Cinema futuro: projeções | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
COLUNAS >>> Especial Futuro do Cinema

Terça-feira, 27/4/2010
Cinema futuro: projeções
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A experiência do cinema em 3D tem causado frisson no público. A mesma vertigem que sentimos, por exemplo, diante de uma cena de Avatar, sentimos nas igrejas que adotaram o barroco como arte. Somos praticamente jogados dentro da cena, convivemos quase que fisicamente com a situação que se desenrola, estamos como que caindo precipício abaixo (em Avatar), como estamos subindo aos céus em nuvens flutuantes, fofas e aéreas, amparados por anjos (numa igreja barroca). Enfim, somos seduzidos a partir da sensorialidade. E quem não gosta de ser seduzido?

A ideia da experiência sensorial tem se acentuado no cinema como foi acentuada na arte contemporânea (vide Lygia Clarck, Oiticica, vídeo-arte etc.) e nos brinquedos eróticos vendidos em sex shops (bonecas/bonecos infláveis com calor, cheiro e movimentos produzidos por bateria ― ou seja, quase um corpo humano).

Existe um preconceito no Ocidente que brota das formulações platônico-aristotélicas contra o conhecimento irracional que nasce das experiências sensoriais. Elas são o contraponto ao conhecimento racional/intelectual-ideal. Da mesma forma que a carne-matéria, tida pelo cristianismo como fonte do pecado, foi vista como um desvio do absoluto, qualquer conhecimento sensível é visto pela tradição ocidental como "falso". Basta saber que a Estética, como disciplina, só no século XVIII foi aceita como algo sério, como um campo do conhecimento tal qual a filosofia ou outro sistema de pensamento.

E o novo cinema, principalmente o americano, que apela mais para a forma que para o conteúdo, mais para a sensação do que para o pensamento, acaba sendo visto como alienado, uma espécie de oposição ao cinema europeu intelectual.

Bom, o público médio não sabe nada disso, apenas entra no cinema e se diverte. E, para delírio e ódio dos intelectuais europeus, um filme como Avatar tem produzido mais emoção estética no seu público do que as reflexões profundas que seus intelectuais-cineastas têm fornecido em filmes-cabeça. Mas tudo está em transformação, basta visitar o Cahiers du Cinema e ver que muitos filmes considerados alienados têm sido discutidos à luz de proposições filosóficas por alguns intelectuais, aqueles menos enclausurados em velhas formas de se pensar a arte e as formulações estéticas.

Um filme como Matrix, por exemplo, foi devidamente destrinchado por intelectuais que viram ali uma séria reflexão sobre o mundo governado pelas relações virtuais. Mais profundo que a sociologia do mundo contemporâneo, foi ali que se viu francamente destrinchado o problema da virtualidade da existência. Aliás, o que se produziu de ensaios acadêmicos sobre o filme não é brincadeira.

Essa desconfiança tem seus dias contados. Não se admire se um dia desses dentro do cinema nós pudermos sentir o cheiro da floresta, o cheiro da terra e/ou da mistura de perfume e sexo dos personagens no ato de amor. Ainda mais, o cheiro das ruas de Nova York ou do deserto do Saara, da brisa marinha de uma praia distante ou de conhaque e cigarro num bar esfumaçado que toca jazz em Paris. Universos inalcançáveis que se produzirão artificialmente para os espectadores e dos quais poderemos tirar proveito.

É isso que um filme como Avatar anuncia. E em vez de simplesmente distribuir-se óculos, outros apetrechos serão distribuídos para os frequentadores do cinema que poderão sentir o cheiro, o gosto, a temperatura etc., dos acontecimentos que se desenrolam à sua frente na telona.

Não que aquele cinema meditativo, introspectivo, à maneira de Bergman, deixará de existir, sendo ainda uma forma, entre outras, de se pensar a vida humana e seus terríveis dramas existenciais a partir de uma inteligência particular, intelectual, meditativa.

A tecnologia, por sua rápida transformação a partir do século XX, tem causado pavor em algumas pessoas. Mas tem causado deslumbre na maioria dos usuários que se aproveitam dela para suprir faltas difíceis de se reparar, seja pela dificuldade ou o alto preço do acesso ao conhecimento. A universalização do conhecimento se acelerou. Para quem domina diferentes línguas, então, nem se fala. E mesmo os tradutores virtuais têm se mostrado bastante eficazes quando falta a cultura das línguas. Portanto, a modernidade tecnológica é, sim, uma mão na roda.

Se o cinema incorpora essas qualidades da tecnologia, que seja para bom proveito de todos e não matéria de desconfiança. Uma particularidade no mundo do entretenimento cinematográfico é que nem sempre apenas a alta tecnologia produz grandes filmes. Veja-se sucessos de baixo orçamento como A Bruxa de Blair e Guerra ao Terror (que ganhou o Oscar de Melhor Filme, derrubando o favoritismo de Avatar). Isso, por si, explica a complicada questão que existe na relação entre arte cinematográfica e mercado, entre o desejo dos espectadores e a visão do que será ou não aceito como mercadoria ou forma de comunicação estética.

O novo cinema incorpora transformações que são da ordem do desejo e da subjetividade dos indivíduos, que são produto de interesses capitalistas e que são fruto de particularidades estéticas dos artistas-cineastas. Tudo isso conjugado com os avanços das tecnologias pode auxiliar as transformações não só das proposições sociais como das estéticas.

Nessa geléia-geral, o público vai se mover, escolhendo ou sendo escolhido para esse ou aquele entretenimento. O cinema, como também a fotografia, sempre foi visto com uma certa desconfiança, como não sendo arte, sendo aceito apenas como um ligeiro entretenimento. Um pensamento equivocado e, talvez(?), já superado. E o cinema que incorpora as tecnologias é mais mal visto ainda, julgado apenas como "entretenimento ralo". Como se não houvesse possibilidade de se edificar nenhum pensamento a partir do sobrevoo rasante de uma das aves de Avatar ou a partir da sombria realidade de um Hitchcock.

Se não fosse assim, poderíamos deixar de lado toda a arte romântica e seus símbolos obscuros e elevados, agitados e irracionais (Friedrich, Goethe, Victor Hugo, Delacroix, Beethoven, Schiller), muitas vezes recuperados pelo cinema atual, mas pouco percebidos pelos espectadores mal informados sobre a história da arte e da literatura. A esse respeito relacione-se a pintura romântica de paisagem americana (e as proposições sobre o desejo como algo dominante na natureza humana) que aparece no filme O segredo de Brokeback Montain. Um diálogo fecundo entre duas culturas distantes no tempo, a do passado fecundando a contemporaneidade e vice-versa.

O cinema que vai além do conteúdo, nos proporcionando sensações afetivo-sensoriais, vai ser a marca do novo cinema que se avista.

Caros ocidentais, acomodem-se nas poltronas, pois seus cinco sentidos serão ativados. O resultado disso, pensaremos depois de aprendermos a sentir.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/4/2010


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


Mais Especial Futuro do Cinema
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/4/2010
20h05min
Penso que o cinema está mudando, mas no ritmo das obsolescências do produto cinematográfico. Faz parte do processo globalizado.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TOQUE - MÉTODOS E MILAGRES DE CURA
M. A. DOUG HEYES
MADRAS
(2018)
R$ 34,90



INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS
PIERRE JACCARD
LIVROS HORIZONTE
(1977)
R$ 24,82



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 15,00



THE HOLLOW EARTH
RAYMOND BERNARD
ADVENTURES UNLIMITED PRESS
(2009)
R$ 35,00



ORAÇÃO QUE TRANSFORMA
SUELY BEZERRA
FÔLEGO
(2009)
R$ 10,00



A 8 SERIE C
ODETTE DE BARROS
MUNDO JOVEM
(1987)
R$ 11,00



OS TERRITÓRIOS DO REINO DE DEUS:
MARCUS CASTRO FARIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



O SELF ESSENCIAL
WILL SELF
ALFAGUARA BRASIL
(2014)
R$ 35,00
+ frete grátis



CLARA-COMO-O-SOL, ESCURO-COMO-A-NOITE 2º EDIÇÃO
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2005)
R$ 4,00



SÓCRATES ENCONTRA SARTRE
PETER KREEFT
VIDE EDITORIAL
(2013)
R$ 150,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês