Nós que aqui estamos pela ópera esperamos | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 4/7/2017
Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1900 Acessos


A primeira vez foi na biblioteca. Mas, por favor, se não quiser saber de nada disso, pule este e o próximo parágrafo. Estava no campus da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. Havia passado em Ciências Sociais, mas seis meses depois abandonei o curso. Nada de sociologia, de política, de antropologia; descobri que queria mesmo era fazer Letras; então, fiquei na biblioteca do campus, pelejando para o próximo vestibular. Tinha 19 anos e, veja você, disciplina para estudar. Mas dentro de uma biblioteca daquelas não dá para não ir até a estante de literatura e não descobrir um autor novo, um livro acabado de chegar, ou uma edição em capa dura de A dama das camélias, de Alexandre Dumas, filho (1824-1895), romance que em manhãs de indolência ia lendo. Foi a primeira vez.

20 anos depois, a Ópera começou a passar toda hora diante de casa, olhando furtivamente para dentro, reparando nas coisas. Chamava a atenção. Havia comprado duas coleções de CDs e libretos que, juntos, formam um mosaico de tenores, barítonos, sopranos, e foi La traviata (1852), de Giuseppi Verdi (1813-1901), que segurou meu rosto com as duas mãos, e me olhando nos olhos, que giravam em meio à correria, “Olá, prazer; sou a Ópera, e daqui em diante vamos passar muitas horas juntos” ― ela me disse, e em seguida perguntou, “Você vem?”, e eu fui. Minha mulher não gostou nada disso e jura que ainda há de acertar o nariz da outra, enquanto compreende como as coisas funcionam nesta vida moderna que toda a gente leva. Não me lembro se sabia que La traviata é uma versão de A dama das camélias, mas certo é que da literatura para a música a ópera de Verdi deu certo, e hoje a história de Violetta gira o mundo. É o que nos traz até aqui.

Não é que em Batatais (3h58min. de São Paulo), cidadezinha onde tenho um CEP, notícias deram conta de que uma montagem de La traviata iria acontecer? Suspeitas de que se tratasse de um engano ― por que em Batatais e, não, em Ribeirão, onde um dos maiores teatros do Brasil poderia recebê-la com maior estrutura? ― não se confirmaram: um dos tenores, natural daqui, estava contente porque tudo começaria em sua terra, e assim nós que aqui estamos pela ópera esperamos, e quando ela chegou, foi uma apresentação honesta, a aguardar ajustes em um ou outro parafuso, expediente a que se presta toda estreia, mas nada que deixasse a plateia insatisfeita com o que viu na noite de 21 de maio de 2017.

Dias antes, não conseguia comprar os ingressos, e você pode, desculpe, mais uma vez pular este parágrafo e ir para o próximo, por favor. Não vai acontecer de novo. Promessa. É que ia ao teatro quando a moça da bilheteria não estava, e lá nenhum funcionário existia a informar se outro lugar havia para comprar os ingressos; à deriva, enfim. Até que, na véspera, encontro um aluno, o Etore, e por causa dele e de outro amigo telefono ao tenor Alan Faria, um dos responsáveis pelo contato com a mídia, neste caso, toscamente representada naquela ligação por mim, e, com uma voz de locutor ao vivo na rádio FM local, ele me oferece dois convites, pelos quais agradeci. No dia da ópera, compraria outros dois ingressos e, finalmente, tudo seria resolvido. A coluna já vai tarde, mas as coisas têm o tempo que têm, e a paciência e a correria são só dois lados da mesma moeda... um pião girando... até que para.


Chega o domingo. Chega a hora de ir ao Fausto Bellini Degani, que segundo um humorista é dos maiores teatros do Brasil e, por isso, nunca lota. Mal sabiam o comediante e seu alaúde que La traviata da Cia. Sol ‘Ópera seria capaz de reverter essa má fama. Ou quase, porque com o teatro 99,9% lotado nos sentamos. Desde que moro aqui, é a primeira vez que uma Cia. apresenta uma ópera na cidade.


De onde estamos, vêm até nós notas tocadas por uma flauta, por uma clarineta, por uma porção de cordas. É que o palco do teatro tem um fosso, e os músicos estão lá dentro, feito Jonas, tocando, incidentalmente, temas da ópera. Vale mencionar que ter sido recebido dessa forma foi um ponto a favor dos instrumentistas. Chega o sinal de que o espetáculo vai começar e, lá fora, alguém ao celular faz questão de falar alto ao telefone, acompanhado pelos espectadores que, sem outra coisa que fazer, aguardam... A conversa acaba, porque a paciência do público chega ao fim, alertando a criatura que feria o código de conduta para uma ópera. Não deve ser fácil ser artista. O maestro Nazir Bittar é aplaudido. A luz esmaece e, sem que o público perceba, o espetáculo já começou: uma moça da produção vem acendendo velas e velas de dois candelabros sobre duas mesinhas, que estão separadas por um sofá ou uma namoradeira; mais afastada, há uma mesa com algumas cadeiras e, do lado oposto, sem necessidade alguma, uma pequena mesa. É a mobília que há; é a mobília que basta para compor o palco: é um quarto, mas logo será um salão de festa.

A moça já acendeu todas as velas; o palco é ocupado por personagens famosos da ópera secular de Verdi, e a música surge. Magnífica. Um coração com uma pedra em cima. Pesarosa, como se dissesse a nós: "preparem-se para a triste história que eu vou contar", e o que ela traz é um cabo-de-força, desses que arrebentam do lado mais fraco. Do ambiente privado do triste “Prelúdio” passa-se ao cenário público de “Dell’Invito trascorsa é già l’ora”, que antecede o festim de “Libiamo ne’ lieti calici”, a ode a todos os que, flamejando, celebram a sístole e a diástole que nos mantêm vivos. A tradução é de Mariana Portas: “Bebamos destes alegres cálices, que a beleza cobre de flores; e que este pequeno instante se embriague de prazer. Bebamos nas doces emoções que despertam o amor, porque seu olhar ao coração é onipotente. Bebamos, amor, que o amor entre os cálices encontrará beijos mais ardentes.”

Uma luz amarelecida ficará em nossa memória, permanecendo por quase todo o espetáculo, quando, ao fim, se apagará, ou melhor, se tornará branca, escandalosamente branca. Enquanto esse lume, idêntico à iluminação de postes de ruas, estiver acesso, manterá viva a heroína desta história, a triste história de Violetta.

A cenografia e o figurino trazem aquele charme de filme B, e o canto lírico esparrama-se pelo teatro, ancorado pela presença de outras vozes que compõem o palco: Géisia, Fernando, Paula, Daniela, André, Letícia e Michael. Agora, se você já conhece os bastidores de La traviata, imagine a responsabilidade de Carla Barreto: é ela que encarna Violetta e que, a cada interpretação, vê-se obrigada a encarar uma comparação injusta; da mesma forma que o Hamlet decisivo esteve nas mãos de Laurence Olivier (1907-1989), sir, ninguém menos que Maria Callas (1923-1977) deu corpo e voz definitivos à camélia com nome de outra flor, violeta, estabelecendo o antes e o depois na trajetória de La traviata, e depois de Callas fica difícil a qualquer mortal encarar o desafio dessa ópera de exigências vocais sobrenaturais. Mas Carla soube contornar a coisa toda, emprestando sua voz à tuberculosa Violetta, com empatia suficiente para estabelecer com o público um compromisso em que ambos saíram recompensados.


Já Alan Faria, o amante de Violetta, Alfredo Germont, de Batatais para o mundo, surpreendeu com um vozeirão encorpado, de roubar a cena. Ele é tenor de tessitura e de fraseado límpidos, temperados por uma presença de palco que se impõe. Carlos Gonzaga, seu pai na peça, no papel de Giorgio Germont, carrega nos graves com o louvor e a harmonia de uma escola de samba, e como tem de acontecer em La traviata entre os três rola a maior química. Walter White was here.


O público, comovido, aplaude cada vez que pode, sem perder nenhuma oportunidade. Muitos julgam de mau gosto tal comportamento, mas, se pensarmos bem, a música é aplaudida porque ilumina as pessoas ― é o idioma do coração, certo? –, então, está tudo bem. Com os diálogos em português, outro acerto da Cia., nós, o público, vamos nos acertando com o enredo. Pelo teatro, pessoas de todas as idades, de crianças a sesquicentenários amoráveis. Os três atos vêm em apenas um, e em duas horas o espetáculo termina, aplaudidíssimo, com superlativo absoluto sintético e tudo. Vamos cumprimentar os tenores, o maestro, os músicos, e eles estão em estado de graça. Lá fora, quando saímos, cai uma chuva digna, como se os céus resolvessem também lamentar o triste destino de Violetta Valéry, essa personagem das desgraçadas sarjetas da música, da literatura, do cinema, da vida, enfim.





Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 4/7/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
02. Esquerda x Direita de Marta Barcellos
03. Escritor: jovem, bonito, simpático... de Marta Barcellos
04. Suicídio de Marta Barcellos
05. Tarantino, Quentin de Humberto Pereira da Silva


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
03. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos - 4/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NÓS, QUE NÃO SOMOS COMO AS OUTRAS
LUCÍA ETXEBARRIA
OBJETIVA
(2000)
R$ 11,00



GALERIA FOSCA
ÉRICO VERÍSSIMO
GLOBO
(1996)
R$ 29,90
+ frete grátis



PROCURANDO DORY LIVRO DE HISTÓRIA E ATIVIDADES
DISNEY PIXAR
DCL
(2016)
R$ 4,99



PÍLULAS DE OTIMISMO - 1º VOLUME
MARCEL-MARIE DESMARAIS E MARCOS BARBOSA
VOZES
(1972)
R$ 7,00



MARKETING DE ACADEMIA
JURANDIR ARAGUAIA LEITE NETO
SPRINT
(1994)
R$ 12,00



A CAMINHO DA REDENÇÃO SOCIAL
THEODORE CAPLOW
AGIR
(1979)
R$ 20,00



O LAÇO DUPLO
CHRIS BOHJALIAN
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 10,00



DECAMERÃO
GIOVANNI BOCCACCIO
ABRIL
(1970)
R$ 7,90



NANNY PIGGINS 04 - NANNY PIGGINS FAZ JUSTIÇA
R. A. SPRATT
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 11,00



É TUDO TÃO SIMPLES
DANUZA
AGIR
(2011)
R$ 4,00





busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês