Como se enfim flutuasse | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
>>> Zé Guilherme canta Orlando Silva em show no YouTube no dia 26 de setembro
>>> Setembro Amarelo é tema de EntreMeios especial com Zé Guilherme e Leliane Moreira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
>>> Rodrigo Gurgel entrevista Yuri Vieira
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O paraíso de Henry Miller
>>> Band On The Run
>>> Linguagem, Espaço, Máquina
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> A arte como destino do ser
>>> A indigência do rock e a volta dos dinossauros
>>> 16 de Maio #digestivo10anos
>>> The greatest fairy tale never told
>>> Extraordinary Times
Mais Recentes
>>> A sombra do poder: Martinho de Melo e Castro e a administração da Capitania De Minas Gerais (1770-1795) de Virgínia Maria Trindade Valadares pela Hucitec
>>> A Revolta da Vacina de Sevcenko, Nicolau pela UNESP
>>> A quebra da mola real das sociedades: A crise política do antigo regime Português na província do Grão-Pará (1821-1825) de André Roberto Arruda Machado pela Hucitec
>>> A paz das senzalas: Famílias Escravas e Tráfico Atlântico C.1790- C.1850 de Florentino, Manolo pela UNESP
>>> A outra Independência: O Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Mello, Evaldo Cabral de pela 34
>>> A História do Brazil de Frei Vicente do Salvador. História e Política no Império Português do Século XVII de Maria Lêda Oliveira pela Versal
>>> A experiência do tempo: Conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1831-1845) de Araújo, Valdei Lopes de pela Hucitec
>>> A Educação Pela Noite de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul
>>> A Diplomacia na Construção do Brasil. 1750-2016 de Rubens Ricupero pela Versal
>>> A Corte na Aldeia de Vários Autores pela Verbo
>>> A Companhia de Jesus na América por Seus Colégios e Fazendas de Márcia Amantino and Carlos Engemann pela Garamond Universitaria
>>> A carne e o sangue: A Imperatriz D. Leopoldina, D. Pedro I e Domitila, a Marquesa de Santos de Priore, Mary de pela Rocco
>>> 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1822: Como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram dom Pedro a criar o Brasil - um de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal de Laurentino Gomes pela Globo Livros
>>> 130 Anos: Em Busca Da República de Lessa, Renato; Wehling, Arno; Franco, Gustavo; Tavares Guerreiro, José Alexa pela Editora Intrínseca
>>> Arte de Gramática da Língua Mais Usada na Costa do Brasil de José de Anchieta pela EdUFBA (2014)
>>> Inglorious Revolution de William R. Summerhill pela Yale University Press (2015)
>>> O governo das conquistas do Norte de Fabiano Vilaça dos Santos pela Annablume (2011)
>>> O sol e a sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amazon Frontier - the defeat of the Brazilian Indians de John Hemming pela Papermac (1995)
>>> International Law de Malcolm Evans (edited by) pela Oxford University Press (2014)
>>> Complete International Law: Text, Cases, and Materials de Ademola Abass pela Oxford University Press (2014)
>>> Salvador de Sá and the struggle for Brazil and Angola, 1602 - 1686 de C. R. Boxer pela University of London (1952)
>>> Instituições Políticas Brasileiras de Oliveira Vianna pela Senado Federal (2019)
>>> O populismo e sua história - debate e crítica de Jorge Ferreira (Org.) pela Civilização Brasileira (2001)
>>> Marxismo e Judaísmo - história de uma relação difícil de Arlene Clemesha pela Boitempo (1998)
>>> Trópico dos pecados de Ronaldo Vainfas pela Civilização Brasileira (2014)
>>> Brasil: formação do Estado e da Nação de István Jancsó (Org.) pela Hucitec (2011)
>>> História da Vida Privada em Portugal - 4º Volume (Os nossos dias) de José Mattoso pela Temas e Debates (2011)
>>> História de Angola - da Pré-História ao Início do Século XXI de Alberto Oliveira Pinto pela Mercado de Letras (2016)
>>> Visconde do Uruguai de José Murilo de Carvalho (Org.) pela 34 (2002)
>>> A ilusão americana de Eduardo Prado pela Alfa Omega (2001)
>>> Postmodernism or, the cultural logic of late capitalism de Fredric Jameson pela Duke University Press (1992)
>>> The Established and the Outsiders de Norbert Elias and John L. Scotson pela Sage Publications (2017)
>>> The Satanic Verses de Salman Rushdie pela Randon House (2019)
>>> Los detectives salvajes de Roberto Bolaño pela Vintage Español (2010)
>>> Voices from Chernobyl de Svetlana Alexievich pela Dalkey Archive Press (2005)
>>> O Norte Agrário e o Império, 1871 - 1889 de Evaldo Cabral de Mello pela Topbooks (2008)
>>> Worlds of Labour - further studies in the history of labour de Eric J. Hobsbawm pela Weidenfeld and Nicolson (1984)
>>> Formação da Literatura Brasileira - Momentos Decisivos de Antonio Candido pela Ouro sobre Azul (2014)
>>> História do Brasil: uma interpretação de Carlos Guilherme Mota e Adriana Lopez pela 34 (2015)
>>> História Concisa da Literatura Brasileira de Alfredo Bosi pela Cultrix (2015)
>>> A literatura portuguesa de Massaud Moisés pela Cultrix (2010)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. I - Das origens ao Romantismo de Massaud Moisés pela Cultrix (2012)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. II - Do Realismo à Belle Époque de Massaud Moisés pela Cultrix (2016)
>>> Bundas 12 Fernandona uma lição de cidadania de Diversos Autores pela Perere (1999)
>>> História da Literatura Brasileira Vol. III - Desvairismo e Tendências Contemporâneas de Massaud Moisés pela Cultrix (2019)
>>> Independência e Morte - Política e Emancipação do Brasil, 1821 - 1823 de Helio Franchini Neto pela Topbooks (2019)
>>> Das cores do silêncio de Hebe Mattos pela Unicamp (2015)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/6/2010
Como se enfim flutuasse
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Anos antes deste terremoto que flagelou a cidade chilena de Concepción, caminhando pelas ruas de seu centro ao lado de Daniel Jerónimo, tentava ensiná-lo a pronunciar "Sé", ao que ele replicava, "Cê... Cê!". O esforço era inútil, por mais que ele tentasse, colocando até mesmo sua língua para fora numa tentativa desesperada de soltar um "Sé" aberto verdadeiro. Talvez, mais do que uma limitação fonética, ele tivesse que estar lá ― agora como eu me encontro em plena rosa dos ventos ― para tentar entender a praça e, assim, pronunciá-la. Da mesma forma, quando eu lhe perguntei como era a sensação de um terremoto, ele não poderia explicá-la sendo uma linguagem que o acompanha desde sempre, e eu não poderia entendê-la sem nunca ter sentido os abalos de uma formidável espreguiçada do planeta.

E lá está ela: a catedral neogótica assustadoramente grande, impávida e imóvel surgida logo na boca do metrô me dá a impressão de um monstro marinho de pedra adormecido, ornado de escamosas reentrâncias e espinhaço de cobre azulado. A praça é uma continuidade da estação ― propostas indecorosas ensaiadas na catraca para serem levadas a cabo à luz do dia ―, uma forte dose de mendicância, trabalho árduo, vagabundagem e perdição. Saída de um livro de Graciliano Ramos, é auscultada pela Catedral Metropolitana de São Paulo uma família fincada como estátua na praça mais movimentada de um país imenso. Está em apogeu precário, com seu metrô borbulhante, o projeto arquitetônico de sua igreja concluído e mil miseráveis à sua volta, como eu. As escadarias que dão acesso do metrô à praça parecem ter sua continuidade nos degraus baixos que elevam a catedral a um nível majestoso, de certa forma imune à miséria circundante. Dentro dela a vida se eleva e se transforma numa lembrança lenta e apagada. Tibiriçá e Feijó descansam na cripta, alheios ao vaivém dos passantes e dos carros da guarda civil metropolitana. O som das buzinas e dos autos passando rente às grandes portas laterais reconforta, para depois, na saída da catedral, tornar-se a vida novamente colorida e brilhante, acertando em cheio seu breve esquecimento. Quem não vai à Sé está só, apartado da beleza, do útil e do inútil unidos em discreto equilíbrio. A vida acontece no centro, nos bairros ela boceja.

Observar na praça é uma contemplação desdenhosa, na qual a fugacidade dos passantes e dos olhares atesta que, aqui, mais do que nunca, impera a máxima "todos te observam ainda que ninguém te olhe". Deslumbro-me tentando não demonstrar o rosto da beatitude ao sair da Sé e me deparar com as palmeiras enfileiradas da praça, como uma continuidade das sóbrias colunas cinzas da catedral. Assim, recém-descida da escadaria, a primeira mirada no prédio da Unesp, esquina com a rua Benjamin Constant, se revelou, "que beleza, então é este prédio antigo, estilo europeu". Depois, tentando olhar mais detidamente, do alto da catedral, "então, ele é mais belo ainda do que eu supunha, lá estão todos os elementos numa cópia quase perfeita de outro hemisfério, veja a cúpula trabalhada, a pequena antena aumentando sua altitude, a sacada forjada a ferro em cada uma das janelas, a decoração floral, as esculturas com homens entalhados sustentando a porta central em que o moralismo vestiu as genitálias, o tom atual esmaecido, retratando que a passagem do tempo não ruiu as paredes, mas conferiu-lhes uma severidade sedutora". Como é difícil contemplar a arquitetura do centro quando precisa-se prestar atenção em tudo ao mesmo tempo e olhar para o chão, condição dos tímidos que tudo querem.

Agora, já no sexto andar do prédio, sentada trabalhando, de repente o chão treme, a mesa treme, o lápis começa a entrar em ressonância, mas tão de leve que não há medo (enfim chego a um entendimento com os chilenos, que não temem os baixos tremores cotidianos?): é apenas a praça passeando, o metropolitano cumprindo seu trajeto em múltiplos sentidos e direções. Lembro-me do metrô de Santiago, por exemplo, onde eu era não apenas uma turista, mas alguém totalmente sem rumo, fragilmente temporária, e, ainda que estivesse indo a algum sentido de determinada linha, não estava indo de fato a lugar algum. Minha presença era tão anacrônica que a atitude dos olhares era de um desdenho curioso, me atravessando como uma peça fora do jogo. Já na Sé, irônico é que neste marco zero em que piso em cheio foi onde me senti em algum lugar, ponto neutro a partir do qual do Estado de São Paulo se iniciam os caminhos.

Ao se atravessar a praça novamente, desviando de gente e urina, voltar à estação mais movimentada da cidade é uma aventura na qual o cenário se descortina como um formigueiro humano fascinante e desolador. Um sindicalista metroviário solta palavras que vão escoando até se tornarem ininteligíveis pelo eco da música ao vivo. "Você vai tomar o trem sem a mesma segurança, pois não há condutor". A linha amarela do metrô terá sua inauguração no dia seguinte, será uma grande data para a cidade, cada vez mais distante do que ela tem sido. Na própria Sé, por exemplo, o que restou do largo? Nem mesmo a velha igreja e os coches da foto de Marc Ferrez de 1880 podem me trazer mais do que a noção de que aquela terra é a mesma que piso, que Tibiraçá elegeu como sagrada, apesar do tempo modelá-la ao sabor da transitoriedade e dos estilos de época.

E assim atendo ao chamado íntimo do vão da estação, grande sacada em que a vida passa e repassa, mas que também pode ser por onde seremos tragados. Adentro na plataforma e, mergulhada nessa piscina de sensações raras, começo a boiar, as próprias ondulações do corpo na água se difundem doce aos ouvidos, o peito liso e inflado de respiração entrecortada, e então ela nos leva em movimento de berceuse, sinto a força de minhas pernas firmemente dobradas e seguras de possuir um lugar no mundo, com o dever de ir, o sentimento de pertencimento ante um cardume e um leito e, ainda assim, como se enfim flutuasse, nadamos todos no mesmo sentido por dois minutos fugidios, cada viagem sendo um passeio irremediável do qual sempre se tirasse uma ponta de prazer, uma revelação qualquer, uma sintonia no girar das engrenagens.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 3/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O ano do Nobel a Vargas Llosa e do livro digital de Marcelo Spalding
02. Michael Jackson, destinado ao eterno de Jardel Dias Cavalcanti
03. As várias faces de Al Pacino de Guilherme Pontes Coelho
04. Em defesa da normalidade de Fabrício Carpinejar
05. Matrix, Reloaded e Revolutions de André Pires


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. A natureza se reveste de ti - 25/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
08h58min
A praça da Sé é o centro e o coração do mundo, a arquitetura do lugar mostra um pouco da história e da poesia de quem passa por ali. Quanto à desgraça, a vagabundagem, é o retrato austuto de quem governa. Ou melhor, desgoverna. Num país que despreza os homens, surgem apenas os lupens.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/6/2010
15h13min
Incrível o contraste do ritmo da vida na praça e na Catedral da Sé. A sensação que tenho quando entro na Catedral é de que o tempo ficou suspenso no ar! Sente-se a vida parada dentro da Catedral... enquanto lá fora corre frenética. Obrigada pela reflexão poética, Elisa :)
[Leia outros Comentários de Juliana Vilar ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUNICÍPIO DE ACARAÚ - NOTAS PARA SUA HISTÓRIA
NICODEMOS ARAÚJO
DO AUTOR
(1972)
R$ 30,00



CLABLE: DEADLY REUNION
MARVEL
MARVEL
(1993)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA MODERNIZAÇÃO DO DIREITO
IRAN DE LIMA (DEDICATÓRIA)
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(1980)
R$ 26,82



THE ANNALS OF OTOLOGY RHINOLOGY & LARYNGOLOGY, VOL 62 Nº 1
ARTHUR W. PROETZ
ANNALS PUBLISHING COMPANY
(1953)
R$ 16,75



RELACIONAMENTO AMOR E LIBERDADE
OSHO
SHANTI
(2005)
R$ 20,00



THE COMPLETE NAJSDORF: 6[BISHOP]G5
JOHN NUNN
BATSFORD
(1996)
R$ 89,90



MANUAL DO PEQUENO TRAVESSO
ANÍBAL LITVIN - MARIO KOSTZER
V E R
(2008)
R$ 9,33



A DRAMATURGIA MUSICAL DE ÉSQUILO
MARCUS MOTA
UNB
(2008)
R$ 41,00



RAPA DO TACHO
APARÍCIO SILVA RILLO
TCHÊ!
(1982)
R$ 6,00



CURSO DE PRÁTICA FORENSE PENAL
JOSÉ DE SOUZA GAMA
RENOVAR
R$ 6,90





busca | avançada
92061 visitas/dia
2,2 milhões/mês