Émile Zola, por Getúlio Vargas | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
24815 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em Itaguaí, Mangaratiba, Angra dos Reis e Paraty (RJ)
>>> Festival de Teatro de Curitiba para Joinville
>>> TIETÊ PLAZA INAUGURA A CACAU SHOW SUPER STORE
>>> A importância da água é tema de peças e oficinas infantis gratuitas em Vinhedo (SP)
>>> BuZum! encena “Perigo Invisível” em SP e público aprende a combater vilões com higiene
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
Colunistas
Últimos Posts
>>> Barracuda com Nuno Bettencourt e Taylor Hawkins
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
Últimos Posts
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
>>> Humanidade do campo a cidade
>>> O Semáforo
>>> Esquartejar sem matar
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Música em 2004
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Índio quer apito
>>> A profecia de Os Demônios
>>> 9º Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Viciados em Internet?
>>> Viver é preciso; navegar, nem tanto
>>> Sou um de vocês
Mais Recentes
>>> O Mal-Estar na Civilização de Sigmund Freud pela Penguin (2011)
>>> Ative Sua Bondade de Shari Arison pela Valentina (2015)
>>> A Ciência de Ficar Rico de Wallace D. Wattles pela Best Seller (2007)
>>> O Monge e o Executivo - Uma História sobre a Essência da Liderança de James C. Hunter pela Sextante (2004)
>>> Helena de Machado de Assis pela Germape
>>> Minha Breve História de Stephen Hawking pela Intrínseca (2013)
>>> Peça e será atendido: Aprendendo a manifestar seus desejos de Esther & Jerry Hicks pela Sextante (2016)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrínseca (2017)
>>> Linguagem Corporal de Allan & barbara Pease pela Sextante (2005)
>>> Guia Politicamente Incorreto da Politica Brasileira de Rodrigo da Silva pela Leya (2018)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil de Leandro Narloch pela Leya (2011)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Companhia das Letras (2007)
>>> A Teoria da Relatividade de Albert Einstein pela L&PM Pocket (2017)
>>> Pachamama Missão Terra 2 Ações para Salvar o Planeta de Vários Autores pela Melhoramentos (2005)
>>> Pachamama Missão Terra 2 Ações para Salvar o Planeta de Vários Autores pela Melhoramentos (2005)
>>> Mi Telescópio y Yo de Cláudio Martins pela Formato (1992)
>>> Geoatlas Básico-mapas Políticos -maps Físicos-mapas Temáticos-imagens de Maria Elena Simielli pela Atica (2013)
>>> Mito de Sísifo de Albert Camus pela Best Bolso (2010)
>>> Issao e Guga de Matthew Lipman pela Filosofia para Crianças (1997)
>>> Como é Diferente um Coração Valente de Thiago Mazucato pela Ideias e Letras (2014)
>>> Humanitas - 158 - Filosofia Vegetal de Vários Autores pela Escala
>>> Química Geral vol 1 de Ricardo Feltre pela Moderna (2000)
>>> Jantar Secreto de Raphael Montes pela Companhia das Letras (2016)
>>> Como fazer amigos e influenciar pessoas de Dale Carnegie pela Cia nacional (1995)
>>> Tênis de Guilherme de Almeida/ Ilust. Ellen Pestili pela Global (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 6/5/2014
Émile Zola, por Getúlio Vargas
Celso A. Uequed Pitol
+ de 4400 Acessos

Em 1906, a revista estudantil Panthum, da faculdade de Direito de Porto Alegre, recebeu um artigo assinado por um jovem estudante sobre um dos escritores mais populares na província: Emile Zola. No Brasil das primeiras décadas do século XX, o escritor morto em 1902 ainda era figura famosa e influente nos círculos literários nacionais, naturalmente afrancesados e um tanto atrasados em relação às novidades culturais do Velho Continente, que já ensaiava o modernismo enquanto ainda líamos os naturalistas e realistas. Tais círculos eram sobretudo compostos por estudantes e graduados em Direito. O curso então congregava todos os jovens com inclinações humanísticas, ainda que não necessariamente jurídicas. Muitos deles, se vivessem hoje, talvez não optassem pelo Direito: seriam estudantes de Filosofia, de Letras, de História, de Jornalismo ou de algum outro curso da área. Entre estes jovens encontrava-se o autor do ensaio: Getúlio Dorneles Vargas.

Quando digo "estes jovens", refiro-me especificamente a estes que, sendo estudantes de Direito, não eram necessariamente juristas natos. Segundo o testemunho dos que foram colegas de Getúlio, como João Neves da Fontoura e outros, ele se destacava menos pelo desempenho acadêmico do que pela cultura geral, principalmente literária, e pela habilidade oratória, que faziam dele um estudante extremamente popular entre seus pares.

Transposto para o papel tamanho ofício, "Zola e a crítica" conta cinco páginas e impressiona pela desenvoltura. Getúlio não está lá como diletante, como jovem fã de literatura de 24 anos que resolve falar de seus poetas preferidos para outros jovens fãs de literatura de 24 anos. Está lá como quem quer escrever um artigo a sério. Dialoga com estudiosos como um De Sanctis, um Silvio Romero, um José Veríssimo e um Alcides Maya, demonstrando conhecer, e bem, a fortuna crítica sobre seu objeto de análise; compara a recepção à obra de Zola em sua França natal e no resto do mundo; analisa o clima social, cultural e político do país e relaciona-o à obra; tece comentários sobre o artista e defende-o de seus detratores, citados um a um; e tenta, enfim, reabilitar a escola Naturalista, que já era alvo de ataques no momento em que Getúlio escrevia. É um verdadeiro ensaio de crítica. Mas um ensaio diferente do que estamos acostumados a ler.

Em "Zola e a crítica", Getúlio nada fala do estilista Zola ou do narrador Zola: nem sequer cita-lhe trechos para análise. Em vez disso, prefere exaltar a capacidade do escritor em perceber o momento histórico: "Ninguém melhor tinha o sentimento da conflagração das massas, e sabia objetivar no romance o movimento das multidões. O arrojo coletivo desses operários individualmente humildes, educados na passividade cega da obediencia,como desagregam de si parcelas de energia, formando essa resultante uniforme, assustadora e irresistível, que se despenha como uma avalanche levando em seu seio uma ameaça de explosão." Elogia, e muito, o Zola reformador social e artístico - "A França já se não satisfazia mais com o canto dos rouxinóis. Era preciso um reformador, para quebrar a estagnação planimétrica em que se atufara a Arte, talhando novos moldes para a idealização da vida. Um reformador e um crente, que tivessea inabalável convicção do mérito da sua obra, e algum tanto da rudeza nativa do povo, que fosse a ressonância da voz dos oprimidos e a vibração poderosa do descontentamento da época".

O leitor mais atento notará que esta última frase - Um reformador e um crente, que tivessea inabalável convicção do mérito da sua obra, e algum tanto da rudeza nativa do povo, que fosse a ressonância da voz dos oprimidos e a vibração poderosa do descontentamento da época - ficaria muito bem na boca de qualquer partidário de Getúlio. Era isso que apresentava ao povo e é isso que seus defensores vêem nele até hoje: o reformador e o crente. Mas um tipo bem peculiar de crente, que não só convivia harmonicamente com o reformador como inclusive lhe dava suporte. A fé do crente Getúlio era a mesma de Zola e de muitos outros de seu tempo: o positivismo. Sob esta pedra Getúlio ergueu sua própria Igreja, adaptando-a às necessidades históricas.

O ensaio completo de Getúlio está aqui.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 6/5/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
02. Um erro emocional, de Cristovão Tezza de Daniel Lopes
03. Oversharing: que negócio é esse? de Vicente Escudero
04. Entrelinhas de Guga Schultze
05. Qual o melhor narrador de uma história bandida? de Marcelo Spalding


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2014
01. Miguel de Unamuno e Portugal - 12/8/2014
02. Entrevista com Dante Ramon Ledesma - 9/9/2014
03. A vida exemplar de Eric Voegelin - 10/6/2014
04. Ler Oswald Spengler em 2014 - 25/3/2014
05. Émile Zola, por Getúlio Vargas - 6/5/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atlas Geográfico Escolar
Varios Autores
Fename
(1957)



Pet Food Brasil Ano 14 - Edição 79 - Mar-Abr 2022
Stilo
Stilo



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Simbolos da Nova era Volume 2
S V Milton C11B3
A D Santos



Agatha Christie o Incidente da Bola de Cachorro
John Curram
Leya
(2010)



O Berço da Aprendizagem - um Estudo a Partir da Psicologia de Jung
Claudete Sargo
Ícone
(2005)



Livro - Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Ftd
(1997)



Il Cile Tra Rivoluzione e Reazione
Luis Corvalan
Riuniti
(1973)



Todo Aquele Imenso Mar de Liberdade
Carlos Marchi
Record
(2015)



Bolos de Aniversário
Fiona Cairns
Publifolha
(2012)





busca | avançada
24815 visitas/dia
1,2 milhão/mês