Lembrança de Plínio Zalewski | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 8/11/2016
Lembrança de Plínio Zalewski
Celso A. Uequed Pitol

+ de 3000 Acessos

“Morte de coordenador do PMDB abala campanha eleitoral em Porto Alegre”, estampou a Zero Hora em sua edição de terça-feira, dia 18.

Abrimos o jornal e procuramos a matéria. Ao lê-la, somos informados de todos os detalhes que cercaram o terrível acontecimento. Lá pelas tantas, no meio do texto e sem maiores explicações biográficas, aparece o nome do morto, cuja figura não parece acrescentar grande coisa à narrativa misteriosa. A maioria passará os olhos por ele e não se recordará. Outros, que lêem com mais calma, podem perguntar: quem é Plínio Zalewski?

É um nome que, de fato, não ressoará nos ouvidos e mentes da maioria. As chamadas de capa devem, por definição, partir do conhecimento comum dos leitores – um conhecimento que, lamentavelmente, não inclui o nome do morto. Para a maioria do público, quem morreu foi o coordenador da campanha eleitoral. Por isso, aqueles que conheceram Plínio Zalewski e conhecem a sua brilhante contribuição à cidade não devem se sentir ultrajados por esta chamada. Devemos perdoar os jornais e o grande público; eles não sabem o que dizem. O que não podemos é deixar de responder à pergunta daquele leitor atento. É preciso que, também ele, saiba quem é Plínio Zalewski.

Há várias maneiras de começar a responder a esta pergunta. Podemos, por exemplo, relembrar das funções que Plínio Zalewski exerceu, como a Direção de Cidadania e Direitos Humanos do governo do Estado, ou o Observatório da Cidade de Porto Alegre. Foi, também, um dos responsáveis pela criação do Prêmio de Responsabilidade Social da Assembleia Legislativa e presidiu o Fórum Permanente de Responsabilidade Social do Rio Grande do Sul. Está longe de ser pouco: mas esta é, por assim dizer, apenas a parte mais visível de uma trajetória impulsionada por uma concepção de gestão pública que ele, junto a seu parceiro e amigo Cezar Busatto, desenvolveram a partir do conceito de Governança Solidária Local, presente no livro “Governança Solidária Local: fundamentos políticos da mudança em Porto Alegre”. Publicado em 2004, foi um dos nortes intelectuais do modelo que venceu a eleição daquele ano na Capital e levou à criação da secretaria de Governança Local, que hoje tem similares em várias cidades do país. Em síntese, a Governança Solidária Local é um modelo de democracia participativa que articula a parceria entre o governo e a sociedade civil, aproximando os cidadãos das decisões efetivas da cidade. Trata-se, enfim, de uma radicalização e um aperfeiçoamento da experiência democrática.

Eis, aí, um resumo da longa e bem sucedida atuação pública de Plínio Zalewski. Mas falta falar de algo importante: do indivíduo, do homem Plínio Zalewski. Quero aqui lembrar do homem que conheci. E faço-o, sobretudo, porque quero mostrar como as ideias que formulou e defendia com vigor estavam incorporadas em seu agir.

Foi no começo de 2003. Era calouro do curso de Letras e escrevia artigos e resenhas para alguns jornais e revistas. Por ocasião da celebração dos 100 anos de “Os Sertões”, de Euclides da Cunha, havia escrito um artigo longo sobre a obra, que meu pai, então assessor na Assembleia Legislativa, fez a gentileza de divulgar entre os colegas de trabalho. Alguns dias depois recebi uma ligação em meu celular: era o Plinio. Apresentou-se como colega e amigo do meu pai e disse que havia lido meu artigo com muito prazer. Em seguida, solicitou meu e-mail para colocar por escrito suas impressões de leitura e pediu autorização para inclui-lo na sua newsletter. Agradeci os elogios e informei o endereço.

No mesmo dia, recebi seu e-mail. Plínio elogiava meu artigo – com alguma generosidade, devo dizer – e fazia algumas observações sobre a sua leitura d’Os Sertões. Respondi, agradecendo a leitura e os apontamentos. Em seguida, recebi o primeiro texto da sua newsletter. Ao longo do tempo viriam muitos outros, sempre versando sobre os mais variados temas políticos, sociais, econômicos e culturais. A lista incluía acadêmicos, políticos renomados e jornalistas, oriundos das mais variadas tendências políticas e muito dispostos a contribuir e debater. Logo percebi o que era aquilo: um verdadeiro espaço de participação. Como a Governança Local Solidária. Como tantos que Plínio ajudou a criar. Para ele, termos como participação e pluralismo não eram meros termos retóricos, e sim uma prática viva, cotidiana e incorporada em todas as suas ações.

Voltemos à pergunta sobre quem foi Plínio Zalewski. Chegou a hora de deixa-lo falar um pouco. Creio que nada substituirá a sua voz se quisermos realmente entender quem ele era. E, para isso, recorro a um dos seus muitos artigos que descansam na minha caixa de e-mails, onde ele traz uma definição da atividade que exercia diariamente: a política. Uma definição que deixa à mostra que ideias o animavam:

“Política é a aparição consciente num espaço público, no qual, pensando com minha própria cabeça, andando com minhas próprias pernas e sentindo com meu coração, expresso o que penso e o que sinto sobre os assuntos da comunidade onde vivo e, sobretudo, coopero para que, neste espaço, nasçam promessas mútuas e pactos traduzidos em ações colaborativas de interesse coletivo”

Plínio Zalewski dedicou a vida a criar canais para as pessoas participarem destes espaços, fossem eles fóruns, seminários ou newsletters. Eis aí o resumo de sua brilhante trajetória. Diante disso, pouco importam as capas de jornal; elas valem, no máximo, para o momento. Homens como ele semeiam para o futuro.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 8/11/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
02. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2016
01. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton - 12/4/2016
02. 80 anos de Alfredo Zitarrosa - 10/5/2016
03. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling - 8/3/2016
04. Sarkozy e o privilégio de ser francês - 14/6/2016
05. A coerência de Mauricio Macri - 12/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A vida sabe o que faz
Zíbia Gasparetto
Vida e Consciência
(2011)



Na Sala Com Danuza
Danuza Leão
Siciliano
(1992)



A Bíblia Responde
Felizardo Batista da Silva Filho
Alfa & Ômega
(2020)



Análise e Projeto Orientados a Abjeto Vol. 2
Scott W Ambler
Ibpi
(1998)



Cinco dias em Paris
Danielle Steel
Record / Altaya
(1996)



Carta Mensal Maio nº 734
Célio Borja et al
Cnc
(2016)



Quanto Vale o Meu Negocio? - o Empresario no Diva
Lilian Carrete
Saint Paul
(2008)



O Que Vem da Sua Boca
Nancy Richler
Rocco
(2006)



Dalai Lama: o Homem, o Monge, o Místico
Mayank Chhaya
Campus
(2007)



Longa Jornada Noite Adentro
Eugene O Neil
Abril Cultural





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês