Um parque de diversões na cabeça | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 30/5/2017
Um parque de diversões na cabeça
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2500 Acessos


Sábado, fui com a família ao Pedro II assistir a Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto em ação. Já havia ido em outras horas, mas como desta vez não houve igual. Ganhei os convites. Iria no domingo, de graça, mas com os ingressos nas seis mãos de minha família, para a gente ficar na plateia, logo abaixo daquela gota imensa no centro do teto do teatro, obra de Tomie Ohtake (1913-2015) ― isto é, com a filarmônica a tocar a poucos metros de distância, numa sinestesia entre os olhos e os ouvidos, ― não havia por que não ir, até porque lugar melhor que esse só se estivéssemos sentados em lótus no palco, no meio dos músicos, com um gravador de rolo no colo de cada um.

Chegamos. Sentamos. Levantamos. Fomos ao banheiro. Tomamos água gelada do bebedouro. Voltamos aos assentos. Tocou aquele sinal anunciador de coisa boas do teatro e, com os músicos já ocupando seus lugares, surge o spalla, com seu violino flutuando entre o ombro e o queixo, para afinar a filarmônica. Não sei por que, mas nem todas as pessoas dão a atenção que esse momento merece: aquela nota única, repetida em todos os instrumentos, é de uma beleza ímpar. Seria capaz de comprar um CD que tivesse, inteiro, esses segundos de afinação.

A afinação chega ao fim ― e a Nona Sinfonia, com aquele começo em que tudo parece se ajustar em unidade? ―, o spalla senta-se e, sob aplausos, surge o maestro Parcival Módolo, que cumprimenta a plateia, os músicos, pega o microfone, agradece a presença de nós todos e anuncia tanto a ausência do pianista titular como a mudança na programação daquela noite, cujo setlist sabíamos todos, porque, à entrada, ainda recebemos a revista Movimento Vivace, de distribuição gratuita. O mundo todo deveria ser de graça. O maestro, de uma simpatia acachapante, fala do que virá pela frente na primeira parte do concerto. Esfrego as mãos. Ele explica: Parque de Diversões, do canadense Michael S. Horwood (1947), um passeio a céu aberto com as peças musicais a transitar, primeiro, como um teleférico sobrevoando o parque, para, em seguida, visitar o Splash, o carrossel, o trem-fantasma e a montanha russa. Parcival diz que nem mesmo no Youtube encontraremos uma apresentação inteira dessa obra. “Há apenas em streaming”, diz. “Gravado em Varsóvia”. Hum, expectativa maior ainda deixou em todos o comentário do regente. A segunda peça, Eclogue, de Gerald Finzi (1901-1956), traz um jogo de diálogos entre o piano e os instrumentos de corda ― e meu filho, meu pianista predileto, por causa de uma surmenage, quase desmaia quando vê, tão de perto, seu primeiro Steinway & Sons. O maestro mais uma vez agradece a presença de todos e dá as costas ao público, mas só porque tem de, com as mãos, com a cabeça, com os olhos, com o rosto, com o corpo em flecha, conduzir aqueles músicos, pegando-os pelas mãos e levando-os a um passeio emocionante ao parque, conosco a tiracolo. E, expecto patronum, a música começa a tocar cada pessoa que está dentro do Pedro II naquele momento, feito mágica.

Esse 13 de maio de 2017 vai ficar marcado como o dia em que vi a melhor apresentação de uma orquestra sinfônica em meus 45 anos de existência patibular. Dividida em duas partes, o concerto começou com a suíte Parque de Diversões (Amusement Park Suite), que é, como o maestro havia falado, dessas obras em que se imagina os brinquedos sugeridos pela orquestra. Foi assim que o divertimento iniciou-se com “Teleférico”, como se, olhando para baixo, lá estivesse o parque, com ecos de outros temas a subir pelos pés, invadindo os ouvidos; “Splash” vai da placidez dos botes na água até o tsunami que culmina com um 'tchibum' perto do fim. Meus ouvidos esperaram por esse obus na água, mas não o achei, o que não alterou em nada a beleza dessa parte da suíte, embora confirmasse, para mim, minha incompetência e falta de imaginação auditivas. Vêm “Carrossel”, em torvelinho, com o girar metódico dos cavalinhos, “Trem-Fantasma”, com o guinchar insólito do trenzinho, com notas cheias de sustos, caveiras e fantasmagoria e, por fim, com “Montanha Russa”, estamos subindo, subindo, subindo e, chegado lá em cima, olhando para baixo, é hora de descer, descer, descer, e o carrinho vem descendo, descendo, veloz, e a orquestra vai subindo, subindo, o carrinho descendo, descendo, os músicos a 75 rpm e, de repente, o pequeno machimbombo freia, rugindo os alicerces da estação.

Eclogue, de Finzi, trouxe o solista Vagner Ferreira, que se anexou ao piano, que logo passou a jogar conversa fora com os instrumentos de cordas; juntos, começaram a evocar uma prosódia harmônica delicada, cheia de perdigotos sonoros, até a prosa chegar ao fim. Para mim, comparando com as outras peças musicais da noite, foi o momento de que menos gostei: o que não quer dizer nada, porque nessa noite tudo soou magnífico, e como um concerto não é uma competição de cavalos, não há por que torcer por um ou outro cavalinho, até porque o solista e os outros músicos deram o melhor de si. Até poderia pensar, também, que fosse hora mais de ir ao parque de diversões do que ao jockey clube, porque, talvez, o espírito estivesse mais para o peso do maracatu da orquestra do que à leveza do espírito nos vales bucólicos de Finzi. Será que faz frio na Catalunha?

2º tempo

15 minutos para tomar mais água no bebedouro, ir ao banheiro etc., e, quando voltamos, Parcival anuncia que, no intervalo, avisaram-no no camarim de que havia um senhor na plateia fazendo 100 anos. O homem se levantou, e, como é um cavalheiro, o maestro cumprimentou-o e ainda o homenageou com a segunda parte do concerto. Não conheço, até hoje, presente mais bonito. Por decreto-lei, toda vez que alguém fizesse 100 anos, essa pessoa deveria ser parabenizada de forma parecida, ou seja, com uma orquestra a seus pés. Lembrei, com o coração confrangido, da morte de Antonio Candido (1918-2017), nosso maior crítico literário de todos os tempos, aos 98, no dia anterior. Mas o artesão, provavelmente, como nos versos de Azevedo, não iria querer que nenhuma nota de alegria se calasse por seu triste passamento.

Começa o segundo tempo. Dos dois lados do palco, os músicos estão concentrados. O maestro mira-os com a batuta, e o “Divertissement”, de Jacques Ibert (1890-1962), compositor francês do século 20, inicia-se. É só a introdução, mas a orquestra está em forma tão boa que o público é capaz de pressentir como o humor faz parte dessa noite. Composta como música incidental para o filme Um Chapéu de Palha na Itália (1929), de Eugène Labiche, 88 anos depois, em Ribeirão Preto, o que se ouve dela é que não envelheceu nem um pouco, entusiasmando o teatro.

Eis, então, que é a hora de Alberto Nepomuceno (1844-1920) com sua Série Brasileira. Parcival conta que, na Europa, como compositor de talento excepcional, Alberto aproximou-se de Edward Grieg (1843-1907), o norueguês de Peer Gynt, que lhe disse para tocar coisas do Brasil, porque, dessa forma, iria trazer em sua música a cor local tapuia, e Nepomuceno compôs, em certo momento, essa Série Brasileira, um primor de peça musical que fez a gente, após sair do teatro, cantarolar o tema de “Alvorada da Serra” no carro: cordas que lembram “Sapo Cururu”, enquanto pra lá e pra cá a orquestra vai levando o público, como aquelas hastes de para-brisa em dias de garoa. Vêm “Intermédio”, “Sesta na Rede” e a incendiária “Batuque”, que encerrou a noite como se todos usássemos uma vitória régia em forma de chapéu. Os músicos da OSRP estavam iluminados e, após o bis, ainda arriscaram algumas notas de “Parabéns a Você” ao centenário aniversariante da noite. Precisava. Mais palmas à OSRP.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 30/5/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. Noel Rosa de Fabio Gomes
03. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
04. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
05. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
03. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos - 4/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TÉCNICA DO DIREITO VOL 3 - A TÉCNICA DA DEFESA CRIMINAL
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 10,00



CERIMONIAL DO CASAMENTO - 4930
MARIA DE LOURDES DE FARIA MARCONDES WOLFF
WB EDITORES
R$ 10,00



COTIDIANO E ROTINA NA SALA DE AULA
MARLEI GOMES DA SILVA MALINOSKI
APPRIS
(2016)
R$ 34,00



NAU DOS DESEJOS
CREMILDA MEDINA
CJE / ECA / USP
(1994)
R$ 4,70



SEU FUTURO SEGUNDO OS TARÔS
GIOVANNI SCIUTO
NORDICA
(1992)
R$ 15,00



MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
DIALETO
(2012)
R$ 55,00



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS ,1772 - 1814
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 40,00



A IMPORTÂNCIA DO RELACIONAMENTO COMERCIAL E CULTURAL...
VÁRIOS
SENADO FEDERAL
(1995)
R$ 8,58



O PRIMEIRO GUERREIRO - 2ª EDIÇÃO
ORLANDO PAES FILHO
ARX JOVEM
(2002)
R$ 10,00



ALICE DO 5O DIEDRO
LAURITA MOURAO
NORDICA
R$ 6,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês