A vez dos veteranos | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
>>> A EDITORA estreia online dia 29 de outubro, de graça
>>> 'O Engenheiro', ópera de Tim Rescala, estreia em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Coetzee, um escritor inventivo
>>> O vampiro de almas
>>> 7º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Entrevista com José Castello
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
>>> Qual é a alma da cidade?
>>> Don’t be evil
>>> Persistente e indignada
>>> Web-based Finance Application
>>> Fernanda Young (1970-2019)
Mais Recentes
>>> Teoria Geral do Processo de Antonio Carlos de Araújo Cintra pela Malheiros (2009)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso - Você Pode Mudar Sua Vida de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Ala Dezoito de Wilson Frungilo pela Ide (2014)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Circulo do Livro (1974)
>>> Biologia Educacional de Ary Lex pela Companhia Nacional (1970)
>>> Na era do Espirito de Francisco Candido Xavier pela Geem (2014)
>>> Becky Boom - Delírios de Consumo na 5º Avenida de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> O Querigma - Anuncio da Palavra no Poder do Espirito de Luiz Santana pela Rccbrasil (2012)
>>> Ribeirão da Ilha Vida e Retratos - Coleção Memoria de Florianópolis 3 de Nereu do Vale Pereira; Francisco do Vale pela Fundação Franklin Cascaes (1991)
>>> Psicoterapia à Luz do Evangelho de Jesus de Alirio de Cerqueira Filho pela Bezerra de Menezes (2010)
>>> Minha Escolha é Viver de Fatima Moura pela Eme (2013)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Lake (1994)
>>> Historia Universal 3 Livros - Volumes 3, 4 e 5 de H. G. Wells pela Companhia Nacional (1968)
>>> Guerreiros - Em Ordem de Batalha de João Luis D. Mendes pela Comunidade Anuncia- Me (2004)
>>> As Sete Leis Espirituais do Sucesso de Deepak Chopra pela Best Seller (1994)
>>> A Mediunidade sem Lágrimas - Col. Espirita de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2012)
>>> Soneto de Fidelidade e Outros Poemas- Col. Clássicos de Ouro + Encarte de Vinicius de Moraes pela Ediouro (1996)
>>> Read All About It! de Richard Musman pela Longman (1971)
>>> Keyguide - Guia Paris de Vários autores pela Publifolha (2011)
>>> Guia Visual Folha de S. Paulo - Nova York de Vários autores pela Publifolha (2012)
>>> Guia Visual Folha de S. Paulo - Londres de Vários autores pela Publifolha (2011)
>>> Guia Visual Folha de S. Paulo - Paris de Vários autores pela Publifolha (2011)
>>> Guia de Conversação Frances para Leigos - Dummies de Dodi-Katrin Schmidt e outros pela Alta Books (2011)
>>> Sob as mãos da misericórdia de André Luiz Ruiz pela Ide (2005)
>>> Hinos do povo de Deus 2 de Vários autores pela Sinodal (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/8/2006
A vez dos veteranos
Jonas Lopes

+ de 4000 Acessos

2006 tem sido um ano em que o mercado editorial brasileiro se dedicou a observar a tal ascensão dos novos autores, tendo como destaque as estréias de André Sant'Anna (O Paraíso é Bem Bacana) e Daniel Galera (Mãos de Cavalo) na toda poderosa editora Companhia das Letras. Outros fatos corroboram isso: o recente prêmio Jabuti concedido a Marcelino Freire por seus Contos Negreiros, o sem-número de coletâneas de contos e iniciativas como a Safra XXI, da Rocco, além da notícia de que a Globo pretende transformar o primeiro romance de JP Cuenca em minissérie. Ninguém pode reclamar que eles não vêm ganhando chances de mostrar o que sabem.

Por isso é importante comemorar a chegada de novos romances de dois autores veteranos: Moacyr Scliar (Os Vendilhões do Templo), de 69 anos, e Carlos Heitor Cony (O Adiantado da Hora), que há poucos meses completou 80. É um choque essencial até para que possamos compreender e analisar os novos autores com maior propriedade, já que são (ou deveriam ser) os conflitos das gerações anteriores - o embate entre seus pontos positivos e negativos - que concebem os anseios que acometem as posteriores.

Os Vendilhões do Templo (Companhia das Letras, 2006, 296 páginas) é composto por três narrativas dispostas de forma distinta em tempo e espaço, porém algumas idéias tangenciam cada uma. A primeira e mais longa delas é a própria parábola dos vendilhões do templo, explorada timidamente na Bíblia. Scliar transfere a ótica e concentra a narrativa no vendilhão, um homem pobre que deixa as dificuldades do plantio no campo e leva sua família a Jerusalém. Descobre sua vocação para comerciante e vira a sensação no Templo vendendo pombos para os sacrifícios. A maré de sorte termina, como sabemos, quando Jesus derruba as mesas dos vendilhões, acusando-os de comercializar a fé ("a minha casa é uma casa de oração, mas vós fizestes dela um covil de ladrões").

A segunda narrativa do livro tem lugar em 1635. O jovem padre Nicolau é enviado a uma missão jesuítica no interior do Rio Grande do Sul para ajudar um padre mais velho no trabalho de catequização dos índios. O padre mais velho morre e Nicolau fica sozinho, sem saber falar a língua dos indígenas. Um homem misterioso aparece e se oferece para servir como intérprete, e aos poucos Nicolau descobre outras intenções por trás da gentileza do estranho. Na terceira narrativa de Os Vendilhões do Templo estamos em 1997, e um assessor de imprensa da prefeitura da cidade fundada séculos antes pelo padre Nicolau da parte anterior relembra uma encenação escolar da parábola do vendilhão do templo, ao mesmo tempo em que acompanha os efeitos do novo governo de esquerda da pequena cidade.

Moacyr Scliar não é e nem pretende ser um romancista de idéias, e por isso Os Vendilhões do Templo traz mais perguntas do que respostas. Como não poderia deixar de ser em um livro com esse título, há reflexões sobre relações de poder e lucro. O autor gaúcho acerta em não se posicionar diretamente ou apelar para soluções edificantes e/ou maniqueístas. Sim, o vendilhão é ganancioso e vive do dinheiro que ganha comercializando a fé; mas deixemos de hipocrisia: ele também tem uma família para sustentar. Depois de ver Cristo crucificado, o vendilhão tem a oportunidade de conseguir uma grande quantia em dinheiro e a recusa: "tivera a riqueza em suas mãos e a recusara; tivera nas mãos a salvação e a recusara, mas não se arrependia: a teimosia era sua melancólica vingança". Ao mesmo tempo em que é cínico o suficiente para vender a fé, é "honesto" para dispensar o que não lhe pertence. Não são bifurcações morais como essa que fazem do humano humano, afinal?

O padre da segunda parte do livro, em sua pureza imaculada, desconfia do forasteiro que parece não querer que ele aprenda o idioma dos índios. Julga-o e condena-o, e por fim acaba surpreendido. A força da última parte de Os Vendilhões do Templo está no fato de Scliar buscar um assunto que poucos autores brasileiros parecem querer encarar: o Brasil contemporâneo. Nossa literatura moderna, cada vez mais voltada para dentro, carece de tentativas de tentar entender nosso tempo, e na prefeitura de São Nicolau do Oeste sentimos aquela desesperança advinda da frustração com a esquerda (existe algo mais em pauta?). A corrupção, aliás, permeia todo o livro (um "lubrificante que facilitava o movimento das engrenagens sociais", na visão do vendilhão do templo). Embora não haja tanta profundidade, o texto de Scliar é fluente e bem humorado, irônico sem ser cáustico.

Já Carlos Heitor Cony adia mais uma vez o aguardado Messa para o Pappa Marcello (que ele vem prometendo terminar há décadas) e retoma, em O Adiantado da Hora (Objetiva, 2006, 217 páginas), o gênero picaresco explorado em livros como Pilatos e O Piano e a Orquestra. Saem a postura existencialista e as reflexões sobre a vida da classe média carioca e dos relacionamentos entre casais; entram personagens rocambolescos metidos numa trama burlesca.

Na verdade não há muita trama: Zé Mário, uma espécie de adjunto e quebra-galhos de um escritório de advocacia, é enviado a Cabo Frio para "captar informações" acerca de um suposto acordo entre Brasil e Alemanha para montar ali uma usina nuclear. Fora isso, a única outra informação é o desaparecimento inexplicado uma alemã de "coxas teutônicas". Em Cabo Frio, Zé Mário entra em contato com algumas figuras curiosas, que o ajudam a entender o desaparecimento da alemã. Entre elas, um homem que jura ter passado uma noite tórrida com Madre Teresa de Calcutá, uma mulher que ressuscitou durante o próprio velório e um feiticeiro negro, "esguio como um pente" e artesão de talento.

O problema é que Cony não transita nesse território burlesco com a mesma eficiência e naturalidade de seus livros mais típicos. Falta em O Adiantado da Hora (seu romance mais fraco até hoje) um daqueles seus grandes protagonistas, narrador amargurado, dono de humor corrosivo e geralmente autodepreciativo - o mote do livro é ter humor, e Zé Mário pouco nos faz rir. Por outro lado, se o protagonista não empolga, o elenco de malucos que ele encontra diverte e compensa a falta de risadas do resto do livro.

Falta também certo foco na condução da história - em alguns momentos as tramas paralelas parecem soltas e dão a impressão de que o autor está apenas acumulando um punhado de fatos excêntricos para divertir o leitor e fazer jus à pretensão picaresca. Não basta reunir bizarrices e deixar que elas bastem por si só. Pilatos partia de uma situação pouco usual (um homem que sofre um acidente, perde o pênis e passa a carregá-lo dentro de um vidro de compota), mas também abordava questões como a repressão da ditadura militar, grupos guerrilheiros clandestinos e todo um lado "sujo" do Rio de Janeiro.

Os dois livros não são marcos de nada e nem vão quebrar paradigmas. São leituras rápidas: se encaradas dentro de sua pretensão (e no caso de O Adiantado da Hora, descontados alguns de seus defeitos), valem algumas horas do nosso tempo. E são adendos dignos às carreiras dos dois autores; sobretudo à de Scliar.

Para ir além









Jonas Lopes
São Paulo, 21/8/2006


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
03. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Segredos para Ser Bem-sucedido Em Discursos e Apresentações
Gordon Bell
Nobel
(1992)



Elements of Medical Genetics
Robert F. Muller e Ian D Young
Churchill Livigstone
(1998)



O Ciclista
Walther Moreira Santos
Autentica
(2008)



Tiradentes E A Inconfidência Mineira
Carlos Guilherme Mota
Ática
(2006)



Mãe - Crônicas do Mago Em Homenagem à Mulher, Fonte de Vida e Sabedori
Paulo Coelho
Extra



Jack e Jackie Retrato de um Casamento
Christopher Andersen
Harbra
(1997)



Complexo de Édipo
Robert M. Young
Ediouro, Segmento-Duetto Editorial Ltda. com a Relume Dumará Editor
(2005)



Crônicas Dor Cor - a Linguagem Golen Heart
André Felipe Camelo
Cbje
(2011)



A Escrava Isaura
Bernardo Guimarães
Atica
(1998)



Versus: Paginas da Utopia
Vários Autores
Azougue
(2007)





busca | avançada
59122 visitas/dia
1,8 milhão/mês