O homem que enfrentou Ulisses | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/7/2011
O homem que enfrentou Ulisses
Luiz Rebinski Junior

+ de 4200 Acessos

Tão revolucionário para os críticos quanto "difícil" (quando não chato) para a maioria dos leitores, Ulisses, de James Joyce, terá mais uma chance de cativar os leitores brasileiros que ainda não foram seduzidos pelo que os críticos do começo do século XX chamaram de "um romance para acabar com todos os romances".

Depois de duas traduções para o português, vertidas pelo homem-dicionário Antonio Houaiss, nos anos 1960, e pela professora carioca Bernardina da Silveira Pinheiro, na metade dos anos 2000, a Penguin/Companhia das Letras publica uma nova versão do "romance-monumento" de Joyce em 2012, quando o livro comemora 90 anos.

O corajoso a se aventurar no emaranhado linguístico do irlandês se chama Caetano Waldrigues Galindo. Tradutor de autores como Ali Smith e Thomas Pynchon, outro ás da literatura experimental de língua inglesa, Galindo é professor do curso de Letras da Universidade Federal do Paraná.

Iniciada em 2002, a tradução de Galindo ficou "de molho" durante anos por conta da edição que a editora Objetiva colocou na praça em 2005. Mas há males que vem pra bem. Em 2012, ano de lançamento da nova tradução, Galindo terá "38 anos e alguns meses", a mesma idade de Leopold Bloom, o personagem central do épico de Joyce. Uma coincidência boba para qualquer um, menos para quem dedicou dez anos de sua vida ao senhor Joyce e suas invenções literárias.

1. Ulisses já tem duas traduções em português. A primeira de Antonio Houaiss e a segunda, considerada mais palatável, da professora Bernardina da Silveira. Por que uma nova tradução e em que o seu texto se distingue dos anteriores?

Eu estava trabalhando na minha tradução ao mesmo tempo em que a professora Bernardina. Com o lançamento da tradução dela, a minha ficou "de molho". Por que valia a pena fazer mais uma? Porque eu ainda acho que as existentes não deram conta de cobrir aspectos do romance que eu acho relevantes. A minha tradução pretende se distinguir precisamente por isso, por tentar responder mais "na mesma moeda" à variedade de estilos, à criatividade e ao tom geral do romance.

2. Uma das críticas à tradução de Houaiss, é que ela deixou o texto de Joyce muito sisudo, sem a oralidade do original. Como você resolveu esse problema?

Não sendo sisudo. Brincando mais com o texto. Divertindo-me mais.

3. Quando leu o livro a primeira vez e quantas vezes já o fez desde então? Quantos anos de trabalho essa tradução lhe tomou?

Comecei a ler o Ulisses em 1997. De lá pra cá devo ter lido, de capa a capa, umas sete ou oito vezes, e inúmeras leituras de trechos isolados e audições das gravações do livro. Essa tradução começou a ser feita em 2002. Quando for publicada, será um trabalho de 10 anos. (Nessa de datas e prazos, acho curioso que, no fim, a tradução vai sair quando eu tiver exatamente a mesma idade de Leopold Bloom durante a ação, 38 anos e alguns meses).

4. Quando sentiu que tinha condições de iniciar o trabalho? A ideia lhe surgiu a partir de seus estudos sobre tradução na Universidade, não?

Nunca senti que tinha condições. Duvido disso até hoje! Senti que tinha vontade. Mais do que isso, que tinha necessidade, pra poder entender de fato o livro (num sentido do verbo que é meio importante pra mim). E na verdade comecei a traduzir o Ulisses antes de me dedicar à prática e ao estudo da tradução. Posso dizer que foi com ele que comecei essas duas "carreiras". De lá pra cá, com o surgimento do bacharelado em estudos da tradução na UFPR - que é de 2001, mas com o qual eu só fui me envolver mais diretamente depois da minha defesa, em 2006 - e com a minha atividade mais frequente de tradutor - comecei a publicar traduções comerciais em 2003 -, eu virei alguém "da área" da tradução.

5. Ulisses é daqueles livros mais citados do que lidos. Quem deve se aventurar no livro? É uma obra para iniciados, como se apregoa? Que dica daria ao leitor?

Qualquer leitor versado em literatura séria deve tentar. Se o cara só leu romance pop, ele vai sofrer. Mas um leitor instrumentadinho, leitor de Machado, de Flaubert, tem tudo na mão. E não se trata de um livro para iniciados. Inclusive é um livro iniciante, porque, desde que você preste atenção, ele te ensina como deve lê-lo. Mas, não enganemos ninguém, é um livro difícil pacas. Dicas: Acima de tudo, preste atenção. Tudo tem uma razão. Pergunte sempre por quê. Por que ele disse isso nessa hora? Porque tal personagem pensou isso aqui? Dois: Considere comprar o Ulysses Annotated (Don Gifford), se você gosta de notas de rodapé, de saber as referências históricas, etc. Ou, no mínimo, comprar uma tradução com um aparato, como tem a da Bernardina e como a nossa vai ter. Notas, traduções de termos estrangeiros, etc... Mas lembre, vale toda e qualquer pena.

6. Entre a fidelidade e a invenção, sua tradução pende mais para qual? Que tipo de liberdade tomou no trabalho?

Não sei se dá pra ver a coisa assim. Especialmente no caso de Joyce, onde inventar é ser fiel. Tomei as liberdades com a língua portuguesa e com a tradição da literatura brasileira que Joyce tomou com a língua inglesa. Ou seja, não se trata de invencionismo, mas sim de levar os limites da língua e da tradição até onde eles possam ir. O texto do Ulisses, na verdade, é surpreendentemente "normal" se você pensar em termos guimarãesrosianos, por exemplo. De "neologismos". É no tecido geral da coisa que está a maior graça. Na sintaxe, por exemplo. E aí você precisa seguir o homem.

7. Você também é professor da Universidade Federal do Paraná. Como concilia o trabalho de professor com o de tradutor?

Não sei. O que eu sei é que tenho dado conta. Os meus "índices de produtividade" não deixam a desejar na Universidade. A minha única sorte é que eu sou rápido. Traduzo rápido. Preparo aula rápido. Aí o tempo rende um pouco mais, acho.

8. Você ainda é bastante jovem, tem menos de quarenta anos, terá muitas traduções ainda. Mas, na literatura de língua inglesa, há desafio maior e mais complexo para um tradutor do que Ulisses?

Jovem! Legal... Bem, tem o Finnegans Wake, sempre. O maior de todos os desafios, se você quiser. Mas, dentre os romances "normais", provavelmente não.

9. O que achou de Bloom, a versão cinematográfica de Ulisses, filmada pelo cineasta Sean Walsh?

Bacaninha. Mas ainda falta o filme do Ulisses. Quem sabe agora com os direitos liberados alguém de mais peso se anima.

10. O sobrinho-neto de Joyce, que controla os direitos autorais do autor, é conhecido por embargar projetos relacionados à obra do avô. Houve algum empecilho desse tipo na sua tradução?

Pé de pato, mangalô três vez! Até agora nada. E, afinal, com o domínio público em 2012 e o fato de que nós estamos usando apenas o texto Penguin, de comum acordo com a Penguin, tudo está à prova de Stephen James Joyce.

11. Você também já traduziu Thomas Pynchon e é um estudioso da obra de Beckett. A linguagem experimental está no centro de seu trabalho?

Só escrevi duas ou três coisinhas sobre Beckett. Gosto sim, dos autores mais inventivos. Como gosto pessoal. E acaba que agora, na Companhia das Letras, as traduções que me oferecem tendem mais pra esse lado.

12. Aliás, sobre Pynchon, qual é, em sua opinião, a chave para entender e gostar do texto polifônico do autor?

É parecido com Joyce. Nisso das "chaves". Paciência, interesse pelo "puzzle", senso de humor -sempre tem que dizer isso. Os dois têm e precisam de um leitor com muito humor. E algo tendente ao "bizarro" às vezes. E, acima de tudo, o de sempre da grande literatura: Interesse por conhecer melhor o ser humano.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vida conjugal de Guilherme Pontes Coelho
02. Os clássicos e o leitor de hoje de Lolita Beretta
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito de Jardel Dias Cavalcanti
04. A sombra de Saramago de Wellington Machado
05. O melhor do jazz em 2006 de Jonas Lopes


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUEM DEUS ASAS AO HOMEM: ALBERTO SANTOS-DUMONT SUA VIDA SUA
HENRIQUE DUMONT VILLARES (CAPA DURA)
INST NACIONAL DO LIVRO (RJ)
(1957)
R$ 45,28



O MAIOR PRESENTE DO MUNDO
OG MANDINO; BUDDY KAYE
RECORD
(1994)
R$ 9,00



PECAR E PERDOAR
LEANDRO KARNAL
HARPER COLLINS
(2014)
R$ 20,00



EMIGRAÇÃO - EM DEFESA DOS PORTUGUESES NO ESTRANGEIRO
EDUARDO NEVE
JOMEC (RJ)
(2005)
R$ 8,82



PRINCIPIOS ELEMENTARES DA SCIENCIA DAS FINANÇAS
ELPIDIO FIGUEIRÊDO
ND
(1909)
R$ 187,57



PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - AMÉRICA CENTRAL E DO SUL VOL 8
UNESCO
BARSA PLANETA
(2000)
R$ 59,00



CAVALEIRO DAS TREVAS III - A RAÇA SUPERIOR - LIVRO CINCO
MILLER / AZZARELLO / KUBERT / JANSON
PANINI
(2016)
R$ 7,90



TROUS NOIRS: LEXPLICATION SCIENTIFIQUE DE LUNIVERS EN CONTRACTI
ISAAC ASIMOV
LETINCELLE
(1978)
R$ 49,28



A CASA DO PENHASCO 8ª ED.
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1987)
R$ 16,00
+ frete grátis



A PELEJA - ARTE PARA CRIANÇA - ARTE POPULAR
DAVID CAMARGO MACHADO
BERLENDIS & VERTECCHIA
(2005)
R$ 9,90





busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês