Verde-amarelo tardio | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2006

Segunda-feira, 19/6/2006
Verde-amarelo tardio
Vitor Nuzzi

+ de 2500 Acessos

Agora vem à memória a minha primeira Copa, também disputada na Alemanha, em 1974. Eu tinha 9 anos quando o Brasil, então tricampeão, e Iugoslávia abriram o torneio, também em um 13 de junho, a exemplo de agora. Veja só outra coincidência, afinal os croatas daquela época jogavam naquele time, que ainda reunia algumas repúblicas. E o resultado foi um tosco 0 a 0. Mesmo placar do segundo jogo, contra a Escócia. Aí fomos jogar com o Zaire, já com a pulga atrás da orelha brasileira. O Zaire tinha perdido de 9 a 0 da Iugoslávia e de 2 a 0 da Escócia, então seria moleza, certo? Pois foi aquele 3 a 0 extraído na marra, com direito a um frango sensacional do goleiro do Zaire (para os almanaques: ele se chamava Kazadi), um gol de Valdomiro que entra para a antologia de qualquer Copa - e com direito a palavrão do Zagallo, porque já eram 33 minutos do segundo tempo e a vaca nacional corria sério risco de ir para o brejo alemão. E lá se foi o Brasil para a segunda fase, passando aperto, mas ganhando da Alemanha Oriental e da Argentina, para esbarrar na novidade da época, a tal Laranja Mecânica holandesa. Com ela, foi-se o sonho de ganhar na minha estréia como torcedor de Copas. Para completar, derrota para a Polônia na decisão do terceiro lugar, gol de um cara de nome engraçado, Lato. E eu não entendia por que existiam duas Alemanhas.

Veio 1978, na vizinha Argentina, e eu também não tinha a menor noção do que era uma ditadura militar, quem era aquele presidente bigodudo, o Videla... E olha que tínhamos o Figueiredo por aqui, prestes a substituir o Geisel. Só achava uma injustiça o Serginho não estar naquele time - imagine, no lugar do Reinaldo! E o técnico era o capitão Cláudio Coutinho, que falava vários idiomas e, por isso, era um troglodita, segundo o massagista da seleção, o Nocaute Jack. Em cada chute, a grama do estádio de Mar del Plata soltava. E o Brasil foi indo, sem empolgar, até chegar o jogo contra os anfitriões. Um 0 a 0 medroso, que muitos chamaram de heróico, afinal arrancado em pleno caldeirão de Rosário. E veio aquele vexame do Peru, um jogo para lá de suspeito. Providencial para o Coutinho nos decretar campeões morais e, mais uma vez, salvar a honra nacional.

Chegou 1982, no auge dos meus quase 18 anos e de freqüentador de estádio. O Brasil, depois do susto inicial contra a União Soviética (eu adorava aquele CCCP bordado nas camisas vermelhas), contou com os chutes do Éder e do Sócrates para superar aquele goleiraço, o Dasaev, e virar o jogo. E com a ajuda do juiz para garantir a vitória. Aliás, alguém já viu algum juiz errar contra a seleção brasileira em Copa do Mundo? Depois vieram aqueles belos jogos, o baile contra a Argentina... E o que se chamou tragédia do Sarriá, em Barcelona, contra a Itália, que por sinal tinha um bom time. Mas o Brasil era bem melhor. Enfim, descobri o óbvio: nem sempre o melhor vence. Mas o melhor, afinal de contas, não é quem vence? A história não é a versão dos vencedores?

No fim, 1982 teria outro acontecimento valioso, as primeiras eleições diretas desde o golpe de 1964. Dois anos depois, viria o movimento pelas diretas já para presidente - as diretas que só viriam de fato em 1989. O Brasil parecia mudar. Politicamente, os ares tornavam-se mais leves. No futebol, pelo contrário, o trauma de 1982 fazia o país valorizar os Lazaronis da vida, o jogo de resultados, menos bonito e mais, digamos, pragmático. Foi assim que ganhamos a Copa de 1994, com umas das finais mais chatas de todos os tempos. Basta lembrar dos jogos que Brasil e Itália fizeram em 1970 e em 1994. Pense em um só grande lance desse segundo jogo. E de quem você lembra além do Romário? Provavelmente o Dunga, um jogador importante para o time. E de quem você lembra de 1970, além de Pelé, Tostão, Rivelino, Carlos Alberto, Gérson, Jairzinho...? Quanto aos lances, até os quase gols de Pelé em 1970 foram mais bonitos. Mas que não se misture futebol e regimes políticos. Afinal, conquistamos quatro dos nossos cinco mundiais em governos ditos democráticos (1958, 1962, 1994 e 2002) - e um (1970) sob uma ditadura feroz.

Voltando a 1982, algo ali parecia se dividir no Brasil. O futebol já não seria o mesmo, nem o país. Em breve entraríamos na fase da globalização, que faz com que hoje, de 23 jogadores convocados, tenhamos apenas três que atuam aqui. Viramos um país exportador, inclusive no esporte. E os clubes hoje relutam em ceder seus atletas às seleções. Se por um lado há o aspecto da valorização (por isso alguns são inexplicavelmente convocados), por outro teme-se que o jogador sofra contusões que o deixe fora de combate por um longo tempo. Em cifras, prejuízos à vista. Futebol é negócio.

A esperança que se esboçava com as eleições daquele ano (1982) foram se dispersando, decepção após decepção. Com isso, o verde-amarelo só é lembrado mesmo de quatro em quatro anos, em súbita explosão de um nacionalismo tardio e com ares de oportunismo. Sinceramente, gostaria de ver o verde-amarelo por todos os lados inclusive em dia de eleição para presidente. E um voto quase tão importante quanto um gol. Tudo bem, como um quase gol.

Post Scriptum
Pensando bem, overdose de Copa e futebol-business à parte, é uma pena que mais de uma semana inteira já tenha se passado. Isso deixa o torneio mais próximo do fim. Já é um problema ter de esperar - das 18 horas de um dia até as 10 horas do dia seguinte - pelo próximo jogo. Ainda bem que depois volta o campeonato brasileiro. E em outubro tem eleição.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 19/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
03. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
04. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


Mais Especial Copa 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CLAVÍCULA DE SALOMÃO - 1ª EDIÇÃO
IRENE LIBER
PALLAS
(2004)
R$ 47,70



LIVRO DE JOGOS
UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL
ESCOTEIRA
(1980)
R$ 45,00
+ frete grátis



OS SETE MINUTOS
IRVING WALLACE
RIOGRÁFICA
(1986)
R$ 9,09



COMO ORGANIZAR A NOSSA RÚSSIA - ALEXANDRE SOLJENITSIN (LITERATURA RUSSA)
ALEXANDRE SOLJENITSIN
NOVA FRONTEIRA
(1991)
R$ 15,00



ESAÚ E JACÓ 2
MACHADO DE ASSIS
CLUBE DO LIVRO
(1956)
R$ 5,00



FOME DE PÃO E DE BELEZA
FREI BETTO
SICILIANO
R$ 19,90
+ frete grátis



ASSÉDIO SEXUAL NA EMPRESA; IMPACTOS DO NOVO CÓDIGO CIVIL SOBRE O
REVISTA DO TRTEEMATRA: ANO 4 NÚMERO 5
AMÉRICA JURÍDICA (RJ)
(2000)
R$ 30,28



CONTOS ORIENTAIS
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 25,00



JULGADOS DE ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA
LUCILVA PEREIRA DA SILVA
EDIPRO
(1993)
R$ 17,00



NA LUZ DO EVANGELHO
SEBASTIÃO ANSELMO - PELO ESPÍRITO TETSUE
PETIT
(1993)
R$ 5,00





busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês