Cinema futuro: projeções | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
Mais Recentes
>>> Kill La Kill #03 de Ryo Akizuki pela JBC/Ink Comics (2015)
>>> Por uma pedagogia da pergunta de Paulo Freire e Antonio Faundez pela Paz e Terra (1985)
>>> Um morto no elevador de Zahyra de Albuquerque Petry pela Sulina (1983)
>>> Magnus Chase e os Deuses de Asgard, Vol. 02 - O Martelo de Thor de Rick Riordan pela Intrínseca (2016)
>>> Filosofia da educação de Olivier Reboul pela Nacional (1980)
>>> Rangers, Ordem dos Arqueiros, Vol. 02 - Ponte em Chamas de John Flanagan pela Fundamento (2009)
>>> Teoria do conhecimento de Johannes Hessen pela Armênio Amado (1987)
>>> Rangers, Ordem dos Arqueiros, Vol. 01 - Ruínas de Gorlan de John Flanagan pela Fundamento (2009)
>>> Avaliação mito & desafio - uma perspectiva construtivista de Jussara Hoffmann pela Mediação (1998)
>>> Rangers, Ordem dos Arqueiros, Vol. 03 - Terra do Gelo de John Flanagan pela Fundamento (2009)
>>> Sociologia da educação de Alberto Tosi Rodrigues pela DP&A (2002)
>>> Teumbilhao ou A Sociedade Perfeita S.A. de Leandro Telles Franz pela Insular (2008)
>>> Sobre a Vida Feliz de Santo Agostinho pela Vozes (2014)
>>> O príncipe de Machiavelli pela Hemus
>>> Fogo Pálido de Vladimir Nabokov pela Companhia das Letras (2004)
>>> O manuscrito roubado de carmem Lima pela L&PM (1985)
>>> Diário de uma Garota Nada Popular (3): Histórias de uma Pop Star... de Rachel Renée Russell pela Verus (2013)
>>> Morravagin / O Fim do Mundo de Blaise Cendrars pela Companhia das Letras (2003)
>>> Diário de uma Garota Nada Popular (1): Histórias de uma Vida nem um Pouco Fabulosa de Rachel Renée Russell pela Verus (2013)
>>> Sobreviver no mar cruel de Dougal Robertson pela Verbo (1977)
>>> Diário de uma Garota Nada Popular.. Baladeira Nem um Pouco Glamourosa de Rachel Renée Russell pela Verus (2011)
>>> Um mundo só meu de Robin Knox Johnston pela Edições Marítimas ltda (1990)
>>> História da Sexualidade 1 - A Vontade de Saber de Michel Foucault pela Paz & Terra (2017)
>>> Você pode curar sua vida de Louise L. Hay pela Best Seller
>>> Relatos de um projetor extrafísico de Geraldo Medeiros Júnior pela Petit (1990)
>>> Os Meninos e o Trem de Ferro de E. Nesbit (Ind. Editorial): Ana Maria Machado pela Moderna/ SP. (1998)
>>> No reino do gelo: A incrível viagem de um navio na conquista do Polo Norte de Hampton Sides pela Intrínseca (2016)
>>> Horizontes Antropológicos 52 - A religião no espaço público de Ari Pedro oro e Marcelo Ayres Camurça orgs. pela Ufgs (2018)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrínseca (2016)
>>> Echos de Paris de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1927)
>>> Abarat de Clive Barker pela Companhia das Letras (2003)
>>> Prosas barbaras de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> O Livro dos Peixes de William Gould de Richard Flanagan pela Companhia das Letras (2003)
>>> A capital de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1929)
>>> Comando Tribulação/ Deixados para Trás - o Drama Continua de Tim Lahaye/ Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> Últimas páginas - manuscriptos ineditos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1938)
>>> Cartas Perto do Coração de Fernando Sabino, Clarice Lispector pela Record (2001)
>>> O Mandarim de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> Cartas familiares e bilhetes de Paris de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1922)
>>> A Colheita: a Escolha Está Feita de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (2009)
>>> O Egypto - notas de viagem de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1938)
>>> O Possuído(Deixados Para Trás...) de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (2001)
>>> Nicolae: o Anticristo Chega ao Poder de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (1999)
>>> Toda Poesia de Paulo Leminski pela Companhia das Letras (2013)
>>> Comando Tribulação/ Deixados para Trás - o Drama Continua de Tim Lahaye - Jerry B. Jenkins pela United Press (1999)
>>> O primo Bazilio de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz & Terra (1978)
>>> A Marca - a Besta Controla o Mundo de Tim Lahaye/ Jerry B. Jenkins pela United Press (2002)
>>> Marcha Soldado, Cabeça de Miguel de Rita Espeschit (ilustr): Raquel Lourenço Abreu pela Ed. Lê/ Belo Hte. (2019)
>>> O Senhor do Tempo de Liberato Póva (desemb. de Tj. Tocantins) pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (2019)
COLUNAS >>> Especial Futuro do Cinema

Terça-feira, 27/4/2010
Cinema futuro: projeções
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A experiência do cinema em 3D tem causado frisson no público. A mesma vertigem que sentimos, por exemplo, diante de uma cena de Avatar, sentimos nas igrejas que adotaram o barroco como arte. Somos praticamente jogados dentro da cena, convivemos quase que fisicamente com a situação que se desenrola, estamos como que caindo precipício abaixo (em Avatar), como estamos subindo aos céus em nuvens flutuantes, fofas e aéreas, amparados por anjos (numa igreja barroca). Enfim, somos seduzidos a partir da sensorialidade. E quem não gosta de ser seduzido?

A ideia da experiência sensorial tem se acentuado no cinema como foi acentuada na arte contemporânea (vide Lygia Clarck, Oiticica, vídeo-arte etc.) e nos brinquedos eróticos vendidos em sex shops (bonecas/bonecos infláveis com calor, cheiro e movimentos produzidos por bateria ― ou seja, quase um corpo humano).

Existe um preconceito no Ocidente que brota das formulações platônico-aristotélicas contra o conhecimento irracional que nasce das experiências sensoriais. Elas são o contraponto ao conhecimento racional/intelectual-ideal. Da mesma forma que a carne-matéria, tida pelo cristianismo como fonte do pecado, foi vista como um desvio do absoluto, qualquer conhecimento sensível é visto pela tradição ocidental como "falso". Basta saber que a Estética, como disciplina, só no século XVIII foi aceita como algo sério, como um campo do conhecimento tal qual a filosofia ou outro sistema de pensamento.

E o novo cinema, principalmente o americano, que apela mais para a forma que para o conteúdo, mais para a sensação do que para o pensamento, acaba sendo visto como alienado, uma espécie de oposição ao cinema europeu intelectual.

Bom, o público médio não sabe nada disso, apenas entra no cinema e se diverte. E, para delírio e ódio dos intelectuais europeus, um filme como Avatar tem produzido mais emoção estética no seu público do que as reflexões profundas que seus intelectuais-cineastas têm fornecido em filmes-cabeça. Mas tudo está em transformação, basta visitar o Cahiers du Cinema e ver que muitos filmes considerados alienados têm sido discutidos à luz de proposições filosóficas por alguns intelectuais, aqueles menos enclausurados em velhas formas de se pensar a arte e as formulações estéticas.

Um filme como Matrix, por exemplo, foi devidamente destrinchado por intelectuais que viram ali uma séria reflexão sobre o mundo governado pelas relações virtuais. Mais profundo que a sociologia do mundo contemporâneo, foi ali que se viu francamente destrinchado o problema da virtualidade da existência. Aliás, o que se produziu de ensaios acadêmicos sobre o filme não é brincadeira.

Essa desconfiança tem seus dias contados. Não se admire se um dia desses dentro do cinema nós pudermos sentir o cheiro da floresta, o cheiro da terra e/ou da mistura de perfume e sexo dos personagens no ato de amor. Ainda mais, o cheiro das ruas de Nova York ou do deserto do Saara, da brisa marinha de uma praia distante ou de conhaque e cigarro num bar esfumaçado que toca jazz em Paris. Universos inalcançáveis que se produzirão artificialmente para os espectadores e dos quais poderemos tirar proveito.

É isso que um filme como Avatar anuncia. E em vez de simplesmente distribuir-se óculos, outros apetrechos serão distribuídos para os frequentadores do cinema que poderão sentir o cheiro, o gosto, a temperatura etc., dos acontecimentos que se desenrolam à sua frente na telona.

Não que aquele cinema meditativo, introspectivo, à maneira de Bergman, deixará de existir, sendo ainda uma forma, entre outras, de se pensar a vida humana e seus terríveis dramas existenciais a partir de uma inteligência particular, intelectual, meditativa.

A tecnologia, por sua rápida transformação a partir do século XX, tem causado pavor em algumas pessoas. Mas tem causado deslumbre na maioria dos usuários que se aproveitam dela para suprir faltas difíceis de se reparar, seja pela dificuldade ou o alto preço do acesso ao conhecimento. A universalização do conhecimento se acelerou. Para quem domina diferentes línguas, então, nem se fala. E mesmo os tradutores virtuais têm se mostrado bastante eficazes quando falta a cultura das línguas. Portanto, a modernidade tecnológica é, sim, uma mão na roda.

Se o cinema incorpora essas qualidades da tecnologia, que seja para bom proveito de todos e não matéria de desconfiança. Uma particularidade no mundo do entretenimento cinematográfico é que nem sempre apenas a alta tecnologia produz grandes filmes. Veja-se sucessos de baixo orçamento como A Bruxa de Blair e Guerra ao Terror (que ganhou o Oscar de Melhor Filme, derrubando o favoritismo de Avatar). Isso, por si, explica a complicada questão que existe na relação entre arte cinematográfica e mercado, entre o desejo dos espectadores e a visão do que será ou não aceito como mercadoria ou forma de comunicação estética.

O novo cinema incorpora transformações que são da ordem do desejo e da subjetividade dos indivíduos, que são produto de interesses capitalistas e que são fruto de particularidades estéticas dos artistas-cineastas. Tudo isso conjugado com os avanços das tecnologias pode auxiliar as transformações não só das proposições sociais como das estéticas.

Nessa geléia-geral, o público vai se mover, escolhendo ou sendo escolhido para esse ou aquele entretenimento. O cinema, como também a fotografia, sempre foi visto com uma certa desconfiança, como não sendo arte, sendo aceito apenas como um ligeiro entretenimento. Um pensamento equivocado e, talvez(?), já superado. E o cinema que incorpora as tecnologias é mais mal visto ainda, julgado apenas como "entretenimento ralo". Como se não houvesse possibilidade de se edificar nenhum pensamento a partir do sobrevoo rasante de uma das aves de Avatar ou a partir da sombria realidade de um Hitchcock.

Se não fosse assim, poderíamos deixar de lado toda a arte romântica e seus símbolos obscuros e elevados, agitados e irracionais (Friedrich, Goethe, Victor Hugo, Delacroix, Beethoven, Schiller), muitas vezes recuperados pelo cinema atual, mas pouco percebidos pelos espectadores mal informados sobre a história da arte e da literatura. A esse respeito relacione-se a pintura romântica de paisagem americana (e as proposições sobre o desejo como algo dominante na natureza humana) que aparece no filme O segredo de Brokeback Montain. Um diálogo fecundo entre duas culturas distantes no tempo, a do passado fecundando a contemporaneidade e vice-versa.

O cinema que vai além do conteúdo, nos proporcionando sensações afetivo-sensoriais, vai ser a marca do novo cinema que se avista.

Caros ocidentais, acomodem-se nas poltronas, pois seus cinco sentidos serão ativados. O resultado disso, pensaremos depois de aprendermos a sentir.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
02. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
03. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
04. Minha segunda vez de Rafael Rodrigues
05. O erótico e o pornográfico de Adriana Baggio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


Mais Especial Futuro do Cinema
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/4/2010
20h05min
Penso que o cinema está mudando, mas no ritmo das obsolescências do produto cinematográfico. Faz parte do processo globalizado.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NÃO PISE NA BOLA
RICHARD SIMONETTI
O CLARIM
(2003)
R$ 15,00



MEMORIA DO FUTURO
ALBERTO LOPEZ TORRES
ATUAL
R$ 6,00



SHERLOCK HOLMES - 2 LIVROS
SIR ARTHUR CONAN DOYLE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 25,00



COMO VALORIZAR E RECOMPENSAR SEUS FUNCIONARIOS
DONNA DEEPROSE
CAMPUS
(1995)
R$ 10,00



OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NOS ESTADOS UNIDOS
R. BURBAGE/ J. CAZEMANJOU/ A KASPI
AGIR
(1973)
R$ 9,41



O FIM DO ESTADO- NAÇÃO
KENICHI OHMAE
CAMPUS
(1999)
R$ 7,90



MOUSE AND ME!: LEVEL 1: STUDENT BOOK PACK
ALICIA VÁZQUES & JENNIFER DOBSON
OXFORD
(2017)
R$ 110,00



VIDA E ARTE DOS JAPONESES NO BRASIL
MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO ASSIS CHATEUBRIAND
MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO
(1988)
R$ 20,00



COMUNICAÇÃO INTERNA: A FORÇA DAS EMPRESAS (VOLUME 2)
PAULO NASSAR (ORG.)
ABERJE
(2005)
R$ 15,00



COMO ERA VERDE MEU VALE
RICHARD LLEWELLYN
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês