Gênios | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dois Dobrado - Show especial de São João
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Olimpíadas sentimentais
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> O que é canção, por Luiz Tatit
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Uma jornada Musical
>>> Evan Williams por Battelle
>>> Um Furto
>>> Jovens blogueiros, envelheçam (extras)
Mais Recentes
>>> Psicopedagogia Clínica - Uma Visão Diagnóstica dos Problemas de Aprendizagem Escolar de Maria Lúcia Lemme Weiss pela Lamparina (2008)
>>> Colaboração Premiada - doutrina e prática de Clayton da Silva Bezerra - Giovani Celso Agnoletto pela Mallet (2016)
>>> Babies Love Cuidado melhor do seu Filho, da Gravidez aos 3 anos - The Carpenters de Vários Autores pela Innovant
>>> Homossexualidade sob a ótica do Espírito Imortal de Andrei Moreira pela Ame (2014)
>>> A Grande Mudança de Nicholas Carr pela Landscape (2008)
>>> Livro Calculo Aplicado Deborah Hughes Hal Ed. 2005 de Deborah Hughes-hallett pela Fisicalbook (2005)
>>> Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Nada Easy de Tallis Gomes pela Gente (2017)
>>> A revolução de um talento de Aluizio A Silva pela Vinha (2011)
>>> As Upstarts - Como a Uber, o Airbnb e as Killer Companies do novo Vale do Silício estão mudando o mundo de Brad Stone pela Intrinseca (2017)
>>> Sem Medo de Viver de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Principios De Fisica Vol 2 de Raymond A. Serway pela Cengage (2004)
>>> Filosofia Para Todos de Gianfranco Morra pela Paulus (2001)
>>> Meditando com os metres dos 7 raios de Maria Silvia pela Madras (2004)
>>> An Introduction To The Physics Of Semiconductor Devices (the Oxford Series In Electrical And Computer Engineering) de David J. Roulston pela Oxford University Press (1998)
>>> Manual De Mães E Pais Separado de Marcos Wettreich pela Ediouro (2006)
>>> Manual Para Não Morrer De Amor de Walter riso pela Academia (2017)
>>> Mães De Milhares De Milhares de Márcia Silva pela Vinha (2023)
>>> Patologia Geral - Bogliolo - 3ª Ed. de Brasileiro Filho Geraldo pela Guanabara (2004)
>>> Como Ensinar Seu Bebê A Ler: A Suave Revolução de Glenn e Janet Doman pela Madras (2018)
>>> A Face Cinza da Fé de Jader Guterres Hoffmeister pela Feic (2014)
>>> Introducao A Ciencia Da Computacao de Enrico Giulio Franco Polloni pela Cengage (2003)
>>> Para Tão Longo Amor Tão Curta a Vida de Luís de Camões pela Ftd
>>> Fundamentos de um ministério frutífero de Aluizio A Silva pela Vinha (2018)
>>> Como Passar Em Provas E Concursos de William Douglas pela Impetus (2024)
COLUNAS >>> Especial Gênio

Quarta-feira, 4/2/2009
Gênios
Luiz Rebinski Junior
+ de 5400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Nas rodas de bar, um dos passatempos mais fascinantes e inúteis é a catalogação de jogadores de futebol. O exercício é tão saboroso quanto desprovido de serventia. Afinal, quase nunca se chega a lugar nenhum quando o objetivo é classificar "os melhores de todos os tempos". Em geral, as categorias são três, mas podem variar de acordo com os integrantes da mesa. São elas: "bom jogador", "craque" e "gênio". Os classificados como "bons" são muitos (Raí, Adriano, Aldair, Bebeto, Leandro, Paulo César Caju etc.); "craques", há de punhados também (Djalminha, Roberto Dinamite, Reinaldo, Gerson, Zico, Sócrates, Tostão, Falcão, Rivelino, Júnior etc.); já os "gênios", esses são escassos até mesmo nas rodas menos criteriosas. Pelé e Maradona são figuras fáceis. Puskás, Garrincha, Di Stéfano e Romário são passíveis de citação. Mas há sempre aqueles que acham, por exemplo, que Ronaldinho Gaúcho pode fazer parte desse seleto time. E achar, nessa discussão, é o que mais pode. Pois classificar alguém como gênio é algo tão abstrato que não se pode recriminar nem mesmo aquele míope que acha o Junior Baiano um baita craque.

Isso acontece porque, no futebol, não há parâmetros minimamente eficazes para se decretar que um é craque, outro é gênio e o resto é resto. Se o critério, por exemplo, fosse o número de gols marcados, Túlio Maravilha, o jogador-vereador, estaria na cola de Pelé e já teria deixado para trás gente como Zico, Falcão e Careca. Mas nem com três mil gols Túlio amarraria a chuteira dessa turma. Portanto, se há alguma chance de pontuar gênios no mundo da bola sem que isso se torne uma brincadeira de bar, eu desconheço. Pode-se, claro, definir parâmetros, mas nunca se chegará a um consenso. Como fazer, por exemplo, que um argentino entenda que por mais brilhante que Maradona tenha sido, foi inferior a Pelé? Para grande parte dos amantes do futebol, é praticamente uma heresia contestar a genialidade de Pelé, mas não para um argentino.

Também refuto as correntes que acreditam que o gênio é uma espécie de aberração da natureza às avessas, que nasceu com cérebro mais avantajado e, por isso, tem mais capacidade do que aqueles considerados normais. E o exemplo mais claro disso está naquele que é, de forma quase unânime, aclamado como o maior gênio do século XX.

Desde 1955, quando Albert Einstein morreu e seu cérebro foi embalsamado pelo médico Thomas Harvey, nunca se confirmou a hipótese de que o cérebro do físico alemão se diferenciasse do cérebro de gente de inteligência normal. O que se sabe é que o cérebro de Einstein era 15% mais largo, em uma região chamada parietal, do que o de pessoas normais. Ainda com essa diferenciação, o cérebro de Einstein se assemelha, anatomicamente, aos cérebros de outros matemáticos e físicos que não são considerados gênios. O que quer dizer que se há alguma diferença de ordem física nos gênios, a neurologia ainda não demonstrou. Ou porque não tem meios suficientes para tal (o ideal, dizem os especialistas, seria estudar o cérebro de Einstein em funcionamento, ou seja, fazer o estudo da mente e não do cérebro do cientista), ou porque realmente essa diferenciação não existe.

Por isso, sou daqueles que, como Harold Bloom, o supercrítico americano que ousou apontar quem são os 100 gênios da literatura mundial, acham que genialidade é uma questão que passa ao largo da anatomia humana ou da configuração genética. Para Bloom, a genialidade está diretamente ligada à originalidade. Duas palavras que soam como sinônimos e que levam, invariavelmente, à máxima tão batida do "talento (ou genialidade) é 10% inspiração e 90% transpiração".

É claro que, aliado ao esforço, há uma "propensão natural" dos gênios à atividade que se dedicam. E não me perguntem o que é essa tal "propensão natural" porque nem eu nem a ciência sabemos responder. O que fez, além da conjuntura social e influência da família, Mozart escolher, aos cinco anos, a música como profissão? Por que não foi ser pintor? E se fosse pintor, seria gênio? Como ainda não podemos responder a esse tipo de pergunta, prefiro acreditar que os fatores externos (influência, dedicação, empenho etc.) é que são determinantes para o surgimento de um gênio. Nunca li um grande escritor que não fosse um grande leitor. Mas e se Dostoiévski tivesse colocado toda a sua obsessão literária a serviço da música, estaria hoje na lista dos maiores compositores de todos os tempos? O que seria de Darwin se não embarcasse no Beagle?

Há exemplos que podem sugerir respostas. Como não sou elitista, e consigo ver originalidade na música pop, sempre achei Bob Dylan o artista dos artistas, um gênio da música pop com uma trajetória difícil de ser superada. Mas nos anos 1960, no auge de sua criatividade (que teve picos durante toda carreira), talvez inebriado com o próprio talento, Dylan se aventurou nas artes plásticas. O máximo que conseguiu foi fazer umas imitações baratas de Marc Chagall. Tudo bem que se pode argumentar que Dylan nunca tentou ser, efetivamente, um pintor (apesar de ter exposto alguns de seus quadros, pela primeira vez, em 2007, na Alemanha), mas suas criações pictóricas estão longe da qualidade de suas composições. O que quer dizer que Dylan talvez esteja, por uma razão desconhecida, fadado a ser reconhecido "apenas" como um grande compositor, por mais que queira o contrário.

Isso quer dizer que aquilo que, sem pensarmos direito, chamamos de talento, está ligado diretamente à maneira como determinada pessoa se dedica a uma atividade. Esse é o aspecto menos complicado da questão: é óbvio que ninguém é gênio por obra do acaso; há muito já foi superada a idéia de que basta ao poeta, simplesmente pelo fato de ser poeta, olhar para o céu para escrever o mais belo dos poemas sobre as estrelas. O insight da inspiração é pura lenda.

O problema é estabelecer parâmetros para saber quem é e quem não é gênio. Voltamos aos jogadores de futebol. Pelé ou Maradona? Zico foi gênio? Talvez uma das saídas seja recorrer a outro artifício: o da influência. Leonardo da Vinci é um exemplo incontestável. Não foi influente apenas nas artes plásticas, mas em diversas outras áreas do conhecimento. Na música pop, quem conhece a história do rock pode afirmar com todas as letras que os Beatles foram o maior grupo do gênero de todos os tempos. Pode ser. No entanto, Bob Dylan é o artista que mais influenciou outros grandes artistas, incluindo aí os próprios Beatles. Não vendeu tantos discos quanto Lennon e McCartney, mas, por outro lado, teve uma carreira (ainda que com altos e baixos) mais longínqua e com mais discos importantes. Em suma, ambos são geniais, mas Dylan foi mais regular, soube se reinventar ao longo das décadas.

É claro que isso é pura peroração inútil, masturbação pseudo-intelectual. O fato é que para cada argumento que usei até aqui, há pelo menos dois outros bem melhores. Sei disso. Mas, assim como as listas de Nick Hornby, pontuar mentes brilhantes ― e compará-las ― é um ótimo passatempo.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/2/2009

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
02. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009
05. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009


Mais Especial Gênio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2009
11h10min
Essa questão do que é ser gênio sempre vai deixar profundas lacunas na história da humanidade. Há aqueles consagrados, como Da Vinci, Beethoven, Einstein, Pelé (entre tantos). Todos esses inquestionáveis em seus talentos, pelo senso comum. É difícil encontrar algum ser humano que conteste essa genialidade. Mas há outros talentos geniais que se escondem em lugares diferentes do planeta que só serão reconhecidos pelos que convivem mais de perto e, provavelmente, nunca serão descobertos. Eu, felizmente, conheço alguns. Gostei de seu texto. Muito gostoso de se ler. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
5/2/2009
15h46min
Caro Luiz, como de praxe, excelente artigo, além de me remeter a uma releitura de "A angústia da influência" de Harold Bloom (do meu ponto de vista, o melhor livro do referido crítico). abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é fevereiro de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
5/2/2009
22h35min
Podem me apedrejar pelo que vou dizer... Mas acredito que genialidade vem de vidas passadas. É o resultado de muitas vidas em que um espírito se dedica a uma atividade em especial e a cada vivência atinge maior perfeição naquela arte. O mesmo vale para qualquer conhecimento. Quem é bom em exatas é porque já teve oportunidade de estudar exatas em vidas passadas. Por isso um filósofo dizia que "aprender é recordar"... Provas não tenho , mas é uma explicação mais lógica e plausível que as que temos (também sem nenhum comprovaçao).
[Leia outros Comentários de Girl]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Biologia 2 - banco de questões
Armenio Uzunian
Harbra
(2002)



Luanda Meu Ceu, Meu Inferno
Catarina Soares da Cunha
Edicoes Virgula
(2017)



Livro Literatura Estrangeira Best Friends Forever
Jennifer Weiner
Washington Square Press
(2009)



1919
John dos Passos
Abril Cultural
(1980)



A Filosofia e a Criança
Gareth B. Matthews
Martins Fontes
(2001)



Livro Comportamento Meu Pescoço é um Horror e Outros Papos de Mulher
Nora Ephron
Rocco
(2007)



Livro Infanto Juvenis A Brecha uma Reviravolta Quilombola
Arquimino dos Santos
Estrela Cultural
(2020)



Livro Literatura Brasileira Crônicas Escolhidas
Machado de Assis
Ática
(1994)



Guilherme Tell
Tatiana Belinky
Melhoramentos
(2012)



O Regresso
Michael Punke
Intrinseca
(2016)





busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês