State of the art | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nem morta!
>>> Nem morta!
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O bom, o ruim (e o crítico no meio)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> No III Seminário da Cásper
>>> Não gaste o seu latim
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva (2)
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Profecias de Pietro Ubaldi pela Fundapu (1982)
>>> A Grande Síntese de Pietro Ubaldi pela Fundapu (1988)
>>> A Solução Está na Fé de Norman Vincent Peale & Smiley Blanton pela Record (1950)
>>> A Nova Arte de Viver de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1981)
>>> Mensagens Para a Vida Diária de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> É Fácil Viver Bem de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> O Poder do Entusiasmo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1977)
>>> O Poder do Pensamento Positivo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1999)
>>> Vicente de Carvalho Nossos Classicos de Fausto Cunha Editor pela Agir (1977)
>>> Pílulas Para Viver Melhor de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2008)
>>> Desembarcando A Hipertensão de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2005)
>>> Desembarcando O Diabetes de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2002)
>>> Confissões & Conversões - 25 Regras para o Tempo de Mudar de Fernando Luchese pela L&PM (2007)
>>> Cervicobraquialgia: Espondilose e Hérnia Cervical. Diagnóstico e Tratamento. de Caio Villela Nunes pela Epuc. (1994)
>>> Te cuida! Guia para uma vida saudável. de Dr. Cláudio Domênico pela Casa da Palavra (2012)
>>> Antiguidades Modernas. Crônicas do cotidiano escolar. de Celso Antunes pela ArtMed (2003)
>>> Direito Civil. Parte Geral. Série Prova e Concursos. de Christianne Garcez pela Campus (2008)
>>> O Novo Mercado de Trabalho. Guia para iniciantes e sobreviventes. de Marco A. Oliveira pela Senac - RJ (2000)
>>> Um Grande Garoto. de Nick Hornby pela Rocco (2000)
>>> Breve Romance de Sonho. de Arthur Scgnitzler pela Globo (2003)
>>> História do Cerco de Lisboa. de José Saramago pela Globo (2003)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo. de Allan Kardec pela BesouroLux (2016)
>>> Morgoths Ring the History of Middle-earth Volume 10 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> Lugares dos Mortos na Cidade dos Vivos de Cláudia Rodrigues pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (1997)
>>> The War of the Ring the History Ofthe Lord of the Rings Part 3 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> The Treason of Isengard the History of the Lord of the Rings Part 2 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Return of the Shadow 6 the History of the Lord of the Rings Part 1 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> A Idéia Republicana no Brasil Através dos Documentos de Reynaldo Carneiro Pessoa (Org.) pela Alfa-Omega (1973)
>>> The Shaping of Middle-earth the History of Middle-earth Volume 4 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Lays of Beleriand the History of Middle-earth Volume 3 de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Book of Lost Tales II (the History of Middle-earth, Book 2) de J. R. R. Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> The Book of Lost Tales (the History of Middle-earth, Book 1) de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> Tempo de Transcendência – O Ser Humano Como um Projeto Infinito de Leonardo Boff pela Sextante (2000)
>>> Jesus Cristo Libertador de Leonardo Boff pela Vozes (1972)
>>> O Livro de Ouro da Felicidade. Um guia prático aos estágios de meditação. de Sua Santidade, o Dalai Lama. pela Agir (2003)
>>> Viver Sem Tensão de Joseph Murphy pela Record (1959)
>>> Segredos do Iching – Os Mistérios da Sabedoria Oriental de Joseph Murphy pela Record (1970)
>>> A Magia do Poder Extra-Sensorial de Joseph Murphy pela Record (1994)
>>> Direito Constitucional 19ª ed. de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> A Paz Interior de Joseph Murphy pela Record (1979)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (Coleção O Poder do Subconsciente) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> O Poder Do Subconsciente de Joseph Murphy pela Record (1963)
>>> Mesa & Harmonia de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1992)
>>> Festas & Férias de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1989)
>>> Gibi Magali N°96 O Sumiço dos panetones de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2014)
>>> Gibi Almanaque da Magali N°22 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2010)
>>> Gibi Magali N°34 A estrela cadente! de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Gibi Magali. N°55. Lady Magaga. de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2011)
>>> Lições Positivas de Lauro Trevisan pela Da Mente (1993)
>>> Gibi Cebolinha N°30 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
COLUNAS >>> Especial Arte

Sexta-feira, 31/8/2001
State of the art
Rafael Azevedo

+ de 2300 Acessos

Yara Mitsuishi

A arte acabou. É uma afirmação realista, vinda de uma pessoa pessimista por natureza, e que sem dúvida enervará leitores mais incautos e otimistas quanto ao estado e ao papel da cultura em nossos dias. Adianto-me à fúria deles, e explico.
Claro que por muitas gerações, enquanto ainda houver um único ser humano que tenha tido uma educação e criação razoáveis, e que consiga afastar-se por tempo suficiente deste mundo brutalizante de negócios e poder, entrincheirado nas valas da sensibilidade e da introspecção, as obras eternas de pessoas iluminadas como Mozart, Bach, Beethoven, Picasso, Shakespeare, Michelangelo et alii continuarão a ser apreciadas da mesma maneira como são hoje, e o vem sendo através dos séculos. Minha afirmação não se refere ao que já foi feito, e sim ao que será. Ou melhor, ao que não será. Pois não se faz mais arte, e não temos nenhuma perspectiva em país algum do mundo que um dia ela será feita de novo, pelo menos não na intensidade e na qualidade que um dia já foi. (A propósito, já aviso que não considero arquitetura, instalações, ou música pop como "arte", e o cinema, que poderia muito bem ser uma, somente esporadicamente chega a ser entretenimento).
Pequeno parêntese: utilizo, neste texto, a situação da arte no Brasil, para me referir à situação dela no mundo, pois nosso país, como comentou certa vez o colunista Fabio Danesi Rossi, é realmente o país do futuro: "debruçando-se sobre ele, como uma vidente sobre uma bola de cristal, podemos ver o futuro do mundo". A vulgarização dos costumes, o desprezo pela estética, o descaso pelos valores elevados, a repulsa pela filosofia e o desdém pela sofisticação, qualidades estas que afloram em nossa fauna desde que Cabral cá caiu, estão sendo cada vez mais absorvidas pelo mundo dito civilizado, e nós, os bárbaros, sem derrubar os muros de Roma, sem cortar cabeças de reis e rainhas, conquistamos os civilizados: eles se tornam cada vez mais mal-educados e acéfalos freqüentadores de rodeios e desfiles de carnaval. Fecha parêntese.
O primeiro motivo, e o de maior relevância, que pode ser facilmente comprovado por qualquer um que conheça quatro ou cinco brasileiros, de preferência paulistanos, de classe média, é o preconceito generalizado que existe contra arte, e contra o pensamento. "Artista" virou sinônimo de uma pessoa homossexual e drogada que ou procura uma vaga na trupe do Zé Celso ou quer aparecer numa novela da Globo; pensar demais é visto com ressalva; e dedicar seu tempo a fazer "bobagens" que “jamais serão vistas, lidas ou ouvidas pelos outros” é "imbecilidade", "desperdício". "Vai trabalhar, vagabundo" deve ser o comentário mais ouvido (claro que disfarçado - ou não - por inúmeros eufemismos) por um artista (brasileiro, ou não) em início de carreira nos dias de hoje. Michelangelo foi chamado para decorar a Capela Sistina, pelo Papa himself; a ambição de Shakespeare era virar sonetista da corte inglesa. Hoje em dia, quem quer escrever para um presidente, ou um governo? A ambição maior do artista de nossos dias parece ser tomar um chá vestindo o fardão da Academia Brasileira de Letras, ou ter sua casa em Angra mostrada na Caras. Ser artista não dá mais status, ou respeito. Conseqüentemente, para quê ser artista? É mais fácil conseguir um empreguinho por aí, trabalhando das 9 às 6, juntando um dinheirinho para viajar pra praia no final do ano, e não ter que se preocupar com as terríveis agruras filosóficas e econômicas que sempre afligiram o artista.
Outro motivo é o descabimento, o "vale-tudo", que tomou conta do cenário artístico desde a primeira metade do século XX, quando charlatões como Deschamps, e Warhol, na pintura, e Philip Glass e Stockhausen, na música (sem comentar nada da escultura e outras, se é que existem, artes plásticas), se aproveitando de novidades que surgiam na arte - movimentos geniais como o abstracionismo, o cubismo e o dodecafonismo - acharam que tinha "liberado geral", que valia tudo. Assim, enquanto Picasso e seus pares passaram boa parte de sua vidas retratando com perfeição irrepreensível pessoas e lugares que o rodeavam, antes de tentarem partir para vôos mais altos, o artistinha que iniciava sua carreira à sombra desses gênios achava que já podia sair rabiscando uma tela. Daí pra achar a lata de Campbell's obra de arte foi um pulinho só. No Brasil a onda não tardou a chegar, com a malfadada semana de 22, e seus horrendos antropofagismos e Abaporus. Para se subverter uma arte, é necessário, antes de tudo, dominá-la ao máximo. Stravinsky compôs obras bastante comportadas antes de fazer sua Sagração da Primavera; Schoenberg escrevia paráfrases de Bach antes de completar o seu Verklärte Nacht. Mas a partir do momento que o primeiro filisteu ouviu uma dessas obras, e não as compreendendo, exclamou: "Assim até eu!", a arte começou sua caminhada sem volta rumo ao precipício.
Quanto à literatura... há a falta de recursos e motivações para que os artistas ponham seus pequenos cerebrozinhos em funcionamento; como é bem sabido, situações adversas sempre contribuem, paradoxalmente, para o desenvolvimento artístico de uma nação. Mas vivemos numa era única na história da humanidade (por pior que esteja o Brasil), de imensa prosperidade e conforto, o que faz com que as pessoas de vida confortável, classe média, que são e sempre foram as que vão tentar sua sorte com a arte, não tenham muito sobre o que escrever - e acabem escrevendo sobre draminhas e afliçõezinhas do cotidiano, desperdiçando tolamente seus talentos, como têm feito os mais talentosos escritores da atualidade... apesar disso, ainda tenho esperança que a literatura perdure por um bom tempo, por ser das artes a que menos exige condições materiais para sua realização – um cérebro, um papel e uma caneta. A literatura é nossa última esperança.

Mais bárbaros que os criminosos
Domingo, 26 de agosto. Matéria sobre o monstruoso assassinato dos seis empresários e turistas sexuais portugueses em Fortaleza, cometido com requintes de crueldade por um patrício amigo (muy) deles e alguns capangas. Manchete da matéria? "A pau, pedra e bala". Notícias populares? Não, não, Veja mesmo.
Meu Deus, que tipo de pessoas trabalham para a soi-disant "revista de maior circulação do Brasil"?

O Rio de Janeiro continua engraçado...
O governador Anthony Crentinho, do RJ, ofereceu ajuda do governo e da polícia do Rio para o seqüestro de Patrícia Abravanel, filha de Senor, AKA Sívio Santos. Só pode ser brincadeira. O Rio oferecendo assessoria em assuntos de segurança pública! O que Tony propõe, enviar aquela fantástica “trupe” de policiais que resolveu de maneira tão brilhante aquele seqüestro do ônibus no Jardim Botânico? Falando sério, carioca prestando auxílio a alguém, só se for pra ajudar a passar bronzeador ou a abrir um coco pra tomar água...

Imprestável imprensa
Aliás, a cobertura dada pela imprensa ao seqüestro da filha de SS (e a todos os sequestros de um modo geral; ao contrário do que chefes de redação idiotas possam dizer, seqüestro não deve e não pode ser noticiado se a família e a polícia não o quiserem), e o comportamento dos patéticos e estúpidos repórteres, ávidos por um “furo” - gritando a qualquer um que aparecia na porta da casa, batendo-se e atropelando a linha de isolamento preparada para eles, destruindo o jardim da casa do apresentador - quando da “coletiva” dada por sua recém-liberada filha, da varanda de sua casa no Morumbi, só serviu para confirmar uma antiga suspeita minha (e principal motivação para que eu abandonasse o curso de jornalismo na PUC): os jornalistas só ficam abaixo dos políticos, e advogados no quesito “seres humanos mais desprezíveis”. Tão ali, logo ao lado dos policiais e dos seqüestradores.
Então é pra isso que servem quatro anos de faculdade? Para que o sujeito fique ali, empertigado e empolado, com seu terninho amarfanhado e seu microfonezinho na mão, e pergunte: “E aí, Silvio, o que você está sentindo?” Que profissãozinha ingrata, hein?


Rafael Azevedo
São Paulo, 31/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
02. Dark (k)night rises de Marilia Mota Silva
03. Thérèse Desqueyroux, de François Mauriac de Ricardo de Mattos


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAMINHAMOS NA ESTRADA DE JESUS O EVANGELHO DE MARCOS
AUTORES COLETIVOS
PAULINAS
(1996)
R$ 6,90



PHILOSOPHIES DES SCIENCES, PHILOSOPHIES DES TECNIQUES
GILBERT HOTTOIS
ODILE JACOB
(2004)
R$ 77,50



GLOBO RURAL--109--MARRECO--CHINES PRECOCE.
EDITORA GLOBO
GLOBO
(1994)
R$ 16,00



HYPER LINK 2 LIVRO DO ALUNO
VINICIUS NOBRE / ALBINA ESCOBAR
PEARSON LONGMAN
(2011)
R$ 28,00



A CULTURA POLÍTICA DO BATLLISMO NO URUGUAI: 1903-1958 - 1247
MARCOS ALVES DE SOUZA
ANNABLUME
(2003)
R$ 10,00



7 ANOS CONVERSANDO COM ESPÍRITOS
PAUL LOJNIKOV
FREITAS BASTOS
(1989)
R$ 5,00



FORÇA INTERIOR
CARLOS FRANÇA
CIRCULO DO LIVRO
(1988)
R$ 6,98



A PSICOMOTRICIDADE APLICADA NA ESCOLA - GUIA PRÁTICO DE PREVENÇÃO DAS DIFICULDADES DA APRENDIZAGEM
MARTHA LOVISARO
WAK
(2011)
R$ 29,00



VIDAS CÉLEBRES - VOL. 3 - A VIDA DE SHELLEY
ANDRÉ MOUROIS
CIA. NACIONAL
(1936)
R$ 7,00



SATÍRICON
PETRÔNIO; ALESSANDRO ZIR
MARTIN CLARET
(2001)
R$ 6,90





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês