Meu eu escritora | Taís Kerche | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Quinta-feira, 30/7/2009
Meu eu escritora
Taís Kerche
+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Eis aqui um exercício de metalinguagem. Escrever sobre o ato de escrever. O meu ato de escrever. Tão particular e tão íntimo. Pura introspecção cheia de prazer. O Word aberto, uma tela branca e os dedos no teclado. Tudo parece quieto, mas, na realidade, a mente está a mil por hora, procurando um começo, um meio e um fim. Coesões e coerências. De preferência em períodos curtos, leves, sonoros. Adjetivos, substantivos, vírgulas, sujeitos, conjugações verbais. Tudo isso pensado automaticamente, rapidamente, artisticamente.

Mas nada se inicia sem os fones de ouvido que reproduzam alguma música estimulante, que combine com o astral do dia ou com o tema do texto. Sem eles não há jeito de encontrar o ritmo da escrita. Da música clássica, passando pela bossa nova, chegando num chorinho e, uma vez ou outra, até um rock, para estimular algum lado meu um pouco mais agressivo. Só depois de colocados é que a mente se liberta para dedilhar no teclado as primeiras frases das primeiras ideias que vão surgindo aos poucos. Sinto que a música tem o poder de isolar a minha mente do mundo externo. E o mundo das ideias vai ganhando espaço no mundo das letras.

Mas, antes de colocar os fones, leio alguns textos. Na realidade, alguns trechos de textos. Principalmente dos meus. Este ato é uma forma de me reencontrar com o meu eu escritora. Afinal, desenvolvemos muitos "eus" nessa vida, e o escritora acaba perdido em algum canto, deixado de lado por alguns dias ou às vezes horas e, dependendo da fase, por meses. Ao reler meus textos, acabo o achando, o tiro do canto e o coloco na ativa, intensamente, mesmo que esteja em um dia preguiço ou em outro mais ansioso. O importante é tirá-lo da inércia.

Também procuro ler alguns trechos de outros escritores a fim de buscar inspiração. Ao observar outros tipos de escrita, outras maneiras de abordagem de temas, acabo me entusiasmando com as possibilidades criativas e tento colocar a minha em prática. Não tenho nenhum escritor obrigatório, prefiro os cronistas e colunistas. Simpatizo com textos que abordem temas do cotidiano com uma linguagem leve e despretensiosa. Que me inspirem a olhar para o meu dia a dia e ver nele prosa e poesia. E assim tentar colocar um pouco de literatura nos meus textos.

São tópicos de parágrafos, desenvolvimentos, releituras diversas. E o texto vai surgindo na tela do computador. Não me imagino escrevendo numa máquina, como faziam antigamente. E olha que esse antigamente não é tão antigamente assim. Num parágrafo só, são tantas as mudanças, tantos os períodos feitos e desfeitos, tantas as ideias rejeitadas, outras aceitas e lapidadas que eu gastaria algumas centenas de celulose para escrever os caracteres exigidos para uma coluna. O texto se desgastaria em minha mente de tanto relê-lo. Acúmulo de lixo, gasto de fitas, dedos cansados. Tudo isso e texto nenhum. Vitoriosos são os escritores que a tinham como único recurso.

Hoje, basta um backspace, uma mudança de cursor ou um selecionar e deletar que tudo pode ser rearranjado, reescrito, repensado. Parágrafos mudam de lugar sem problema algum. Adjetivos surgem e desaparecem num piscar de olhos. E ao mesmo tempo em que me encanto com as facilidades, penso em como serão as exposições literárias daqui a algum tempo. Que tipo de museu teremos? Vira e mexe vamos a lugares onde estão expostos manuscritos de Guimarães Rosa, Machado de Assis, Clarice Lispector e outros. Rasuras, recortes, rearranjos textuais são identificados e com eles a possibilidade de tentar imaginar como era o raciocínio daquele escritor. As ricas edições e apontamentos de cada um. Os escritores pós-Windows não terão isso, talvez só aqueles mais conservadores. Pelo pouco que sei de informática, os computadores não deixam resquícios e neles editamos o tempo todo e deletamos tudo se for preciso.

Dessa forma, sou editora de mim mesma. Um dos meus hábitos é deixar o texto descansar por um ou dois dias. Ele fica lá, quieto, guardado, supostamente pronto. Passado o vício da leitura, o retomo. Releio e acrescento aqui, apago dali, desenvolvo um pouco mais acolá. Até sentir que, sim, vale a pena soltá-lo no mundo. Mesmo que o resultado não tenha sido o que o meu eu escritora esperava. Talvez o meu eu assistente administrativo tenha gostado, mas o meu eu escritora é autocrítico demais para gostar completamente. Ele se lembra que há sempre algo a melhorar, mas que isso vem com o tempo e com o exercício da escrita.

No meio dessa confluência verbal, às vezes se faz necessário alguns goles de café com leite, minha bebida preferida. Gosto de tomá-la numa caneca, para mantê-la numa temperatura agradável. Se o texto for denso, trabalhoso, daí não há como não preparar algo para acompanhar. Torrada, pão francês, bisnaguinhas com requeijão, bolacha recheada, alguma fruta e, claro, chocolate. Afinal, sou mulher, e mulher adora chocolate. Já é um clichê. São opções alimentícias que variam conforme a despensa, o dia, o clima, o tema ou o prazo.

É nesse contexto que o texto se faz. Um computador, uma escritora com fones de ouvido, uma caneca de café com leite à sua esquerda, algumas janelas do Word abertas com outros textos de sua autoria, mais outras da internet com textos de outros. O som gostoso do teclado, algumas paradas para mudança de cursor, outras para o copie e cole de parágrafos que insistem em mudar de lugar. E, claro, como um amigo inseparável, como um bichinho de estimação, o dicionário.


Taís Kerche
São Paulo, 30/7/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quase uma Tragédia Grega de Andréa Trompczynski


Mais Taís Kerche
Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2009
12h16min
Prezada Taís, da música estimulante às expressões musicalizadas: eis o mote da poética, a razão das harmonias correspondentes na composição poética. Assim, cabe ao poeta distribuir gratuitamente às águas (estado poético do poeta) que brotam da fonte da inspiração, formando, desse modo, leitores inspirados.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
18/6/2010
12h58min
Cara Taís, te "ouvindo" descrever o processo de construção do teu eu escritora, parece fácil e reconfortante (principalmente a parte nutritiva e musical). Até inspirador. Casualmente fiquei colhendo várias impressões sobre o tema "escrever" aqui no Digestivo e fica claro que é um caminho muito pessoal, embora haja alguns toques comuns a todos os que descobrem esta paixão. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Melinda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca da Espiritualidade
James Van Praagh
Sextante
(1999)



Os Presidentes - Afonso Pena
Hélio Silva
Grupo de Comunicação Três
(1983)



Arquitetos Do Brasil - Athie/Wohnrath
Varios autores
Victoria Books
(2008)



Tratado de Direito Processual Civil
Celso Marcelo de Oliveira
Juridica Brasileira
(2006)



Padre Nostro: Preghiera Della Liberazione Integrale
Leonardo Boff
Cittadella
(1989)



O Poder do Clímax - Fundamentos de Roteiro de Cinema e Tv
Luiz Carlos Maciel
Record
(2003)



Histórias À Brasileira A Donzela Guerreira e outras
Ana Maria Machado
Companhia Das Letrinhas
(2010)



Um Lugar para Todos
Thrity Umrigar
Nova Fronteira
(2008)



Contabilidade Introdutória - livro texto
Stephen Charles Kanitz; Sérgio De Iudícibus; Luiz Benatti
Atlas
(2011)



O Prazer Do Poema. Uma Antologia Pessoal
Ferreira Gullar
Edições De Janeiro
(2014)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês