Meus melhores discos de 2008 | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> Dom João Vl no Brasil de Oliveira Lima pela Topbooks (2020)
>>> Gibi Chico Bento N°34 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Dom Casmurro de Assis, Machado de pela Abc (2020)
>>> Ditadura à brasileira: 1964-1985 a democracia golpeada à esquerda e à direita de Villa, Marco Antonio pela Leya (2020)
>>> Gibi Turma da Mônica N° 62 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2012)
>>> Diritto internazionale de Cannizzaro, Vincenzo pela la mia Libreria (2020)
>>> Diogo Antônio Feijó de Caldeira, Jorge pela 34 (2020)
>>> Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos de Vários autores; Schwarcz, Lilia Moritz and Gomes, Flávio pela Companhia das Letras (2020)
>>> Diários de Joaquim Nabuco - Volume Único de Evaldo Cabral de Mello pela Bem-te-vi (2020)
>>> Diários da presidência 1997-1998 (volume 2) de Cardoso, Fernando Henrique pela Contraponto (2020)
>>> Diários da presidência 1995-1996 (volume 1) de Cardoso, Fernando Henrique pela Companhia das Letras (2020)
>>> Diário da Navegação. Brasil 500 Anos de Jonas Soares de Souza pela Uspiana Brasil 500 anos (2020)
>>> Diálogo das grandezas do Brasil de Ambrósio Fernandes Brandão pela Cepe (2020)
>>> Vontade de Potência - Edição Bolso de Friedrich Nietzsche pela Vozes de Bolso (2017)
>>> Desenvolvimento E Subdesenvolvimento de Celso Furtado pela Contraponto (2020)
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Terça-feira, 27/1/2009
Meus melhores discos de 2008
Rafael Rodrigues

+ de 5900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Apesar de ter decidido no mês de maio qual seria o meu disco do ano de 2008, algumas boas surpresas foram aparecendo nos meses seguintes. Tão boas que eu, que nunca me arrisquei a escrever sobre música aqui no Digestivo, resolvi fazer minha lista de melhores CDs de 2008, fechando, assim, a minha trilogia dos melhores, iniciada com os filmes e seguida pelos livros.

Quando fazemos uma lista de "melhores", fica subentendido que as escolhas são pessoais, limitadas pela quantidade de produtos culturais aos quais tivemos acesso. É humanamente impossível ouvir todos os discos lançados durante um ano, ou ler todos os livros, ou assistir a todos os filmes. Portanto, os discos abaixo listados são os melhores discos que ouvi dentre os que comprei ou ganhei em 2008.

O retorno de Saturno, do Detonautas Roque Clube ― Conheci o Detonautas na mesma época em que quase todo mundo, por causa de uma música do primeiro disco deles que fez parte da trilha sonora de Malhação. Só isso já me fez ignorar a banda. Ao menos até sair o segundo CD do grupo, Roque Marciano, que é um discaço e, na minha opinião, fica atrás apenas deste O retorno de Saturno, que sucede Psicodeliamorsexo&distorção (sendo este último um bom disco, mas muito desigual, uma tentativa malsucedida de "crescer").

Mas, enfim, falemos de O retorno de Saturno, um disco excepcional. Depois de flertar com o rock sujo no disco anterior, com guitarras pesadas, baterias violentas e linhas de baixo que podem causar terremotos, o Detonautas resolveu investir em um disco mais calmo ― mas nem por isso menos rock, talvez até mais, porque rock, para mim, é atitude ―, coeso, engajado e com uma presença maior dos violões, deixados um pouco de lado no Psicodeliamorsexo&distorção.

Entre o terceiro e este quarto CD a banda perdeu, para a violência que impera no Rio de Janeiro, um de seus integrantes, o guitarrista Rodrigo Netto, assassinado em um assalto. O grupo, que já era politizado, passou a ser ainda mais, com destaque para a atuação de Tico Santa Cruz, o vocalista, em protestos públicos, ONGs, em seu blog e em suas próprias letras e escolhas musicais. Uma das canções, "Verdades do mundo", é dedicada a Rodrigo. Outra, "Ensaio sobre a cegueira", tem a participação do poeta Edu Planchêz, declamando um belíssimo poema seu chamado "Filhos da morte burra", que tem versos assim: "Jovens/ sem nenhuma utopia/ caminham tensos pelas ruas de suas casas velhas sem nenhuma luz" e "Os filhos da morte burra,/ desconhecem ou nunca ouviram falar em iluminação;/ abrem a boca apenas para vomitar". A quase acústica "O retorno de Saturno", faixa título que abre o disco, é uma belíssima declaração de amor ("E você não sai do meu pensamento/ E eu me questiono aqui se isso é normal"); o refrão de "Tanto faz", sexta faixa, contradiz seu título e faz uma apologia à determinação: "Mas não venha me dizer/ O que eu devo ou não pensar/ E não ouse me impedir/ Nem dizer o que eu devo ou não devo". A música que mais se aproxima do disco anterior é a última, "Eu vou vomitar em você", uma espécie de "canção de protesto" vigorosa ("Eu não acredito numa palavra do que você diz/ E os seus amigos, eles são patéticos demais pra mim/ O seu ar de intelectual é o que há de mais escroto em você/ Seus preconceitos, seus argumentos").

Minha vontade era ter escrito um texto exclusivo sobre O retorno de Saturno, mas meus conhecimentos sobre música ― não passo de um guitar hero frustrado ― não permitem isso (ao menos por enquanto). O que não me impede de dizer que este é um discaço e que, se você não ouviu ainda, ouça. É um álbum inspirador, contestador, barulhento, mas de maneira comedida, controlada; as letras são sóbrias, assim como o instrumental. Nada sobra ou falta. Arrisco dizer que o Detonautas fez um disco quase perfeito, o melhor disco que ouvi em 2008 e o melhor disco de rock brasileiro que ouvi nos últimos tempos.

Chinese Democracy, do Guns N'Roses ― Quando anunciaram que finalmente Axl Rose tinha terminado o Chinese Democracy, não acreditei. Foram tantos adiamentos, tantas notícias de que o álbum estava sendo gravado, que, para mim, o disco já estava virando uma piada. Meu interesse era apenas em saber se o tão prometido álbum iria sair mesmo ou se era uma fábula inventada por Rose para que os holofotes da mídia não o deixassem sozinho no escuro.

Mas eis que, finalmente, depois de mais de dez anos de espera ― Axl Rose e seus comparsas trabalhavam no disco, teoricamente, desde 1997 ― Chinese Democracy chegou às lojas de todo o mundo ― ou quase todo (o disco não pode ser comercializado na China). E os fãs ortodoxos do Guns N'Roses que não gostaram do disco que me perdoem, mas se há algum defeito no álbum é que ele foi calculado, melhorado e pretensioso demais. Afinal, depois de passar dez anos trabalhando num disco, você não pode lançar um, sei lá, Hopes and fears. Tem que lançar algo que pague o dinheiro gasto e a espera dos fãs; algo que valha a pena ser comprado e ouvido dezenas e dezenas de vezes.

Então, o que temos? Mais um disco quase perfeito, a exemplo de O retorno de Saturno. Mas enquanto os brasileiros tentaram simplificar e fazer um disco sóbrio (o que, aliás, conseguiram, não sei por que deixei esse "tentaram"), o que Axl Rose e companhia fizeram foi colocar a megalomania a serviço do rock'n'roll. Cada música é quase uma "ópera-rock". A faixa título, que abre o disco, é eletrizante. Você fica sem saber se toca air drums, se tenta imitar o Axl cantando ou se fica chacoalhando a cabeça feito um louco (air guitar é melhor nem tentar, o solo de guitarra é esquizofrênico, velocíssimo). "Street of dreams" é a melhor música do CD, na minha opinião. Piano do início ao fim, uma orquestrinha por trás, a voz de Axl um tanto melosa, sofrida... É uma canção espetacular. Logo em seguida vem "If the world", não tão rock quanto as outras; as guitarras não são tão vigorosas e rápidas, bem como o vocal, que é mais pausado, digamos assim, mas é uma belíssima canção, muito bem planejada e executada.

Surpreendentemente, Chinese Democracy traz quatorze faixas ― os CDs de bandas americanas estão sendo lançados, quase todos, com somente 10 ou 11 músicas ―, e tem gente dizendo que pelo menos sessenta ficaram de fora. Houve até quem tentasse espalhar um boato, dizendo que a banda estaria pensando em lançar uma outra versão do Chinese, com sobras de estúdio. Seria bom se fosse verdade, mas são apenas rumores. Alguns fãs ortodoxos do Guns não gostaram do resultado, mas paciência. Chinese Democracy é mais um disco excepcional lançado em 2008.

Nós, de Marcelo Camelo ― Ainda vestindo preto por conta do "fim" do Los Hermanos (eles chamam de "recesso por tempo indeterminado"), culpando Marcelo Camelo pela "separação" do grupo, eu disse a uma porção de gente que não queria mais saber dele, que o Amarante é que iria lançar um discaço solo e que Camelo estava sofrendo da síndrome de Chico Buarque. Ou seja: eu estava furioso.

Mas bastou passar alguns meses para eu deixar a birra de lado e voltar a acompanhar a carreira solo do ex-vocalista do Los Hermanos. Quando o disco saiu, ouvi duas faixas no site do cantor e até gostei das músicas, mas não tanto a ponto de baixar as outras. Mesmo assim, coloquei o CD na minha lista de compras e, em dezembro, minha bem-amada me presenteou com ele. Bastou a primeira audição, ainda do lado dela, para decretar que ali estava um dos melhores discos do ano, sem dúvida alguma.

Nós é um álbum que, me parece, conquista o ouvinte aos poucos ― ao menos foi o que aconteceu comigo. A canção que primeiro me fisgou foi "Menina bordada", quase uma música de carnaval baiano ― mas não como essas dos carnavais dos últimos tempos; uma música de verdade. Depois fiquei bobo com a música que abre o disco, "Téo e a gaivota", que tem guitarras tranquilizantes, por assim dizer, calminhas, calminhas, e a voz mansa de Camelo.

Lá pela quarta ou quinta audição, fiquei doente por "Mais tarde", que dá a impressão de se estar em um barco, velejando por algum lugar silencioso e belíssimo do Atlântico. Mais recentemente, a que mais ouvi foi "Copacabana", uma marchinha de carnaval carioca deliciosa e bem-humorada. Um peralta, esse Marcelo Camelo. Pregou-me várias peças. Pensei que seu disco fosse ser algo triste, sofrido, mas não. É um álbum alegre, vivo, com suas doses de melancolia, é claro, mas, no fim das contas, o saldo é positivo. Além disso, enganou toda a mídia, divulgando seu disco com o título de Sou. Descobri a brincadeira e disse que o nome do disco é Nós, como continuo e continuarei chamando o CD, aliás.

Mas agora noto que o nome do disco parece ser, na verdade, Sol. Ora, na capa do disco tem escrito "sóu", sendo que o "ó" está de cabeça pra baixo; e, na última página do encarte, tem escrito "capa poema 'sol' por Rodrigo Linares". Deduzo, portanto, que o disco se intitule Sol, mas continuarei me referindo a ele como Nós, porque é mais poético, mais romântico. Brincadeiras e birras à parte, Marcelo Camelo inicia sua carreira solo com um álbum digno de figurar em qualquer lista de "melhores do ano".


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 27/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A proposta libertária de Gian Danton
02. Guerras sujas: a democracia nos EUA e o terrorismo de Humberto Pereira da Silva
03. O que em silêncio sabemos de Marilia Mota Silva
04. A geração que salvou Hollywood de Gian Danton
05. Um gadget de veludo de Vicente Escudero


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009
05. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/1/2009
14h19min
Parabéns pelo review dos discos. Em destaque, o "Chinese Democracy", um grande trabalho de Axl e cia.
[Leia outros Comentários de Luiz Gustavo]
28/1/2009
18h45min
É... não teve jeito, o mesmo aconteceu comigo em relação ao disco solo do Camelo. É um bom disco para se acordar ouvindo.
[Leia outros Comentários de Gabriel Pardal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENCICLOPÉDIA MÉDICA DA FAMÍLIA MODERNA O CORPO DO SADIO VOLUME 4
ENCICLOPÉDIA MÉDICA DA FAMÍLIA MODERNA
MELHORAMENTOS
(1977)
R$ 7,90



PERENNIAL PLEASURES
THE METROPOLITAN MUSEUM OF ART
THE METROPOLITAN MUSEUM OF ART
(1993)
R$ 12,00



HISTORIA DE AVARÉ
FLORA E PASCHOAL BOCCI
ALVARO ABUJAMARA
(1983)
R$ 11,87



UM ESTRANHO NO ESPELHO
SIDNEY SHELDON
CÍRCULO DO LIVRO
(1983)
R$ 9,80



A LEI DAS RECUPERAÇÕES COMENTADA E COMPARADA
CLÓVIS ANTÔNIO MALUF
EDIFIEO
(2006)
R$ 12,00



OS PIORES TEXTOS DE WASHINGTON OLIVETTO
WASHINGTON OLIVETTO
PLANETA
(2004)
R$ 7,50



SENSELESS SECRETS
MICHAEL LEE LANNING
CAROL PUBLISHING
(1996)
R$ 20,00



TOURING THE CAPE PENINSULA AND WINELANDS (ÁFRICA DO SUL)
BRIAN JOHNSON BARKER
STRUIK TIMMINS
(1991)
R$ 19,28



GRAVATAS DE PEDRA. COMPETENCIAS, MITOS E HEROIS
MARCELO MARQUES GALVAO
QUALITYMARK
(2006)
R$ 12,00



I MITI DEL NOSTRO TEMPO
UMBERTO GALIMBERTI
FELTRINELLI
(2013)
R$ 300,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês