Boa nova: o semi-inédito CD de Chico | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
Mais Recentes
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> O Graal da Serpente de Philip Gardiner com Gary Osborn pela Pensamento (2008)
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
COLUNAS

Terça-feira, 2/5/2006
Boa nova: o semi-inédito CD de Chico
Vitor Nuzzi
+ de 8200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O CD mais recente de Chico Buarque, As Cidades, foi lançado em um ano de Copa do Mundo. Deu azar: o Brasil perdeu na decisão para a França, em 1998. Pelo menos, naquele mesmo 1998 a Mangueira venceu o Carnaval carioca com um samba-enredo em homenagem a Chico. Oito anos depois, o futebolista e escritor Chico Buarque lança Carioca, seu apelido na época em que residia em São Paulo, onde morou durante 20 de seus quase 62 anos. Na capa e no encarte, mapas do Rio de Janeiro são projetados sobre o rosto e o corpo de Chico.

Nascido em 19 de junho de 1944 no bairro do Catete, no Rio, ele hoje mora em um prédio numa rua tranqüila do Leblon, bairro por onde costuma caminhar - calça 42 e gosta de andar com rapidez - e tomar água-de-coco. Será o primeiro trabalho pela Biscoito Fino, com a qual assinou contrato ano passado. Segundo a gravadora, o trabalho que chegará às lojas em maio terá duas versões: CD e caixa com CD e DVD, com cenas dos bastidores da produção. Chico já passou dos 20 discos solo, incluindo lançamentos em italiano e espanhol. O número de composições supera 300 - bem longe dos mil gols de Pelé, mas com várias obras-primas. E Carioca chega ao mercado praticamente 40 anos depois do lançamento do primeiro LP do compositor, Chico Buarque de Hollanda, em outubro de 1966 - ano em que ele conheceu Marieta Severo, sua mulher durante 30 anos e mãe de suas três filhas, Silvia, Helena e Luísa.

Um disco de Chico Buarque é sempre uma boa notícia para a música. Em seu primeiro LP, como atacante que é dentro de campo, ele já mostrou ao que veio, com obras como "A Banda", "Pedro Pedreiro", "Tem Mais Samba", "A Rita". "Nenhum outro compositor fizera uma espuma desse tamanho ao surgir", observou o escritor Ruy Castro, em texto comemorativo dos 60 anos de Chico, publicado em 2004 pela revista Contigo!. Assim como o de 1966, o disco de 2006 tem 12 faixas. A diferença é que nem todas são inéditas. Algumas delas já foram ouvidas em outras vozes.

"Ode aos Ratos" (Chico e Edu Lobo), a terceira faixa, foi incluída no musical Cambaio, de Adriana e João Falcão, em 2001. A seguinte, "Dura na Queda", foi gravada por Elza Soares em 2002. A décima, "Leve", tem uma versão de 1997, de Dora Vergueiro - filha de Carlinhos Vergueiro, parceiro de Chico na composição. "Imagina", de Tom Jobim e Chico, que fecha o CD, saiu originalmente em 1983, na trilha sonora do filme Para Viver um Grande Amor, de Miguel Faria Jr. - a música, de Tom, é de 1947. Outras duas composições também foram feitas para o cinema: "Porque Era Ela, Porque Era Eu", (referência a uma frase de Michel de Montaigne, filósofo francês do século 16), que compõe a trilha do recente filme A Máquina, de João Falcão, e "Sempre", que fará parte da trilha de O Maior Amor do Mundo, de Cacá Diegues. O disco traz mais duas parcerias: "Bolero Blues", com o baixista Jorge Helder, e "Renata Maria", com o compositor Ivan Lins. Completam o disco "Subúrbio", "As Atrizes", "Ela Faz Cinema" e "Sempre". O CD tem participações especiais de Dominguinhos (com quem Chico gravou "Tantas Palavras", em 1984), Mônica Salmaso e Daniel Jobim, direção musical de Luiz Cláudio Ramos - que há exatos 30 anos assinou o arranjo de "Mulheres de Atenas" - e, assim como em 1998, produção de Vinícius França.

"(Chico) Faz a música que quer fazer e que acha de boa qualidade. E só libera o disco quando tem certeza que já esgotou todas as possibilidades de melhora, quando sente que está no ponto", contou a jornalista Regina Zappa em livro de 1999. Se assim é, o CD tem selo de qualidade, embora nem todas as músicas sejam desta safra, o que limita a compreensão da atual produção de Chico Buarque, que em um período de 13 anos, 1993 a 2006, lançou apenas três CDs de composições inéditas. É bem verdade que no meio do caminho ele enveredou pela literatura, com Benjamim, em 1995, e Budapeste, de 2003 - ano que em Benjamim viraria filme, dirigido por Monique Gardenberg. Três anos antes, o livro Estorvo, publicado em 1991, serviu de base para longa-metragem de Ruy Guerra, antigo parceiro de Chico. O seu primeiro livro, Fazenda Modelo, é de 1974.

Como sempre, as comparações serão inevitáveis. "As pessoas sempre me perguntam por que eu não faço mais aquela música. Aquela música é tudo o que eu não quero fazer. Eu quero fazer a outra música", comentou, em entrevista de 1993. O próprio Chico já identificou um público muito mais saudosista do que ele. "Mas não posso me prender a uma expectativa que é paralisante", afirmou, na mesma entrevista, concedida à revista Ligação, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

A explicação de Chico Buarque para a produção musical cada vez menos intensa é recorrente: a preocupação com a qualidade. "Quando você grava o primeiro disco, deixa de fora o dobro das músicas, porque no disco não cabe tudo aquilo que você tem na cabeça. Você acha tudo maravilhoso. Depois você começa a ficar cada vez mais seletivo, demora mais tempo pra fazer uma música", disse à extinta revista Bundas, em junho de 2000. "Agora, o ritmo é outro. É normal que seja outro. É menos espontâneo do que era aos 20 anos. Você procura mais, burila mais", afirmou, na mesma linha, à revista Caros Amigos, em dezembro de 1998. "Mas eu só gravo um dia quando acho que estou fazendo algo novo, penso que posso fazer melhor em relação ao que já fiz. Meu trabalho é tecnicamente melhor, tenho mais rigor na composição", disse em entrevista ao suplemento dominical Revista, do jornal O Globo, no último dia 23 de abril. Na mesma publicação, ele tenta explicar o título do CD. "O disco é carioca até nas citações musicais, tem canção com um toque da música americana que se ouvia aqui no Rio dos anos 50. Tem muitas citações musicais e literárias à cidade do Rio de Janeiro." Nada intencional nem saudosista, ressalta o autor. "Não planejei um disco carioca, isso foi acontecendo pelas notícias que a gente tem das transformações da cidade nesses anos todos..."

Música e literatura sempre estiveram presentes na vida de Chico, como atesta o seu próprio pai, Sérgio Buarque (1902-1982), em artigo escrito em 1968 e publicado em 1991 pelo jornal Folha de S. Paulo: "Sempre gostou muito de ler. Guimarães Rosa é um de seus autores preferidos. Quando fez 'Pedro Pedreiro', inventou uma palavra: penseiro. Talvez inspirado em Guimarães Rosa, que também era dado a inventar palavras. Tolstói e Dostoiévski também eram seus favoritos. Assim como Kafka. Em geral, ele ia lendo tudo o que caía em suas mãos. A música é responsável por ele ter abandonado o curso de Arquitetura, decisão que tomou sozinho". O gosto pelo futebol veio da mãe, Maria Amélia, torcedora fanática do Fluminense. Nesse tripé se sustenta a obra de Chico Buarque, que, driblando rótulos ao longo de sua carreira, transita por diferentes gerações com a mesma desenvoltura. Dessa maneira, um "meio disco" de Chico pode valer por dois. E deve ser saboreado como um bom tinto italiano.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 2/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Elis vive de Fabio Gomes
02. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
03. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
04. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
05. O Original de Laura de Guilherme Pontes Coelho


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/8/2006
02h39min
O Chico fez coisas notáveis em sua carreira. E sempre manteve o nível (muito alto). E apesar de ser, ao longo dessa carreira, um dos artistas mais politicamente engajados, não virou ministro. Ufa.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Ninguém é de Ninguém - Coleção Supertítulos 3
Harold Robbins
Klick
(1997)



Livro - O Beijo da Mulher Aranha
Manuel Puig
Círculo do Livro
(1981)



Festival de Piadas
Varios
Gênero
(2002)



Corpo Sofrido e Mal-amado
Lucy Penna
Summus
(1989)



Um Feixe de Mulheres
Myris de Melo
S Unidas
(1990)



Higiene e Saúde as Dicas de Higeia
Malgorzata Strzalkowska
Salvat
(2011)



Coleção Pessoinhas - Educação Infantil 2 (oral e Escrita)
Varios Autores
Ftd
(2010)



Somente para os Que Amam
Mathias Gonzalez
Ediouro
(1988)



Manual para o Profissional de Vendas
Enrico Castellano
Espaço Editorial
(2000)



Cartas a Meu Filho - Reflexões Sobre Tornar-se Homem
Kent Nerburn
Augustus
(1995)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês