Digestivo nº 500 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Delírio eleitoral gratuito
>>> Minha história com Guimarães Rosa
>>> Abismos literários
>>> 18 de Agosto #digestivo10anos
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
Mais Recentes
>>> Autografado - Somos os Mortos (novela) 2ª Edição de Dirceu Quintanilha pela Fontana (1980)
>>> Fundamentación Egológica de La Teoria General del Derecho de Antonio Luiz Machado Neto pela Universitária Buenos Aires (1974)
>>> Sentença e Coisa Julgada: Exegese do Código de P C Arts 444 - 445 de Egas Moniz de Aragão pela Aide (1992)
>>> O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Segundo Piaget de Anália Rodrigues de Faria pela Ática (1989)
>>> Repensando a Leitura na Escola: um Outro Mosaico de Maurício da Silva pela Eduff (1995)
>>> O Livro do Seminário: Ensaios - Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de Santanna; Nunes; Lucas; César; Barbosa; Merquior pela L R Editores (1983)
>>> Os Universos da Crítica: Paradigmas nos Estudos Literários de Eduardo Prado Coelho pela Edições 70 (1987)
>>> A Correspondência de Fradique Mendes (de Acordo Com a Primeira Edição) de Eça de Queiroz pela Livros do Brasil
>>> O Pêndulo de Foucault 6ª Edição (volume Único) de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> Tempos da Literatura Brasileira - Série Princípios 3ª Edição de Benjamin Abdala Junior; Samira Youssef Campedelli pela Ática (1990)
>>> You are a Bad Ass (manchas de Umidade) de Jen Sincero pela Running Press (2013)
>>> I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portugues de Pós-graduação Em Letras da Uff (anais) pela Uff (1991)
>>> Poesia Erótica e Satírica: a Orgia dos Duendes Elixir do Pajé de Bernardo Guimarães (organização de Duda Machado) pela Imago (1992)
>>> O País de Bissalanka - Poema - Colecção Vozes do Mundo de Costa Andrade pela Sá da Costa (1980)
>>> Novas Lições de Análise Sintática - Série Princípios 6ª Edição de Adriano da Gama Kury pela Ática (1993)
>>> Problemas de Linguística Descritiva 16ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Estrutura da Língua Portuguesa 26ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Oralidades & Escritas Nas Literaturas Africanas de Ana Mafalda Leite pela Colibri (1998)
>>> Autismo: Um Olhar Por Inteiro de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Refém do Medo de Suzana Lyra pela Literare Books (2021)
>>> O segredo da mentalidade judaica de Rabino Dor Leon Attar pela Literare Books (2021)
>>> Valida-te de Tatiane de Sá Manduca pela Literare Books (2021)
>>> A Mamãe coaching de Iara Mastine pela Literare Books (2018)
>>> Comunicação Assertiva de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
DIGESTIVOS

Segunda-feira, 26/5/2014
Digestivo nº 500
Julio Daio Borges

+ de 3400 Acessos


Literatura >>> Gabriel García Márquez (1927-2014)
García Márquez foi o escritor hispano-americano mais importante, na nossa época, depois de Borges. Misturados ao boom latino-americano do "realismo fantástico", eram diferentes mas eram complementares. Borges celebrou a grande tradição da literatura. Sua obra é a de um grande leitor ― o maior do século XX? ― que, no fim da vida, foi "a voz" da literatura, em palestras que fazia ao redor do mundo. Sua ficção é ensaística, livresca no bom sentido, quase para iniciados. Borges encarnava o cânone, era contemporâneo dos mestres, nas principais línguas e épocas. Praticamente um inglês nascido na Argentina, foi um conservador ligado à tradição e consagrou sua vida à leitura, mais do que à escritura (para usar uma palavra-chave neste contexto). Já García Márquez foi um mestre da invenção. Cem Anos de Solidão é mitologia, do tipo que escreveu Homero, os evangelistas, gente dessa estirpe. Macondo transcende Aracataca, assim como a Ilíada projeta Troia no infinito e Cervantes concentra, no Quixote, toda uma era de romances de cavalaria. Quando a América Latina tiver desaparecido, Cem Anos de Solidão permanecerá como um retrato fiel da civilização hispano-americana. O romance, aliás, foi impactante mesmo para García Márquez, que comparou a escrita do livro subsequente, Outono do Patriarca, a um doloroso parto. Considerava O Amor nos Tempos do Cólera ― a história de amor de seus pais ― seu melhor livro, e apostava que ― esse, sim ― permaneceria. Como ninguém é perfeito, García Márquez foi amigo de Fidel Castro e defendeu Cuba de ataques políticos, quase sempre em nome da amizade e quase nunca em nome do realismo. Tornaram-se igualmente famosas as rusgas com Vargas Llosa, sobretudo por causa de uma mulher... Gabo, o apelido consagrado de García Márquez, era um homme à femmes, e, com muito charme, se dizia melhor compreendido pelo gênero feminino. Os desentendimentos ― inclusive políticos ― não impediram que a edição comemorativa de Cem Anos de Solidão, pela Real Academia Española, saísse com um ensaio de Vargas Llosa sobre a obra-prima. O primeiro a reconhecer sua importância ― dando uma medida de seu alcance e de sua grandiosidade, já na época do lançamento (o que não é pouco). Num rasgo de populismo à la Jorge Amado, García Márquez se dizia tomado pela cultura popular, mas, num exame mais detido, sua grande influência literária foi William Faulkner. A este, uma vez, perguntaram por que nos estados do Sul havia tanta literatura: "Porque nós perdemos a guerra", Faulkner teria dito. Os Estados Unidos tem um Cem Anos de Solidão? Será que é porque a América Latina perdeu a guerra? García Márquez vale a descoberta e a redescoberta. Cem Anos não é um livro, é um milagre de superação no meio do mundo subdesenvolvido. [Comente esta Nota]
>>> García Márquez no Digestivo
 



Literatura >>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
Por que ler uma biografia de J.D. Salinger? Porque ele escreveu O Apanhador no Campo de Centeio, provavelmente o romance mais influente dos anos 50, em língua inglesa, que levou a rebeldia juvenil ao mainstream, antecipando os beatniks, os hippies e, obviamente, o rock'n'roll, e o pop. O "poder jovem", como se dizia nos anos 60, seria impensável sem Holden Caulfield. Do mesmo jeito, o protagonismo dos jovens brasileiros na época que se convencionou chamar de A Era dos Festivais, até a explosão da "cultura jovem", nos anos 80 (tão bem documentada por Ricardo Alexandre). Até a internet. Salinger cristalizou uma postura anti-establishment que consequentemente inspirou hackers, desde um Jobs, que foi para a Índia e combatia a IBM, o Grande Irmão, até um Zuckerberg, o antisocial fundador da maior rede social do mundo (não sem brigar antes com a namorada e "dar um chapéu" em colegas de Harvard). Holden Caulfield está entre nós; dentro de cada um de nós. E você nem precisa ter lido o livro... Salinger, contudo, pagou um preço alto por isso. O sucesso e a popularidade da obra o assombraram até a morte. Passou décadas tentando se isolar em Cornish, no estado de New Hampshire, ambicionando "levar uma vida normal", mas o máximo que conseguiu foi se converter num dos reclusos mais famosos do mundo, avesso a aparições públicas, levando o controle da sua imagem, e da sua obra, ao limite da paranoia. Shields e Salerno, os autores da biografia, acreditam que a chave para o comportamento de Salinger esteja no transtorno de estresse pós-traumático, em consequência de sua participação na Segunda Guerra Mundial. Salinger tomou parte do famoso desembarque no Dia D, afastou corpos que flutuavam, desviou de muitos outros na praia... Combateu na floresta de Hürtgen, na Alemanha, uma das batalhas mais sangrentas de toda a História. E foi um dos primeiros a ter contato com o horror dos campos de concentração. Esteve em Dachau. Shields e Salerno acreditam que Holden Caufield foi a razão de viver de Salinger nessa época, pois o romance foi escrito no front. Salinger exorcizou seus demônios criando um mostro adolescente, que enfeitiçou multidões de leitores ao longo do século XX. Manteve a serenidade até publicar O Apanhador, mais uma coletânea de histórias da New Yorker, Fanny & Zoey, a "Culmeeira" com o "Diário de Seymour", mais um último conto mal compreendido na mesma New Yorker, "Hapworth 16, 1924", e, enfim, "despirocou". A consagração e as vendas, avassaladoras, tiveram sequência. E Salinger, milionário e hermeticamente fechado, perdeu o senso de realidade. Casou três vezes, teve casos e mais casos com jovens garotas entre a adolescência e a idade adulta ― e escreveu obsessivamente. Mais de 12 horas por dia ― relatos afirmam ―, durante décadas. Shields e Salerno revelam um cronograma de publicação, deixado em seu testamento, que começa em 2015 e que vai até 2020. O que vem por aí? Mais Holden Caulfield? É possível. Mas é possível, também, que toda a espera seja em vão. Gênio ou louco? O que o futuro reserva para J.D. Salinger? [Comente esta Nota]
>>> Salinger
 

Televisão >>> Luciano do Valle (1947-2014)
Luciano do Valle foi Galvão Bueno antes de Galvão Bueno. E, principalmente, melhor que Galvão Bueno. Quando o tom oficialesco de Galvão Bueno se consagrou na TV Globo, era na TV Bandeirantes que os telespectadores iam buscar refúgio. Luciano do Valle driblou a correção política ao dar espaço a um desbocado Silvio Luiz, nos anos 80, e a um nada sofisticado Neto, nos anos 90. E, em vez de repousar sobre os louros da fama, abriu novas frentes para a transmissão esportiva. Quem viveu os anos 80 se lembra de Bernard, e sua "jornada nas estrelas", Montanaro, William e Xandó, a chamada "geração de prata" do vôlei brasileiro. Assim como quem viveu os anos 90 obviamente se lembra de Marcelo Negrão, Tande, Giovane e Maurício, que conquistaram, efetivamente, o ouro para o Brasil. Luciano do Valle forjou, igualmente, carreiras como as de Hortência e Paula, no basquete feminino. E, mais discutivelmente, a de Adilson Rodrigues "Maguila", no boxe. Quando o Brasil descobria a NBA, Luciano do Valle apelidou Paula de "Magic Paula" (evocando Magic Johnson). E quando o mundo se espantava com Mike Tyson, quis, com o "professor" Newton Campos, que o Brasil tivesse, nos pesos pesados, seu representante. (Não durou dois rounds com Evander Holyfield, em 1989, para a decepção geral da nação.) Em sua primeira encarnação, Luciano do Valle juntou-se à equipe esportiva da Globo durante a cobertura da Copa de 70. Consagrou-se, nessa década, quando cobriu as principais vitórias de Emerson Fittipaldi na F1. Depois da Copa da Espanha, em 82, saiu da Globo para a Record, mas fez escola mesmo, a partir de 83, na Bandeirantes. Praticamente criou o "Canal do Esporte", apostando em transmissão esportiva maciça, aos domingos, com o Show do Esporte. (Quando não competia com Galvão Bueno, estava competindo com ninguém menos que Silvio Santos.) Luciano do Valle ainda foi pioneiro da Fórmula Indy no Brasil e quis fazer até o futebol americano cair no nosso gosto. Exageros à parte, ficamos sem alternativa na próxima Copa do Mundo, justamente a do Brasil. Não dá para comparar Luciano do Valle com Milton Neves ou ― pior ― com José Luiz Datena. Mas pior ainda será Galvão Bueno reinando absoluto na Globo. O homem que já esculhambou Pelé, em pleno Tetra, sofreu a campanha do "Cala a Boca, Galvão", na última Copa, e não abaixou a crista, aparentemente não será detido em pleno voo, nem pela proverbial sinceridade de Casagrande. Cléber Machado? É muito bom-mocismo para um locutor só... Mas voltando a Luciano do Valle, o fato é que a TV Bandeirantes deve-lhe muito, para não dizer tudo. Antes de ser hoje esse player representativo da comunicação brasileira, o Grupo Bandeirantes contou com a visão, o pioneirismo e a grande capacidade de realização do campineiro Luciano do Valle Queirós. [Comente esta Nota]
>>> Luciano do Valle
 



Internet >>> Os Arquivos Snowden, de Luke Harding
Desde Julian Assange, em 2010, que o mundo não era chacoalhado por um hacker. Edward Snowden, ex-CIA, resolveu vazar todo um programa de espionagem do governo dos EUA, em associação com as principais empresas de internet, para monitorar as comunicações de cidadãos americanos ou não, ligados ao terrorismo ou não. Isso foi em 2013; e foi um escândalo. Para completar, comprovou-se que os mesmos EUA grampeavam, inclusive, celulares de chefes de estado, como Angela Merkel e, pasme-se, Dilma Roussef. Conhecendo os riscos de sua missão de delator, Snowden abandonou seu posto no Havaí e instalou sua base em Hong Kong, de onde contatou Glenn Greenwald, colunista do Guardian, radicado no Rio, e fez História. Ao contrário de Assange, sobre o qual se lançaram imediatamente livros, Snowden nunca foi afeito à exposição midiática, acabou menos conhecido e mereceu uma "biografia" só agora, com Luke Harding, correspondente internacional do mesmo Guardian. Snowden é bastante jovem, portanto não há muito o que se falar de seus anos de formação. (Sem contar que apagou seus rastros on-line.) Ficamos sabendo que passou bastante tempo participando do fórum de discussão do Ars Technica, que terminou vendido para o grupo Condé Nast. Acabou não se formando, mas sua habilidade com computadores era tamanha que imediatamente foi contratado e teve ascensão meteórica, como técnico, nos serviços de inteligência dos EUA. Quando decidiu jogar tudo pro alto, morava "no paraíso", segundo suas palavras, com a namorada, e tinha uma renda anual de mais de 200 mil dólares. Diferente de Assange, Snowden nunca foi "de esquerda", poderia ser definido como "um patriota", e simpatizava com Ron Paul, candidato republicano nas primárias de 2008 e 2012. Mais cerebral que Assange, porém, Snowden escolheu seus parceiros, no jornalismo, a dedo, criptografando desde o início todas as mensagens e só aceitando negociar pessoalmente os termos de seu "vazamento". Sabendo que sua atitude não teria volta e que os EUA só o receberiam para prendê-lo, acabou pedindo asilo na Rússia, de Putin, que terminou lhe concedendo, para a irritação de Obama. Hoje se sabe que está em Moscou, trabalhando para um empresa de tecnologia, mas sua ambição não é permanecer sob os holofotes. Glenn Greenwald, o ex-advogado que se tornou colunista do Guardian, terminou ganhando maior notoriedade que Snowden, e foi agradaciado com um convite de Pierre Omidyar, bilionário fundador do eBay, que resolveu investir no ramo de notícias, com a First Look Media. Assange, claro, tirou uma lasca, infiltrando uma representante do WikiLeaks para escoltar Snowden desde Hong Kong até a Rússia. Mas o que fica, de todo episódio, é que somos mais monitorados do que poderíamos imaginar e que não existe privacidade para quem usa serviços de empresas como Google, Facebook, Microsoft e até da Apple, de Steve Jobs. [Comente esta Nota]
>>> Os Arquivos Snowden
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Pequeno Filósofo
Gabriel Chalita; Thais Linhares
Globo Antigo
(2011)



Confissão de uma Harpista
José Carlos Leal
Celd
(2002)



Endocrinologia Ginecológica Aspectos Contemporâneos
José Mendes Aldrighi
Atheneu
(2005)



Os Quadros de Pablo
S. Girardet
Companhia das Letras
(1996)



Reféns do Destino
Chantelle Shaw e Trish Morey
Harlequin
(2009)



A Turma do Santos : Esquadrão Mirim
Bruno Godoi
Coerência
(2016)



Filosofia II - Volume Único Ensino Médio
Edson Bispo
Expoente
(2011)



Grammaire des Immeubles Parisiens - Six Siêcles de Façades Du Moyen ..
Claude Mignot
Parigramme
(2009)
+ frete grátis



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Um Pedacinho de Chao
Elizabeth Laird
Atica
(2008)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês