Democracia envelhecida | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
32216 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Andrea e Bia Jabor fazem a Festa da Árvore neste domingo!
>>> Alfabetização visual comemora 10 anos com mostra de fotografias feitas por pessoas com deficiência
>>> Musical jovem AVESSO reestreia em janeiro e traz fortes emoções no conflito de gerações
>>> Leandro Sapucahy comanda Reveillon 2019 no Jockey Club/RJ
>>> Carioquíssima realiza edição de Natal na Fábrica Bhering (RJ)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Gente como a gente
>>> Memórias sentimentais de um jovem paulistano
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> O Último Samurai Literário
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Naked Conversations
>>> A verdade sobre o MST
>>> O que é crítica, afinal?
Mais Recentes
>>> Os sete saberes necessários à educação do futuro de Edgar Morin pela Cortez Editora (2004)
>>> Gestão e análise de risco de crédito de José Pereira da Silva pela Atlas (1998)
>>> Economia Brasileira de Antonio Correa de Lacerda de outros pela Saraiva (2000)
>>> Código da Vida de Saulo Ramos pela Planeta (2007)
>>> Guia politicamente incorreto da história do Brasil de Leandro Narloch pela Leya (2011)
>>> Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes de Stephen R. Covey pela BestSeller (2004)
>>> A Entrevista de Seleção Com Foco Em Competências Comportamentais de Valeria dos Reis pela Qualitymark (2003)
>>> Gestão de Sonhos - Riscos e Oportunidades de Amyr Klink pela Casa da qualidade (2000)
>>> O vendedor de sonhos de Augusto Cury pela Academia (2008)
>>> Cooperativismo Democracia e Paz - Surfando a Segunda Onda de Roberto Rodrigues pela Nova bandeira (2008)
>>> O grande livro da casa saudável de Mariano Bueno pela Roca (1995)
>>> Seja Assertivo! de Vera Martins pela Campus (2005)
>>> Nascido para correr de Christopher McDougall pela Globo (2010)
>>> CBN Mundo Corporativo de Herodoto Barbeiro pela Futura (2006)
>>> Não tenha medo de ser chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Mentes brilhantes, Mentes treinadas de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> Pensamento Pedagógico Brasileiro de Moacir Gadotti pela Editora Atica (1990)
>>> O homem que matou Getúlio Vargas de Jô Soares pela Companhia das Letras (1998)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo Soares pela Objetiva (2006)
>>> Dinâmicas de Grupo na Empresa, no Lar e na Escola de Lauro de Oliveira Lima pela Vozes (2005)
>>> Paulo Freire - Vida e Obra de Ana Ines Souza pela Expressão Popular (2001)
>>> A Arte e a Ciência de Memorizar Tudo de Joshua Foer pela Nova fronteira (2011)
>>> Consumismo é Coisa da sua Cabeça de Nanci Azevedo Cavaco pela Ferreira (2010)
>>> Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> Uma Farmácia para a Alma de Osho pela Sextante (2006)
>>> CAUSOS DE PEDRO MALASARTES de Julio Emilio Braz pela Cortez (2011)
>>> D. João Carioca - A corte portuguesa chega ao Brasil (1808-1821) de Lilia Moritz Schwarcz pela Quadrinhos na Cia (2007)
>>> UM UNIVERSO NUMA CAIXA DE FOSFORO de Alexandre Rampazo pela Panda Books (2011)
>>> O menino da terra de Ziraldo pela Melhoramentos (2010)
>>> Fábulas - Monteiro Lobato de Monteiro Lobato pela Globo (2012)
>>> Princesas e Contos de Fadas Turma da Monica de Mauricio de Sousa pela Girassol (2008)
>>> O menino que aprendeu a ver de Ruth Rocha pela Quinteto Editorial (1998)
>>> Muito mais que cinco minutos de Kefera Buchmann pela Paralela (2015)
>>> Diário de um banana: A verdade nua e crua de Jeff Kinney pela V&R Editoras  (2013)
>>> Diário de um banana: dias de cão  de Jeff Kinney pela V&R Editoras  (2012)
>>> Histórias Extraordinárias - Edgard Allan Poe de Edgar Allan Poe pela Melhoramentos (2010)
>>> Se eu fosse aquilo - Para gostar de ler junior de Ricardo Azevedo pela Atica (2012)
>>> Somos Todos Diferentes: Convivendo Com a Diversidade do Mundo de Maria Helena Pires Martins pela Moderna (2001)
>>> O Visconde Partido ao meio de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2011)
>>> Trabajo en equipo Nivel 2 - Incluye CD Audio de Santillana Espanol pela Moderna (2015)
>>> Slumdog Millionaire de Vikas Swarup pela Macmillan Readers (2015)
>>> O Morro do Vento Uivante de Emily Bronte pela José Olympio (1957)
>>> Coleção Grandes Civilizações Desaparecidas - 21 Volumes de Vários Autores pela Otto Pierre (1978)
>>> You´re a bad man, Mr. Gum! de Andy Staton pela Egmont Press (2018)
>>> As Flores do Mal de Charles Baudelaire pela Max Limonad (1981)
>>> Confesso que Vivi de Pablo Neruda pela Difel (1981)
>>> Iniciação ao Xadrez de Flavio De Carvalho Júnior pela Summus (2000)
>>> A Barcarola de Pablo Neruda pela L&pm (1983)
>>> Em Nome da Vida de Moacyr Félix pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Discurso da Difamação do Poeta de Affonso Ávila pela Summus (1978)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Sexta-feira, 20/10/2006
Democracia envelhecida
Vitor Nuzzi

+ de 4000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

A primeira eleição presidencial direta pós-64 foi a de 1989. Poderia ter sido antes, caso a emenda Dante de Oliveira tivesse passado no Congresso, em 1984. Faltaram 22 votos. Enquanto multidões se esgoelavam pelas ruas do país - eu no meio delas, em dois comícios -, no grande movimento que ganhou o nome de Diretas Já, um acordo era tramado nos idos do governo militar, para que tivéssemos ainda mais uma escolha pelo colégio eleitoral, indireto, dessa vez entre dois civis, Tancredo Neves e Paulo Maluf. Tancredo ganhou, morreu antes de tomar posse, assumiu José Sarney - na época representante do antigo regime -, ganhamos o pomposo nome de Nova República, e fomos adiante.

Em 1989, sim, teríamos pela primeira vez em décadas uma eleição direta para presidente. Para quem vinha do bipartidarismo, candidatos não faltavam: Aureliano Chaves, Fernando Collor de Mello, Guilherme Afif Domingos, Leonel Brizola, Luiz Inácio Lula da Silva, Mário Covas, Paulo Maluf, Ronaldo Caiado, Ulysses Guimarães. Quase tivemos Silvio Santos também na parada, mas a Justiça Eleitoral impugnou a candidatura.

Vieram os debates na TV. Ao contrário do programa insosso de hoje (pelo menos no primeiro turno), em 1989 algum desavisado poderia pensar que assistia a uma mesa-redonda de futebol, tamanho era o bate-boca entre alguns dos participantes. Na minha memória ficaram célebres os embates entre Brizola e Maluf, o primeiro chamando o segundo de "filhote da ditadura", e o segundo, nervoso como raramente se via, chamando o oponente de "desequilibrado". Outra polêmica célebre, embora não tenha surgido em debate, foi entre Ulysses e Collor, que chamou o adversário de "velho". A resposta foi clássica: "Posso ser velho, mas não sou velhaco".

Eram candidatos para todos os gostos e de todas as colorações ideológicas. Collor e Lula foram para o segundo turno, depois de uma disputa voto a voto pelo segundo lugar entre Lula e Brizola - que deu ao adversário, e depois aliado, a alcunha, até hoje lembrada, de "sapo barbudo". Brizola, Covas e Ulysses decidiram subir no palanque do petista para o embate com os colloridos. Todos sabemos como a história acabou: o país ficou dividido, Collor ganhou, assumiu em 1990 prometendo matar o tigre da inflação com um só tiro e foi derrubado, via impeachment, no final de 1992. Perdeu os direitos políticos durante anos e voltou agora, como senador eleito. É a regra do jogo.

Mas, pode-se perguntar, por que toda essa digressão, este passeio pelo passado até recente? E a questão é exatamente essa. Quando falo em 1989, tenho a sensação de estar falando de acontecimentos não de 17 anos atrás, mas de outra era, de um tempo remoto. Porque, de lá para cá, parece que trilhamos dezenas de anos - nossa democracia, ainda de espinhas no rosto, parece ter envelhecido precocemente. Havia em 1989 um entusiasmo que não se vê mais, as pessoas demonstram cansaço diante de uma campanha política. Sabíamos quem era quem naquela eleição, enquanto hoje há uma perigosa sensação de que tudo e todos são iguais.

São exatos 125.913.479 eleitores, 51% mulheres, 24% de 25 a 34 anos, 35% com primeiro grau incompleto. Para eles, temos atualmente registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nada menos que 29 partidos. É muita coisa, ainda mais se pensarmos que a maioria deles oferece opções mais comerciais que políticas. Quem sabe as novas regras possam eliminar boa parte desses organismos. Quem sabe isso melhore o perfil de boa parte de nossos políticos. E quem sabe isso também ajude a melhorar a memória do eleitor, já que pesquisas apontam que sete em cada dez esquecem o nome de seus candidatos. Assim, se há maus políticos - e como há! -, existem também maus eleitores.

Motivos não faltam para se queixar deles, os políticos. Mas que tal prestar atenção no que é efetivamente proposta e naquilo que é fofoca? Em 1989, a internet não era sequer uma possibilidade, e se hoje ela nos deu a possibilidade de conhecer no mesmo dia os resultados de uma eleição, também trouxe o perigo da multiplicação da maledicência. Circulam na internet mensagens sobre supostos fatos deste ou daquele candidato, informações muitas vezes falsas, que vão se espalhando pela inércia e são tidas como verdadeiras, porque grande parte das pessoas não se preocupa em verificar a sua procedência. Ou preferem acreditar naquilo que lhes é mais conveniente. "Não existe opinião pública, existe opinião publicada" (frase atribuída a Winston Churchill).

Quem nasceu em 1989 tem hoje 17 anos. Votaram ou votarão, se quiserem (para eles, o voto é opcional) pela primeira vez. Segundo o TSE, os jovens de 17 anos somam 1,99 milhão e representam 1,58% do eleitorado. Os de 16 anos, para quem o voto também é facultativo, são 1,09 milhão (0,87% do total). Essa geração estava nascendo quando o país voltou às urnas para escolher o seu presidente. Eles sequer testemunharam as esperanças das pessoas que foram às ruas em 1984, acreditando que poderiam mudar o rumo dos acontecimentos. Não mudaram, mas entraram para a história do mesmo jeito. A política certamente não é um jogo de damas - nem de cavalheiros -, mas ignorar o que acontece nos palácios, no Congresso, nas Assembléias Legislativas e nas Câmaras Municipais é o primeiro passo para estimular a mediocridade e perpetuar o nosso atraso.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 20/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
02. Cidades do Algarve de Elisa Andrade Buzzo
03. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
04. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
05. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/10/2006
03h19min
A democracia não envelheceu. O que acontece é que política é um assunto enfadonho e faz com que as pessoas interessadas soem levemente cansativas. Políticos são, por necessidade, mentirosos e inescrupulosos, e sobrevivem apenas porque os crédulos e os ingênuos não desistem deles. Hoje, graças a Internet, por exemplo, as pessoas estão interessadas em outras coisas mais legais.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
20/10/2006
16h36min
Política é um assunto enfadonho para quem acha política um assunto enfadonho. Credulidade e ingenuidade é achar que "outras coisas" são legais e lavar as mãos.
[Leia outros Comentários de Vitor Nuzzi]
23/10/2006
09h05min
Talvez possa estar errado, não sei, mas, por uma visão de achismo, penso que o grande problema da democracia é que as pessoas não acreditam mais nela, e não compreendem a diferença de democracia como valor e como processo.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
23/10/2006
12h30min
Em minha opinião, a indiferença (à política) é o maior problema do Brasil.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
30/10/2006
17h00min
Vitor, lendo os comentários ao seu texto, fiquei um tanto confusa. Aos politicos inescrupulosos é bem interessante que a maioria continue achando política chata e se afaste cada vez mais do cenário político. Mas é meio sem sentido usar Internet em oposição a política. Será que alguém aí já notou que entre os muitos usos da Internet, política é sem dúvida alguma um deles? Outra coisa que me intriga é essa história de estarem cansados de democracia... Quer dizer que o brasileiro está pronto pra outra ditadura? Tem outra alternativa? Talvez quando as pessoas se tocarem de que fazemos política todos os dias, de várias maneiras, a coisa fique menos chata. Eu, por minha parte, como você continuo gostando um bocado de democracia, e de política.
[Leia outros Comentários de Selma Vital]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ALEIJADINHO HOMEM BARROCO, ARTISTA BRASILEIRO
MARIA ALZIRA BRUM LEMOS
GARAMOND
(2008)
R$ 12,00



EDUCAÇÃO EMOCIONAL
EMÍDIO BRASILEIRO / MARISLEI BRASILEIRO
BOA NOVA
(2015)
R$ 19,90



DOIS AMIGOS E UM CHATO (HUMORISMO BRASILEIRO)
STANISLAW PONTE PRETA
MODERNA
(1986)
R$ 4,50



BEELZEBUB'S TALES TO HIS GRANDSON - VOL. I
G. I. GURDJIEFF
THE ARKANA BOOKS
(1985)
R$ 220,00
+ frete grátis



A IRMÃ DO SOL
ANDREW LANG
GLOBAL
(2010)
R$ 9,30



LADRÃO DE CADÁVERES
PATRÍCIA MELO
ROCCO
(2010)
R$ 10,00



AS 63 PARÁBOLAS DO DIVINO MESTRE JESUS
RIZZARDO DA CAMINO
AURORA
R$ 40,00



QUE FAREI COM ESTE LIVRO?.
JOSE SARAMAGO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 20,00



HISTÓRIA DA MINHA VIDA - CHARLES CHAPLIN
CHARLES CHAPLIN
JOSÉ OLYMPIO
(1966)
R$ 35,00



O HOMEM DAS CAVERNAS
SAM E BERYL EPSTEIN
RECORD
(1964)
R$ 10,00





busca | avançada
32216 visitas/dia
1,1 milhão/mês