anos, em formato pocket, e com a informação de que Rumo à estação Finlândia teve nada mais nada menos de 13 (treze) reimpressões no Brasil. É certo que Marx e o marxismo acabaram fora de moda neste século: o primeiro foi excomungado na era do capitalismo redivivo e o segundo – já uma massa disforme de idéias no tempo do próprio Karl –, terminou como cacoete ideológico de quem ainda não acredita em coisas como globalização. Por estar há mais de 60 anos atrás de nós, Edmund Wilson não faz campanha nem para este nem para aquele lado: Rumo à estação Finlândia permite, pela isenção, que a quarta capa o chame inclusive de “historiador” – e com seu talento de jornalista, o autor efetivamente nos convence de que as revoluções podem ainda ser emocionantes, e interessantes. De Michelet a Lênin, passando por Renan, Lasalle, Trotski e, claro, Karl Marx e Friedrich Engels, Wilson transita com segurança pela verdadeira História das Idéias – e, independentemente do resultado político, sobrevive galhardamente nos anos 2000. A preço mais acessível, agora pela Companhia de Bolso, o volume de pouco mais de quinhentas páginas pode servir de alento ao jovem leitor com saudade daquele tempo perdido do engagement... [1 Comentário(s)]
>>> Rumo à estação Finlândia
 



Música >>> Religioso, mágico, sofisticado, profano
Infelizmente, no mercado, na opinião pública e até no meio artístico, “popular”, em matéria de música, acabou virando sinônimo de popularesco. O termo popular, muitas vezes hoje, se converte em arma política, no sentido de impor, à estética, um apelo comercial e uma demagogia indesejáveis. Assim, somos obrigados a concordar com os alto-falantes, já que eles supostamente representam o gosto da maioria – e ai de quem contra-argumentar: estará sendo, para começar, antidemocrático; e, para terminar, sectário. Mas, quando parecíamos perdidos no labirinto do mau-gosto da soi-disant “música popular brasileira contemporânea”, eis que Benjamin Taubkin e o Núcleo de Música de Abaçaí surgem para nos salvar. Com... verdadeira música popular: sim, sambas-de-roda do Recôncavo Baiano; uma ciranda pernambucana; três temas do Congado Mineiro; e duas peças das Caixeiras do Divino, do Maranhão. De início – para os ouvidos maltratados pelo pagode acrílico, pelo bolero sertanejo e pelo axé bumbum – pode soar, conceitualmente, assustador; porém, basta colocar o CD Cantos do Nosso Chão (Núcleo Contemporâneo, 2006) para tocar que, como proferiu o jornalista Belmiro Braga, surge logo “uma luz calma que torna o mundo maior”. Quem precisa do salvo-conduto do name-dropping, além do piano delicado de Benjamin, de suas harmonias e contracantos, e do trabalho de pesquisa de quase 30 anos do Grupo Abaçaí, vai encontrar: Mônica Salmaso, Teco Cardoso (à flauta) e Paulo Freire (até na viola de cocho). Cantos do Nosso Chão realiza, em outras palavras, a ambição feliz de Dorival Caymmi – de atingir a simplicidade (e a eternidade) de uma “Ciranda Cirandinha”. Numa época de crise de identidade do que se convencionou chamar de MPB, a resposta pode estar, de novo, na tradição. [Comente esta Nota]
>>> Cantos do Nosso Chão
 



Artes >>> It’s digital, it’s DaniCast
Se a expressão “artista multimídia” não existisse, ela teria de ser inventada para Daniela Castilho. Das artes plásticas à videoarte, passando pela escrita e pela educação (que pode ser também uma arte), não parece haver forma de expressão que a curiosidade de Daniela não tenha ainda tocado e em que seu talento não tenha se manifestado. Pioneira na internet (DaniCast está na Rede desde 1994) e, antes dela, nas mídias digitais, Dani já mexeu com webdesign, já empreendeu na Web, já ganhou dinheiro na época da bolha, já foi blogueira avant la lettre, já expôs em galerias virtuais e já foi convidada para a Bienal de Florença (a física – duas vezes). Antes do reconhecimento oficial, DaniCast já era um ídolo – no mundo dos games (por conta dos add-ons que inventou para o jogo The Sims e que, graças à WWW, se espalharam pelo mundo). Atualmente, além dos cursos em Direção de Arte para Cinema, Dani dá os primeiros passos num documentário sobre seu pai, o maestro Carlos Castilho, e prepara-se para sua primeira “individual”, no Dynamite Pub, cuja abertura acontece no próximo dia 15, segunda-feira, às 20. Ambiciosa como sempre, e sempre no bom sentido, Daniela Castilho vai expor – no espaço que fica na rua Cardeal Arcoverde, nº 1857, Vila Madalena – suas “fotopinturas” (fotos digitais impressas em vinil com pintura aplicada) e seus vídeos (realizados durante o ano de 2006 e disponíveis no YouTube). Como desdobramento, DaniCast quer comercializar, através da internet, tiragens limitadas (e especiais) das mesmas peças numeradas (e assinadas) que estarão em exposição e à venda no pub até 15 de fevereiro. Daniela Castilho nunca precisou apelar para sua árvore genealógica (ao contrário de muitos “artistas” que só tem o DNA, ou nem isso), mas parece reunir os dons de seis gerações de artistas plásticos, músicos, personalidades e ativistas políticos. Lá na ponta, ela comanda atualmente o show com seu primo... Marcelo Camelo. Será que ele vai aparecer para dar uma canja? [Comente esta Nota]
>>> Daniela Castilho no Dynamite Pub
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/1/2007
13h18min
Sinto que nossa musica - a musica popular brasileira - tenha, por convençao das ignorancias e preguiças da massa, atingido um ponto de solidificaçao impropria ao bom gosto e 'a qualidade artistica. Penso que o brasileiro em geral quando compra um calçado sente-se seguro e incluido no grupo ao comprar um Nike. Porque ele vai arriscar adquirir pra si uma arte desconhecida e diferente ao ouvido do povo? Isso me da' medo, restringe mais e mais os bons ouvintes da boa musica... Afinal quem manda ainda é o mercado. Torço para que trabalhos como o de Benjamin Taubkin perdurem... E eu sigo calçando sandalias.
[Leia outros Comentários de Bruno Melo]
15/1/2007
21h42min
Li o "Rumo à Estação Finlândia" já faz alguns anos. Talvez uma das melhores abordagens da revolução soviética porque Edmund Wilson, pese sua simpatia pela causa, não permite que sua objetividade seja ameaçada, de forma que seu enfoque não perde o foco e é neutro na medida do possível. Wilson valoriza a questão humana por trás da questão puramente política. É irônico que a gente aprenda coisas sobre a revolução russa, e aprenda bastante, com livros escritos por norte-americanos, como John Reed e Edmund Wilson. Sendo que o último é bem melhor. Muito bem lembrado.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESCOLAR SOPENA COLOR - DICIONÁRIO ILUSTRADO DE LA LENGUA ESPAÑOLA
EDITORIAL RAMON SOPENA
EDITORIAL RAMON SOPENA
(1976)
R$ 10,00



MÁQUINAS QUE PENSAM - OBRAS PRIMAS DA FICÇÃO CIENTÍFICA
ISAAC ASIMOV / OUTROS
L&PM
(1983)
R$ 39,49



COMO ORGANIZAR E DIRIGIR UMA EMPRESA.
O MAGICO
ADEMPE
(1997)
R$ 35,00
+ frete grátis



PROFESSIONAL VISUAL BASIC .NET
FRED BARWELL
MAKRON
(2004)
R$ 350,00



DE PAI PRA FILHO
LUCIANO VILLAÇA
PROCLAMA
(2001)
R$ 11,92



POESIAS - PRÊMIOS NOBEL DE LITERATURA
ERIK AXEL KARLFELDT
OPERA MUNDI
(1971)
R$ 8,89



TRANSISTORES ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO
SENAI
SENAI
(1998)
R$ 20,00



LEGISLAÇÃO ELEITORAL - 4ª EDIÇÃO REVISTA E AMPLIADA
MARCOS RAMAYANA
ROMA VICTOR
(2006)
R$ 12,00



MATEMÁTICA - 2º GRAU - 3ª VOLUME
LUIZ CARLOS DE DOMÊNICO
IBEP
R$ 13,00



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR - BIBLIOTECA FOLHA Nº 11
JÚLIO DINIS
EDIOURO
(1997)
R$ 7,00





busca | avançada
21254 visitas/dia
1,1 milhão/mês