Arte versus Escola | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 22/5/2012
Arte versus Escola
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos

O sistema educacional jamais viu a arte com bons olhos. Diferente do respeito que é atribuído às disciplinas que, se pressupõe, ensinam o verdadeiro conhecimento (matemática, física, química, biologia, geografia, língua portuguesa etc), a arte é tratada pela escola como uma espécie de cultura inferior.

Não é raro ver professores de arte sendo usados pela escola para fazer bandeirinhas de festa junina, ovos da páscoa, cartazes para o dia das mães, etc. Além dessa função utilitária, as aulas de arte são confundidas com espaços para a bagunça, a gratuidade, o insensato. Reduz-se assim o lugar e a importância do professor de artes a algo caricato, chegando-se a anular sua responsabilidade na formação dos alunos e na qualidade emocional e espiritual de suas existências.

Por trás dessa atitude negativa de nossa cultura em relação à importância da arte para a vida (e não apenas para se passar no vestibular), encontra-se um preconceito arraigado no Ocidente, que se traduz na ideia de que o pensamento racional seja a principal forma, se não a única, de entender o mundo.

Vou voltar a esta questão, mas antes vale a pena traçar um mapa da rejeição da arte.

A relação entre arte e sociedade nunca foi boa. Desde o décimo livro da República, de Platão, a arte é relacionada à mentira, pois, segundo o filósofo, ela imita a aparência, sendo cópia da cópia, estando, por isso, a três longos passos da verdade. Mas como é impossível que se impeça alguém de nascer poeta, Platão vai sacrificar severamente os direitos do artista às exigências da sociedade, ameaçando de expulsão da cidade aqueles artistas que não empregarem apenas os meios necessários aos bons modos da República. Platão deseja que o Estado use a arte para modelar a alma dos seus cidadãos, por isso o trabalho artístico deve, segundo ele, ser supervisionado e controlado. Do contrário, é melhor que não exista.

O medo de Platão em relação à arte é justamente o medo daquilo que faz a virtude da arte: a sua capacidade de ser um objeto de fruição que independe do intelecto ordenador. Como disse Edgar Wind, "o que parece a Platão ser realmente perigoso no que toca à criação e fruição artística, o que faz disso a antítese da reflexão filosófica, é a supressão da autoconsciência na ação do momento, a completa identificação com o objeto representado".

Por isso, o veredito de Platão é de que quanto mais a arte desenvolve nossas aptidões estéticas só pelo que são, mais ela destrói nossa aptidão para a moral e a lógica.

Foi preciso uma longa discussão e revisão desses preceitos platônicos para que a arte viesse a ocupar um lugar de importância no pensamento ocidental. Inicialmente, com a "Estética" de Baumgarten, depois com a ideia de autonomia moral da arte por Kant ("o gozo estético é um prazer desinteressado" e "belo é o que agrada independente de um conceito"), depois com "A educação estética do homem", de Schiller e sua defesa da arte como criação e vivência lúdica, e ainda com as "Defesas da poesia", de Shelley e com a "A dimensão Estética", de Herbert Marcuse, que procura desenvolver uma crítica ao sistema desumanizador do capitalismo ocidental através da crítica da alienação por Marx, a crítica à repressão por Freud e a defesa da arte como espaço do lúdico e da liberdade via Schiller.

Essas obras afirmaram de alguma maneira o pressuposto de um conhecimento que é inerente à arte e que prescinde da razão ou do intelecto, fazendo dela um lugar para a experiência da liberdade.

Voltando à questão da imposição ocidental de um conhecimento pragmático e suas consequências na rejeição da importância da arte, pode-se dizer que na arte se passa o contrário do que se exige na formação escolar. Em arte, é a experiência, no qual a obra de arte é o único veículo de comunicação, sem o intermédio da palavra, o instrumento primordial do conhecimento.

A arte é uma forma de conhecimento, embora muita gente ainda ache que não. Isso se deve ao fato de que o conhecimento é geralmente interpretado como representando um entendimento intelectual adquirido por meios verbais ou racionais. Imagina-se que sem informação, aprendizagem e estudos não se produza conhecimento. Na arte, entretanto, o conhecimento se dá, é processado e se propaga de forma diferente, às vezes até independente de respostas intelectuais, pois deriva mais de intuições e da emoção do que da razão.

Ao contrário do que se pensa, que a cognição humana depende unicamente da habilidade do homem em usar a linguagem escrita ou falada, na arte é justamente a ausência do primado verbal/informacional que possibilita um entendimento não pragmático da vida e do mundo.
O que o artista quer é que a obra de arte seja uma experiência profunda da vida e não apenas um entendimento dela por meio de um processo intelectual. O mesmo se quer do espectador, que mergulhe numa experiência onde a razão naufragou, a lógica foi abandonada e onde o sensível (uma tela, para apreciadores da arte, é tocada por olhos que são verdadeiros dedos) comunica seu sentido independente de formulações apriorísticas da inteligência racional.

Dentro desse quadro, torna-se assustador para um sistema que prima pela funcionalidade e pelo pragmatismo de tudo receber a arte, esse objeto inutilitário, de braços abertos.

A arte produz, com a poesia que lhe é inerente, a desconstrução de todos os códigos estabelecidos, reanima corpos mortos, reativa energias represadas, dissolve visões reducionistas da existência. Como disse Gregory Battcock, "a insegurança, a intolerância, o reacionarismo, são incompatíveis com a apreciação da arte".

O que a escola deveria aprender é que o homem completo precisa da inteligência para sobreviver, mas que precisa da arte para se reconhecer enquanto ser destinado à liberdade.

Segundo palavras de Luccy Lippard, "a arte em si é irrelevante. Comparado com o mundo dos cortiços, guerras e prisões, o mundo da arte é um mar de rosas. Criar arte não muda necessariamente o mundo, mas um mundo sem arte, ou sem o desejo de se fazer arte, ou sem a necessidade de qualquer espécie de atividade artística, seria, realmente, um mundo sem esperança".

Não é certo que a escola não precise da arte, mas o contrário é certo, a arte não precisa da escola.

Termino parafraseando Simone Weil: a extrema atenção é o que constitui a faculdade criativa do homem e a única atenção extrema é a da arte.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ao Sul da Liberdade de Vicente Escudero
02. Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham de Ricardo de Mattos
03. Farinhas fundidas de Eduardo Carvalho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMUNICAÇÃO E BOAS MANEIRAS - PARA CRIANÇAS
BELLAH LEITE CORDEIRO
PAULINAS
(1987)
R$ 9,00



MANUAL DOS INQUISIDORES
NICOLAU EYMERICH
TOSA DOS TEMPOS
(1993)
R$ 39,00



PROBLEMAS DE MICROECONOMIA
BILAS & WALLACE
FORENSE - UNIVERSITÁRIA
(1977)
R$ 10,00



HISTÓRIA DO CONDE PIERRE E A PRINCESA MAGALONA
HISTÓRIA DO CONDE PIERRE E A PRINCESA MAGALONA
ANTÔNIO TEODORO DOS SANTOS
(2014)
R$ 15,00



O REPOUSO DO GUERREIRO
C. ROCHEFORT
PANAMERICANA
(1991)
R$ 6,90



CUCA FUNDIDA
WOODY ALLEN
L&PM
(2013)
R$ 7,00



MAYOMBE
PEPETELA
LEYA
(2013)
R$ 45,00



CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
NÃO INFORMADO
LOYOLA
(2000)
R$ 25,00



FUNÇÃO E DESENHO NA BIOLOGIA CONTEMPORÂNEA
GUSTAVO CAPONI
34
(2012)
R$ 14,00



O DESAFIO DE SABER ENSINAR
LUCIA MYSÉS
PAPIRUS
(1998)
R$ 20,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês