O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa | Digestivo Cultural

busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O primeiro livro que li
>>> Uma Obra-Prima Sertaneja
>>> O Chileno
>>> 17 de Julho #digestivo10anos
>>> Os Rolling Stones deveriam ser tombados
>>> Chuck Berry
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> E se tivesse dado certo?
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Um gourmet apaixonado por Paris
Mais Recentes
>>> As Crônicas do Rei Gormath de Nonato Peixoto nogueira pela Chiado Books (2021)
>>> Kaluana Kami de Nonato Peixoto nogueira pela Arte (2016)
>>> Arlindo de Ilustralu pela Seguinte (2021)
>>> Ver Bem Sem Óculos de Dr. Vander pela Mestre Jou (1967)
>>> Soma Uma Terapia Anarquista vol 2 -A Arma é o corpo de Roberto Freire pela Guanabara Koogan (1991)
>>> Dicionário Jurídico Italiano - Portoghese /Português-Italiano de Romolo Traiano pela Centro Studi Ca'Romana (1997)
>>> História da Umbanda: Uma Religião Brasileira de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Cromoterapia Técnica de René Nunes pela Linha Gráfica (1987)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Principis (2019)
>>> A Vida Secreta das Árvores de Peter Wohlleben pela Sextante (2017)
>>> Macaco Preso para Interrogatório de João Aveline pela Age (1999)
>>> O Mal Não Vem de Fora de Lourdes Carolina Gagete pela Panorama (2004)
>>> Croma - O Oráculo de Atlon (Ficção Científica)li de Leandro Garcia Estevam pela Do Autor (2003)
>>> Cruzadox turbante Livro 15- Nível Médio de Coquetel pela Coquetel (2021)
>>> Palavras cruzadas Livro 52- Nível fÁCIL de Coquetel pela Coquetel (2020)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 21- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Sob o vulcão de Malcolm Lowry pela Artenova (1975)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 16 de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> História da dança no ocidente de Paul Bourcier pela Martins Fontes (1987)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 11- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Cidades da noite escarlate de William Burroughs pela Siciliano (1995)
>>> Caça Palavras ouro euro nº 15- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Zenzele - Uma carta para minha filha de J. Nozipo Maraire pela Mandarim (1996)
>>> Caça Palavras ouro dólar nº 10- Nível Médio de Coquetel pela Ouro (2020)
>>> Lasar Segall e o modernismo paulista de Vera D'Horta Beccari pela Brasiliense (1984)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 24/11/2010
O Prêmio Nobel para Mario Vargas Llosa
Julio Daio Borges

+ de 8100 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Digestivo nº 473 >>> Talvez por uma dessas injustiças da História, Gabriel García Márquez foi laureado com o Prêmio Nobel de Literatura em 1982, enquanto Mario Vargas Llosa ficou esperando até agora. Em algum momento do boom latino-americano dos anos 70, eles estavam juntos, vinham de países periféricos — Colômbia e Peru, respectivamente —, lutavam para publicar seus livros e para sobreviver como escritores concomitantemente. Talvez pese o fato de que García Márquez escreveu uma obra-prima, Cem Anos de Solidão (1967), mas Vargas Llosa foi um dos primeiros a reconhecê-la. Tanto que, na edição de 40 anos da Real Academia Española, Vargas Llosa concordou que fosse reproduzido seu ensaio "Cien Años de Soledad. Realidade Total, Novela Total". Reza a lenda que romperam relações quando García Márquez, de tão íntimo que era de Vargas Llosa, foi consolar sua mulher, Patricia, numa crise... De qualquer forma, divergiram em política: García Márquez se fez amigo de Fidel Castro e, lamentavelmente, defensor do regime cubano (até hoje); já Vargas Llosa reavaliou sua posição, mudando de lado e combatendo as ditaduras de esquerda e seus tiranetes (até Chávez). Como a Academia Sueca tem uma certa tradição de premiar autores mais "à esquerda" que "à direita", no telefonema que lhe fizeram comunicando o prêmio, Vargas Llosa confessava não mais esperá-lo, ao ponto da quase indiferença... De 1982 pra cá, não escreveu talvez a redentora obra-prima, embora muita gente considere que já houvesse escrito (Conversa na Catedral, 1969). Alternou-se entre a literatura dita séria (A Guerra do Fim do Mundo, 1981, uma homenagem a Euclides da Cunha), a (semi)biográfica (A Cidade e os Cachorros, 1963; Tia Júlia e o Escrevinhador, 1977; Travessuras da Menina Má, 2006) e a "de entretenimento" (Pantaleão e as Visitadoras, 1973; Elogio da Madrasta, 1988; e Os Cadernos de Dom Rigoberto, 1997). Flertou, ainda, com o jornalismo literário, digamos assim, em A Festa do Bode (2000); e, com a reconstituição histórica, em O Paraíso na Outra Esquina (2003). Esse, talvez, "compromisso com a realidade" afastou Vargas Llosa da fabulação, do que provavelmente fosse o "realismo fantástico", aproximando-o do jornalismo, do ensaísmo e da opinião pública. Logo, esse Nobel de 2010 tem um sabor especial, porque não vai para uma obra-prima da literatura, como possivelmente foi o de 1982, mas vai para o "conjunto da obra". (Sem esquecer que Mario Vargas Llosa foi candidato à Presidência da República do Peru, em 1990.) Desde a ascensão do romance, no século XVIII, sua consagração, no século XIX, e sua sobrevida, no XX, a literatura ficou muito identificada com obras de ficção e o Nobel, a premiação máxima do nosso tempo, seguiu essa tradição. Talvez Vargas Llosa, laureado agora, abra caminho para tantos outros autores identificados com outras modalidades de escrita, como os mesmos jornalismo e ensaísmo. (Quanto ao Brasil não ter sido, novamente, contemplado, o prêmio dirigido a um escritor do Peru só indica que os olhos da Academia Sueca estão cada vez mais perto de nós...)
>>> O peruano Mario Vargas Llosa lembra os curtos mas intensos momentos que viveu antes de ser mundialmente anunciado como vencedor do Prêmio Nobel
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Como tirar proveito de seus inimigos, de Plutarco (Além do Mais)
02. Rubem Braga nos Cadernos de Literatura Brasileira, do IMS (Imprensa)
03. Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos (Literatura)
04. Clássicos da Penguin pela Companhia das Letras (Literatura)
05. O Alumioso, por Di Freitas (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/12/2010
22h12min
Acontece que o BraZil já foi contemplado, sim! Somos tetra. Quase ninguém lembra. Ganhamos com o Zé Lins, o Graciliano, o João Cabral e com o mestre Rosa. Não sei e não lembro se a Clarice...
[Leia outros Comentários de jdealmeida]
23/12/2010
16h09min
"Vargas Llosa reavaliou sua posição, mudando de lado e combatendo as ditaduras de esquerda e seus tiranetes (até Chávez)". Pena ele ter "esquecido" de combater também as ditaduras de direita... Creio que até as tenha apoiado. Por isso, fico com García Márquez. Quanto ao Nobel, que valor agregou a "Cem anos de solidão"? Este deixaria de ser um clássico se não tivesse ganhado o prêmio? Será que uma obra de arte precisa mesmo ser premiada? "Grande Sertão: Veredas" é menos importante por não ter ganho um prêmio (Nobel)? Até onde a arte pode/deve ser convertida em mercadoria? São perguntas que não fazemos, mas que carecem cada vez mais de respostas.
[Leia outros Comentários de Luciano]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Acorda Brasil
Gilberto Vieira Cotrim
Saraiva
(1989)



Turismo Ecológico Bahia Brasil
Editora Isto é
Isto é
(2004)



Procurando Firme
Ruth Rocha
Ática
(1996)



Abra e descubra! como funciona o computador?
Alex Frith e Rosie Dickins
Usborne
(2016)



Maria breve introdução à mariologia
José Lélio Mendes Ferreira
Santuário
(2000)



Bio Volume Único Teste de Vestibulares e Enem
Sonia Lopes
Saraiva



A Pequena Sereia
Disney
Edelbra



Dedinhos Agitados A Menor das Raposas Um Livro Fantoche
The Clever Factory
TodoLivro



Tank Too
Masoud Golsorkhi
Thames & Hudson
(2006)



Os Ásperos Tempos Vol Xiii
Jorge Amado
Martins
(1971)





busca | avançada
54703 visitas/dia
2,2 milhões/mês