Brasil em novo tempo de cinema | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/2/2014
Brasil em novo tempo de cinema
Humberto Pereira da Silva

+ de 3100 Acessos

O Que se Move

O Que se Move - Cartaz de divulgação

1.
O momento denominado Retomada do cinema brasileiro deu-se em meados dos anos de 1990. Com o desmanche dos anos Collor, só com a chegada de Fernando Henrique Cardoso ao poder e a aprovação de leis de incentivo fiscal foram realizados filmes que despertaram a atenção de público e crítica: Carlota Joaquina (1995), de Carla Camurati, O Quatrilho (1995), de Fabio Barreto, Baile Perfumado (1996), de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, Central do Brasil (1998), de Walter Salles, Cronicamente Inviável (2000), de Sergio Bianchi, então entre os filmes emblemáticos do período.

Com a Retomada, festivais importantes em anos anteriores ganharam novo estímulo - Gramado, Brasília -, assim como outros surgiram e foram impulsionados pelos ventos da nova conjuntura cultural - Tiradentes, Paulínia, Cine PE, entre outros. Ano após ano novos diretores despontaram e se firmaram; seus filmes instigaram discussões, foram objetos de acalorados debates no âmbito de uma nova crítica, que também surgiu e ganhou ressonância nesse novo contexto. O livro de Luiz Zanin Cinema de novo (2003), creio ser o balanço mais completo e sintético do que se realizou até Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles.

Passada a Retomada, a produção cinematográfica nacional se diversificou significativamente: comédias, temática histórica, dramas individuais, violência urbana dão o tom dos filmes que passam em festivais ou são exibidos no circuito comercial. Considerada a diversidade fílmica nos anos recentes, há um aspecto que merece especial destaque, depois da consolidação da produção com a Retomada. Sem que se precise o início - talvez Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes, ou O Céu de Suely (2006), de Karim Aïnouz -, o impulso renovador, a necessidade de se manifestar com certa ousadia nos planos formal e temático, tem contagiado uma geração que não se mostra em princípio com preocupação de fazer concessões.

Para essa geração recente, o cinema desponta como veículo de expressão artística, tanto quanto de termômetro de pulsões presentes ou de reavaliação de nosso passado. O ápice desse momento com sopro de ar fresco, creio, ocorreu no ano passado, com O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho.

Premiado no Brasil e no exterior, detonador de intensos debates, o filme de Kleber Mendonça revela ser mais um sintoma que reflete um novo tempo no cinema nacional do que um caso isolado, um projeto solto com qualidades amplamente destacadas pelos mais diversos seguimentos da crítica. Ora, os sinais do tempo anunciam que O Som ao Redor não é avis rara, que está na companhia de filmes que merecem tanta atenção quanto; destes, destaco O Que se Move, de Caetano Gotardo.

2.
Trata-se do primeiro longa metragem de Gotardo, que faz parte do coletivo paulista Filmes do Caixote, responsável por dois outros filmes que atestam a força do grupo: Trabalhar Cansa, de Marco Dutra e Juliana Rojas, e Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra. A filmografia do Filmes do Caixote, em especial O Que se Move, deixa no ar o espírito de desafio, de risco providencial ao campo artístico, sem que se sinta a contaminação de artifícios ou maneirismos de iniciativas antes de tudo pretensiosas.

O Que Se Move é uma fita que explora fait divers em torno da perda; no caso, do filho que, fruto do acaso, se aparta da mãe; esta, por sua vez, se culpabiliza pelo destino dramático ou trágico do filho. O cinema - e a arte em geral - mostrou esse tema das mais diversas formas. O que é verdadeiramente notável em O Que Se Move é que Gotardo não se intimida e concebe uma obra que perturba à medida que se procura, mas não se encontra similar, e assim deixa a sensação de frescor diante de uma narrativa desconcertante.

Claro, há referências, influências, mas O Que Se Move foi realizado de forma a diluir ingredientes e experimentar o novo, sem os cacoetes da experimentação pela experimentação. A narrativa flui de modo estranho e inesperado, até que o elemento surpresa se desfaz, sem que, contudo, o espectador perca o envolvimento com o que está por vir. Em cada cena, cada enquadramento, uma dimensão da vida que exige o máximo de atenção. Neste sentido, um dos filmes mais ousados de nossa recente filmografia; fruto de um momento que se revela poroso a iniciativas inovadoras.

Feito este destaque, a "nova onda" de filmes inovadores se depara com o problema de acolhimento de público. Esses filmes, nas palavras do crítico Jean-Claude Bernardet, são "irrelevantes" desse ponto de vista. No momento atual, enquanto comédias globais como Até Que a Sorte nos Separe 2 fazem quatro milhões de espectadores, os três filmes do Filmes do Caixote não chegam a 100 mil. A questão da "relevância" ou "irrelevância" foi tratada também por Kleber Mendonça, numa diatribe com o diretor da Globo Filmes, Cadu Rodrigues, em seguida à recepção crítica de O Som ao Redor. Para Kleber, qualquer um que "lançar um filme no esquema da Globo Filmes faria 200 mil espectadores no primeiro final de semana".

A questão que está em pauta é velha na história da arte e diz respeito à autonomia de criação. O adjetivo "irrelevante" nas palavras de Bernardet assume conotação negativa, mas me parece que essa negatividade encerra mal entendido: para Bernardet o cinema brasileiro "relevante" é aquele que atinge o público, o grande público.

Bernardet cita Tropa de Elite, como exemplo de filme "relevante"; mas o caminho que José Padilha deu à sua carreira responde sobre o sentido da "relevância", sobre o cinema com que se afina... Se esse é o ponto, o que se tem em vista é o mercado e seus humores. Neste sentido, "relevância" ou "irrelevância" não passa de jogo de palavras para a submissão às regras do mercado.

Assim, caso Caetano Gotardo se submetesse às condições de "relevância", jamais teria feito O Que Se Move. Não teríamos, pois, um filme que se oferece como objeto de culto, e não mais um produto para alguns minutos de entretenimento. "Irrelevante" do ponto de vista do grande público que vê o cinema como diversão, O Que se Move toca a sensibilidade de quem quer que veja um filme como obra de arte. Que seja bem vindo O Som ao Redor, O Que se Move e o propósito de filmografia recente no país que se pauta pelo desafio, pelo risco e pela ousadia formal.

É evidente que a importância desses filmes - e desse momento em nosso cinema - está para ser contada. Mas me parece fora de questão que neles respira-se uma nova atmosfera, diferente e inovadora. A determinação dessa nova geração, que se coloca à margem da Globo Filmes e das pressões de mercado, não deve escapar àqueles que sejam sensíveis à uma maneira de entender que o cinema pode se orientar pelo primado da autonomia da criação artística.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 26/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
03. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




I CHING (ESPANHOL)
JOHN TAMPION E OUTROS
SIRIO
(1987)
R$ 10,00



FISIOLOGIA MÉDICA
WILLIAM F. GANONG
ATHENEU
(1977)
R$ 64,00



CARTAS A FREUD
FLÁVIO FORTES D ANDREA
BERTRAND BRASIL
(1990)
R$ 22,82



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA Nº 02
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(1993)
R$ 20,00



VIAGEM AOS SEIOS DE DUÍLIA
ANÍBAL MACHADO
O DIA
(1998)
R$ 25,00
+ frete grátis



LENIN, TROTSKY E O FIM DO SOCIALISMO REAL; POR QUE PARLAMENTARISM
REVISTA ARCHÈ, ANO 2 - Nº 4
FACULDADE CÂNDIDO MENDES
(1993)
R$ 18,28



COZINHA MARAVILHOSA DE OFÉLIA PEIXES & FRUTOS DO MAR
VARIOS AUTORES
ED. KLICK
R$ 4,90



ETERNAMENTE FEMININA
ROBERT A. WILSON
EDAMERIS
(1966)
R$ 10,00



O VALOR DOS RECURSOS HUMANOS NA ERA DO CONHECIMENTO
VICENTE FALCONI CAMPOS
INDG
(2004)
R$ 29,90
+ frete grátis



COMPRAS EM BUENOS AIRES - COLEÇÃO VIAGEM DE BOLSO
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2011)
R$ 10,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês