State of the art | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS >>> Especial Arte

Sexta-feira, 31/8/2001
State of the art
Rafael Azevedo

+ de 3200 Acessos

Yara Mitsuishi

A arte acabou. É uma afirmação realista, vinda de uma pessoa pessimista por natureza, e que sem dúvida enervará leitores mais incautos e otimistas quanto ao estado e ao papel da cultura em nossos dias. Adianto-me à fúria deles, e explico.
Claro que por muitas gerações, enquanto ainda houver um único ser humano que tenha tido uma educação e criação razoáveis, e que consiga afastar-se por tempo suficiente deste mundo brutalizante de negócios e poder, entrincheirado nas valas da sensibilidade e da introspecção, as obras eternas de pessoas iluminadas como Mozart, Bach, Beethoven, Picasso, Shakespeare, Michelangelo et alii continuarão a ser apreciadas da mesma maneira como são hoje, e o vem sendo através dos séculos. Minha afirmação não se refere ao que já foi feito, e sim ao que será. Ou melhor, ao que não será. Pois não se faz mais arte, e não temos nenhuma perspectiva em país algum do mundo que um dia ela será feita de novo, pelo menos não na intensidade e na qualidade que um dia já foi. (A propósito, já aviso que não considero arquitetura, instalações, ou música pop como "arte", e o cinema, que poderia muito bem ser uma, somente esporadicamente chega a ser entretenimento).
Pequeno parêntese: utilizo, neste texto, a situação da arte no Brasil, para me referir à situação dela no mundo, pois nosso país, como comentou certa vez o colunista Fabio Danesi Rossi, é realmente o país do futuro: "debruçando-se sobre ele, como uma vidente sobre uma bola de cristal, podemos ver o futuro do mundo". A vulgarização dos costumes, o desprezo pela estética, o descaso pelos valores elevados, a repulsa pela filosofia e o desdém pela sofisticação, qualidades estas que afloram em nossa fauna desde que Cabral cá caiu, estão sendo cada vez mais absorvidas pelo mundo dito civilizado, e nós, os bárbaros, sem derrubar os muros de Roma, sem cortar cabeças de reis e rainhas, conquistamos os civilizados: eles se tornam cada vez mais mal-educados e acéfalos freqüentadores de rodeios e desfiles de carnaval. Fecha parêntese.
O primeiro motivo, e o de maior relevância, que pode ser facilmente comprovado por qualquer um que conheça quatro ou cinco brasileiros, de preferência paulistanos, de classe média, é o preconceito generalizado que existe contra arte, e contra o pensamento. "Artista" virou sinônimo de uma pessoa homossexual e drogada que ou procura uma vaga na trupe do Zé Celso ou quer aparecer numa novela da Globo; pensar demais é visto com ressalva; e dedicar seu tempo a fazer "bobagens" que “jamais serão vistas, lidas ou ouvidas pelos outros” é "imbecilidade", "desperdício". "Vai trabalhar, vagabundo" deve ser o comentário mais ouvido (claro que disfarçado - ou não - por inúmeros eufemismos) por um artista (brasileiro, ou não) em início de carreira nos dias de hoje. Michelangelo foi chamado para decorar a Capela Sistina, pelo Papa himself; a ambição de Shakespeare era virar sonetista da corte inglesa. Hoje em dia, quem quer escrever para um presidente, ou um governo? A ambição maior do artista de nossos dias parece ser tomar um chá vestindo o fardão da Academia Brasileira de Letras, ou ter sua casa em Angra mostrada na Caras. Ser artista não dá mais status, ou respeito. Conseqüentemente, para quê ser artista? É mais fácil conseguir um empreguinho por aí, trabalhando das 9 às 6, juntando um dinheirinho para viajar pra praia no final do ano, e não ter que se preocupar com as terríveis agruras filosóficas e econômicas que sempre afligiram o artista.
Outro motivo é o descabimento, o "vale-tudo", que tomou conta do cenário artístico desde a primeira metade do século XX, quando charlatões como Deschamps, e Warhol, na pintura, e Philip Glass e Stockhausen, na música (sem comentar nada da escultura e outras, se é que existem, artes plásticas), se aproveitando de novidades que surgiam na arte - movimentos geniais como o abstracionismo, o cubismo e o dodecafonismo - acharam que tinha "liberado geral", que valia tudo. Assim, enquanto Picasso e seus pares passaram boa parte de sua vidas retratando com perfeição irrepreensível pessoas e lugares que o rodeavam, antes de tentarem partir para vôos mais altos, o artistinha que iniciava sua carreira à sombra desses gênios achava que já podia sair rabiscando uma tela. Daí pra achar a lata de Campbell's obra de arte foi um pulinho só. No Brasil a onda não tardou a chegar, com a malfadada semana de 22, e seus horrendos antropofagismos e Abaporus. Para se subverter uma arte, é necessário, antes de tudo, dominá-la ao máximo. Stravinsky compôs obras bastante comportadas antes de fazer sua Sagração da Primavera; Schoenberg escrevia paráfrases de Bach antes de completar o seu Verklärte Nacht. Mas a partir do momento que o primeiro filisteu ouviu uma dessas obras, e não as compreendendo, exclamou: "Assim até eu!", a arte começou sua caminhada sem volta rumo ao precipício.
Quanto à literatura... há a falta de recursos e motivações para que os artistas ponham seus pequenos cerebrozinhos em funcionamento; como é bem sabido, situações adversas sempre contribuem, paradoxalmente, para o desenvolvimento artístico de uma nação. Mas vivemos numa era única na história da humanidade (por pior que esteja o Brasil), de imensa prosperidade e conforto, o que faz com que as pessoas de vida confortável, classe média, que são e sempre foram as que vão tentar sua sorte com a arte, não tenham muito sobre o que escrever - e acabem escrevendo sobre draminhas e afliçõezinhas do cotidiano, desperdiçando tolamente seus talentos, como têm feito os mais talentosos escritores da atualidade... apesar disso, ainda tenho esperança que a literatura perdure por um bom tempo, por ser das artes a que menos exige condições materiais para sua realização – um cérebro, um papel e uma caneta. A literatura é nossa última esperança.

Mais bárbaros que os criminosos
Domingo, 26 de agosto. Matéria sobre o monstruoso assassinato dos seis empresários e turistas sexuais portugueses em Fortaleza, cometido com requintes de crueldade por um patrício amigo (muy) deles e alguns capangas. Manchete da matéria? "A pau, pedra e bala". Notícias populares? Não, não, Veja mesmo.
Meu Deus, que tipo de pessoas trabalham para a soi-disant "revista de maior circulação do Brasil"?

O Rio de Janeiro continua engraçado...
O governador Anthony Crentinho, do RJ, ofereceu ajuda do governo e da polícia do Rio para o seqüestro de Patrícia Abravanel, filha de Senor, AKA Sívio Santos. Só pode ser brincadeira. O Rio oferecendo assessoria em assuntos de segurança pública! O que Tony propõe, enviar aquela fantástica “trupe” de policiais que resolveu de maneira tão brilhante aquele seqüestro do ônibus no Jardim Botânico? Falando sério, carioca prestando auxílio a alguém, só se for pra ajudar a passar bronzeador ou a abrir um coco pra tomar água...

Imprestável imprensa
Aliás, a cobertura dada pela imprensa ao seqüestro da filha de SS (e a todos os sequestros de um modo geral; ao contrário do que chefes de redação idiotas possam dizer, seqüestro não deve e não pode ser noticiado se a família e a polícia não o quiserem), e o comportamento dos patéticos e estúpidos repórteres, ávidos por um “furo” - gritando a qualquer um que aparecia na porta da casa, batendo-se e atropelando a linha de isolamento preparada para eles, destruindo o jardim da casa do apresentador - quando da “coletiva” dada por sua recém-liberada filha, da varanda de sua casa no Morumbi, só serviu para confirmar uma antiga suspeita minha (e principal motivação para que eu abandonasse o curso de jornalismo na PUC): os jornalistas só ficam abaixo dos políticos, e advogados no quesito “seres humanos mais desprezíveis”. Tão ali, logo ao lado dos policiais e dos seqüestradores.
Então é pra isso que servem quatro anos de faculdade? Para que o sujeito fique ali, empertigado e empolado, com seu terninho amarfanhado e seu microfonezinho na mão, e pergunte: “E aí, Silvio, o que você está sentindo?” Que profissãozinha ingrata, hein?


Rafael Azevedo
São Paulo, 31/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Aspirante a Corrupto de Carla Ceres
02. Há algo de novo nos prêmios da Academia de Daniela Castilho


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. La Guerra del Fin del Mundo - 16/11/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês