A imaginação do escritor | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 25/4/2017
A imaginação do escritor
Renato Alessandro dos Santos

+ de 4400 Acessos


É um autor em ebulição. Quem leu Uma aventura perigosa (Buriti, 2015), agora, tem a oportunidade de ler O pacto (Clube de autores, 2017), e, nessa toada, irá perceber o salto que George dos Santos Pacheco deu em sua empreitada infatigável pelo terreno da ficção; no caso, do romance, forma literária em que a imaginação de um escritor é colocada à prova, e, nesse desafio, o autor levou a melhor.

Se no romance anterior a estrutura simples não comprometia a narrativa, e mesmo ali a imaginação impunha-se já panorâmica, neste, o leitor de George irá se deparar com um autor esforçando-se para encontrar a melhor maneira de contar sua história, e ele, claro, a encontra ao dar voz não apenas ao narrador personagem tradicional, mas a dois personagens, que, cada um a seu tempo, conduzirão a narrativa como orienta a cartilha pós-moderna, e é aí que George acerta.

Um pouco de enredo?

Um anti-herói depara-se diante de ninguém menos do que o próprio Capeta. É que Théo, personagem principal, não é flor que se cheire e, num acordão com o Beiçudo, regressa da morte desmemoriado e, então, traz o leitor para dentro de sua vida. Como a memória dele está em pane, as coisas vão acontecendo sem que ele e o leitor possam entender bem quem é esse personagem-narrador em busca de saber exatamente quem é. Como um quebra-cabeça, as peças só vão encaixar-se lá pelo fim da segunda parte do romance, quando entra Bidu, o segundo personagem-narrador de O pacto.


As cenas de sexo estão de volta, mas não tão explícitas como no romance anterior. Ménage à trois, chifres, estupros, pedofilia têm seu lugar em O pacto, nem sempre de forma gratuita, mas percorrendo um dos caminhos da literatura contemporânea em que o sexo é menos sugerido e mais levado ao primeiro plano narrativo, sem pudor, sem censura. Nenhum demérito, mas o contrário: banir o sexo da literatura seria insistir em um comportamento vitoriano que não diz muito a um século XXI em que ele, o sexo, é esmiuçado com um único clique; a internet está aí, e não há por que torcer o nariz para o que até então, na literatura, vinha escondido lá em meio às lianas narrativas em que muitos leitores nem sequer percebiam o que vinha sugerido. Por que não lembrar da cena de sexo oral de Basílio em Luísa ou das travessuras, digamos assim, de Bovary e de Belle de Jour?

Mas o autor não precisa de sexo para fazer o leitor atravessar seu livro de um lado a outro. O enredo encarregou-se disso. Desde Aristóteles, as peripécias são reconhecidas por suas surpresas, e a coisa não poderia ser diferente aqui: do contato de Théo com – com Houaiss, tome nota: Azucrim, Canheta, Coisa à toa, Mofento, Pé-cascudo, Pé de cabra, Pé de gancho, Pé de pato, Rabudo, Romãozinho, Sapucaio, sim, o Mofino tinhoso, até as máscaras que vão caindo, uma a uma, a narrativa segura-se, deslizando suave como um carrinho de rolimã ladeira abaixo. E nós, apoiando-nos confortáveis, anexados ao brinquedo, de capacete e tudo, vamos descendo a ladeira com George, para depois subir e novamente descer, e subir, num ritmo sempre capaz de fazer os leitores voltarem ao ponto onde pararam a fim de descobrir cada vez mais o que fez Théo antes de perder a memória.


Palmas ao autor, que com O pacto demonstra claramente o que é o passo adiante dado na carreira de um escritor, que, sempre insatisfeito, buscará a forma mais adequada para expressar o que pretende contar debaixo do véu artístico da ficção, algo que o romance, pasto de imaginação, é capaz de oferecer a um artista – como o George, o romancista em ebulição por trás de O pacto.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 25/4/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
04. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
05. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
03. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos - 4/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De fora da arca
Ana Maria Machado e Ziraldo
Salamandra
(1996)



Eurico, o Presbítero - Clássicos de Ouro
Alexandre Herculano - Apresentação Antônio Soares
Ouro
(1969)



Lucréce Borgia
Cecil Saint-laurent
Stock
(1988)



O Aprendiz da Madrugada
Luiz Carlos Lisboa
Gente
(1994)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
ática
(1983)



Dirigindo Com Sabedoria sem o Cd
Tony Gandra
Abrather
(2002)



Direito do Comercio Internacional
Antonio Carlos Rodrigues do Amaral
Edicoes Aduaneiras
(2005)



O vento nas vidraças
Roberto Bittencourt Martins
Lpm
(1983)



História: Sociedade & Cidadania - 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)



Fundamentos da Reforma Íntima
Abel Glaser pelo Espírito Cairbar Schutel
O Clarim
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês