O novo frisson da Copa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Terça-feira, 8/6/2010
O novo frisson da Copa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Anuncia-se a Copa! Lentamente começam a aparecer as horríveis bandeirinhas verde-amarelo, de plástico vagabundo, nos lembrando que temos uma bandeira e um time para torcer. Os pequenos retângulos coloridos, colocados em um pequeno suporte de plástico, madeira, ou seja lá o que for, multiplicam-se feito barata. Primeiro, nas janelas de um carro ou outro, mas rapidamente vão tomando conta do cenário, fazendo perder de vista quantos carros carregam a pequenina flâmula dupla-cor. Uma puxa a outra e assim sucessivamente. Depois aparecem nas janelas dos apartamentos, amarradas a postes, árvores, varandinhas de bar ou casas. Onde quer que você estiver poderá ver uma delas a poucos metros de seu alcance.

Em seguida elas vão migrando para as latas de cerveja, as camisetas, as havaianas, os álbuns de figurinhas, os brinquedos, as propagandas de banco, o sorvete, os plásticos das balas, os automóveis, as lojas variadas, ou seja, em tudo o que for possível fixar uma pequena imagem. Contaminando cada pedacinho do nosso território, não temos como escapar à visão da Bandeira do Brasil.

Pode-se perceber um certo orgulho nas pessoas que se dispõem a carregar e balançar o pequeno pedaço de papel ou plástico cor verde-amarelo. O Brasil retoma sua autoestima num campo onde se acredita vencedor. Nos outros campos (saúde, educação, direitos humanos, democracia racial), não temos tanta certeza em honrar a nossa bandeira, por isso ela desaparece fora da Copa. Não faz sentido ficar por aí carregando algo que nos envergonha.

Os campos de pelada ficam mais e mais cheios de moleques, rapazes, homens, todos querendo experimentar o prazer de ver e ter a bola rolando nos seus pés como se fossem os jogadores escolhidos para o evento da Copa. Corre-se para lá e para cá, no sonho de nossas pernas a golear o inimigo como se fossemos os craques a vencer nossos concorrentes.

A multiplicação das imagens da Copa vai ganhando campo. Passa-se em revista todos os jogadores de todos os times, suas potencialidades e fraquezas, como se não houvesse assunto que pudesse competir com esse. Cada frase emitida por um jogador é devidamente comentada, algumas vezes até a exaustão. Cada pequena torção ou machucado de jogador é recebida com suspiro pelos fãs ardorosos e multiplicada pela mídia para que o planeta todo saiba.

Jogadores tornam-se heróis se são escalados para a seleção que vai jogar na Copa. Da mesma forma que uma alegria homérica, contagiante, acomete os selecionados para a Seleção, dores inconfessáveis atormentam os deixados de fora desta vibrante competição. Sabe-se que ali, naquele gramado observado pelo mundo, encontra-se uma das melhores chances de se poder fazer o pé-de-meia, tornar-se referência e, consequentemente, ricaço, se vir a ser comprado por um time milionário. o quanto de dinheiro se poderá ganhar em propagandas nem se fala. Por isso, perder essa chance é perder não só uma aventura esportiva, mas também um futuro tranquilo deitado em berço esplendido de euros.

Um novo frisson nos toma de súbito! Estamos preparados para a maior competição esportiva do mundo. As tabelas nos indicam a que horas o país vai parar. Telões são construídos e dispostos em praças públicas, bares aumentam o tamanho de suas TVs para o público ver melhor seu jogo. Inúmeras trombetas ensurdecedoras são levadas por um público irritadiço, que a sopra de dentro de sua intranquilidade, pois embora psicologicamente autoconfiante, esse mesmo público está ao mesmo tempo temeroso do fracasso. Por isso, gritar, espernear, soprar cornetas, soltar foguetes é a terapia do stress que se avizinha.

A cada dia que se aproxima, esse frisson nos deixa mais excitados. Não vemos a hora de nos perdermos dentro dessa competição. Quando nosso hino for tocado, nossos pelos vão se arrepiar, nossos olhos se encherão de lágrimas, nosso coração baterá mais forte. A contaminação foi um sucesso. A mídia forçou a barra, alimentou sonhos, criou expectativas e ilusão. Deliciosa ilusão, eu diria, para não cortar barato.

O comércio cresce junto: camisetas, brinquedos, bolas, cerveja. Deslocamentos nacionais ou internacionais ampliam o turismo. Fabricação de penduricalhos leva produtores e consumidores a uma relação de consumo legitimado e sem culpa. Tudo para se tornar uma pessoa verde-amarela, com direito a chapéu, camisa, short, sandálias, trombetas etc. Quem estiver de fora, não é bom da cabeça.

A ideia de unidade nacional, de uma força única, se faz presente. A crença num objetivo comum nos une na alegria e tristeza desta Copa. A massa manipulada sente que ela é quem está manipulando, tornando cabível sua alegria destemperada ou sua dor exaltada. Todos se movem num único coração, como se cantou em outros tempos. A falsa ideia de unidade nacional (tão cara a regimes fascistas) é um dos pilares da Copa, onde se abolem as diferenças de classe, cultura e tudo o mais. Todos se sentem unidos, quer estejam na frente de uma TV de plasma ou ouvindo o jogo num radinho de pilha.

Há algo de redenção simbólica nesses jogos. Há a vitória do talento sobre a força econômica e sobre o poder político dos países do primeiro mundo. Há um sentimento de revanche. Ou não?

Pouco importa tudo isso agora se estamos cegos para ver o que não seja a Copa do Mundo, com seus atletas convertidos em heróis a nos dar a alegria contagiante da vitória ou a tragédia da derrota vergonhosa. Façam suas apostas.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final) de Jardel Dias Cavalcanti
02. A realidade, na verdade, é mentira de Ivan Bilheiro
03. Ribamar, de José Castello de Isabel Furini
04. God save the newspapers! de Rafael Rodrigues
05. Recordações da casa dos mortos de Luiz Rebinski Junior


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/6/2010
17h09min
Caro Jardel Dias Cavacanti, confesso fiquei sem entender seu texto "O novo frisson da Copa". Há algo nele que me deixa com pulga atrás da orelha. O fanatismo religioso como a história tem demonstrado é terrível. Cega o crente em verdades cristalinas, incontestáveis e petrificadas. O ateismo, por isso, não deixa de ser um antídoto para se contrapor as formas obscuras do fanatismo religioso. Mas o remédio é uma coisa com uma medida que pode assustar: em demasia, mata. O ateismo mal-ajambrado pode ser o melhor dos mundos para os fanáticos religiosos. Não sei se me explico. Espero que sim. Mas a forma de exposição de sua opinião sobre a Copa do Mundo carrega um peso desmedido, como o de remédios que, em vez de curar, matam... Mesmo que concorde com muito do que escreveu, sinto que sua exposição podia ser melhor calibrada. Os tiros que você desfere pode matar quem defende ideias similares as que você apresenta
[Leia outros Comentários de Humberto Pereira da ]
16/6/2010
00h31min
Parabéns, Jardel Dias Cavalcanti! Você escreveu tudo o que eu gostaria de haver escrito, só que (eu) não conseguia encontrar as palavras adequadas.
[Leia outros Comentários de Oscar Tibúrcio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




I CHING (ESPANHOL)
JOHN TAMPION E OUTROS
SIRIO
(1987)
R$ 10,00



FISIOLOGIA MÉDICA
WILLIAM F. GANONG
ATHENEU
(1977)
R$ 64,00



CARTAS A FREUD
FLÁVIO FORTES D ANDREA
BERTRAND BRASIL
(1990)
R$ 22,82



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA Nº 02
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(1993)
R$ 20,00



VIAGEM AOS SEIOS DE DUÍLIA
ANÍBAL MACHADO
O DIA
(1998)
R$ 25,00
+ frete grátis



LENIN, TROTSKY E O FIM DO SOCIALISMO REAL; POR QUE PARLAMENTARISM
REVISTA ARCHÈ, ANO 2 - Nº 4
FACULDADE CÂNDIDO MENDES
(1993)
R$ 18,28



COZINHA MARAVILHOSA DE OFÉLIA PEIXES & FRUTOS DO MAR
VARIOS AUTORES
ED. KLICK
R$ 4,90



ETERNAMENTE FEMININA
ROBERT A. WILSON
EDAMERIS
(1966)
R$ 10,00



O VALOR DOS RECURSOS HUMANOS NA ERA DO CONHECIMENTO
VICENTE FALCONI CAMPOS
INDG
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



COMPRAS EM BUENOS AIRES - COLEÇÃO VIAGEM DE BOLSO
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês