Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Memórias de Adriano de Marguerite Yourcenar pela Record (1951)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham pela Harper Collins (2017)
>>> Livro - O Boi Cor-de-rosa de Jorge Miguel Marinho pela Peirópolis (2007)
>>> O herói improvável da sala 13B de Teresa Toten pela Bertrand Brasil (2016)
>>> Estrela Distante - Coleção Folha Literatura Íbero-Americana de Roberto Bolaño pela Folha de S. Paulo (2012)
>>> Livro - A Fábula da Convivência de Lecticia Dansa; Salmo Dansa pela Ftd (2002)
>>> Obras de Edgar Allan Poe de Edgar Allan Poe pela Pandorga
>>> Livro - Meu Primeiro Livro de Contos de Fadas de Mary Hoffman pela Companhia das Letrinhas (2014)
>>> Atlas da Culinária na Baía de Todos os Santos de Jailson de Andrade, Vanessa Hatje, Gal Meirelles, Núbia Ribeiro pela Edufba (2013)
>>> Morri Para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Livro - A Civilização Inca de Rosana Bond pela Atica (2015)
>>> Abril Vermelho de Santiago Roncagliolo pela Alfaguara (2007)
>>> Ansiedade 3 Ciúme o medo da perda acelera a perda de Augusto Cury pela Benvirá
>>> Marx (Sem Ismos) de Francisco Fernández Buey pela Ufrj (2022)
>>> Livro - A Ave-maria de Natália Maccari pela Paulinas (2013)
>>> A Arte de ter Razão de Arthur Schopenhauer pela Martins Fontes (2017)
>>> Um pedido às estrelas de Priscille Sibley pela Benvirá (2013)
>>> Livro - Sambura de Lendas de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Leya (2011)
>>> Em má companhia/ O músico cego - 2 volumes de Vladimir Korolenko pela Carambaia (2016)
>>> Conversas com Gestores de Ações Brasileiros de Luciana Seabra pela Penguin (2018)
>>> Pérolas Negras Primeiros Fios: Experiências Artísticas e Culturais nos Fluxos Entre África e Brasil de Roberto Conduru pela EdUerj (2013)
>>> Socorro, caí dentro do videogame de Dustin Brady pela Milk Shakespeare (2021)
>>> Livro - X-Men - Mutant Genesis de Chris Claremont, Jim Lee pela Marvel
>>> Livro - Dicionário Infantil Ilustrado de Douglas Tufano pela Moderna (2011)
>>> O Conde de Monte Cristo de Heloisa Prieto pela Ftd (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 15/5/2018
Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5100 Acessos



Na sua obra denominada Cães (2105), Egas decidiu dar forma à fúria animal. Para isso, colocou no centro da tela dois grupos de cães que parecem prontos para se enfrentarem numa luta enraivecida.

Com pinceladas indomesticáveis, o artista cria o grupo dos animais com suas bocas arregaladas, exibindo dentes poderosos, olhos insanos e línguas expostas como se babassem a sua ira. São cães que de forma alguma lembram dóceis animais domesticados. Ao contrário, movimentam-se dentro de uma tensão que está pronta para explodir na ira de uns contra os outros ou de quem se aproximar.

Diante de tanta energia concentrada nas pinceladas livres e nas cores quentes, o quadro acaba servindo como uma metáfora da própria pintura de Egas: um gestual poderoso que se arremessa sobre o espectador como as luvas de Mohamed Ali quando acertam seu oponente levando-o a nocaute.

Em Cães, uma tela sem descanso para o movimento, nossa consciência vacila diante da pulsão livre das formas amplas criadas por pinceladas que não sofrem o constrangimento das linhas. As massas pictóricas se ampliam por todos os animais do quadro, ressaltando, sob o efeito subjetivo das cores e da tensão da força muscular dos animais, seu poder de destruição – sentimo-nos como se estivéssemos numa sala de concerto, tomados pela impositiva música de um grande compositor.

A deformação dos cães, sempre levada ao extremo, amplia ainda mais o efeito de sua ira. Mais do que isso, leva a grandeza dos elementos como a cor e as pinceladas à sua máxima amplitude. Alquebrados por sua ira, os cães precisam também ser alquebrados na forma de sua representação. E Egas é um mestre nesse sentido, pois sabe levar o estado interior dos seres para a própria carnalidade dos corpos que representa. E corpos para o artista não são nada mais do que a vibração de massas pictóricas descontroladas, cores poderosamente subjetivas e composições arrojadas onde a realidade se submete sempre aos ditames da imaginação do pintor.

Para que o estado de apreensão diante da cena nos comova, Egas não precisou colocar os cães se devorando. Bastou agitar as formas que criam seus gestos e o grotesco de suas afeições para que pudéssemos intuir o tom do rugido que a cena pressupõe. O medo que o confronto eminente dos cães sugere paira no quadro justamente dentro das deformações onde as pinceladas parecem se bater umas contra as outras como se cães raivosos fossem.

Violetas, amarelos, vermelhos, brancos e alaranjados que formam os cães através de um uso bastante pastoso das tintas se destacam sobre o chão verde e vermelho e o fundo escuro do alto da tela, onde as pinceladas são mais contidas.

Egas sempre trabalhou com essa contraposição de massas pictóricas, buscando acentuar o drama que se desenrola nos personagens que habitam o centro de suas telas. Essa guerra que se anuncia em bocas arregaladas, dentes afiados e musculaturas tensionadas de cães raivosos tem, assim, seu cenário perfeito.

Tintas espessas geradas por pinceladas bruscas, espátulas agitadas, cabos de pincéis descontrolados e, por vezes, até a própria mão do artista, definem a sua poética: a cor é dominante, mas precisa ser eletrocutada pela energia que surge a partir da movimentação das massas de tinta que só o olho e as mãos de um grande artista conseguem produzir.

NOTA SOBRE O ARTISTA:

Egas Francisco é pintor, desenhista, aquarelista e cenógrafo. Nasceu em São Paulo em 1939 e reside atualmente em Campinas, onde mantém seu atelier.

Na juventude frequentou os cursos do MASP, MAM e Pinacoteca, em São Paulo. Participou, dentre outras mostras: Grupo Hoje, MAC/Campinas; Coletiva Bosch/MASP, Bienal de Udine, Itália. Sobre sua obra escreveram os seguintes críticos: Alberto Beuttenmüller, Mário Schenberg, J. Toledo, Paulina Kaz, José Geraldo Vieira, Régis de Moraes, dentre outros.

Fez exposições individuais em Salvador, Campinas, Rio de Janeiro, Gênova, Bergamo, Milão, Stuttgart, Buenos Aires, Amsterdam, Frankfurt, Brasília, etc.

Tem obras em acervos da Europa e América: Museu de Arte de Murcia (Espanha), Laboratório degli Artisti (Udine), Pinacoteca Garcia Lorca (Granada, Espanha), Amigos del Arco (Madri), Museu de Unicamp (Campinas), MACC (Campinas), Monastério dos dominicanos (RJ), dentre outras pinacotecas e museus.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 15/5/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O mundo é pequeno demais para nós dois de Renato Alessandro dos Santos
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
04. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
05. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
03. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos - 16/10/2018
04. Goeldi, o Brasil sombrio - 20/11/2018
05. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mulher - Dicas para Construir o Sucesso Feminino
Catalina Isnardi Morgenthaler
vozes
(1999)



O Feiticeiro e seu Aprendiz - Escritos Herméticos Desconhecidos
S. L. MacGregor Mathers e J. W. Brodie-Innes
pensamento
(1983)



A Cidade de Quatros Portas
Doris Lessing
Record
(1969)



Muito Prazer! Eu Sou a Felicidade
Diverso
Clareon
(2007)



Eu Mexi no Seu Queijo
Darrel Bristow Bovey
Bertrand Brasil
(2000)



O Piloto de Hitler - A vida e a época de Hans Baur
C. G. Sweeting
Jardim dos Livros
(2011)



Livro - Suave é a Noite
F. Scott Fitzgerald
Nova Cultural
(2003)



Lady Frida
M. Maryan
Gautier & Languereau
(1927)



O Outro Jesus Segundo os Evangelhos Apócrifos
Antonio Piñero
paulus
(2002)



A Profecia das Pedras
Flavia Bujor
Planeta Jovem
(2003)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês