Boa nova: o semi-inédito CD de Chico | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Dia de confissão de Allan Folsom pela Rocco (2004)
>>> Evolução uma Introdução de Stephen C. Stearns e Rolf F. Hoekstra pela Atheneu (2003)
>>> O x da questão de Eike Batista pela Primeira pessoa (2011)
>>> Ruth Cardoso - Fragmentos de uma vida de Ignácio de Loyola Brandão pela Globo (2010)
>>> O trem partiu de Maria Luiza Pereira Ervilha pela Thessaurus (2013)
>>> O pomar de laranjeiras de Kathryn Harrisson pela Objetiva (1995)
>>> Como Trabalhar para um Idiota de John Hoover pela Futura (2005)
>>> O Segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Cultura (2002)
>>> As sete irmãs de Lucinda Riley pela Novo conceito (2014)
>>> Manual ilustrado dos remédios florais do Dr. Bach de Philip M. Chancellor pela Pensamento (1995)
>>> Star Wars : Sombras do império (como novo) de Steve Perry pela Aleph (2015)
>>> Princesa de Jean P. Sasson pela Best Seller (2002)
>>> O desafio japonês de Hakan Hedberg pela Lia (1970)
>>> História do Automóvel - Fascículo 4 de Expressão e Cultura pela Expressão e Cultura
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Entardecer de Menotti Del Picchia pela MPM (1978)
>>> Viagem ao centro da Terra de Júlio Verne pela Pé da letra (2019)
>>> Introduccion a la economia (Espanhol) de Maurice Dobb pela Popular (1959)
>>> Under the duvet de Marian Keyes pela Penguin books (2001)
>>> Bala na agulha de Marcelo Rubens Paiva pela Siciliano (1992)
>>> Número zero de Umberto Eco pela Record (2015)
>>> Perspectivas do novo sindicalismo de José Ibrahim pela Loyola
>>> A Direção do Olhar do Adolescente de Ana Luiza O. Buratto / Maria Rita C. Dantas pela Artmed (1998)
>>> A vida da igreja de Dong Yu Lan pela Alimento diário (2012)
>>> A mídia e a modernidade de John B. Thompson pela Vozes (1998)
COLUNAS

Terça-feira, 2/5/2006
Boa nova: o semi-inédito CD de Chico
Vitor Nuzzi

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O CD mais recente de Chico Buarque, As Cidades, foi lançado em um ano de Copa do Mundo. Deu azar: o Brasil perdeu na decisão para a França, em 1998. Pelo menos, naquele mesmo 1998 a Mangueira venceu o Carnaval carioca com um samba-enredo em homenagem a Chico. Oito anos depois, o futebolista e escritor Chico Buarque lança Carioca, seu apelido na época em que residia em São Paulo, onde morou durante 20 de seus quase 62 anos. Na capa e no encarte, mapas do Rio de Janeiro são projetados sobre o rosto e o corpo de Chico.

Nascido em 19 de junho de 1944 no bairro do Catete, no Rio, ele hoje mora em um prédio numa rua tranqüila do Leblon, bairro por onde costuma caminhar - calça 42 e gosta de andar com rapidez - e tomar água-de-coco. Será o primeiro trabalho pela Biscoito Fino, com a qual assinou contrato ano passado. Segundo a gravadora, o trabalho que chegará às lojas em maio terá duas versões: CD e caixa com CD e DVD, com cenas dos bastidores da produção. Chico já passou dos 20 discos solo, incluindo lançamentos em italiano e espanhol. O número de composições supera 300 - bem longe dos mil gols de Pelé, mas com várias obras-primas. E Carioca chega ao mercado praticamente 40 anos depois do lançamento do primeiro LP do compositor, Chico Buarque de Hollanda, em outubro de 1966 - ano em que ele conheceu Marieta Severo, sua mulher durante 30 anos e mãe de suas três filhas, Silvia, Helena e Luísa.

Um disco de Chico Buarque é sempre uma boa notícia para a música. Em seu primeiro LP, como atacante que é dentro de campo, ele já mostrou ao que veio, com obras como "A Banda", "Pedro Pedreiro", "Tem Mais Samba", "A Rita". "Nenhum outro compositor fizera uma espuma desse tamanho ao surgir", observou o escritor Ruy Castro, em texto comemorativo dos 60 anos de Chico, publicado em 2004 pela revista Contigo!. Assim como o de 1966, o disco de 2006 tem 12 faixas. A diferença é que nem todas são inéditas. Algumas delas já foram ouvidas em outras vozes.

"Ode aos Ratos" (Chico e Edu Lobo), a terceira faixa, foi incluída no musical Cambaio, de Adriana e João Falcão, em 2001. A seguinte, "Dura na Queda", foi gravada por Elza Soares em 2002. A décima, "Leve", tem uma versão de 1997, de Dora Vergueiro - filha de Carlinhos Vergueiro, parceiro de Chico na composição. "Imagina", de Tom Jobim e Chico, que fecha o CD, saiu originalmente em 1983, na trilha sonora do filme Para Viver um Grande Amor, de Miguel Faria Jr. - a música, de Tom, é de 1947. Outras duas composições também foram feitas para o cinema: "Porque Era Ela, Porque Era Eu", (referência a uma frase de Michel de Montaigne, filósofo francês do século 16), que compõe a trilha do recente filme A Máquina, de João Falcão, e "Sempre", que fará parte da trilha de O Maior Amor do Mundo, de Cacá Diegues. O disco traz mais duas parcerias: "Bolero Blues", com o baixista Jorge Helder, e "Renata Maria", com o compositor Ivan Lins. Completam o disco "Subúrbio", "As Atrizes", "Ela Faz Cinema" e "Sempre". O CD tem participações especiais de Dominguinhos (com quem Chico gravou "Tantas Palavras", em 1984), Mônica Salmaso e Daniel Jobim, direção musical de Luiz Cláudio Ramos - que há exatos 30 anos assinou o arranjo de "Mulheres de Atenas" - e, assim como em 1998, produção de Vinícius França.

"(Chico) Faz a música que quer fazer e que acha de boa qualidade. E só libera o disco quando tem certeza que já esgotou todas as possibilidades de melhora, quando sente que está no ponto", contou a jornalista Regina Zappa em livro de 1999. Se assim é, o CD tem selo de qualidade, embora nem todas as músicas sejam desta safra, o que limita a compreensão da atual produção de Chico Buarque, que em um período de 13 anos, 1993 a 2006, lançou apenas três CDs de composições inéditas. É bem verdade que no meio do caminho ele enveredou pela literatura, com Benjamim, em 1995, e Budapeste, de 2003 - ano que em Benjamim viraria filme, dirigido por Monique Gardenberg. Três anos antes, o livro Estorvo, publicado em 1991, serviu de base para longa-metragem de Ruy Guerra, antigo parceiro de Chico. O seu primeiro livro, Fazenda Modelo, é de 1974.

Como sempre, as comparações serão inevitáveis. "As pessoas sempre me perguntam por que eu não faço mais aquela música. Aquela música é tudo o que eu não quero fazer. Eu quero fazer a outra música", comentou, em entrevista de 1993. O próprio Chico já identificou um público muito mais saudosista do que ele. "Mas não posso me prender a uma expectativa que é paralisante", afirmou, na mesma entrevista, concedida à revista Ligação, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

A explicação de Chico Buarque para a produção musical cada vez menos intensa é recorrente: a preocupação com a qualidade. "Quando você grava o primeiro disco, deixa de fora o dobro das músicas, porque no disco não cabe tudo aquilo que você tem na cabeça. Você acha tudo maravilhoso. Depois você começa a ficar cada vez mais seletivo, demora mais tempo pra fazer uma música", disse à extinta revista Bundas, em junho de 2000. "Agora, o ritmo é outro. É normal que seja outro. É menos espontâneo do que era aos 20 anos. Você procura mais, burila mais", afirmou, na mesma linha, à revista Caros Amigos, em dezembro de 1998. "Mas eu só gravo um dia quando acho que estou fazendo algo novo, penso que posso fazer melhor em relação ao que já fiz. Meu trabalho é tecnicamente melhor, tenho mais rigor na composição", disse em entrevista ao suplemento dominical Revista, do jornal O Globo, no último dia 23 de abril. Na mesma publicação, ele tenta explicar o título do CD. "O disco é carioca até nas citações musicais, tem canção com um toque da música americana que se ouvia aqui no Rio dos anos 50. Tem muitas citações musicais e literárias à cidade do Rio de Janeiro." Nada intencional nem saudosista, ressalta o autor. "Não planejei um disco carioca, isso foi acontecendo pelas notícias que a gente tem das transformações da cidade nesses anos todos..."

Música e literatura sempre estiveram presentes na vida de Chico, como atesta o seu próprio pai, Sérgio Buarque (1902-1982), em artigo escrito em 1968 e publicado em 1991 pelo jornal Folha de S. Paulo: "Sempre gostou muito de ler. Guimarães Rosa é um de seus autores preferidos. Quando fez 'Pedro Pedreiro', inventou uma palavra: penseiro. Talvez inspirado em Guimarães Rosa, que também era dado a inventar palavras. Tolstói e Dostoiévski também eram seus favoritos. Assim como Kafka. Em geral, ele ia lendo tudo o que caía em suas mãos. A música é responsável por ele ter abandonado o curso de Arquitetura, decisão que tomou sozinho". O gosto pelo futebol veio da mãe, Maria Amélia, torcedora fanática do Fluminense. Nesse tripé se sustenta a obra de Chico Buarque, que, driblando rótulos ao longo de sua carreira, transita por diferentes gerações com a mesma desenvoltura. Dessa maneira, um "meio disco" de Chico pode valer por dois. E deve ser saboreado como um bom tinto italiano.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 2/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O novo 007 de Clarissa Kuschnir
02. Obrigado, GV de Eduardo Carvalho


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
02h39min
O Chico fez coisas notáveis em sua carreira. E sempre manteve o nível (muito alto). E apesar de ser, ao longo dessa carreira, um dos artistas mais politicamente engajados, não virou ministro. Ufa.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ao Deus Desconhecido: Um Ensaio Ontológico
Wilson Silva
Kúrios
(2015)



Curso de Direito Comercial - Falência e Recuperação de Empresa
Sérgio Campinho
Saraiva Jur
(2018)



Reiki Universal (Sistema Usui, Tibetano, Osho, Kahuna)
Johnny De' Carli
Madras
(1999)



O Estado Babá
David Harsanyi
Litteris
(2011)



Sampaio Bruno Prosa
Joel Serrão
Agir
(1960)



Saude - Série Bem-estar (2007)
Lilian Rossetti; Heloisa Noronha
Publifolha
(2007)



Tex Nº 104
G. L. Bonelli
Vecchi
(1979)



Administração de Hotelaria Hospitalar
Fadi Antoine Taraboulsi
Atlas
(2003)



Batismo de Fogo
Mario Vargas Llosa
Record/Altaya
(1995)



De La Grâce et de Lhumanité de Jésus
Jacques Maritain
Desclee de Brouwer
(1967)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês