La Guerra del Fin del Mundo | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
>>> Ferreira Gullar em dose única
>>> MPB: raízes e antenas conectadas
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
Mais Recentes
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
>>> Autobiografia De Malcolm X de Malcom X e Alex Haley pela Record (1992)
>>> Uma verdade inconveniente: O que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global de Al Gore pela Manole (2021)
>>> Estatística Aplicada Às Ciências Sociais de Pedro Alberto Barbetta pela Ufsc (2006)
>>> Asas de Sandra Lya pela All Print (2000)
>>> Pedro A. Morettin; Wilton Oliveira Bussab de Estatística Básica pela Saraiva (2005)
>>> Estórias para contar de William Netto Candido pela Própria (2002)
>>> Matemática financeira e suas aplicações de Alexandre assaf Neto pela Atlas (2021)
>>> Ameaçada pelo Amor de Joanna Maitland pela Harlequin (2003)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Sexta-feira, 16/11/2001
La Guerra del Fin del Mundo
Rafael Azevedo

+ de 4000 Acessos

Luto contra o tom professoral ao tentar escrever algumas palavras sobre o que li, n’ “A Guerra do Fim do Mundo”, livro já antigo do estimado escritor Mario Vargas Llosa. Sei bem que comentar um livro é sempre tarefa árdua (ainda mais para quem não tem a reprovável arrogância de considerar-se um “crítico”), pois, se o livro é ruim, não vale a pena o esforço de comentá-lo e, se bom, torna-se extremamente difícil, diria constrangedor, falar sobre ele, de igual para igual, com pessoas que não o leram. Em todo caso, é preciso dar voz ao turbilhão de emoções que sinto em meu interior, experiência fascinante pelo qual sempre passo após uma boa leitura. Não é um Grande Livro, dignos deste láureo título assim em maiúsculas – digamos que para bem lê-lo é necessária uma boa dose de interesse, como o que eu já tinha previamente à leitura, sobre o assunto Canudos. O autor romanceia, se é que posso assim dizer, o ocorrido n'Os Sertões, descrevendo com alto grau de detalhes o ocorrido (e por consequência inventando certas situações e personagens), o que talvez exija que se tenha lido o clássico de Euclides para melhor entendê-lo – não sei dizer ao certo, pois ainda estou na metade dele. Mas para que o caro leitor de minhas maltraçadas linhas não se assuste, já aviso – não estamos falando também de um romance histórico de Gore Vidal. Mas Vargas Llosa alcança, em diversos momentos, a profundidade de um Tolstói subtropical, na caracterização e empatia que nos imprime em cada um dos personagens. Não há um deles que nos passe desapercebido, assim como no fantástico “Hadji Murad”. Minha falta de familiaridade com “Os Sertões” me impedirá, no momento pelo menos, de comentários mais profundos sobre a relação da obra de Llosa com a História Real do que houve ali – mas como romance, como boa literatura, desfrutei cada página absolutamente imerso e envolvido por esse episódio de nossa história tão incrível e intrigante, necessário e elucidativo. Episódio esse que, como tudo aqui, precisou que um estrangeiro viesse estudá-lo, pesquisá-lo e escrever sobre ele para que pudéssemos ter uma narrativa sobre os fatos bárbaros que lá ocorreram além da obra de Euclides da Cunha, que tem um caráter muito mais científico, jornalístico do que literário, pelo menos em sua primeira metade. O livro é grande, mas correu rápido –tem o mesmo estilo dos outros livros de Vargas Llosa, com pequenos capítulos onde se alternam os personagens a quem está sendo dado o enfoque, e a ordem cronológica não é necessariamente “imexível”, sendo alterada diversas vezes durante o livro. O último episódio, por exemplo, um dos mais tocantes, coloca-nos acompanhando intimamente, em atos e pensamentos, um personagem com o qual não tivemos contato nenhum através do livro. Sentimos, no entanto, tanta simpatia por ele quanto por Galileu Gall ou o Beatinho, que aparecem ao longo da obra constantemente. Sem pretender ser um relato histórico, e sim um retrato do autor sobre o que ocorreu, com suas ênfases particulares. Passagens são puladas, e ficamos sem saber detalhes que lhe pareceram irrelevantes, como a escapada do jornalista (Euclides) de Canudos, do destino de sua Jurema. Alguns personagens nos acompanham durante toda a jornada, interessantemente, são as visões mais particulares do autor, pois são as visões “estrangeiras”, alheias ao sertão – o jornalista míope, Galileu Gall, o escocês revolucionário, o Barão de Canabrava – aristocrata fascinante, casado com a encantadora Estela, europeu demais para que eu acredite em sua verossimilhança (existiram aristocratas assim no Brazão?) – e do lado dos jagunços, podemos citar Jurema, o Leão de Natuba, o Beatinho, todos párias – portanto, estrangeiros ao meio em que viviam. É sempre curioso, para mim, pelo menos, ver a visão de nosso país por alguém de fora, mesmo que ele ainda seja da Latinoamerica; não pude deixar de ouvir ecos dos incas de “Lituma nos Andes” ao ouvir algumas das descrições e diálogos de alguns dos sertanejos. A tradução está muito ruim – atrapalha, e muito, neste ponto. Pois creio que Vargas Llosa tenha caracterizado seus personagens da maneira que lhe era familiar, na linguagem que lhe era familiar, e a tradução poderia (leia-se deveria) ter adaptado isso de alguma maneira, ao invés de deixar este estranho pot-pourri que faz os nordestinos utilizarem na mesma frase a expressão coloquial e regional “cabra”, referindo-se uns aos outros, ao mesmo tempo em que conjugam perfeitamente os verbos, colocando até mesmo no final deles os pronomes reflexivos -me, -se, -lhe, -os etc., algo que evidentemente vem da tradução espanhola, já que nesta língua os verbos se escrevem desta maneira, por exemplo, se diz “dame”, não “me dá” ou “me dê”, como nós lusófonos. Alguns dos personagens sobre os quais uma abordagem clichê do episódio centrariam sua atenção e descrição são utilizados, pela graça do Bom Jesus, com a devida parcimônia, e conseguem mesmo ser humanamente críveis, por mais que os tons usados nas suas descrições sejam por vezes fortes demais, beirando o exagero. Mas são pessoas que situaram-se na fronteira entre o real e o irreal, entre o verídico e o implausível – dizem que o Conselheiro virava-se de costas ante qualquer mulher – que inevitavelmente deve ser retratadas com cores e traços fortes. Curiosamente, fixou-se em mim uma idéia que, creio, ele mesmo (o autor) teve a impressão de querer passar, a certa altura – a de que Canudos não passou de um imenso mal-entendido, com incompreensões e pré-julgamentos terríveis de ambos os lados. Canudos foi algo notável, não só por ter ocorrido no Brasil, em pleno árido e atrasado Nordeste, mas foi algo pouco visto em toda a história da humanidade – uma sociedade que aboliu, satisfatoriamente, dinheiro, desfrutando das benesses a não existência desta comodidade lhes trouxe, e convivendo numa harmonia muito maior que as outras sociedades já conhecidas pelo homem. Que simples campônios tenham se organizado por conta própria, daquela maneira, é simplesmente notável, e por si só motivo de interesse. Que eles tenham sido massacrados pelo exército de seu próprio país torna o fato ainda mais digno de ser conhecido e estudado por todo aquele que deseje principiar a entender nosso tão confuso e cafuzo país.


Rafael Azevedo
São Paulo, 16/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
02. O último exagerado de Luiz Rebinski Junior
03. Razoavelmente desinteressante de Eduardo Mineo


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. La Guerra del Fin del Mundo - 16/11/2001


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 5
Ademir Cavalheiros Leite e Outros
Uniderp
(2009)



Sobre La Agresión: El Pretendido Mal
Konrad Lorenz
Siglo Xxi
(1971)



Ser Como o Rio Que Flui
Paulo Coelho
Gold
(2009)



Somos Todos Iguais Nesta Noite
Marcelo Moutinho
Rocco
(2006)



Química na Abordagem do Cotidiano 2 - Físico-química
Francisco Miragaia Peruzzo e Eduardo Leite...
Moderna
(2010)



Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 6
Masami Kurumada
Jbc



Os Últimos Lírios no Estojo de Seda
Marina Colasanti
Leitura
(2006)



Prática de Cálculos Trabalhistas na Liquidação de Sentença
Paulo Cesar de Castilho
Rt
(1998)



365 Meditations Sur La Bible Tome 2 - Poèmes - les Psaumes
Gaston Brillet
Aubier
(1958)



Fisioterapia Actual
Dr. A. Zauner Gutmann
Editorial Jims
(1971)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês