Brasil em novo tempo de cinema | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> Espírito de porco
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nine Eleven
>>> E a bomba caiu!
>>> Arte é entropia
>>> Impressões sobre São Paulo
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
Mais Recentes
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Psicoterapia y Relaciones Humanas de Carl Rogers e G. Marian Kinget pela Alfaguarra (1971)
>>> O Vinho no Gerúndio de Júlio Anselmo de Sousa Neto pela Gutenberg (2004)
>>> Michel Foucault, Filosofia e Biopolítica de Guilherme Castelo Branco pela Autêntica (2015)
>>> Vidas Provisórias de Edney Silvestre pela Intrínseca (2013)
>>> Introdução À Arqueologia Brasileira: Etnografia e História de Angyone Costa pela Cia. Ed. Nacional (1938)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> A Glória de Euclides da Cunha ; Edição Ilustrada/ Brasiliana de Francisco Venancio Filho pela Cia. Ed. Nacional (1940)
>>> Viñas, Bodegas & Vinos de Argentina de Austral Spectator pela Austral Spectator (2007)
>>> Alexandre, o Conquistador de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> A Fiandeira de Ouro de Sonia Junqueira pela Positivo (2008)
>>> Feudalismo de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> Alfabeto de Histórias de Gilles Eduar pela Ática (2008)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> As Obsessões de um Executivo Extraordinário: as Quatro Disciplinas... de Patrick Lencioni pela Record/ RJ. (2002)
>>> Marketing Nas Empresas Brasileiras: Organização de Vendas de Joaquim Carlos da Silva pela Record/ RJ.
>>> Dicionário da Língua Portuguesa de Malthus Oliveira de Queiroz pela Sucesso (2014)
>>> Salgueiro 50 Anos de Glória de Haroldo Costa pela Record (2003)
>>> Mitologia Grega de Pierre Grimal pela L&PM (2009)
>>> Além do Bem e do Mal de F. Nietzsche pela Escala (2005)
>>> La Muerte de la Familia de David Cooper pela Paidos (1974)
>>> La Tentation d'Exiter de E. M. Cioran pela Gallimard (1988)
>>> Os Pioneiros - a Saga da Família Kent- Vol. III de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (2015)
>>> A Vinda da Família Real para o Brasil de Airton de Farias pela Prazer de Ler (2013)
>>> O Quarto Pato de Índigo pela Positivo (2008)
>>> Sociedade do Cansaço de Byung-Chul Han pela Vozes (2015)
>>> O Tempo Escapou do Relógio de Marcos Bagno pela Positivo (2011)
>>> A Sujeição das Mulheres de Stuart Mill pela Escala (2006)
>>> Admirável Ovo Novo de Paulo Venturelli pela Positivo (2011)
>>> Pequenas Confissões de Georgina Martins pela Positivo (2008)
>>> Fantasma Equilibrista de Tânia Alexandre Martinelli pela Positivo (2009)
>>> A História de Cada Um de Juciara Rodrigues pela Scipione (2010)
>>> Exercícios de Admiração de E. M. Cioran pela Rocco (2011)
>>> A Baleia de Cláudio Feldman pela FTD (2006)
>>> Teoria do Drone de Grégoire Chamayou pela Cosac Naify (2015)
>>> Uma Temporada no Inferno & Iluminações de Arthur Rimbaud pela Francisco Alves (1982)
>>> Viagem a Portugal de José Saramago pela Companhia das Letras (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/2/2014
Brasil em novo tempo de cinema
Humberto Pereira da Silva

+ de 3100 Acessos

O Que se Move

O Que se Move - Cartaz de divulgação

1.
O momento denominado Retomada do cinema brasileiro deu-se em meados dos anos de 1990. Com o desmanche dos anos Collor, só com a chegada de Fernando Henrique Cardoso ao poder e a aprovação de leis de incentivo fiscal foram realizados filmes que despertaram a atenção de público e crítica: Carlota Joaquina (1995), de Carla Camurati, O Quatrilho (1995), de Fabio Barreto, Baile Perfumado (1996), de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, Central do Brasil (1998), de Walter Salles, Cronicamente Inviável (2000), de Sergio Bianchi, então entre os filmes emblemáticos do período.

Com a Retomada, festivais importantes em anos anteriores ganharam novo estímulo - Gramado, Brasília -, assim como outros surgiram e foram impulsionados pelos ventos da nova conjuntura cultural - Tiradentes, Paulínia, Cine PE, entre outros. Ano após ano novos diretores despontaram e se firmaram; seus filmes instigaram discussões, foram objetos de acalorados debates no âmbito de uma nova crítica, que também surgiu e ganhou ressonância nesse novo contexto. O livro de Luiz Zanin Cinema de novo (2003), creio ser o balanço mais completo e sintético do que se realizou até Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles.

Passada a Retomada, a produção cinematográfica nacional se diversificou significativamente: comédias, temática histórica, dramas individuais, violência urbana dão o tom dos filmes que passam em festivais ou são exibidos no circuito comercial. Considerada a diversidade fílmica nos anos recentes, há um aspecto que merece especial destaque, depois da consolidação da produção com a Retomada. Sem que se precise o início - talvez Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes, ou O Céu de Suely (2006), de Karim Aïnouz -, o impulso renovador, a necessidade de se manifestar com certa ousadia nos planos formal e temático, tem contagiado uma geração que não se mostra em princípio com preocupação de fazer concessões.

Para essa geração recente, o cinema desponta como veículo de expressão artística, tanto quanto de termômetro de pulsões presentes ou de reavaliação de nosso passado. O ápice desse momento com sopro de ar fresco, creio, ocorreu no ano passado, com O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho.

Premiado no Brasil e no exterior, detonador de intensos debates, o filme de Kleber Mendonça revela ser mais um sintoma que reflete um novo tempo no cinema nacional do que um caso isolado, um projeto solto com qualidades amplamente destacadas pelos mais diversos seguimentos da crítica. Ora, os sinais do tempo anunciam que O Som ao Redor não é avis rara, que está na companhia de filmes que merecem tanta atenção quanto; destes, destaco O Que se Move, de Caetano Gotardo.

2.
Trata-se do primeiro longa metragem de Gotardo, que faz parte do coletivo paulista Filmes do Caixote, responsável por dois outros filmes que atestam a força do grupo: Trabalhar Cansa, de Marco Dutra e Juliana Rojas, e Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra. A filmografia do Filmes do Caixote, em especial O Que se Move, deixa no ar o espírito de desafio, de risco providencial ao campo artístico, sem que se sinta a contaminação de artifícios ou maneirismos de iniciativas antes de tudo pretensiosas.

O Que Se Move é uma fita que explora fait divers em torno da perda; no caso, do filho que, fruto do acaso, se aparta da mãe; esta, por sua vez, se culpabiliza pelo destino dramático ou trágico do filho. O cinema - e a arte em geral - mostrou esse tema das mais diversas formas. O que é verdadeiramente notável em O Que Se Move é que Gotardo não se intimida e concebe uma obra que perturba à medida que se procura, mas não se encontra similar, e assim deixa a sensação de frescor diante de uma narrativa desconcertante.

Claro, há referências, influências, mas O Que Se Move foi realizado de forma a diluir ingredientes e experimentar o novo, sem os cacoetes da experimentação pela experimentação. A narrativa flui de modo estranho e inesperado, até que o elemento surpresa se desfaz, sem que, contudo, o espectador perca o envolvimento com o que está por vir. Em cada cena, cada enquadramento, uma dimensão da vida que exige o máximo de atenção. Neste sentido, um dos filmes mais ousados de nossa recente filmografia; fruto de um momento que se revela poroso a iniciativas inovadoras.

Feito este destaque, a "nova onda" de filmes inovadores se depara com o problema de acolhimento de público. Esses filmes, nas palavras do crítico Jean-Claude Bernardet, são "irrelevantes" desse ponto de vista. No momento atual, enquanto comédias globais como Até Que a Sorte nos Separe 2 fazem quatro milhões de espectadores, os três filmes do Filmes do Caixote não chegam a 100 mil. A questão da "relevância" ou "irrelevância" foi tratada também por Kleber Mendonça, numa diatribe com o diretor da Globo Filmes, Cadu Rodrigues, em seguida à recepção crítica de O Som ao Redor. Para Kleber, qualquer um que "lançar um filme no esquema da Globo Filmes faria 200 mil espectadores no primeiro final de semana".

A questão que está em pauta é velha na história da arte e diz respeito à autonomia de criação. O adjetivo "irrelevante" nas palavras de Bernardet assume conotação negativa, mas me parece que essa negatividade encerra mal entendido: para Bernardet o cinema brasileiro "relevante" é aquele que atinge o público, o grande público.

Bernardet cita Tropa de Elite, como exemplo de filme "relevante"; mas o caminho que José Padilha deu à sua carreira responde sobre o sentido da "relevância", sobre o cinema com que se afina... Se esse é o ponto, o que se tem em vista é o mercado e seus humores. Neste sentido, "relevância" ou "irrelevância" não passa de jogo de palavras para a submissão às regras do mercado.

Assim, caso Caetano Gotardo se submetesse às condições de "relevância", jamais teria feito O Que Se Move. Não teríamos, pois, um filme que se oferece como objeto de culto, e não mais um produto para alguns minutos de entretenimento. "Irrelevante" do ponto de vista do grande público que vê o cinema como diversão, O Que se Move toca a sensibilidade de quem quer que veja um filme como obra de arte. Que seja bem vindo O Som ao Redor, O Que se Move e o propósito de filmografia recente no país que se pauta pelo desafio, pelo risco e pela ousadia formal.

É evidente que a importância desses filmes - e desse momento em nosso cinema - está para ser contada. Mas me parece fora de questão que neles respira-se uma nova atmosfera, diferente e inovadora. A determinação dessa nova geração, que se coloca à margem da Globo Filmes e das pressões de mercado, não deve escapar àqueles que sejam sensíveis à uma maneira de entender que o cinema pode se orientar pelo primado da autonomia da criação artística.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 26/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Calígrafo de Voltaire de Daniel Aurelio
02. Manet no Rio de Janeiro de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PORTUGUÊSLÍNGUA E CULTURA
CARLOS ALBERTO FARACO
BASE
(2003)
R$ 15,00



A ÁGUIA DO MARÃO ( O GRANDE ORADOR ANTÓNIO CANDIDO )
ANTONIO CABRAL

R$ 18,28



AS RELAÇÕES PERIGOSAS
CHODERLOS DE LACLOS
PUBLIFOLHA
(1998)
R$ 4,90



OS OLHOS DE EMMA
SHEILA HOCKEN
RECORD
(1977)
R$ 8,57



TRADIÇÕES E REMINISCÊNCIAS PAULISTANAS
AFFONSO A. DE FREITAS

R$ 12,00



O CORPO HUMANO - HIGIENE E SAUDE
JOÃO QUEIROZ E JOSÉ SÉRGIO
NACIONAL
(1974)
R$ 29,90
+ frete grátis



GEOGRAFIA INFRUCTUOSA/INCITACION AL NIXONICIDIO/2000/EL CORAZÓN AMA...
PABLO NERUDA
DEBOLSILLO
(2004)
R$ 21,61



ARARIBÁ CIÊNCIA
RITA HELENA
MODERNA
(2010)
R$ 14,00



MUNDO ESTRANHO - Nº 195 - JUNHO -2017 ARQUIVOS SECRETOS DA CIA
VÁRIOS
ABRIL
(2017)
R$ 9,00



IMPORTAÇOES BRASILEIRAS : POLITICAS DE CONTROLE E DETERMINANTES DA DEM
MARIA DE FÁTIMA SERRO POMBAL DIB
BNDES
(1987)
R$ 21,82





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês