Doutor Eugênio (1949-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
COLUNAS

Segunda-feira, 7/12/2020
Doutor Eugênio (1949-2020)
Julio Daio Borges

+ de 2100 Acessos

“A morte é o único ato perfeito”, já dizia Gustav Mahler. “Porque não precisa ser refeito; não precisa ser remendado...”

Quem me falava isso era o Doutor Eugênio, no meio do enterro da minha avó, em meados da década passada. Mais adiante, começou a discorrer sobre estruturalismo - “porque somos todos estruturas”, completou.

“Era uma cabeça”, foi minha conclusão para o Fê - quando ele me contou da morte do Doutor Eugênio, que, parece, foi em Julho deste ano. Não foi de Covid-19 - mas, na internet, não consegui encontrar nenhum registro oficial.

No final de 2004, quando minha avó estava doente, literalmente desenganada pelos médicos, Mamãe ficou desalentada. Lembro que estávamos parando o carro na garagem do shopping Eldorado, quando me ocorreu ligar para o Doutor Eugênio.

Não havia muito o que fazer, minha avó sofria de uma diverticulite em estágio avançado, já havia tido uma trombose - e tudo o que ingeria, não descia mais... ela botava pra fora. O médico da UTI foi taxativo: “Agora, o que resta é rezar”. Mamãe não se conformou: “Ah, não! Como é que você me fala uma coisa dessas?”.

Mamãe tirou a Guelita do hospital e trouxe para casa (“Guelita” era como a Abuelita era chamada por nós). Chamei o Doutor Eugênio mais pela Mamãe do que pela Gueli (“Gueli” era como também a chamávamos) - realmente, não havia muito o que fazer.

O Doutor Eugênio percebeu a inevitabilidade da situação, mas, mesmo assim, vinha todas as noites e conversava com a família. Examinava a doente, que, em seus momentos de lucidez, sentia-se cuidada - e, para a Mamãe, passava algumas instruções, que, enquanto se ocupava, ia se acostumando com a ideia...

Doutor Eugênio gostava de conversar e esgotava o repertório de todos nós. Para mim, contava das origens do escritor Fernando Morais, que eu lia na época. “Baby” - era como Doutor Eugênio o chamava.

Fez questão de trazer uma poltrona Bergère de sua casa, para que a minha avó pudesse se acomodar melhor, se desejasse se sentar. E quando Abuelita se foi, Doutor Eugênio não quis aceitar a cadeira de volta. Também, quando Papai abordou a questão de seus honorários, ele resistiu em ser pago.

Continuou frequentando a nossa família durante um tempo. Se não me engano, no meu aniversário do ano seguinte, veio em nossa casa e o meu amigo Rodolfo Neder, que me apresentou ao Millôr, ficou encantado com ele. “Quero entrevistar o Eugênio para o Digestivo!”, proclamou.

Doutor Eugênio adorava política e contava que, muito criança, já lia três ou quatro jornais por dia. Tinha uma teoria “bipartidária” da História do Brasil, onde um partido - não importava qual nome tivesse - era sempre o “Partido da Igreja”. Na juventude, havia se filiado ao “Partidão”, como ele chamava o Partido Comunista. E isso o aproximou de Rudy, meu amigo Rodolfo.

Havia sido Secretário da Saúde em São Paulo e falava desse tempo de boca cheia. Encontrei uma página sua no Facebook, quando se candidatou a vereador em 2018 (não fiquei sabendo). Infelizmente, escrevendo, o Doutor Eugênio soava prolixo. Seu negócio era mesmo a oratória. Também me contava de quando Almino Afonso havia chegado do Amazonas e ganhara fama de bom orador.

Um dia, entre os corredores da escola da Catarina, encontrei a Bianca, filha do Doutor Eugênio. Ela me reconheceu e veio me cumprimentar. Na época do passamento da Abuelita, a Bianca era uma adolescente de uns treze anos, se tanto.

Mas, por uma dessas coincidências da vida, ela havia se tornado professora de Alemão - e tinha dado aulas para a Catarina, de quem se recordava (“Claro!”). Mandei lembranças ao Doutor Eugênio e à mãe dela, Sandra.

Doutor Eugênio tinha uma visão meio pessimista do futuro da humanidade, achava que os Estados Unidos só queriam saber dos países anglófonos e que as grandes potências haviam desistido de países em desenvolvimento, como o Brasil. Num exagero retórico, falava, inclusive, em “projeto genocídio”...

Por outro lado, se eu ligasse para ele dizendo que havia uma pessoa convalescente na família, ele viria tão logo pudesse. Era o médico da família por definição - aquele que não existe mais, como frequentemente se diz. Aquele que, na verdade, em sua época, já *não existia* mais...


Julio Daio Borges
São Paulo, 7/12/2020


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sexo: Ainda Tem Mais?
Fátima Deitos
Icone
(2005)



Vagas Estrelas - Autografado
Chico Donato
Corriola
(1985)



Uma Herança Preciosa
Jim Stovall
Sextante
(2010)



Budapeste
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2003)



Poesia Gonçalves Crespo
Rolando Morel Pinto
Agir
(1967)



A Agricultura Familiar da Soja na Região Sul
Sergio Schlesinger
Fase
(2008)



O Visível e o Invisível - 4ª Edição - 5ª Reimpressão
Maurice Merleau-ponty
Perspectiva
(2014)



Histórias da minha vida
Jean Marais
Três
(1975)



O Jogo de Búzios por Odu
Adilson Antonio Martins
Pallas
(2013)



Ven - Level 2: Students Book 2
F. Castro
Edelsa Grupo Didascalia S A
(2003)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês