Um parque de diversões na cabeça | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
32426 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Avenida (2005)
>>> Financiamento de campanhas eleitorais de Denise Goulart Schlickmann pela Juruá (2007)
>>> Terra de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Os Degraus do Pentágono de Norman Mailer pela Expressão e Cultura (1968)
>>> Infinito de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Serena de Ian McEwan pela Cia das Letras (2012)
>>> Comentáros à Lei de Responsabilidade Fiscal de Ives Gandra da Silva Martins & Carlos Valder do Nascimento & Organizadores pela Saraiva (2009)
>>> Estrela da Noite de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Reflexo de Antonio José pela Grafica da Bahia (1979)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda L. Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Procedimento Administrativo nos Tribunais de Contas e Câmaras Municipais de Rodrigo Valgas dos Santos pela Del Rey (2006)
>>> Vito Grandam de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> Lei Eleitoral Comentada (lei 9. 504, de 30 de Setembro de 1997) de Renato Ventura Ribeiro pela Quartier Latin (2006)
>>> Manual de Direito Civil - Vol 3 Contratos e Declarações Unilaterais de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Processo Civil. Técnicas e Procedimentos de Misael Montenegro Filho pela Atlas (2006)
>>> Código Civil Comentado IX Artigos 818 a 886. Direito das Obrigações de Carlos Fernando Mathias pela Atlas (2004)
>>> Direito Civil. Parte Geral de Guilherme Calmon Nogueira da Gama pela Atlas (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 30/5/2017
Um parque de diversões na cabeça
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2300 Acessos


Sábado, fui com a família ao Pedro II assistir a Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto em ação. Já havia ido em outras horas, mas como desta vez não houve igual. Ganhei os convites. Iria no domingo, de graça, mas com os ingressos nas seis mãos de minha família, para a gente ficar na plateia, logo abaixo daquela gota imensa no centro do teto do teatro, obra de Tomie Ohtake (1913-2015) ― isto é, com a filarmônica a tocar a poucos metros de distância, numa sinestesia entre os olhos e os ouvidos, ― não havia por que não ir, até porque lugar melhor que esse só se estivéssemos sentados em lótus no palco, no meio dos músicos, com um gravador de rolo no colo de cada um.

Chegamos. Sentamos. Levantamos. Fomos ao banheiro. Tomamos água gelada do bebedouro. Voltamos aos assentos. Tocou aquele sinal anunciador de coisa boas do teatro e, com os músicos já ocupando seus lugares, surge o spalla, com seu violino flutuando entre o ombro e o queixo, para afinar a filarmônica. Não sei por que, mas nem todas as pessoas dão a atenção que esse momento merece: aquela nota única, repetida em todos os instrumentos, é de uma beleza ímpar. Seria capaz de comprar um CD que tivesse, inteiro, esses segundos de afinação.

A afinação chega ao fim ― e a Nona Sinfonia, com aquele começo em que tudo parece se ajustar em unidade? ―, o spalla senta-se e, sob aplausos, surge o maestro Parcival Módolo, que cumprimenta a plateia, os músicos, pega o microfone, agradece a presença de nós todos e anuncia tanto a ausência do pianista titular como a mudança na programação daquela noite, cujo setlist sabíamos todos, porque, à entrada, ainda recebemos a revista Movimento Vivace, de distribuição gratuita. O mundo todo deveria ser de graça. O maestro, de uma simpatia acachapante, fala do que virá pela frente na primeira parte do concerto. Esfrego as mãos. Ele explica: Parque de Diversões, do canadense Michael S. Horwood (1947), um passeio a céu aberto com as peças musicais a transitar, primeiro, como um teleférico sobrevoando o parque, para, em seguida, visitar o Splash, o carrossel, o trem-fantasma e a montanha russa. Parcival diz que nem mesmo no Youtube encontraremos uma apresentação inteira dessa obra. “Há apenas em streaming”, diz. “Gravado em Varsóvia”. Hum, expectativa maior ainda deixou em todos o comentário do regente. A segunda peça, Eclogue, de Gerald Finzi (1901-1956), traz um jogo de diálogos entre o piano e os instrumentos de corda ― e meu filho, meu pianista predileto, por causa de uma surmenage, quase desmaia quando vê, tão de perto, seu primeiro Steinway & Sons. O maestro mais uma vez agradece a presença de todos e dá as costas ao público, mas só porque tem de, com as mãos, com a cabeça, com os olhos, com o rosto, com o corpo em flecha, conduzir aqueles músicos, pegando-os pelas mãos e levando-os a um passeio emocionante ao parque, conosco a tiracolo. E, expecto patronum, a música começa a tocar cada pessoa que está dentro do Pedro II naquele momento, feito mágica.

Esse 13 de maio de 2017 vai ficar marcado como o dia em que vi a melhor apresentação de uma orquestra sinfônica em meus 45 anos de existência patibular. Dividida em duas partes, o concerto começou com a suíte Parque de Diversões (Amusement Park Suite), que é, como o maestro havia falado, dessas obras em que se imagina os brinquedos sugeridos pela orquestra. Foi assim que o divertimento iniciou-se com “Teleférico”, como se, olhando para baixo, lá estivesse o parque, com ecos de outros temas a subir pelos pés, invadindo os ouvidos; “Splash” vai da placidez dos botes na água até o tsunami que culmina com um 'tchibum' perto do fim. Meus ouvidos esperaram por esse obus na água, mas não o achei, o que não alterou em nada a beleza dessa parte da suíte, embora confirmasse, para mim, minha incompetência e falta de imaginação auditivas. Vêm “Carrossel”, em torvelinho, com o girar metódico dos cavalinhos, “Trem-Fantasma”, com o guinchar insólito do trenzinho, com notas cheias de sustos, caveiras e fantasmagoria e, por fim, com “Montanha Russa”, estamos subindo, subindo, subindo e, chegado lá em cima, olhando para baixo, é hora de descer, descer, descer, e o carrinho vem descendo, descendo, veloz, e a orquestra vai subindo, subindo, o carrinho descendo, descendo, os músicos a 75 rpm e, de repente, o pequeno machimbombo freia, rugindo os alicerces da estação.

Eclogue, de Finzi, trouxe o solista Vagner Ferreira, que se anexou ao piano, que logo passou a jogar conversa fora com os instrumentos de cordas; juntos, começaram a evocar uma prosódia harmônica delicada, cheia de perdigotos sonoros, até a prosa chegar ao fim. Para mim, comparando com as outras peças musicais da noite, foi o momento de que menos gostei: o que não quer dizer nada, porque nessa noite tudo soou magnífico, e como um concerto não é uma competição de cavalos, não há por que torcer por um ou outro cavalinho, até porque o solista e os outros músicos deram o melhor de si. Até poderia pensar, também, que fosse hora mais de ir ao parque de diversões do que ao jockey clube, porque, talvez, o espírito estivesse mais para o peso do maracatu da orquestra do que à leveza do espírito nos vales bucólicos de Finzi. Será que faz frio na Catalunha?

2º tempo

15 minutos para tomar mais água no bebedouro, ir ao banheiro etc., e, quando voltamos, Parcival anuncia que, no intervalo, avisaram-no no camarim de que havia um senhor na plateia fazendo 100 anos. O homem se levantou, e, como é um cavalheiro, o maestro cumprimentou-o e ainda o homenageou com a segunda parte do concerto. Não conheço, até hoje, presente mais bonito. Por decreto-lei, toda vez que alguém fizesse 100 anos, essa pessoa deveria ser parabenizada de forma parecida, ou seja, com uma orquestra a seus pés. Lembrei, com o coração confrangido, da morte de Antonio Candido (1918-2017), nosso maior crítico literário de todos os tempos, aos 98, no dia anterior. Mas o artesão, provavelmente, como nos versos de Azevedo, não iria querer que nenhuma nota de alegria se calasse por seu triste passamento.

Começa o segundo tempo. Dos dois lados do palco, os músicos estão concentrados. O maestro mira-os com a batuta, e o “Divertissement”, de Jacques Ibert (1890-1962), compositor francês do século 20, inicia-se. É só a introdução, mas a orquestra está em forma tão boa que o público é capaz de pressentir como o humor faz parte dessa noite. Composta como música incidental para o filme Um Chapéu de Palha na Itália (1929), de Eugène Labiche, 88 anos depois, em Ribeirão Preto, o que se ouve dela é que não envelheceu nem um pouco, entusiasmando o teatro.

Eis, então, que é a hora de Alberto Nepomuceno (1844-1920) com sua Série Brasileira. Parcival conta que, na Europa, como compositor de talento excepcional, Alberto aproximou-se de Edward Grieg (1843-1907), o norueguês de Peer Gynt, que lhe disse para tocar coisas do Brasil, porque, dessa forma, iria trazer em sua música a cor local tapuia, e Nepomuceno compôs, em certo momento, essa Série Brasileira, um primor de peça musical que fez a gente, após sair do teatro, cantarolar o tema de “Alvorada da Serra” no carro: cordas que lembram “Sapo Cururu”, enquanto pra lá e pra cá a orquestra vai levando o público, como aquelas hastes de para-brisa em dias de garoa. Vêm “Intermédio”, “Sesta na Rede” e a incendiária “Batuque”, que encerrou a noite como se todos usássemos uma vitória régia em forma de chapéu. Os músicos da OSRP estavam iluminados e, após o bis, ainda arriscaram algumas notas de “Parabéns a Você” ao centenário aniversariante da noite. Precisava. Mais palmas à OSRP.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 30/5/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
03. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Precisamos falar sobre Kevin - 5/12/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENSANDO O BRASIL
PAULO NOGUEIRA BATISTA
FUNDAÇÃO ALEXANDRE GUSMÃO
(2009)
R$ 10,00



O MOVIMENTO ASSOCIATIVO DE PAIS E A CONSTRUÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA
FERNANDO MELO LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 412,00



CADERNOS DE CIÊNCIAS PENAIS - REFLEXÕES SOBRE AS TEORIAS DO TIPO
ALEXIS COUTO DE BRITO, HUMBERTO B. FABRETTI UND GIANPAOLO P. SMANIO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 272,00



PEQUENO PRÍNCIPE - LIVRO DE ADESIVOS
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
ONLINE
(2014)
R$ 11,90



ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR E FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES CLIMATÉRICAS
RAQUEL PRISCILA UND DANIELE SERVA SPRESSÃO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



OBRAS POÉTICAS COMPLETAS - RAMON DE CAMPOAMOR
RAMON DE CAMPOAMOR
AGUILLAR
(1951)
R$ 35,00



QUERO COLO!
STELA BARBIERI; FERNANDO VILELA
SM
(2016)
R$ 10,00



FAMÍLIA DO DOENTE COM CÂNCER
JULIANA STOPPA MENEZES RODRIGUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O HOMEM-PLURAL.
MARIO GRACIOTTI
NOVA EPOCA
R$ 12,00



MENDEL: O PAI DA BIOLOGIA GENÉTICA
REVISTA DE CULTURA VOZES Nº 7 SETEMBRO
VOZES (PETRÓPOLIS RJ)
(1984)
R$ 32,82





busca | avançada
32426 visitas/dia
955 mil/mês