Livrarias, bibliotecas e outros paraísos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/7/2010
Livrarias, bibliotecas e outros paraísos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6000 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

O primeiro passeio por uma livraria já vai longe. Na verdade, nem me lembro dele, sequer vagamente. Talvez tenha vindo tarde, já em meados da adolescência, quando algum dinheiro sobrava dos lanches não comprados na escola. Assim, forçando a memória, me vem uma livraria Siciliano de um shopping, então recém-inaugurado, no centro da cidade de Belo Horizonte. Uma Siciliano pela qual nutri imenso carinho ao longo de vários anos. Uma livraria que cobicei, com a qual sonhei e que me ajudou a encorpar a estante de livros de poesia contemporânea que ostento até hoje, no hall dos quartos, em minha casa.

Na infância ou pouco depois, não me lembro de passeios por corredores e prateleiras em livrarias da cidade. Não era um passeio promovido nem por pais, nem por tios, nem padrinhos ou amigos. Se bobeasse mais um pouco, era o tipo de turnê que ninguém desejava fazer. Talvez nem eu mesma, antes, diante da falta de quem me apresentasse essa espécie de flanérie.

Lembro, isso sim, dos passeios pelas bibliotecas públicas. A ideia geral (e aprendida em casa) era a de que livros são emprestados. Não havia razão para se comprá-los ou para mantê-los em cárcere privado. Algo assim norteava a ideia de que se deveria ser sócio de uma biblioteca pública. Em algum momento, fui obrigada, então, a fazer uma carteirinha da biblioteca (parca e feia) do bairro ao lado. Um prédio escuro, no fundo de uma escola pública, era, então, o abrigo de uns livros poucos e mal-conservados. Tenho cá, até hoje, esse cartão de papel, com uma foto três por quatro impublicável, que me dava direito a alguns empréstimos de livros, com restrições normais de instituições de empréstimo. Havia lá umas regras de uso e umas datas de devolução. O carimbo torto entre as linhas do cartão dá prova dos livros que achei e que peguei naquela filial da biblioteca pública estadual.

Também lembro bem da biblioteca da escola, colégio municipal à época disputado e prestigioso, em que cumpri a maior parte dos meus anos de formação básica. Mais uma vez, tratava-se de um lugar escuro, mais precisamente uma espécie de porão, em que ficavam (mais armazenados do que à disposição) os livros que li na adolescência, pela altura da antiga oitava série. Foi ali que descobri coisa muito importante, como a leitura de Paulo Leminski, por exemplo. Ou foi ali que conheci Carlos Herculano Lopes e, junto com ele, que muitos escritores ainda estavam vivos, bem vivos.

Naquela onda de empréstimos, que acho que incomodavam um pouco a simpática bibliotecária, li livros que "caíram no vestibular" (não o meu, mas o dos outros todos mais velhos do que eu) e os que não caíram em lugar nenhum. Vez ou outra, a moça da biblioteca, baixinha, de nariz longo e adunco, perguntava, com o olhar de fato intrigado, o que eu fazia ali enquanto os demais adolescentes estavam no recreio. Eu não me lembro de nenhuma resposta que dei à insistente pergunta dela.

Ali, naqueles escuros e apertados corredores, descobri mais ainda do que Herculano, mitologias e livros de vestibular. Junto com a leitura de Leminski, descobri o que era desejar livros. Eu queria tê-los. Não queria ter de devolvê-los. Não queria mais ter prazos (curtos ou dilatados). Não queria mais regulações. Nem mesmo queria mais conter meu impulso de escrever nas margens.

Dos dinheiros de lanche não-gastos e desse desejo de posse, meio egoísta, eu sei, mas muito muito cuidadoso, aprendi o caminho da Siciliano e comecei minha coleção de poesia contemporânea, inaugurando-a, claro, com algo da obra do poeta curitibano. Depois dele, outros e outros e outros, mineiros, paulistas, gaúchos, nordestinos, brasilienses, cariocas, mortos, suicidas, vivos, bebuns, bons e maus.

Aí começava a trilha pelas livrarias, um outro espaço, também de livros, mas agora mais claro, mais amplo, mais habitado do que os anteriores. A despeito dessa arquitetura que, em geral, propunha o consumo, a estante de poesia estava lá, mais ao fundo, embaixo, empoeirada, em lugar de difícil acesso. Agachada, apertada em um canto, eu procurava uns nomes, umas capas e umas surpresas. Ia sozinha e, de vez em quando, encontrava, pela vida adentro, uns amigos que me acompanhavam sem me importunar, permitindo que eu gastasse horas e horas na colheita dos meus títulos.

Da Siciliano parti para as livrarias da Fernandes Tourinho, uma rua de Belo Horizonte que cultivava uma série (infelizmente finita) de livrarias interessantes. Naquela época, descobri a Scriptum, que está até hoje plantada no mesmo solo. Nas estantes de poesia, mais visíveis e maiores, descobri muitos poetas de hoje, muitos autores mineiros, muita conversa literária. Comprei muita coisa, enchi minha estante de surpresas atuais, atualíssimas e mesmo recém-lançadas.

O desejo de ter livros crescia. Tornava-se uma mania, febre dessas como a de figurinhas ou a de colecionar tampinhas. Febre de querer mais uma novidade para a coleção de leituras, não apenas de obras secas paradas na estante de casa. Não era apenas um ímpeto de ter, mas um outro de conhecer, de ler, de saber, de procurar, de experimentar, de lidar, de analisar. Uns livros que me deixavam perplexa por uns tempos. Outros que me causavam certo arrependimento de não ter comido mais pães de queijo na escola.

Livros proliferam. A casa é violada, mas os ladrões não levam. Os moços da mudança xingam. Livros pesam. Livros são bens físicos, mas não são só isso. Livros lidos são como aquela história da chama da vela: você acende a vela dos outros e a sua luz continua com você (li isso em alguns contextos diferentes). Livros lidos são inexplicavelmente virtuais. E minhas estantes foram ficando pequenas, pequeninas, pequetitas e tive de comprar mais delas, procurar lojas que soubessem vender estantes para livros, especificamente para eles. Não estantes frágeis, ornamentais, para um ou outro exemplar decorativo. Precisei de estantes robustas, de prateleiras estreitas e firmes, calculadamente espaçadas para aguentar o peso do papel.

Atualmente, são duas no hall dos quartos e sete no escritório. Os livros estão em fila dupla em todos os lugares e já tomaram a mesa central e parte do meu espaço de trabalho. São muitos, variados, de diversos jeitos e cores. Os temas se ampliaram, se refinaram e já tenho problemas de busca. Vez ou outra, alguém pergunta se já li tudo. Não, claro que não, mas estimo que em mais duas vidas eles estejam todos lidos. Mas haverá outros e outros que terei comprado. É uma angústia. E mais: alguns livros não são de ler inteiros, mas de consultar, de espiar, de ler ao longo dos anos, de juntar com a coleção e deixar para depois. Os livros são desejados, comprados e habitam a casa, como as pessoas, só que eles costumam durar mais do que elas.

Nessa caminhada de desejos de livros, tive de importar alguns, porque a cidade e suas livrarias haviam ficado pequenas e insuficientes. A web e suas livrarias infinitas me ajudaram a compor mais partes do meu arsenal. E quando vou a São Paulo, a Campinas, a Porto Alegre ou a Lisboa, onde quer que seja, separo um dia inteiro, senão mais, apenas para me dedicar às grandes livrarias. E sempre estimo, ao montar as malas, quantos livros deverão voltar nelas quando eu estiver de retorno. E sempre as malas vêm mais pesadas do que foram. E minha perdição, minha salvação e minha mágoa andam juntas: por que Belo Horizonte não tem uma grande livraria de verdade, como outras cidades têm? Será que falta quem tenha desejos como os meus?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 2/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
03. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
04. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2010
10h15min
O processo que demarca a constituição de um bom livro (porque os maus deveriam tem outro nome) é basicamente dividido em dois atos. No primeiro ato estão em cena o autor e as palavras, e irão se regozijar de forma intensa, talvez até orgásmico, variando de um balé clássico a um tango, ou um funk, dependendo do autor, mas ningúem mais participa dessa cena. No segundo ato, sai de cena o autor e entra o leitor. O autor fica banido definitivamente. O que vale desde então é o papel que o leitor se põe a representar, da maneira como ele entende por aquele script, da maneira como ele traduz o texto, as palavras, pela capacidade de seus olhos. Dois atos apenas, mas dois momentos tão diferentes, que vez em quando podem até ser confundidos. É o princípio da identificação. Mas para ter acesso a essa magia, é preciso que se pratique primeiramente um outro ato: o ato de ler bons livros.
[Leia outros Comentários de ROBERTO ESCRITOR]
2/7/2010
14h36min
Que vício delicioso comprar livros, tê-los aos montes, não são suficientes.
[Leia outros Comentários de Edson B Camargo]
4/7/2010
22h29min
Interessante isso de comprar pra ler depois. Me identifiquei na hora (claro, nas modestas proporções ). Eu acho que é uma relação muito curiosa. Já comprei livros que só li tempos depois e tive a sensação de que só então seria meu momento certo para conhecê-los. Percebo que, por vezes, não estamos preparados para pensar sobre certos sentires ou tornarmo-nos cúmplices de certas tramas. Confesso que me acho uma leitora modesta ou até mesmo medíocre. Meu garimpo é eventual, casual, não sigo um determinado autor ou autores ou estilo, mas adoro o cheiro das livrarias, a luz e o misto de cores e ideias dispostos nas prateleiras. O texto me fez sentir vontade de correr para uma livraria. Enfim. Abraço.
[Leia outros Comentários de Melinda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POEMAS - EDIÇÃO BILÍNGUE
RAINER MARIA RILKE / GEIR CAMPOS - SEL. E TRADUÇÃO
LUZES NO ASFALTO
(2010)
R$ 34,90



INICIAÇÃO AO MARKETING
ROBERTO SIMÕES
ATLAS
(1977)
R$ 4,60



ENTRADAS E BANDEIRAS - DEPOIMENTOS
FERNANDO GABEIRA
CODECRI
(1981)
R$ 29,90
+ frete grátis



SKYLINE 4 WORKBOOK A
KATE FUSCOE
MACMILLAN
(2006)
R$ 7,90



POLÍTICO PSICOPATA BRASILEIRO
RUBEM BRUST
BUQUI
(2018)
R$ 25,00



A GUERRA DE HUGO CHÁVEZ CONTRA O COLONISMO
NÚNZIO RENZO AMENTA
EXPRESSÃO POPULAR
(2010)
R$ 25,00



13 A 18 DE FEVEREIRO DE 1922 - A SEMANA DE 22: REVOLUÇÃO ESTÉTICA?
MARCIA CAMARGOS
COMPANHIA ED. NACIONAL
(2007)
R$ 12,07



QUÍMICA ORGÂNICA - DOIS VOLUMES 7º EDIÇÃO
GRAHAM SOLOMONS - CRAIG FRYHLE
LTC LIVROS TÉCNICO CIENTIFICOS
(2001)
R$ 240,00



DIREITO CONSTITUCIONAL DESCOMPLICADO
VICENTE PAULO; MARCELO ALEXANDRINO
GEN / MÉTODO
(2013)
R$ 80,00



OS SEGREDOS DO SEU SUPRAMENTAL
ADELINO DA ROSA
DO AUTOR
R$ 14,00





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês