Meu eu escritora | Taís Kerche | Digestivo Cultural

busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
>>> Maite Proença em A MULHER DE BATH
>>> Chico Amaral celebra parcerias de sua carreira
>>> Viralizando reflete sobre as videoaulas como plataforma de ensino pela internet
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Animismo
>>> Detached
>>> Direita, volver!
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
>>> Um Furto
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> Onde os fracos não têm vez, de Joel e Ethan Coen
>>> Mais outro cais
>>> O fim da revista Bravo!
Mais Recentes
>>> A Geometria Maçônica - Rito Escocês Antigo e Aceito
>>> Os Protocolos dos Sábios do Sião - Edições Eliseo
>>> Os Chakras e os Campos de Energia Humanos
>>> São Cipriano - O Legítimo Capa Preta
>>> Inglês para Concursos - uma abordagem prática (6ª ed.)
>>> Projeção do Corpo Astral
>>> Arquétipos da Alma - Um Guia para se Reconhecer a Matriz dos Padrões
>>> O Poder do Pentagrama
>>> O Ciclo de Lunação - Uma chave para a compreensão da personalidade
>>> Radiestesia e Saúde - Como melhorar a sua saúde através da radiestesia
>>> Religião e Ética - Cadernos Ceap
>>> Deutsch Perfekt- revista 5/2012
>>> Psicopedagogia Clínica- caminhos teóricos e práticos
>>> Do luxo ao fardo - Um estudo histórico sobre o tédio
>>> Leyendo a Euclides
>>> Buda - O templo de Jetavana Vol. XIII
>>> Buda- O retorno ao reino de Magadha Vol. XI
>>> Transmissões Cristalinas - Uma Síntese de Luz
>>> Buda- O início da jornada Vol. V
>>> Conceito Rosacruz do Cosmos
>>> Buda- Em Busca da iluminação Vol. IV
>>> Buda - O nascimento de Siddhartha Vol. II
>>> Serial Killers A anatomia do mal
>>> Bom dia Veronica
>>> Millennium 3 A Rainha do castelo de ar
>>> Millennium 2 A menina que brincava com fogo
>>> Deutsch Perfekt- 9/2012- revista
>>> A Época brasileira de Vilém Flusser
>>> Sobre o óbvio
>>> Deutsch Perfekt 4/2012- revista
>>> A Estrutura da Magia
>>> Cultura Escrita, Literatura e História
>>> Animal de estimação 1ª ed.
>>> Os Essênios e os manuscritos do mar morto
>>> Blecaute
>>> Alice - Coleção Clássicos Zahar (livro de Bolso Capa Dura)
>>> Preparados para o fim?
>>> Discipulado
>>> Vem senhor Jesus
>>> Breve História da Maçonaria
>>> Astrologia para Leigos
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 7: Fim de Século
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 6: Caminhos Cruzados
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 5: o Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 4: do Romantismo ao Realismo
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 3: O Romantismo
>>> A Bíblia Sagrada: Velho e Novo Testamento
>>> Como Conhecer a Deus: um Plano de 5 Dias
>>> De Belém ao Calvário
>>> O Reaparecimento do Cristo
COLUNAS >>> Especial Como se escreve

Quinta-feira, 30/7/2009
Meu eu escritora
Taís Kerche

+ de 3200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Eis aqui um exercício de metalinguagem. Escrever sobre o ato de escrever. O meu ato de escrever. Tão particular e tão íntimo. Pura introspecção cheia de prazer. O Word aberto, uma tela branca e os dedos no teclado. Tudo parece quieto, mas, na realidade, a mente está a mil por hora, procurando um começo, um meio e um fim. Coesões e coerências. De preferência em períodos curtos, leves, sonoros. Adjetivos, substantivos, vírgulas, sujeitos, conjugações verbais. Tudo isso pensado automaticamente, rapidamente, artisticamente.

Mas nada se inicia sem os fones de ouvido que reproduzam alguma música estimulante, que combine com o astral do dia ou com o tema do texto. Sem eles não há jeito de encontrar o ritmo da escrita. Da música clássica, passando pela bossa nova, chegando num chorinho e, uma vez ou outra, até um rock, para estimular algum lado meu um pouco mais agressivo. Só depois de colocados é que a mente se liberta para dedilhar no teclado as primeiras frases das primeiras ideias que vão surgindo aos poucos. Sinto que a música tem o poder de isolar a minha mente do mundo externo. E o mundo das ideias vai ganhando espaço no mundo das letras.

Mas, antes de colocar os fones, leio alguns textos. Na realidade, alguns trechos de textos. Principalmente dos meus. Este ato é uma forma de me reencontrar com o meu eu escritora. Afinal, desenvolvemos muitos "eus" nessa vida, e o escritora acaba perdido em algum canto, deixado de lado por alguns dias ou às vezes horas e, dependendo da fase, por meses. Ao reler meus textos, acabo o achando, o tiro do canto e o coloco na ativa, intensamente, mesmo que esteja em um dia preguiço ou em outro mais ansioso. O importante é tirá-lo da inércia.

Também procuro ler alguns trechos de outros escritores a fim de buscar inspiração. Ao observar outros tipos de escrita, outras maneiras de abordagem de temas, acabo me entusiasmando com as possibilidades criativas e tento colocar a minha em prática. Não tenho nenhum escritor obrigatório, prefiro os cronistas e colunistas. Simpatizo com textos que abordem temas do cotidiano com uma linguagem leve e despretensiosa. Que me inspirem a olhar para o meu dia a dia e ver nele prosa e poesia. E assim tentar colocar um pouco de literatura nos meus textos.

São tópicos de parágrafos, desenvolvimentos, releituras diversas. E o texto vai surgindo na tela do computador. Não me imagino escrevendo numa máquina, como faziam antigamente. E olha que esse antigamente não é tão antigamente assim. Num parágrafo só, são tantas as mudanças, tantos os períodos feitos e desfeitos, tantas as ideias rejeitadas, outras aceitas e lapidadas que eu gastaria algumas centenas de celulose para escrever os caracteres exigidos para uma coluna. O texto se desgastaria em minha mente de tanto relê-lo. Acúmulo de lixo, gasto de fitas, dedos cansados. Tudo isso e texto nenhum. Vitoriosos são os escritores que a tinham como único recurso.

Hoje, basta um backspace, uma mudança de cursor ou um selecionar e deletar que tudo pode ser rearranjado, reescrito, repensado. Parágrafos mudam de lugar sem problema algum. Adjetivos surgem e desaparecem num piscar de olhos. E ao mesmo tempo em que me encanto com as facilidades, penso em como serão as exposições literárias daqui a algum tempo. Que tipo de museu teremos? Vira e mexe vamos a lugares onde estão expostos manuscritos de Guimarães Rosa, Machado de Assis, Clarice Lispector e outros. Rasuras, recortes, rearranjos textuais são identificados e com eles a possibilidade de tentar imaginar como era o raciocínio daquele escritor. As ricas edições e apontamentos de cada um. Os escritores pós-Windows não terão isso, talvez só aqueles mais conservadores. Pelo pouco que sei de informática, os computadores não deixam resquícios e neles editamos o tempo todo e deletamos tudo se for preciso.

Dessa forma, sou editora de mim mesma. Um dos meus hábitos é deixar o texto descansar por um ou dois dias. Ele fica lá, quieto, guardado, supostamente pronto. Passado o vício da leitura, o retomo. Releio e acrescento aqui, apago dali, desenvolvo um pouco mais acolá. Até sentir que, sim, vale a pena soltá-lo no mundo. Mesmo que o resultado não tenha sido o que o meu eu escritora esperava. Talvez o meu eu assistente administrativo tenha gostado, mas o meu eu escritora é autocrítico demais para gostar completamente. Ele se lembra que há sempre algo a melhorar, mas que isso vem com o tempo e com o exercício da escrita.

No meio dessa confluência verbal, às vezes se faz necessário alguns goles de café com leite, minha bebida preferida. Gosto de tomá-la numa caneca, para mantê-la numa temperatura agradável. Se o texto for denso, trabalhoso, daí não há como não preparar algo para acompanhar. Torrada, pão francês, bisnaguinhas com requeijão, bolacha recheada, alguma fruta e, claro, chocolate. Afinal, sou mulher, e mulher adora chocolate. Já é um clichê. São opções alimentícias que variam conforme a despensa, o dia, o clima, o tema ou o prazo.

É nesse contexto que o texto se faz. Um computador, uma escritora com fones de ouvido, uma caneca de café com leite à sua esquerda, algumas janelas do Word abertas com outros textos de sua autoria, mais outras da internet com textos de outros. O som gostoso do teclado, algumas paradas para mudança de cursor, outras para o copie e cole de parágrafos que insistem em mudar de lugar. E, claro, como um amigo inseparável, como um bichinho de estimação, o dicionário.


Taís Kerche
São Paulo, 30/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Correio de Elisa Andrade Buzzo
02. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Treze Teses sobre Cinema de Humberto Pereira da Silva
04. Entrando para ganhar de Celso A. Uequed Pitol
05. Não li em vão de Eduardo Carvalho


Mais Taís Kerche
Mais Especial Como se escreve
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2009
12h16min
Prezada Taís, da música estimulante às expressões musicalizadas: eis o mote da poética, a razão das harmonias correspondentes na composição poética. Assim, cabe ao poeta distribuir gratuitamente às águas (estado poético do poeta) que brotam da fonte da inspiração, formando, desse modo, leitores inspirados.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
18/6/2010
12h58min
Cara Taís, te "ouvindo" descrever o processo de construção do teu eu escritora, parece fácil e reconfortante (principalmente a parte nutritiva e musical). Até inspirador. Casualmente fiquei colhendo várias impressões sobre o tema "escrever" aqui no Digestivo e fica claro que é um caminho muito pessoal, embora haja alguns toques comuns a todos os que descobrem esta paixão. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Melinda]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL FANTASMA PROVECHOSO Y OTROS CUENTOS (EM ESPANHOL) LITERATURA INGLESA)
DANIEL DEFOE
COLIHUE
(2004)
R$ 5,00



CADERNOS DO CHDD - ANO 6 - Nº 10 - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
CHDD
(2007)
R$ 8,00



LA GUERRA CIVIL ESPAÑOLA 2
HUGH THOMAS
GRIJALBO
(1978)
R$ 31,16



TEX Nº 255 - ARMADILHA MORTÍFERA
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1991)
R$ 5,67



ALEGRIA E TRIUNFO
LOURENÇO PRADO
O PENSAMENTO
R$ 7,00



PORCA MEMÓRIA - RECORDAÇÕES GASTRONÔMICAS DE UM PAR DE SUÍNOS
HASIER ETXBERRIA & DAVID DE JORGE
SENAC
(2008)
R$ 10,00



TRAPEZUNGA - UMA FÁBULA DA ABOLIÇÃO
CHICO ALENCAR
MODERNA
(1995)
R$ 12,00



HISTÓRIA DA IGREJA
D. GRANDI / A. GALLI
PAULISTAS
(1964)
R$ 34,00



PROCESSO PENAL - PARTE GERAL
ALEXANDRE CEBRIAN A. REIS / VICTOR E. RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(1999)
R$ 9,00



OS FILHOTES
MARIO VARGAS LLOSA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 15,00





busca | avançada
31119 visitas/dia
1,1 milhão/mês