O homem que enfrentou Ulisses | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> Los Misterios Rosacruces de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Rosa Cruz de Krumm Heller pela Kier (1944)
>>> Los Raja y Hatha Yogas de Ernesto Wood pela Schapire (1949)
>>> Autodefensa Psiquica de Dion Fortune pela Luiz Cárcamo (1979)
>>> Filosofia Elementar da Rosacruz Moderna de J. Van Rijckenborgh pela Lectorium Rosicrucianum (1975)
>>> Jesus (La Mision de Cristo) de Eduardo Schuré pela Victor Hugo (1944)
>>> Amor e Sabedoria de Emmanuel de Clovis Tavares pela Calvário (1970)
>>> Rosa Esoterica de Krumm Heller pela Kier (1938)
>>> Manual Informativo do Membro da Sociedade Teosófica de Armando Sales pela Sociedade Teosófica (1951)
>>> Cartas da prisão de Frei Betto pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Los Antiguos Simbolos Sagrados de Ralph M. Lewis F.R.C. pela Suprema Gran Logica de Amorc (1950)
>>> El Hijo de Zanoni de Sévaka pela Mexicana (1975)
>>> Em Busca da Verdade de Ruth Montgomery pela Record (1967)
>>> Recolecciones de un Místico ( La Fraternidad Rosacruz) de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Enseñanzas de un Iniciado de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Principios Rosacruces de H. Hogar y los Negocios pela Gran Logica Suprema de Amorc (1929)
>>> Cristificacion Lecciones de Cultura Superior del Alma de R. Swinburne Clymer pela Kier (1946)
>>> Astrodiagnosis guia para la Curacion de Max Heindel pela Kier (1946)
>>> Misterios de las Grandes Operas de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Libertadores da América a Maçonaria e a Emancipação dos povos Americanos de A. Tenório D'Albuquereque pela O Malhete (1959)
>>> Filosofia Rosacruz en perguntas y Respuestas de Max Heindel pela The Rosicrucian
>>> Mensagens de vida de Carlos Augusto pela Celd (1995)
>>> O Espírito de Cornélio Pires de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1966)
>>> Filigranas de Luz de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1986)
>>> Gabriel Delame sua vida seu apostolado e sua obra de Paul Bodier pela União Espírita Francesa (2001)
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/7/2011
O homem que enfrentou Ulisses
Luiz Rebinski Junior

+ de 4000 Acessos

Tão revolucionário para os críticos quanto "difícil" (quando não chato) para a maioria dos leitores, Ulisses, de James Joyce, terá mais uma chance de cativar os leitores brasileiros que ainda não foram seduzidos pelo que os críticos do começo do século XX chamaram de "um romance para acabar com todos os romances".

Depois de duas traduções para o português, vertidas pelo homem-dicionário Antonio Houaiss, nos anos 1960, e pela professora carioca Bernardina da Silveira Pinheiro, na metade dos anos 2000, a Penguin/Companhia das Letras publica uma nova versão do "romance-monumento" de Joyce em 2012, quando o livro comemora 90 anos.

O corajoso a se aventurar no emaranhado linguístico do irlandês se chama Caetano Waldrigues Galindo. Tradutor de autores como Ali Smith e Thomas Pynchon, outro ás da literatura experimental de língua inglesa, Galindo é professor do curso de Letras da Universidade Federal do Paraná.

Iniciada em 2002, a tradução de Galindo ficou "de molho" durante anos por conta da edição que a editora Objetiva colocou na praça em 2005. Mas há males que vem pra bem. Em 2012, ano de lançamento da nova tradução, Galindo terá "38 anos e alguns meses", a mesma idade de Leopold Bloom, o personagem central do épico de Joyce. Uma coincidência boba para qualquer um, menos para quem dedicou dez anos de sua vida ao senhor Joyce e suas invenções literárias.

1. Ulisses já tem duas traduções em português. A primeira de Antonio Houaiss e a segunda, considerada mais palatável, da professora Bernardina da Silveira. Por que uma nova tradução e em que o seu texto se distingue dos anteriores?

Eu estava trabalhando na minha tradução ao mesmo tempo em que a professora Bernardina. Com o lançamento da tradução dela, a minha ficou "de molho". Por que valia a pena fazer mais uma? Porque eu ainda acho que as existentes não deram conta de cobrir aspectos do romance que eu acho relevantes. A minha tradução pretende se distinguir precisamente por isso, por tentar responder mais "na mesma moeda" à variedade de estilos, à criatividade e ao tom geral do romance.

2. Uma das críticas à tradução de Houaiss, é que ela deixou o texto de Joyce muito sisudo, sem a oralidade do original. Como você resolveu esse problema?

Não sendo sisudo. Brincando mais com o texto. Divertindo-me mais.

3. Quando leu o livro a primeira vez e quantas vezes já o fez desde então? Quantos anos de trabalho essa tradução lhe tomou?

Comecei a ler o Ulisses em 1997. De lá pra cá devo ter lido, de capa a capa, umas sete ou oito vezes, e inúmeras leituras de trechos isolados e audições das gravações do livro. Essa tradução começou a ser feita em 2002. Quando for publicada, será um trabalho de 10 anos. (Nessa de datas e prazos, acho curioso que, no fim, a tradução vai sair quando eu tiver exatamente a mesma idade de Leopold Bloom durante a ação, 38 anos e alguns meses).

4. Quando sentiu que tinha condições de iniciar o trabalho? A ideia lhe surgiu a partir de seus estudos sobre tradução na Universidade, não?

Nunca senti que tinha condições. Duvido disso até hoje! Senti que tinha vontade. Mais do que isso, que tinha necessidade, pra poder entender de fato o livro (num sentido do verbo que é meio importante pra mim). E na verdade comecei a traduzir o Ulisses antes de me dedicar à prática e ao estudo da tradução. Posso dizer que foi com ele que comecei essas duas "carreiras". De lá pra cá, com o surgimento do bacharelado em estudos da tradução na UFPR - que é de 2001, mas com o qual eu só fui me envolver mais diretamente depois da minha defesa, em 2006 - e com a minha atividade mais frequente de tradutor - comecei a publicar traduções comerciais em 2003 -, eu virei alguém "da área" da tradução.

5. Ulisses é daqueles livros mais citados do que lidos. Quem deve se aventurar no livro? É uma obra para iniciados, como se apregoa? Que dica daria ao leitor?

Qualquer leitor versado em literatura séria deve tentar. Se o cara só leu romance pop, ele vai sofrer. Mas um leitor instrumentadinho, leitor de Machado, de Flaubert, tem tudo na mão. E não se trata de um livro para iniciados. Inclusive é um livro iniciante, porque, desde que você preste atenção, ele te ensina como deve lê-lo. Mas, não enganemos ninguém, é um livro difícil pacas. Dicas: Acima de tudo, preste atenção. Tudo tem uma razão. Pergunte sempre por quê. Por que ele disse isso nessa hora? Porque tal personagem pensou isso aqui? Dois: Considere comprar o Ulysses Annotated (Don Gifford), se você gosta de notas de rodapé, de saber as referências históricas, etc. Ou, no mínimo, comprar uma tradução com um aparato, como tem a da Bernardina e como a nossa vai ter. Notas, traduções de termos estrangeiros, etc... Mas lembre, vale toda e qualquer pena.

6. Entre a fidelidade e a invenção, sua tradução pende mais para qual? Que tipo de liberdade tomou no trabalho?

Não sei se dá pra ver a coisa assim. Especialmente no caso de Joyce, onde inventar é ser fiel. Tomei as liberdades com a língua portuguesa e com a tradição da literatura brasileira que Joyce tomou com a língua inglesa. Ou seja, não se trata de invencionismo, mas sim de levar os limites da língua e da tradição até onde eles possam ir. O texto do Ulisses, na verdade, é surpreendentemente "normal" se você pensar em termos guimarãesrosianos, por exemplo. De "neologismos". É no tecido geral da coisa que está a maior graça. Na sintaxe, por exemplo. E aí você precisa seguir o homem.

7. Você também é professor da Universidade Federal do Paraná. Como concilia o trabalho de professor com o de tradutor?

Não sei. O que eu sei é que tenho dado conta. Os meus "índices de produtividade" não deixam a desejar na Universidade. A minha única sorte é que eu sou rápido. Traduzo rápido. Preparo aula rápido. Aí o tempo rende um pouco mais, acho.

8. Você ainda é bastante jovem, tem menos de quarenta anos, terá muitas traduções ainda. Mas, na literatura de língua inglesa, há desafio maior e mais complexo para um tradutor do que Ulisses?

Jovem! Legal... Bem, tem o Finnegans Wake, sempre. O maior de todos os desafios, se você quiser. Mas, dentre os romances "normais", provavelmente não.

9. O que achou de Bloom, a versão cinematográfica de Ulisses, filmada pelo cineasta Sean Walsh?

Bacaninha. Mas ainda falta o filme do Ulisses. Quem sabe agora com os direitos liberados alguém de mais peso se anima.

10. O sobrinho-neto de Joyce, que controla os direitos autorais do autor, é conhecido por embargar projetos relacionados à obra do avô. Houve algum empecilho desse tipo na sua tradução?

Pé de pato, mangalô três vez! Até agora nada. E, afinal, com o domínio público em 2012 e o fato de que nós estamos usando apenas o texto Penguin, de comum acordo com a Penguin, tudo está à prova de Stephen James Joyce.

11. Você também já traduziu Thomas Pynchon e é um estudioso da obra de Beckett. A linguagem experimental está no centro de seu trabalho?

Só escrevi duas ou três coisinhas sobre Beckett. Gosto sim, dos autores mais inventivos. Como gosto pessoal. E acaba que agora, na Companhia das Letras, as traduções que me oferecem tendem mais pra esse lado.

12. Aliás, sobre Pynchon, qual é, em sua opinião, a chave para entender e gostar do texto polifônico do autor?

É parecido com Joyce. Nisso das "chaves". Paciência, interesse pelo "puzzle", senso de humor -sempre tem que dizer isso. Os dois têm e precisam de um leitor com muito humor. E algo tendente ao "bizarro" às vezes. E, acima de tudo, o de sempre da grande literatura: Interesse por conhecer melhor o ser humano.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 20/7/2011


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. O beatle George - 23/2/2011
02. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CÓDIGO SECRETO DAS CATEDRAIS
TIM WALLACE MURPHY
PENSAMENTO
(2007)
R$ 23,90



AMOR E SEUS MULTIPLOS
CLAUFE RODRIGUES
RECORD
(1997)
R$ 4,48



OS MAIORES CRIMES DE TODOS OS TEMPOS - DOCUMENTÁRIO
IZABELLE VALLADARES & JANDUÍ MACEDO
LITERARTE
(2011)
R$ 14,00



UMA ANÁLISE HISTÓRICO-EPISTEMOLÓGICA DO CONCEITO DE GRUPO
JOÃO CLÁUDIO BRANDEMBERG
LIVRARIA DA FÍSICA
(2010)
R$ 36,00



ENSAIOS DE SOCIOLOGIA GERAL E APLICADA
FLORESTAN FERNANDES
LIVRARIA PIONEIRA
(1971)
R$ 6,00



A COROA DE ORQUIDEAS - E OUTROS CONTOS DE A VIDA COMO ELA É...
NELSON RODRIGUES
CIA DAS LETRAS
(1993)
R$ 35,90
+ frete grátis



CRIAÇÃO DE GALINHAS
J. REIS

R$ 13,00



PAPA-CAPIM NOITE BRANCA
MARCELA GODOY E RENATO GUEDES
PANINI COMICS
(2016)
R$ 31,90



PALCO DAS ENCARNAÇÕES
VERA LÚCIA MARINZECK / ANTÔNIO CARLOS
PETIT
(1996)
R$ 10,00



AS AVENTURAS DE FLORIBELLA
PATRICIA MORETZSOHN
LANDSCAPE
(2006)
R$ 6,82





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês