Como se enfim flutuasse | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
Mais Recentes
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> O Graal da Serpente de Philip Gardiner com Gary Osborn pela Pensamento (2008)
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/6/2010
Como se enfim flutuasse
Elisa Andrade Buzzo
+ de 4600 Acessos
+ 2 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Anos antes deste terremoto que flagelou a cidade chilena de Concepción, caminhando pelas ruas de seu centro ao lado de Daniel Jerónimo, tentava ensiná-lo a pronunciar "Sé", ao que ele replicava, "Cê... Cê!". O esforço era inútil, por mais que ele tentasse, colocando até mesmo sua língua para fora numa tentativa desesperada de soltar um "Sé" aberto verdadeiro. Talvez, mais do que uma limitação fonética, ele tivesse que estar lá ― agora como eu me encontro em plena rosa dos ventos ― para tentar entender a praça e, assim, pronunciá-la. Da mesma forma, quando eu lhe perguntei como era a sensação de um terremoto, ele não poderia explicá-la sendo uma linguagem que o acompanha desde sempre, e eu não poderia entendê-la sem nunca ter sentido os abalos de uma formidável espreguiçada do planeta.

E lá está ela: a catedral neogótica assustadoramente grande, impávida e imóvel surgida logo na boca do metrô me dá a impressão de um monstro marinho de pedra adormecido, ornado de escamosas reentrâncias e espinhaço de cobre azulado. A praça é uma continuidade da estação ― propostas indecorosas ensaiadas na catraca para serem levadas a cabo à luz do dia ―, uma forte dose de mendicância, trabalho árduo, vagabundagem e perdição. Saída de um livro de Graciliano Ramos, é auscultada pela Catedral Metropolitana de São Paulo uma família fincada como estátua na praça mais movimentada de um país imenso. Está em apogeu precário, com seu metrô borbulhante, o projeto arquitetônico de sua igreja concluído e mil miseráveis à sua volta, como eu. As escadarias que dão acesso do metrô à praça parecem ter sua continuidade nos degraus baixos que elevam a catedral a um nível majestoso, de certa forma imune à miséria circundante. Dentro dela a vida se eleva e se transforma numa lembrança lenta e apagada. Tibiriçá e Feijó descansam na cripta, alheios ao vaivém dos passantes e dos carros da guarda civil metropolitana. O som das buzinas e dos autos passando rente às grandes portas laterais reconforta, para depois, na saída da catedral, tornar-se a vida novamente colorida e brilhante, acertando em cheio seu breve esquecimento. Quem não vai à Sé está só, apartado da beleza, do útil e do inútil unidos em discreto equilíbrio. A vida acontece no centro, nos bairros ela boceja.

Observar na praça é uma contemplação desdenhosa, na qual a fugacidade dos passantes e dos olhares atesta que, aqui, mais do que nunca, impera a máxima "todos te observam ainda que ninguém te olhe". Deslumbro-me tentando não demonstrar o rosto da beatitude ao sair da Sé e me deparar com as palmeiras enfileiradas da praça, como uma continuidade das sóbrias colunas cinzas da catedral. Assim, recém-descida da escadaria, a primeira mirada no prédio da Unesp, esquina com a rua Benjamin Constant, se revelou, "que beleza, então é este prédio antigo, estilo europeu". Depois, tentando olhar mais detidamente, do alto da catedral, "então, ele é mais belo ainda do que eu supunha, lá estão todos os elementos numa cópia quase perfeita de outro hemisfério, veja a cúpula trabalhada, a pequena antena aumentando sua altitude, a sacada forjada a ferro em cada uma das janelas, a decoração floral, as esculturas com homens entalhados sustentando a porta central em que o moralismo vestiu as genitálias, o tom atual esmaecido, retratando que a passagem do tempo não ruiu as paredes, mas conferiu-lhes uma severidade sedutora". Como é difícil contemplar a arquitetura do centro quando precisa-se prestar atenção em tudo ao mesmo tempo e olhar para o chão, condição dos tímidos que tudo querem.

Agora, já no sexto andar do prédio, sentada trabalhando, de repente o chão treme, a mesa treme, o lápis começa a entrar em ressonância, mas tão de leve que não há medo (enfim chego a um entendimento com os chilenos, que não temem os baixos tremores cotidianos?): é apenas a praça passeando, o metropolitano cumprindo seu trajeto em múltiplos sentidos e direções. Lembro-me do metrô de Santiago, por exemplo, onde eu era não apenas uma turista, mas alguém totalmente sem rumo, fragilmente temporária, e, ainda que estivesse indo a algum sentido de determinada linha, não estava indo de fato a lugar algum. Minha presença era tão anacrônica que a atitude dos olhares era de um desdenho curioso, me atravessando como uma peça fora do jogo. Já na Sé, irônico é que neste marco zero em que piso em cheio foi onde me senti em algum lugar, ponto neutro a partir do qual do Estado de São Paulo se iniciam os caminhos.

Ao se atravessar a praça novamente, desviando de gente e urina, voltar à estação mais movimentada da cidade é uma aventura na qual o cenário se descortina como um formigueiro humano fascinante e desolador. Um sindicalista metroviário solta palavras que vão escoando até se tornarem ininteligíveis pelo eco da música ao vivo. "Você vai tomar o trem sem a mesma segurança, pois não há condutor". A linha amarela do metrô terá sua inauguração no dia seguinte, será uma grande data para a cidade, cada vez mais distante do que ela tem sido. Na própria Sé, por exemplo, o que restou do largo? Nem mesmo a velha igreja e os coches da foto de Marc Ferrez de 1880 podem me trazer mais do que a noção de que aquela terra é a mesma que piso, que Tibiraçá elegeu como sagrada, apesar do tempo modelá-la ao sabor da transitoriedade e dos estilos de época.

E assim atendo ao chamado íntimo do vão da estação, grande sacada em que a vida passa e repassa, mas que também pode ser por onde seremos tragados. Adentro na plataforma e, mergulhada nessa piscina de sensações raras, começo a boiar, as próprias ondulações do corpo na água se difundem doce aos ouvidos, o peito liso e inflado de respiração entrecortada, e então ela nos leva em movimento de berceuse, sinto a força de minhas pernas firmemente dobradas e seguras de possuir um lugar no mundo, com o dever de ir, o sentimento de pertencimento ante um cardume e um leito e, ainda assim, como se enfim flutuasse, nadamos todos no mesmo sentido por dois minutos fugidios, cada viagem sendo um passeio irremediável do qual sempre se tirasse uma ponta de prazer, uma revelação qualquer, uma sintonia no girar das engrenagens.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 3/6/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo de Renato Alessandro dos Santos
02. Isto é para quando você vier de Renato Alessandro dos Santos
03. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua de Elisa Andrade Buzzo
04. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa de Elisa Andrade Buzzo
05. Um grande romance para leitores de... poesia de Renato Alessandro dos Santos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
02. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2010
08h58min
A praça da Sé é o centro e o coração do mundo, a arquitetura do lugar mostra um pouco da história e da poesia de quem passa por ali. Quanto à desgraça, a vagabundagem, é o retrato austuto de quem governa. Ou melhor, desgoverna. Num país que despreza os homens, surgem apenas os lupens.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
17/6/2010
15h13min
Incrível o contraste do ritmo da vida na praça e na Catedral da Sé. A sensação que tenho quando entro na Catedral é de que o tempo ficou suspenso no ar! Sente-se a vida parada dentro da Catedral... enquanto lá fora corre frenética. Obrigada pela reflexão poética, Elisa :)
[Leia outros Comentários de Juliana Vilar ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autos de Moralidade
Barry Unsworth
Record
(1997)
+ frete grátis



Triple - Pocketbook
Ken Follett
Signet Book
(1980)



Épico - Confira!
Conor Kostick
Galera Record
(2007)



Contos do Chiclete
Teresa Candolo
Adonis
(2013)



Essential Hemingway
Ernest Hemingway
Grafton
(1977)



Chic Mulher um Guia Basico de Moda e Estilo 16ªed(1998)
Gloria Kalil
Senac
(1998)



Livro - Os Caminhos do Coração
Richard Carlson / Benjamin Shield
Sextante
(2000)



Dieta de South Beach
Arthur Agaston
Sextante
(2003)



Poderosa (2008)
Sérgio Klein
Fundamento
(2008)



Novo Espaço Filosofico Criativo 3ª Serie
Silvio Wonsovicz
Sophos
(2006)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês