Nós que aqui estamos pela ópera esperamos | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Concisão e sensibilidade
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Alerta aos que vão chegar
>>> Cultura e Patrocínio
>>> Deus, um delírio, de Richard Dawkins
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Thor
Mais Recentes
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> As 100 Melhores Histórias Eróticas da Literatura Universal de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2020)
>>> Mahatma Gandhi - Politik und Gewaltlosigkeit de Otto Wolff pela Musterschimidt-Verlag (1963)
>>> Marionetes Populares de Yvonne Jean pela Din (1955)
>>> As Bacanas = Plauto de Newton Belleza pela Emebê (1977)
>>> Trinta Toques de Rogério Viana pela Engenho da Letra (1999)
>>> O Teatro de Cervantes de José Carlos Lisboa pela Os Cadernos de Cultura (1952)
>>> O Teatro de Oraci Gemba de José Plínio pela Do autor (1994)
>>> Teatro Moderno = O Anúncio feito a Maria de Paul Claudel pela Agir (1968)
>>> O Palco dos Outros de Sérgio Brito pela Rocco (1993)
>>> Importe-se o Bastante para Confrontar de David Augsburger pela Cristã Unida (1996)
>>> Mais de Nogueira Salton pela Do autor (2009)
>>> Minha Mente, Meu Mundo de Walter Barcelos pela Didier (2001)
>>> Marketing Pessoal do Personal Trainer. Estratégias Práticas Para o Sucesso - 5D de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2013)
>>> Fortaleza digital - 5D de Dan Brown pela Arqueiro (2015)
>>> Arquivologia e Ciência da Informação - 5D de Maria Odila Kahl Fonseca pela Fgv (2008)
>>> Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero de Elsa García Novo pela Alianza Editorial (1987)
>>> Fisiologia do exercício - 8C de Marília dos Santos Andrade pela Manole (2016)
>>> Musculação Funcional. Ampliando os Limites da Prescrição Tradicional - 8C de Cauê Vazquez la Scala Teixeira pela Phorte (2016)
>>> Personal Trainer. Uma Abordagem Prática do Treinamento Personalizado - 8C de Fabiano Pinheiro Peres pela Phorte (2013)
>>> Temas Fundamentais De Criminalistica - 3D de Jose Lopez Zarzuela pela Sagra luzzatto (1995)
>>> As sete leis espirituais do sucesso - 3D de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Escolha - 3D de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2015)
>>> Ser Elegante É… - 3D de Candace Simpson-Giles pela Sextante (2014)
>>> Seu Sexto Sentido. Ativando Seu - 3D de Belleruth Naparstek pela Rocco (1999)
>>> História geral das Civilizações Volume 1 - O oriente e a Grécia Antiga de Maurice Crouzet pela Bertrand Brasil (1993)
>>> O Diário de Anne Frank de Ane Frank pela Pé da Letra (2019)
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 4/7/2017
Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2200 Acessos


A primeira vez foi na biblioteca. Mas, por favor, se não quiser saber de nada disso, pule este e o próximo parágrafo. Estava no campus da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. Havia passado em Ciências Sociais, mas seis meses depois abandonei o curso. Nada de sociologia, de política, de antropologia; descobri que queria mesmo era fazer Letras; então, fiquei na biblioteca do campus, pelejando para o próximo vestibular. Tinha 19 anos e, veja você, disciplina para estudar. Mas dentro de uma biblioteca daquelas não dá para não ir até a estante de literatura e não descobrir um autor novo, um livro acabado de chegar, ou uma edição em capa dura de A dama das camélias, de Alexandre Dumas, filho (1824-1895), romance que em manhãs de indolência ia lendo. Foi a primeira vez.

20 anos depois, a Ópera começou a passar toda hora diante de casa, olhando furtivamente para dentro, reparando nas coisas. Chamava a atenção. Havia comprado duas coleções de CDs e libretos que, juntos, formam um mosaico de tenores, barítonos, sopranos, e foi La traviata (1852), de Giuseppi Verdi (1813-1901), que segurou meu rosto com as duas mãos, e me olhando nos olhos, que giravam em meio à correria, “Olá, prazer; sou a Ópera, e daqui em diante vamos passar muitas horas juntos” ― ela me disse, e em seguida perguntou, “Você vem?”, e eu fui. Minha mulher não gostou nada disso e jura que ainda há de acertar o nariz da outra, enquanto compreende como as coisas funcionam nesta vida moderna que toda a gente leva. Não me lembro se sabia que La traviata é uma versão de A dama das camélias, mas certo é que da literatura para a música a ópera de Verdi deu certo, e hoje a história de Violetta gira o mundo. É o que nos traz até aqui.

Não é que em Batatais (3h58min. de São Paulo), cidadezinha onde tenho um CEP, notícias deram conta de que uma montagem de La traviata iria acontecer? Suspeitas de que se tratasse de um engano ― por que em Batatais e, não, em Ribeirão, onde um dos maiores teatros do Brasil poderia recebê-la com maior estrutura? ― não se confirmaram: um dos tenores, natural daqui, estava contente porque tudo começaria em sua terra, e assim nós que aqui estamos pela ópera esperamos, e quando ela chegou, foi uma apresentação honesta, a aguardar ajustes em um ou outro parafuso, expediente a que se presta toda estreia, mas nada que deixasse a plateia insatisfeita com o que viu na noite de 21 de maio de 2017.

Dias antes, não conseguia comprar os ingressos, e você pode, desculpe, mais uma vez pular este parágrafo e ir para o próximo, por favor. Não vai acontecer de novo. Promessa. É que ia ao teatro quando a moça da bilheteria não estava, e lá nenhum funcionário existia a informar se outro lugar havia para comprar os ingressos; à deriva, enfim. Até que, na véspera, encontro um aluno, o Etore, e por causa dele e de outro amigo telefono ao tenor Alan Faria, um dos responsáveis pelo contato com a mídia, neste caso, toscamente representada naquela ligação por mim, e, com uma voz de locutor ao vivo na rádio FM local, ele me oferece dois convites, pelos quais agradeci. No dia da ópera, compraria outros dois ingressos e, finalmente, tudo seria resolvido. A coluna já vai tarde, mas as coisas têm o tempo que têm, e a paciência e a correria são só dois lados da mesma moeda... um pião girando... até que para.


Chega o domingo. Chega a hora de ir ao Fausto Bellini Degani, que segundo um humorista é dos maiores teatros do Brasil e, por isso, nunca lota. Mal sabiam o comediante e seu alaúde que La traviata da Cia. Sol ‘Ópera seria capaz de reverter essa má fama. Ou quase, porque com o teatro 99,9% lotado nos sentamos. Desde que moro aqui, é a primeira vez que uma Cia. apresenta uma ópera na cidade.


De onde estamos, vêm até nós notas tocadas por uma flauta, por uma clarineta, por uma porção de cordas. É que o palco do teatro tem um fosso, e os músicos estão lá dentro, feito Jonas, tocando, incidentalmente, temas da ópera. Vale mencionar que ter sido recebido dessa forma foi um ponto a favor dos instrumentistas. Chega o sinal de que o espetáculo vai começar e, lá fora, alguém ao celular faz questão de falar alto ao telefone, acompanhado pelos espectadores que, sem outra coisa que fazer, aguardam... A conversa acaba, porque a paciência do público chega ao fim, alertando a criatura que feria o código de conduta para uma ópera. Não deve ser fácil ser artista. O maestro Nazir Bittar é aplaudido. A luz esmaece e, sem que o público perceba, o espetáculo já começou: uma moça da produção vem acendendo velas e velas de dois candelabros sobre duas mesinhas, que estão separadas por um sofá ou uma namoradeira; mais afastada, há uma mesa com algumas cadeiras e, do lado oposto, sem necessidade alguma, uma pequena mesa. É a mobília que há; é a mobília que basta para compor o palco: é um quarto, mas logo será um salão de festa.

A moça já acendeu todas as velas; o palco é ocupado por personagens famosos da ópera secular de Verdi, e a música surge. Magnífica. Um coração com uma pedra em cima. Pesarosa, como se dissesse a nós: "preparem-se para a triste história que eu vou contar", e o que ela traz é um cabo-de-força, desses que arrebentam do lado mais fraco. Do ambiente privado do triste “Prelúdio” passa-se ao cenário público de “Dell’Invito trascorsa é già l’ora”, que antecede o festim de “Libiamo ne’ lieti calici”, a ode a todos os que, flamejando, celebram a sístole e a diástole que nos mantêm vivos. A tradução é de Mariana Portas: “Bebamos destes alegres cálices, que a beleza cobre de flores; e que este pequeno instante se embriague de prazer. Bebamos nas doces emoções que despertam o amor, porque seu olhar ao coração é onipotente. Bebamos, amor, que o amor entre os cálices encontrará beijos mais ardentes.”

Uma luz amarelecida ficará em nossa memória, permanecendo por quase todo o espetáculo, quando, ao fim, se apagará, ou melhor, se tornará branca, escandalosamente branca. Enquanto esse lume, idêntico à iluminação de postes de ruas, estiver acesso, manterá viva a heroína desta história, a triste história de Violetta.

A cenografia e o figurino trazem aquele charme de filme B, e o canto lírico esparrama-se pelo teatro, ancorado pela presença de outras vozes que compõem o palco: Géisia, Fernando, Paula, Daniela, André, Letícia e Michael. Agora, se você já conhece os bastidores de La traviata, imagine a responsabilidade de Carla Barreto: é ela que encarna Violetta e que, a cada interpretação, vê-se obrigada a encarar uma comparação injusta; da mesma forma que o Hamlet decisivo esteve nas mãos de Laurence Olivier (1907-1989), sir, ninguém menos que Maria Callas (1923-1977) deu corpo e voz definitivos à camélia com nome de outra flor, violeta, estabelecendo o antes e o depois na trajetória de La traviata, e depois de Callas fica difícil a qualquer mortal encarar o desafio dessa ópera de exigências vocais sobrenaturais. Mas Carla soube contornar a coisa toda, emprestando sua voz à tuberculosa Violetta, com empatia suficiente para estabelecer com o público um compromisso em que ambos saíram recompensados.


Já Alan Faria, o amante de Violetta, Alfredo Germont, de Batatais para o mundo, surpreendeu com um vozeirão encorpado, de roubar a cena. Ele é tenor de tessitura e de fraseado límpidos, temperados por uma presença de palco que se impõe. Carlos Gonzaga, seu pai na peça, no papel de Giorgio Germont, carrega nos graves com o louvor e a harmonia de uma escola de samba, e como tem de acontecer em La traviata entre os três rola a maior química. Walter White was here.


O público, comovido, aplaude cada vez que pode, sem perder nenhuma oportunidade. Muitos julgam de mau gosto tal comportamento, mas, se pensarmos bem, a música é aplaudida porque ilumina as pessoas ― é o idioma do coração, certo? –, então, está tudo bem. Com os diálogos em português, outro acerto da Cia., nós, o público, vamos nos acertando com o enredo. Pelo teatro, pessoas de todas as idades, de crianças a sesquicentenários amoráveis. Os três atos vêm em apenas um, e em duas horas o espetáculo termina, aplaudidíssimo, com superlativo absoluto sintético e tudo. Vamos cumprimentar os tenores, o maestro, os músicos, e eles estão em estado de graça. Lá fora, quando saímos, cai uma chuva digna, como se os céus resolvessem também lamentar o triste destino de Violetta Valéry, essa personagem das desgraçadas sarjetas da música, da literatura, do cinema, da vida, enfim.





Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 4/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
03. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos - 4/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ISRAEL TERRA VIVA
DANTE COSTA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1958)
R$ 12,00



O LIVRO DO AMANHÃ
CECELIA AHERN
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 15,00



RASSEGNA MEDICA 1
F. M. CHIANCONE
SAGDOS
(1956)
R$ 10,05



HORRIPILANTES CONTOS DE FADAS
MICHAEL COLEMAN
CIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 20,00



TEX PLATINUM Nº 17 - O DEUS CANIBAL 
SERGIO BONELLI
MYTHOS
(2018)
R$ 29,90



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 17,50



CRIANÇAS FAMOSAS PICASSO
TONY HART / SUSAN HELLERD
CALLIS
(1994)
R$ 5,00



DIGESTO DE PROCESSO VOL. 3: FRAUDE NULIDADE
JACY DE ASIS
JACY DE ASIS
(1988)
R$ 10,90



ENGLISH - PORTUGUESE
COLLINS GEM
DISAL
(1986)
R$ 5,00



ACTIVATE B1! WORKBOOK
JILL FLORENT / SUZANNE GAYNOR
PEARSON LONGMAN
(2009)
R$ 29,00





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês