A primeira batalha do resto da guerra | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
>>> A Revolução de 1930 - História e Historiografia de Boris Fausto pela Companhia das Letras (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/11/2001
A primeira batalha do resto da guerra
Rafael Azevedo

+ de 4800 Acessos

A guerra no Afeganistão parece entrar em sua fase mais decisiva, mais crucial, e mais perigosa, nos meses que se seguirão a esta estranha “rendição” do Taliban: a formação de um governo efetivamente respeitado por todas as milícias e facções étnicas que compõem este estranho país. Afinal, como já foi dito e redito na imprensa, não é a primeira vez que o país se encontra numa situação similar – a mesma Aliança do Norte, que tomou grande parte do país dos malucos de Mohammed Omar, já tomou Cabul certa vez, em 92, após a queda do comunismo – e massacrou boa parte da população. O general Dostam, comandante dos usbeques, foi responsável por massacres terríveis de pessoas da etnia pashtun em Mazar-e-Sharif, também pelos meados da década passada. Gulbadin Hekmatyar, líder xiita que tem o apoio do Irã, também cometeu matanças de proporções genocidas. É de se esperar que a comunidade internacional não abandone o país às suas próprias graças (o que parece que não vai acontecer), como já fez antes, sob pena de logo um outro grupo, quem sabe ainda mais radical e mais propenso a abrigar terroristas que o Taliban, possa aparecer. Afinal, foi graças a barbárie destes chefes tribais, que agora querem posar de chefes de estado na conferência de Bonn, que o Taliban surgiu em primeiro lugar; assim vem sendo, há décadas: sempre que um governo é desfeito, o país submerge em inúmeros grupelhos armados, brigando entre si e massacrando a população nas horas vagas. Após a queda do comunismo, e a saída das tropas soviéticas, no início dos anos 90, o Afeganistão se viu imergido num verdadeiro caos, onde grupos armados controlavam quarteirões das cidades, estuprando e saqueando os moradores. A autoridade era ditada pelo número de AK-47s que cada um desses grupelhos possuía. Inúmeros atos de barbárie eram cometidos corriqueiramente, até que um grupo de pessoas resolveu se insurgir contra o que ocorria; e sua reação não poderia ser branda, obviamente. Assim começou o Taliban. Reza a lenda que certo dia o mulá Omar, líder do bando, decidiu vingar o estupro e assassinato de uma garotinha, na sua cidade de Candahar – juntou um grupo de estudantes islâmicos de sua mesquita (Taliban significa “estudantes” na língua local), conseguiram algumas armas, assassinaram os responsáveis pelo ato bárbaro e desfilaram pela cidade com seus corpos pendurados no cano de um tanque. Após tomarem Cabul, o primeiro ato do Taliban foi invadir o quartel-general da ONU, onde se encontrava escondido o presidente Najibullah, fantoche dos soviéticos na época da dominação comunista, e o levaram preso juntamente com seu irmão. Após caparem os dois, e lhes espancarem e torturarem durante horas, levaram seus corpos inchados e sangrentos para a praça principal da cidade e penduraram os corpos em guindastes. A multidão urrou, e ficou ao lado destes libertadores radicais – afinal, eles se propunham a acabar com a era de bandidagem que reinava no país – e efetivamente o fizeram. Só que acabaram implantando lá uma outra espécie de bandidagem, esta internacional, hospedando Osama bin Laden e sua Al-Qaida. E o resto é história.

Dormindo com o inimigo.
Os pashtuns, povo predominante no Afeganistão, do meio do qual surgiu o Taliban - muito primitivos, conservadores ao extremo, de raízes arraigadas e orgulho forte - seguem um código de honra extremamente específico, que lhes regula quase todos os aspectos da vida, ditando desde a fantástica hospitalidade que lhes impede de entregar bin Laden, e que era tanto admirada pelos ingleses na época das colônias (um afegão que esteja hospedando alguém, deve ceder seu leito para seu hóspede e dormir no chão, e estar pronto a dar sua vida por ele, ainda que ele descubra que este hóspede assassinou alguém de sua família), até o modo como o membro de uma família deve se vingar da família de seu assassino. De certa maneira, este modo de viver submetido completamente a um código de honra guarda paralelos impressionantes com várias civilizações ao redor do mundo, tanto extintas como atuais, como por exemplo os antigos helênicos, as tribos eslavas da Antiguidade tardia, e, no mundo de hoje, povos da região do Cáucaso, como os tchetchenos, inguchétios, ou por exemplo os habitantes do interior da Geórgia, e os montanheses da Albânia, totalmente submissos ao seu Kanun de leis (que sobrepõem mesmo ao sistema legal do país) – sobre o qual já falei certa vez numa coluna minha sobre o livro Abril Despedaçado de Ismail Kadaré.

País bárbaro, esse Afeganistão. No sentido original da palavra. Vendo cenas terríveis, e costumes incompreensíveis para o mundo ocidental, tabus inimagináveis e códigos de honra impenetráveis, é inevitável um paralelo com o que deviam sentir gregos e romanos, à suas épocas, ao depararem-se com tribos germânicas, celtas, eslavas, de costumes absolutamente alheios e estranhos (e quase sempre revoltantes) aos seus. Foi o que senti dia desses ao ver filmado o tratamento dado pelos Taliban aos criminosos. Fuzilamentos em praça pública são fichinha lá; a verdadeira atração nos estádios lotados não eram as punições ditadas pelo costume islâmico, como apedrejamento de mulheres adúlteras ou a mutilação de braços e pernas de ladrões, mas sim costumes tribais dos pashtuns, como por exemplo, num caso de um assassinato, algum parente da vítima ter não só o direito, como a obrigação de executar o assassino de seu ente querido, caso ele seja preso; e, o que é ainda pior, deve executá-lo com uma arma semelhante à usada no crime. Se o ferimento foi a bala, lá ia o velhinho metralhar o meliante, amarrado no chão e esperneando, disparando uma rajada de Kalashnikov a queima-roupa. Se a morte fosse resultado de um ferimento causado por arma branca, lá ia a mulher do defunto, com um facão do tamanho de um serrote cortar a garganta do criminoso, também amarrado e vendado no chão. O que se seguiu, então, era ainda mais chocante - ali sentadinhos, os parentes, ao lado do corpo do sujeito que havia assassinado seu familiar, observando o sangue que jorrava de sua goela, em esguichos, para o chão ao lado formando uma gigantesca e macabra poça. Welcome to Afghanistan.


A Soninha fuma e os caras é que ficam loucos?
Caiu no truque do seu próprio métier; dando uma entrevista para um colega seu de profissão da Época, crente que a entrevista seria tão discreta e sensata como ela própria, Soninha... queimaram a Soninha. Se há algum tipo de pessoas das quais devemos desconfiar mais que dos advogados, são dos jornalistas. São, na grande maioria, moralmente desprezíveis. A canalhice que parece correr nas veias de muitos dos editores dos jornais e revistas de nosso país é algo digno de menção; basta se observar as manchetes dos principais jornais de SP durante uma semana para se constatar que eles não conseguem manter compromisso algum com a verdade, ou mesmo com a realidade. Fatos são exagerados, distorcidos, quando não inventados, para que se consiga uma boa manchete, um “furo”, ou, mais apropriadamente ao tema, uma “bomba”. É um verdadeiro vale-tudo; Soninha deveria saber onde estava pisando. Mas pisou na bola, e quando viu estava estampada na capa da revista, e em gigantescos outdoors ao lado da frase infeliz “eu fumo maconha” estampada em letras garrafais. É pena; mais uma pessoa razoavelmente sensata derrubada pela hipocrisia, pelo conservadorismo esquisito e pelo mau-caratismo da sociedade brasileira. Diria também pela caretice dela, mas não quero que os grã-finos de plantão me chamem de “hippie”.

Legalizar ou aceitar, parte II
A grande questão sobre as “drogas” (termo infeliz, que generaliza de maneira vaga e imprecisa substâncias que nada têm a ver entre si), para a qual muitos dos que insistem em defender sua proibição parecem gostar de se fazer de cegos e surdos, é que ninguém defende sua legalização e/ou descriminalização com o argumento de que elas “não fazem mal” ou “trazem algo de bom”. Sim, elas fazem mal, e se podem trazer alguma coisa de bom para seu usuário, trazem consigo uma grande quantidade adicional de coisas ruins, prejudiciais para este usuário. Mas não é esse o ponto. Pois se fôssemos proibir tudo o que “faz mal”, o que sobraria para fazermos? Ouso dizer que nada, ou quase nada. E o mais engraçado é que muitos dos que defendem a proibição das drogas com base nesses argumentos apreciam sua cervejinha, ou seu uisquinho, em doses semanais, quando não diárias. Sinto o cheiro de hipocrisia no ar?
Não é preciso ser usuário de drogas para defender que o uso delas deixe de ser crime, ou mesmo que sua venda seja liberada e regulamentada. Não é preciso ser viciado, nem ter amigos que usam – não é preciso nem mesmo tê-las usado alguma vez; basta apenas tão-somente pensar. Basta ter a mente aberta o suficiente para que nela possam penetrar, não fumaças ou pós, mas argumentos racionais. O prêmio Nobel de Economia Milton Friedman é a favor da liberação completa de todas as drogas. Friedman é um respeitável senhor com seus 90 anos; alguém aí acha que ele tem essa opinião visando o proveito próprio, para poder fumar um baseadinho ou dar umas cafungadas por aí? Paulo Francis e Roberto Campos, apenas para ficar entre as pessoas que respeito intelectualmente, fizeram parte dos que se posicionaram da mesma maneira em relação a este assunto.
A repressão contra as drogas só piora a situação de todos; tanto da sociedade que as reprime, quanto da polícia que exerce essa repressão (e acaba inevitavelmente sendo corrompida pelo poder financeiro do submundo que controla este comércio), como dos usuários que usam e conseguem viver vidas normais, sem se prejudicar, e daqueles que acabam arruinando suas vidas por essas substâncias. Aliás, esses são os que mais se prejudicam – e, paradoxalmente, é em nome dessas pobres coitados que bradam muitos dos que se opõe a qualquer tipo de revisão na política insana de “combate às drogas”. Será que não percebem que é graças a essa repressão que eles mesmos estimulam e patrocinam que estes mesmos viciados acabam afundando ainda mais no seu vício, sendo excluídos completamente da sociedade e tendo que se envolver com meios marginais que inevitavelmente sugarão tudo o que puderem deles antes de cuspi-los como um caroço de uma fruta já devorada? Quantos desses usuários viciados já não acabaram numa dessas cadeias superlotadas, convivendo com estupradores e assassinos de alta periculosidade, apenas por uma lei absurda e intolerante? Seguramente muitos deles acabam saindo de lá bandidos diplomados, prontos para usar o crime a favor de seu vício... será que é essa a solução? Será que reprimir o consumo destas substâncias irá surtir algum efeito? É fácil perceber que não. Ninguém pára de fazer algo que só diz respeito a ele mesmo por causa de uma lei – a pessoa apenas irá procurar esconder esse hábito. É fato. Hoje em dia, compra-se maconha em qualquer esquina das cidades brasileiras, e do mundo ocidental. Cocaína, ácido, ecstasy, em qualquer casa noturna. Geralmente são “produtos” de péssima qualidade, misturados, pela ganância de quem os vende, com substâncias químicas que podem provocar problemas sérios, e mesmo a morte, de seus usuários. País nenhum gasta tanto dinheiro quanto os EUA nesta “guerra contra as drogas”. E país nenhum no mundo tem tanta droga circulando no mercado quanto os EUA. Reprimir, portanto, não adianta nada, é fato – apenas complica ainda mais a situação, juntando no bolo do problema ingredientes explosivos, como a violência, crime organizado, corrupção policial, e uma dose cavalar de preconceito e desinformação.
Muitos ainda reclamam sobre o “poder do tráfico” nos dias de hoje; mas quem brada contra a ameaça dos traficantes já deveria ter percebido uma coisa faz tempo – que a melhor maneira de acabar com eles é retirar da mão deles o monopólio daquilo que eles comerciam. O crime organizado, PCCs e CVs da vida, só surgiu porque essas pessoas da última laia detinham o controle de um bem que tem uma demanda altíssima no mercado. A partir do momento que a pessoa puder comprar a mesma coisa que compra no morro, só que num lugar seguro, com um controle de qualidade e sem o perigo de ser molestado e extorquido pela polícia, essas organizações criminosas perderão praticamente toda sua fonte de renda. O crime no país inevitavelmente diminuirá. Vê-se então que, no Brasil, esse assunto não é mais questão de opinião – é necessidade.


And that’s that.
“Maconha é. . . auto-punitiva. Ela te deixa extremamente sensível, e neste mundo, que punição pior pode existir?”
- P. J. O’Rourke, jornalista americano.

“Nenhuma droga, nem mesmo o álcool, causa os males fundamentais da sociedade. Se estamos procurando pelas fontes dos nossos problemas, não deveríamos fazer testes nas pessoas procurando por drogas, mas deveríamos procurar por estupidez, ignorância, cobiça e sede de poder.”
- do mesmo P. J. O’Rourke.

“Uma droga não é nem moral nem imoral – é um composto químico. O composto em si não é uma ameaça para a sociedade até que um ser humano o trate como se o seu consumo lhe desse uma licença temporária para agir como um babaca.”
- Frank Zappa.


Rafael Azevedo
São Paulo, 30/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A caixa de confeitos da literatura contemporânea de Marcelo Spalding
02. As cidades e as musas de Ana Elisa Ribeiro
03. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS BRUMAS DE AVALON 2 - A GRANDE RAINHA
MARION ZIMMER BRADLEY
N/D
R$ 12,00



ALÉM DA MORTE
STANISLAV E CHRISTINA GROF
DEL PRADO
(1996)
R$ 50,00



A TAPAS E PONTAPÉS
DIOGO MAINARDI
RECORD
(2004)
R$ 9,90



CÂNTICOS
CECÍLIA MEIRELES
MODERNA
(1995)
R$ 25,00
+ frete grátis



A VERDADE DA VIDA VOL 38 - FELICIDADE 2
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO- IE
(2006)
R$ 15,00
+ frete grátis



SOUL EATER NOT! 1
ATSUSHI OHKUBO
JBC
(2014)
R$ 10,00



CONTRATO COM O BRASIL
JAIME ROTSTEIN
TOPBOOKS
(2000)
R$ 5,00



MANUAL CF 97 - FRATERNIDADE E OS ENCARCERADOS
CAMPANHA DA FRATERNIDADE
SALESIANAS
R$ 15,00



COLETIVO 21
ADRIANO MACEDO
GRUPO AUTÊNTICA
(2011)
R$ 14,90



O FEITIÇO DO AMOR
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 12,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês