Bobagem | Adriana Donatello | Digestivo Cultural

busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 27/11/2001
Bobagem
Adriana Donatello

+ de 4400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Outro dia, um amigo me disse uma das mentiras mais simpáticas que já ouvi. Eu estava no carro reclamando que falo sem parar o tempo inteiro, e que de vez em quando alguém devia me mandar calar a boca (aliás, esta é uma grande verdade). Aí ele me vem com a seguinte bravata: “Você fala muito, mas não fala bobagem”. Meu Deus!! O que é isso?? Tanto esforço para falar bobagem e esse fulano me sai com essa?! Logo ele, um cara tão sabido. Justo ele foi cair neste papo de que o que eu falo faz sentido?!

Eu me formei em psicologia. Resolvi trabalhar dentro de empresas porque afinal vocês sabem que é mais fácil estudar os bichos em cativeiro. Fiz meu estágio em um hospital psiquiátrico e toda quarta ao meio-dia meu pai ligava pra casa pra saber se eu já tinha chegado (“um dia você fica por lá”). Durante os poucos mas intensos meses em que freqüentei o Adauto Botelho, eu me aprofundei no estúpido hábito de pensar na vida. Chegar em casa, tomar banho e deitar na rede pra pensar na vida. Ficar lá, empurrando a rede com o pé, olhando ora para o teto ora para o tapete, procurando alguma coisa complicada que tomasse o meu pensamento até a hora de dormir. Com freqüência eu encontrava, naturalmente a tal “hora de dormir” ficava pra mais tarde e eu ficava lá rolando na cama, com a cabeça zunindo, pensando: ô bosta de vida...

Aí eu pensava nos pacientes do Adauto. Como eles tinham chegado lá, o que tinha acontecido com eles até a internação, por quê, quando, como foi. Como eles sofriam com a falta de respeito, de amor e de higiene naquela pocilga de hospital. Como eles se divertiam com a nossa cara, fingindo entrar em surto quando as estagiárias chegavam no pátio, comendo todo nosso chocolate, fumando todo o nosso cigarro e saindo dando risada. Aí eu pensava no Alienista (grande livro), como o ser humano é medíocre, como o Machado de Assis é genial, como as coisas mudaram tão pouco em 100 anos. Aí eu pensava que até hoje não li Memórias Póstumas de Brás Cubas. Aí eu pensava como o Paulo Francis faz falta. Aí eu pensava como preciso de um sapato novo. Aí eu pensava. Aí eu pensava. Aí eu pensava. Ai, ai, já são 3:30 da manhã e amanhã tem aula...

Eu ficava pensando em todas as coisas no universo e como elas se relacionam, e sempre terminava os pensamentos com: “Hump, saco...” Sabe aquele ditado que diz que quanto maior o seu conhecimento maior a sua ignorância? Que quanto mais você estuda mais você tem consciência do quão pouco você sabe? Que quanto mais você tenta digerir tudo que te acontece mais você enlouquece pensando que nunca vai conseguir? E aí no meio desta fase “cabeça em purê de batata”, eu tava lá enfiada num hospício.

Devo confessar que foi uma das fases mais peculiares da minha passagem por este planeta. Sabe aqueles dias em que você bebe um pouco mais do que a sua mãe gostaria, levanta chapado, sai andando e de repente tudo fica meio sem sentido? Proporção, profundidade, cor, som, conversas, nada é real. Pois então. Imagine sair numa rua qualquer num dia qualquer e de repente ser acometido por um súbito ataque de surrealismo misturado com efeitos de embriaguez (well, sem o enjôo da catchaça...). De repente todo mundo é estranho, as feições das pessoas ficam bizarras, as cores não combinam mais, os sons são distorcidos. Rapaz, devo dizer que eu passei uns meses com um pé de cada lado da sanidade mental... Passei a duvidar de tudo que eu via e achava mesmo que estava ficando louca.

Aí eu concluí que era tudo efeito do excesso de pensar na vida. Quanto mais você tentar mastigar mais você engasga, isso sim. Esse negócio de sanidade é uma bobagem. O normal é uma bobagem. Ele simplesmente não existe! Dentro do Adauto não tem nada que não tenha aqui fora. A gente passa a vida (piora muito quando se estuda psicologia) tentando encontrar o ponto médio da sanidade mental, a referência correta, a forma de existência em perfeito equilíbrio com o universo. Mas não há nada assim. Que coisa hein? A gente precisa enlouquecer para ver que é normal. Que normal é só isso mesmo e que de fato todo mundo é meio louco.

Quando eu contei pro tal amigo que um dia duvidei da minha sanidade mental ele riu. (Ainda não estou bem certa se riu de mim ou comigo. Se achou que “você ainda tem dúvida se é louca?” ou se foi mais para “começo a achar que você fala bobagem sim”... ) De qualquer jeito, eu acho mesmo que todo mundo já questionou sua normalidade pelo menos uma vez na vida. Se ainda não o fez, só está atrasado. E se esforçar para ser normal é a maior prova de mediocridade que uma pessoa pode apresentar. Questionar sempre seu papel, sua postura, suas preferências, celebrá-las, isso sim é bacana! Tirar tudo do lugar, estranhar, repensar, questionar, mesmo que se decida pelo que já estava. Mas é preciso tirar a poeira. Você já fez uma faxina? Não estou falando de passar um Perfex na TV e no som. Faxinão mesmo, daquelas que você tira tudo do lugar, põe tapete pra cima, arrasta o sofá (encontro as coisas mais espetaculares caídas atrás do sofá...). Nesta divertida ainda que cansativa tarefa, a gente sempre pensa em mil outros jeitos de colocar os móveis. E isso é legal, mesmo que no final do dia a gente volte com tudo para o lugar. As coisas ficam onde estavam mas estão arejadas, limpas. Não precisamos mudar a sala toda vez que fazemos faxina, mas é preciso arrastar os móveis sempre pra não juntar poeira.

A gente precisa delirar um pouco pra poder respirar. Precisa arejar o cérebro. Eu por exemplo estou sem dormir pensando se vou ter filhos ou se vou comprar um Porsche preto. Eu!! Que não tenho namorado e ando de ônibus...

Mas sabem como é. Eu penso demais.

E quem pensa demais fica meio louco e acaba falando bobagem.


Adriana Donatello
Vitória, 27/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. Um caso de manipulação de Celso A. Uequed Pitol


Mais Adriana Donatello
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2001
13h26min
Xará, adorei sua coluna! Você espelhou muita coisa que passa na minha cabeça também. Aliás, acho que na cabeça de todo mundo. Só que alguns encaram, outros fingem que não está acontecendo.
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
27/11/2001
18h01min
Adriana, Uma vez li um texto da Ligia Fagundes Telles em que ela diz que o máximo que podemos fazer é manter nossa loucura em limites aceitáveis pela sociedade, assim não nos internam. Desde então eu tenho "disfarçado" a minha loucura. Sugiro que você faça o mesmo... :o) Muito legal o texto. Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
30/11/2001
09h04min
Depois da leitura desse texto, errei até meu nome. Xáprálá. Eu sempre tive uma vontade louca de, uma dia, acordar e não falar nada com ninguém. Nunca mais. Só olhar e pensar. Mas, sabe como é, trabalho, filhos... O poir, é que o meu maior problema é, justamente, não conseguir parar de pensar! Não é um paradoxo? Gostaria imensamente de brecar minha cabeça, de vez em quando e, por outro lado, suspiro por uma vida calada, só de reflexões. Credo! Deve ser terrível. É melhor deixar isso para os sonhos, mesmo. Quanto aos loucos (nós?), acho que é uma pena, tanto talento humano encostado num canto, só porque não se "encaixam" no que a sociedade precisa. É um tremendo desperdício. Nem sei se a visão da loucura como doença é a mais acertada. Os médicos que me desculpem, mas é isso aí. (Meu pai é médico, nem por isso vou mudar minha opinião a esse respeito). Sonia Pereira.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VANGUARDA OPERÁRIA: ELITE DE CLASSE?
VANIA MALHEIROS BARBOSA ALVES
PAZ E TERRA POLÍTICA
(1984)
R$ 12,00



DICIONÁRIOS ELETRÔNICOS AURÉLIO E HOUAISS
LIDIA ALMEIDA BARROS
ANNABLUME
(2005)
R$ 4,24



MARKETING EDIÇÃO COMPACTA
KOTLER
ATLAS
(1980)
R$ 14,00



O SÓCIO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(1997)
R$ 15,00



PROGRAMMING INTERVIEWS EXPOSED
ERIC GIGUERE; JOHN MONGAN; NOAH SUOJANEN
JOHN WILEY PROFESSIO
(2012)
R$ 110,00



THE GOLDEN DREAM: SUBURBIA IN THE SEVENTIES
STEPHEN BIRMINGHAM (CAPA DURA)
HARPER & ROW (NY)
(1978)
R$ 47,28



REINO INFANTIL (VOLUME 3) - LITERATURA INFANTIL/CONTOS DE FADAS
HANS CHRISTIAN ANDERSEN, CHARLES PERRAULT E OUTROS
LEP
(1958)
R$ 7,00



A CABEÇA DE STEVE JOBS
LEANDER KAHNEY
AGIR
(2009)
R$ 17,00



AS AVENTURAS DO CAPITÃO CUECA
DAV PILKEY
COSAC & NAIFY
(2001)
R$ 15,00



ANÁLISE TRANSACIONAL
JUT MEININGER
ARTENOVA
(1973)
R$ 7,11





busca | avançada
44941 visitas/dia
1,3 milhão/mês