State of the art | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
>>> Sou um de vocês
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
Mais Recentes
>>> As aventuras de Benjamim, O muiraquitã de Camila Franco, Marcela Catunda, Blandina Franco pela Companhia das letras (2004)
>>> Espíritos entre nós de James Van Praagt pela Sextante (2010)
>>> Direito ambiental de Marcia Diegues Leuzinger e Sandra Cureau pela Elsevier (2008)
>>> O cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2013)
>>> Improbidade Administrativa: Lei 8.429/1992 Teoria e Exercícios de Ivan Lucas de Souza Júnior pela Gran cursos (2011)
>>> Plástica. Quando? Por Quê? de Rolando Zani pela Manole (2001)
>>> Sexo tântrico : como prolongar o prazer e atingir o êxtase espiritual de Cassandra Lorius pela Ediouro (2000)
>>> Burocracia e ocupação no setor público brasileiro de José Celso Cardloso Jr pela Diálogos para o desenvolvimento (2011)
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> A Saude dos Filhos de E. Nauta pela Circulo do Livro (1987)
>>> Gibi Mônica N°8. Lendas da Jumenta Voadora de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2007)
COLUNAS >>> Especial Arte

Sexta-feira, 31/8/2001
State of the art
Rafael Azevedo

+ de 2300 Acessos

Yara Mitsuishi

A arte acabou. É uma afirmação realista, vinda de uma pessoa pessimista por natureza, e que sem dúvida enervará leitores mais incautos e otimistas quanto ao estado e ao papel da cultura em nossos dias. Adianto-me à fúria deles, e explico.
Claro que por muitas gerações, enquanto ainda houver um único ser humano que tenha tido uma educação e criação razoáveis, e que consiga afastar-se por tempo suficiente deste mundo brutalizante de negócios e poder, entrincheirado nas valas da sensibilidade e da introspecção, as obras eternas de pessoas iluminadas como Mozart, Bach, Beethoven, Picasso, Shakespeare, Michelangelo et alii continuarão a ser apreciadas da mesma maneira como são hoje, e o vem sendo através dos séculos. Minha afirmação não se refere ao que já foi feito, e sim ao que será. Ou melhor, ao que não será. Pois não se faz mais arte, e não temos nenhuma perspectiva em país algum do mundo que um dia ela será feita de novo, pelo menos não na intensidade e na qualidade que um dia já foi. (A propósito, já aviso que não considero arquitetura, instalações, ou música pop como "arte", e o cinema, que poderia muito bem ser uma, somente esporadicamente chega a ser entretenimento).
Pequeno parêntese: utilizo, neste texto, a situação da arte no Brasil, para me referir à situação dela no mundo, pois nosso país, como comentou certa vez o colunista Fabio Danesi Rossi, é realmente o país do futuro: "debruçando-se sobre ele, como uma vidente sobre uma bola de cristal, podemos ver o futuro do mundo". A vulgarização dos costumes, o desprezo pela estética, o descaso pelos valores elevados, a repulsa pela filosofia e o desdém pela sofisticação, qualidades estas que afloram em nossa fauna desde que Cabral cá caiu, estão sendo cada vez mais absorvidas pelo mundo dito civilizado, e nós, os bárbaros, sem derrubar os muros de Roma, sem cortar cabeças de reis e rainhas, conquistamos os civilizados: eles se tornam cada vez mais mal-educados e acéfalos freqüentadores de rodeios e desfiles de carnaval. Fecha parêntese.
O primeiro motivo, e o de maior relevância, que pode ser facilmente comprovado por qualquer um que conheça quatro ou cinco brasileiros, de preferência paulistanos, de classe média, é o preconceito generalizado que existe contra arte, e contra o pensamento. "Artista" virou sinônimo de uma pessoa homossexual e drogada que ou procura uma vaga na trupe do Zé Celso ou quer aparecer numa novela da Globo; pensar demais é visto com ressalva; e dedicar seu tempo a fazer "bobagens" que “jamais serão vistas, lidas ou ouvidas pelos outros” é "imbecilidade", "desperdício". "Vai trabalhar, vagabundo" deve ser o comentário mais ouvido (claro que disfarçado - ou não - por inúmeros eufemismos) por um artista (brasileiro, ou não) em início de carreira nos dias de hoje. Michelangelo foi chamado para decorar a Capela Sistina, pelo Papa himself; a ambição de Shakespeare era virar sonetista da corte inglesa. Hoje em dia, quem quer escrever para um presidente, ou um governo? A ambição maior do artista de nossos dias parece ser tomar um chá vestindo o fardão da Academia Brasileira de Letras, ou ter sua casa em Angra mostrada na Caras. Ser artista não dá mais status, ou respeito. Conseqüentemente, para quê ser artista? É mais fácil conseguir um empreguinho por aí, trabalhando das 9 às 6, juntando um dinheirinho para viajar pra praia no final do ano, e não ter que se preocupar com as terríveis agruras filosóficas e econômicas que sempre afligiram o artista.
Outro motivo é o descabimento, o "vale-tudo", que tomou conta do cenário artístico desde a primeira metade do século XX, quando charlatões como Deschamps, e Warhol, na pintura, e Philip Glass e Stockhausen, na música (sem comentar nada da escultura e outras, se é que existem, artes plásticas), se aproveitando de novidades que surgiam na arte - movimentos geniais como o abstracionismo, o cubismo e o dodecafonismo - acharam que tinha "liberado geral", que valia tudo. Assim, enquanto Picasso e seus pares passaram boa parte de sua vidas retratando com perfeição irrepreensível pessoas e lugares que o rodeavam, antes de tentarem partir para vôos mais altos, o artistinha que iniciava sua carreira à sombra desses gênios achava que já podia sair rabiscando uma tela. Daí pra achar a lata de Campbell's obra de arte foi um pulinho só. No Brasil a onda não tardou a chegar, com a malfadada semana de 22, e seus horrendos antropofagismos e Abaporus. Para se subverter uma arte, é necessário, antes de tudo, dominá-la ao máximo. Stravinsky compôs obras bastante comportadas antes de fazer sua Sagração da Primavera; Schoenberg escrevia paráfrases de Bach antes de completar o seu Verklärte Nacht. Mas a partir do momento que o primeiro filisteu ouviu uma dessas obras, e não as compreendendo, exclamou: "Assim até eu!", a arte começou sua caminhada sem volta rumo ao precipício.
Quanto à literatura... há a falta de recursos e motivações para que os artistas ponham seus pequenos cerebrozinhos em funcionamento; como é bem sabido, situações adversas sempre contribuem, paradoxalmente, para o desenvolvimento artístico de uma nação. Mas vivemos numa era única na história da humanidade (por pior que esteja o Brasil), de imensa prosperidade e conforto, o que faz com que as pessoas de vida confortável, classe média, que são e sempre foram as que vão tentar sua sorte com a arte, não tenham muito sobre o que escrever - e acabem escrevendo sobre draminhas e afliçõezinhas do cotidiano, desperdiçando tolamente seus talentos, como têm feito os mais talentosos escritores da atualidade... apesar disso, ainda tenho esperança que a literatura perdure por um bom tempo, por ser das artes a que menos exige condições materiais para sua realização – um cérebro, um papel e uma caneta. A literatura é nossa última esperança.

Mais bárbaros que os criminosos
Domingo, 26 de agosto. Matéria sobre o monstruoso assassinato dos seis empresários e turistas sexuais portugueses em Fortaleza, cometido com requintes de crueldade por um patrício amigo (muy) deles e alguns capangas. Manchete da matéria? "A pau, pedra e bala". Notícias populares? Não, não, Veja mesmo.
Meu Deus, que tipo de pessoas trabalham para a soi-disant "revista de maior circulação do Brasil"?

O Rio de Janeiro continua engraçado...
O governador Anthony Crentinho, do RJ, ofereceu ajuda do governo e da polícia do Rio para o seqüestro de Patrícia Abravanel, filha de Senor, AKA Sívio Santos. Só pode ser brincadeira. O Rio oferecendo assessoria em assuntos de segurança pública! O que Tony propõe, enviar aquela fantástica “trupe” de policiais que resolveu de maneira tão brilhante aquele seqüestro do ônibus no Jardim Botânico? Falando sério, carioca prestando auxílio a alguém, só se for pra ajudar a passar bronzeador ou a abrir um coco pra tomar água...

Imprestável imprensa
Aliás, a cobertura dada pela imprensa ao seqüestro da filha de SS (e a todos os sequestros de um modo geral; ao contrário do que chefes de redação idiotas possam dizer, seqüestro não deve e não pode ser noticiado se a família e a polícia não o quiserem), e o comportamento dos patéticos e estúpidos repórteres, ávidos por um “furo” - gritando a qualquer um que aparecia na porta da casa, batendo-se e atropelando a linha de isolamento preparada para eles, destruindo o jardim da casa do apresentador - quando da “coletiva” dada por sua recém-liberada filha, da varanda de sua casa no Morumbi, só serviu para confirmar uma antiga suspeita minha (e principal motivação para que eu abandonasse o curso de jornalismo na PUC): os jornalistas só ficam abaixo dos políticos, e advogados no quesito “seres humanos mais desprezíveis”. Tão ali, logo ao lado dos policiais e dos seqüestradores.
Então é pra isso que servem quatro anos de faculdade? Para que o sujeito fique ali, empertigado e empolado, com seu terninho amarfanhado e seu microfonezinho na mão, e pergunte: “E aí, Silvio, o que você está sentindo?” Que profissãozinha ingrata, hein?


Rafael Azevedo
São Paulo, 31/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. do you know what it means to miss new orleans de Fabio Danesi Rossi


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CÓDIGO DA VINCI
DAN BROWN
ARQUEIRO
(2004)
R$ 20,00



O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
ALLAN KARDEC
BOA NOVA
(2007)
R$ 7,00



GERAÇAO DELIVERY ADOLESCER NO MOMENTO ATUAL
CYBELLE WEINBERGORG

(2001)
R$ 9,00



CONTROLE ESTATÍSTICO DE QUALIDADE
ANTONIO FERNANDO BRANCO COSTA,EUGENIO KAHN EPPRECHT E LUIZ CEZAR RIBEIRO CARPINETTI
ATLAS
(2005)
R$ 80,00



FÍSICA 3 - ETETROMAGNETISMO - FÍSICA MODERNA - MANUAL DO PROFESSOR
BONJORNO / CLINTON / EDUARDO PRADO / CASEMIRO
FTD
(2013)
R$ 28,92



LAÇOS
R.D. LAING
VOZES
(1974)
R$ 15,00



COMMUNICATE WHAT YOU MEAN - GRAMMAR FOR HIGH-LEVEL ESL STUDENTS
CARROLL WASHINGTON POLLOCK
PRENTICE HALL REGENTS
(1982)
R$ 18,00



NAMOROS COM A MEDICINA
MÁRIO DE ANDRADE
MARTINS
(1972)
R$ 40,00



NOÇÕES BÁSICAS PARA ASSISTÊNCIA EM CC, SR E CME- SÉRIE MELHORES P
NERY JOSÉ DE OLIVEIRA JUNIOR
MORIÁ
(2012)
R$ 42,82



NAVEGANDO PELA HISTÓRIA 6º ANO
SILVIA PANAZZO & MARIA LUÍSA VAZ
QUINTETO
(2009)
R$ 20,00





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês