Bobagem | Adriana Donatello | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 27/11/2001
Bobagem
Adriana Donatello

+ de 4200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Outro dia, um amigo me disse uma das mentiras mais simpáticas que já ouvi. Eu estava no carro reclamando que falo sem parar o tempo inteiro, e que de vez em quando alguém devia me mandar calar a boca (aliás, esta é uma grande verdade). Aí ele me vem com a seguinte bravata: “Você fala muito, mas não fala bobagem”. Meu Deus!! O que é isso?? Tanto esforço para falar bobagem e esse fulano me sai com essa?! Logo ele, um cara tão sabido. Justo ele foi cair neste papo de que o que eu falo faz sentido?!

Eu me formei em psicologia. Resolvi trabalhar dentro de empresas porque afinal vocês sabem que é mais fácil estudar os bichos em cativeiro. Fiz meu estágio em um hospital psiquiátrico e toda quarta ao meio-dia meu pai ligava pra casa pra saber se eu já tinha chegado (“um dia você fica por lá”). Durante os poucos mas intensos meses em que freqüentei o Adauto Botelho, eu me aprofundei no estúpido hábito de pensar na vida. Chegar em casa, tomar banho e deitar na rede pra pensar na vida. Ficar lá, empurrando a rede com o pé, olhando ora para o teto ora para o tapete, procurando alguma coisa complicada que tomasse o meu pensamento até a hora de dormir. Com freqüência eu encontrava, naturalmente a tal “hora de dormir” ficava pra mais tarde e eu ficava lá rolando na cama, com a cabeça zunindo, pensando: ô bosta de vida...

Aí eu pensava nos pacientes do Adauto. Como eles tinham chegado lá, o que tinha acontecido com eles até a internação, por quê, quando, como foi. Como eles sofriam com a falta de respeito, de amor e de higiene naquela pocilga de hospital. Como eles se divertiam com a nossa cara, fingindo entrar em surto quando as estagiárias chegavam no pátio, comendo todo nosso chocolate, fumando todo o nosso cigarro e saindo dando risada. Aí eu pensava no Alienista (grande livro), como o ser humano é medíocre, como o Machado de Assis é genial, como as coisas mudaram tão pouco em 100 anos. Aí eu pensava que até hoje não li Memórias Póstumas de Brás Cubas. Aí eu pensava como o Paulo Francis faz falta. Aí eu pensava como preciso de um sapato novo. Aí eu pensava. Aí eu pensava. Aí eu pensava. Ai, ai, já são 3:30 da manhã e amanhã tem aula...

Eu ficava pensando em todas as coisas no universo e como elas se relacionam, e sempre terminava os pensamentos com: “Hump, saco...” Sabe aquele ditado que diz que quanto maior o seu conhecimento maior a sua ignorância? Que quanto mais você estuda mais você tem consciência do quão pouco você sabe? Que quanto mais você tenta digerir tudo que te acontece mais você enlouquece pensando que nunca vai conseguir? E aí no meio desta fase “cabeça em purê de batata”, eu tava lá enfiada num hospício.

Devo confessar que foi uma das fases mais peculiares da minha passagem por este planeta. Sabe aqueles dias em que você bebe um pouco mais do que a sua mãe gostaria, levanta chapado, sai andando e de repente tudo fica meio sem sentido? Proporção, profundidade, cor, som, conversas, nada é real. Pois então. Imagine sair numa rua qualquer num dia qualquer e de repente ser acometido por um súbito ataque de surrealismo misturado com efeitos de embriaguez (well, sem o enjôo da catchaça...). De repente todo mundo é estranho, as feições das pessoas ficam bizarras, as cores não combinam mais, os sons são distorcidos. Rapaz, devo dizer que eu passei uns meses com um pé de cada lado da sanidade mental... Passei a duvidar de tudo que eu via e achava mesmo que estava ficando louca.

Aí eu concluí que era tudo efeito do excesso de pensar na vida. Quanto mais você tentar mastigar mais você engasga, isso sim. Esse negócio de sanidade é uma bobagem. O normal é uma bobagem. Ele simplesmente não existe! Dentro do Adauto não tem nada que não tenha aqui fora. A gente passa a vida (piora muito quando se estuda psicologia) tentando encontrar o ponto médio da sanidade mental, a referência correta, a forma de existência em perfeito equilíbrio com o universo. Mas não há nada assim. Que coisa hein? A gente precisa enlouquecer para ver que é normal. Que normal é só isso mesmo e que de fato todo mundo é meio louco.

Quando eu contei pro tal amigo que um dia duvidei da minha sanidade mental ele riu. (Ainda não estou bem certa se riu de mim ou comigo. Se achou que “você ainda tem dúvida se é louca?” ou se foi mais para “começo a achar que você fala bobagem sim”... ) De qualquer jeito, eu acho mesmo que todo mundo já questionou sua normalidade pelo menos uma vez na vida. Se ainda não o fez, só está atrasado. E se esforçar para ser normal é a maior prova de mediocridade que uma pessoa pode apresentar. Questionar sempre seu papel, sua postura, suas preferências, celebrá-las, isso sim é bacana! Tirar tudo do lugar, estranhar, repensar, questionar, mesmo que se decida pelo que já estava. Mas é preciso tirar a poeira. Você já fez uma faxina? Não estou falando de passar um Perfex na TV e no som. Faxinão mesmo, daquelas que você tira tudo do lugar, põe tapete pra cima, arrasta o sofá (encontro as coisas mais espetaculares caídas atrás do sofá...). Nesta divertida ainda que cansativa tarefa, a gente sempre pensa em mil outros jeitos de colocar os móveis. E isso é legal, mesmo que no final do dia a gente volte com tudo para o lugar. As coisas ficam onde estavam mas estão arejadas, limpas. Não precisamos mudar a sala toda vez que fazemos faxina, mas é preciso arrastar os móveis sempre pra não juntar poeira.

A gente precisa delirar um pouco pra poder respirar. Precisa arejar o cérebro. Eu por exemplo estou sem dormir pensando se vou ter filhos ou se vou comprar um Porsche preto. Eu!! Que não tenho namorado e ando de ônibus...

Mas sabem como é. Eu penso demais.

E quem pensa demais fica meio louco e acaba falando bobagem.


Adriana Donatello
Vitória, 27/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. Omissão de Ricardo de Mattos
03. Na hora do batismo de Marta Barcellos
04. A melhor Flip de Marta Barcellos
05. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos


Mais Adriana Donatello
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2001
13h26min
Xará, adorei sua coluna! Você espelhou muita coisa que passa na minha cabeça também. Aliás, acho que na cabeça de todo mundo. Só que alguns encaram, outros fingem que não está acontecendo.
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
27/11/2001
18h01min
Adriana, Uma vez li um texto da Ligia Fagundes Telles em que ela diz que o máximo que podemos fazer é manter nossa loucura em limites aceitáveis pela sociedade, assim não nos internam. Desde então eu tenho "disfarçado" a minha loucura. Sugiro que você faça o mesmo... :o) Muito legal o texto. Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
30/11/2001
09h04min
Depois da leitura desse texto, errei até meu nome. Xáprálá. Eu sempre tive uma vontade louca de, uma dia, acordar e não falar nada com ninguém. Nunca mais. Só olhar e pensar. Mas, sabe como é, trabalho, filhos... O poir, é que o meu maior problema é, justamente, não conseguir parar de pensar! Não é um paradoxo? Gostaria imensamente de brecar minha cabeça, de vez em quando e, por outro lado, suspiro por uma vida calada, só de reflexões. Credo! Deve ser terrível. É melhor deixar isso para os sonhos, mesmo. Quanto aos loucos (nós?), acho que é uma pena, tanto talento humano encostado num canto, só porque não se "encaixam" no que a sociedade precisa. É um tremendo desperdício. Nem sei se a visão da loucura como doença é a mais acertada. Os médicos que me desculpem, mas é isso aí. (Meu pai é médico, nem por isso vou mudar minha opinião a esse respeito). Sonia Pereira.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês