Doutor Eugênio (1949-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dia em que Paulo Coelho chorou
>>> Ao Portal Galego da Língua
>>> Have a nice day
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Esboços de uma biografia precoce não autorizada
>>> A une passante
>>> 12 de Julho #digestivo10anos
>>> The Good Life
>>> A odisseia do homem tecnomediado
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Na Escola da Fenomenologia de Paul Ricoeur pela Vozes (2009)
>>> Iniciação à História da Filosofia de Danilo Marcondes pela Zahar (2010)
>>> A Conquista do Presente de Michel Mafessoli pela Rocco (1984)
>>> A Potência de Existir de Michel Onfray pela Martins Fontes (2010)
>>> Ética como Amor-próprio de Fernando Savater pela Martins Fontes (2000)
>>> O Visível e o Invisível de Merleau-Ponty pela Perspectiva (2000)
>>> Não Pise na Bola de Richard Simonetti pela Clarim (1997)
>>> A Consciência em Expansão: os caminhos da abordagem Transpessoal na edução, na clínica e nas organizações de Maria Cristina Monteiro de Barros pela EdiPUCRS (2008)
>>> Folha Explica - Guimarães Rosa de Walnice Nogueira Galvão pela Publifolha (2000)
>>> A Linguagem das Cem Flores de Regina Obata pela Círculo do Livro (1986)
>>> A partilha do Sensível de Jacques Rancière pela 34 (2009)
>>> Revista Caras Extra Nr 18 Álbum De Xuxa E Sasha de Vários Autores pela Caras (1998)
>>> Marco Polo e a Rota da Seda de Jean-Pierre Drège pela Objetiva (2021)
>>> Psicoterapia Reencarnacionista: A terapia da Reforma Íntima de Mauro Kwitko pela Besouro Box (2015)
>>> A pesquisa na psicologia social de Leon Festinger e Daniel Katz pela FGV (1974)
>>> Xuxa de Ana Lucia Neiva pela ArtMeios (2001)
>>> Poesia 1930 - 1962 (Edição Crítica) de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac Naify (2012)
>>> Psicoterapia à luz da Apometria de Clecio Carlos Gomes pela Terceira Margem (2000)
>>> O prazer de Viver de Felipe Rodrigues pela Chiado (2016)
>>> Psicologia Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2017)
>>> Leadership and the New Science: Discovering Order in a Chaotic World de Margaret J. Wheatley pela Berrett-Koehler (1999)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Aura Humana de Walter J. Kilner a Aura Humana pela Pensamento (1989)
>>> Estudios Sobre Técnica Psicoanalitica de Heinrich Racker pela Editorial Paidos (1979)
>>> Learning to Be Me: My Twenty-three-year Battle With Bulimia de Jocelyn Golden pela Iuniverse (2007)
>>> Em Busca de Mim de Isabel Vieira pela Ftd (2000)
>>> Valiosa Vida de Felipe Quartero pela Livre Expressão (2011)
>>> O Cérebro Consciente de Steven Rose pela Alfa-omega (1984)
>>> Royal Botanic Gardens Kew de Souvenir Guide pela Royal Botanic Gardens (2000)
>>> As Dez Maiores Descobertas da Medicina de Meyer Friedman; Gerald W. Friedland pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Arte de Curar no Budismo Tibetano de Terry Cliffford pela Pensamento (1987)
>>> And the Winner Is... os Bastidores do Oscar de Emanuel Levy pela Trajetória Editorial (1990)
>>> The Fate of Art - Aesthetic Alienation From Kant to Derrida and Adorno de J. M. Bernstein pela Penn State University Press (1992)
>>> Loterofilia - A arte de colecionar bilhetes de loteria de Sylvio Luongo pela Publicação independente (2014)
>>> Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. de José Knoplich pela Ibrasa (1979)
>>> O Sorriso Distante de Anita Brookner pela Bertrand (2000)
>>> O Eu e o Inconsciente - Vol. VII / 2 de Carl Gustav Jung pela Vozes (2008)
>>> Auras Humanas: Onde o Abstrato Se Cruza Com o Concreto de Colette Tiret pela Pensamento (1985)
>>> Samba na Cidade de São Paulo - 1900-1930: um Exercício de Resistência de Iêda Marques Britto pela Ffclusp (1981)
>>> Fotos e Faces do Brasil, Personae de Madalena Schwartz pela Funarte (1997)
>>> Semiologia e Comunicação Linguística de Eric Buyssens pela Cultrix
>>> Gangsta - Vol. 1 de Kohske pela Jbc (2015)
>>> Exercícios de Arte para Grupos de Marian Liebmann pela Summus Editorial (2000)
>>> Zetsuen no Tempest - Vol. 10 de Kyo Shirodaira Ren Saizaki e Arihide Sano pela Jbc (2015)
>>> Fernando e Humberto Campana de Carlos Eduardo Leite Perrone pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Relativizando Uma Introdução à Antropologia Social de Roberto da Matta pela Rocco (1987)
>>> Estudos Fotográficos, Thomaz Farkas de Thomas Farkas, Sergio Burgis e outros pela Instituto Olga Kos (2019)
>>> Curso de Direito Constitucional de Manoel Jorge e Silva Neto pela Lumen Juris (2009)
>>> Direito Constitucional de Leo van Holthe pela Podium (2007)
>>> Estratégias do Pensamento de Larry E. Wood pela Circulo do Livro (1986)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/12/2020
Doutor Eugênio (1949-2020)
Julio Daio Borges

+ de 1600 Acessos

“A morte é o único ato perfeito”, já dizia Gustav Mahler. “Porque não precisa ser refeito; não precisa ser remendado...”

Quem me falava isso era o Doutor Eugênio, no meio do enterro da minha avó, em meados da década passada. Mais adiante, começou a discorrer sobre estruturalismo - “porque somos todos estruturas”, completou.

“Era uma cabeça”, foi minha conclusão para o Fê - quando ele me contou da morte do Doutor Eugênio, que, parece, foi em Julho deste ano. Não foi de Covid-19 - mas, na internet, não consegui encontrar nenhum registro oficial.

No final de 2004, quando minha avó estava doente, literalmente desenganada pelos médicos, Mamãe ficou desalentada. Lembro que estávamos parando o carro na garagem do shopping Eldorado, quando me ocorreu ligar para o Doutor Eugênio.

Não havia muito o que fazer, minha avó sofria de uma diverticulite em estágio avançado, já havia tido uma trombose - e tudo o que ingeria, não descia mais... ela botava pra fora. O médico da UTI foi taxativo: “Agora, o que resta é rezar”. Mamãe não se conformou: “Ah, não! Como é que você me fala uma coisa dessas?”.

Mamãe tirou a Guelita do hospital e trouxe para casa (“Guelita” era como a Abuelita era chamada por nós). Chamei o Doutor Eugênio mais pela Mamãe do que pela Gueli (“Gueli” era como também a chamávamos) - realmente, não havia muito o que fazer.

O Doutor Eugênio percebeu a inevitabilidade da situação, mas, mesmo assim, vinha todas as noites e conversava com a família. Examinava a doente, que, em seus momentos de lucidez, sentia-se cuidada - e, para a Mamãe, passava algumas instruções, que, enquanto se ocupava, ia se acostumando com a ideia...

Doutor Eugênio gostava de conversar e esgotava o repertório de todos nós. Para mim, contava das origens do escritor Fernando Morais, que eu lia na época. “Baby” - era como Doutor Eugênio o chamava.

Fez questão de trazer uma poltrona Bergère de sua casa, para que a minha avó pudesse se acomodar melhor, se desejasse se sentar. E quando Abuelita se foi, Doutor Eugênio não quis aceitar a cadeira de volta. Também, quando Papai abordou a questão de seus honorários, ele resistiu em ser pago.

Continuou frequentando a nossa família durante um tempo. Se não me engano, no meu aniversário do ano seguinte, veio em nossa casa e o meu amigo Rodolfo Neder, que me apresentou ao Millôr, ficou encantado com ele. “Quero entrevistar o Eugênio para o Digestivo!”, proclamou.

Doutor Eugênio adorava política e contava que, muito criança, já lia três ou quatro jornais por dia. Tinha uma teoria “bipartidária” da História do Brasil, onde um partido - não importava qual nome tivesse - era sempre o “Partido da Igreja”. Na juventude, havia se filiado ao “Partidão”, como ele chamava o Partido Comunista. E isso o aproximou de Rudy, meu amigo Rodolfo.

Havia sido Secretário da Saúde em São Paulo e falava desse tempo de boca cheia. Encontrei uma página sua no Facebook, quando se candidatou a vereador em 2018 (não fiquei sabendo). Infelizmente, escrevendo, o Doutor Eugênio soava prolixo. Seu negócio era mesmo a oratória. Também me contava de quando Almino Afonso havia chegado do Amazonas e ganhara fama de bom orador.

Um dia, entre os corredores da escola da Catarina, encontrei a Bianca, filha do Doutor Eugênio. Ela me reconheceu e veio me cumprimentar. Na época do passamento da Abuelita, a Bianca era uma adolescente de uns treze anos, se tanto.

Mas, por uma dessas coincidências da vida, ela havia se tornado professora de Alemão - e tinha dado aulas para a Catarina, de quem se recordava (“Claro!”). Mandei lembranças ao Doutor Eugênio e à mãe dela, Sandra.

Doutor Eugênio tinha uma visão meio pessimista do futuro da humanidade, achava que os Estados Unidos só queriam saber dos países anglófonos e que as grandes potências haviam desistido de países em desenvolvimento, como o Brasil. Num exagero retórico, falava, inclusive, em “projeto genocídio”...

Por outro lado, se eu ligasse para ele dizendo que havia uma pessoa convalescente na família, ele viria tão logo pudesse. Era o médico da família por definição - aquele que não existe mais, como frequentemente se diz. Aquele que, na verdade, em sua época, já *não existia* mais...


Julio Daio Borges
São Paulo, 7/12/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
02. A proposta libertária de Gian Danton
03. A natureza selvagem da terra de Elisa Andrade Buzzo
04. A vida se elabora no Ano Novo de Elisa Andrade Buzzo
05. De volta da Flip 2013 de Eugenia Zerbini


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
03. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020
04. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
05. Moro no Morumbi, mas voto em Moema - 15/11/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Enigma das Pirâmides
Alvarez Lopez
Hemus
(1978)
R$ 20,00



Ciências Naturais Dicionário Escolar
José Augusto Batista e Luís Carlos Santos
texto
(1993)
R$ 42,70



O conceito de psicopatologia
Carol Sonenreich / William Bassitt
Manole
(1979)
R$ 44,00



Sempre Viva
Antonio Callado
Circulo do Livro
(1981)
R$ 15,00



Louis Xiii et Richelieu
Jean Canu
Artheme Fayard
(1944)
R$ 39,80



Tdf Trabalho Dirigido de Filosofia
Mario Parisi e Gilberto Cotrim
Saraiva
(1983)
R$ 19,90



Violão & Guitarra
Vários
Imprima
R$ 18,00
+ frete grátis



Extrema Pobreza no Brasil a Situação do Direito à Alimentação
Jayme Benvenuto Lima Jr e Lena Zetterström Org
Loyola
(2002)
R$ 14,00



FORMIGAS - Liçoes da sociedade mais bem-sucedida da terra
William Douglas, Davi Lago
Mundo Cristao
(2016)
R$ 12,00



Como formar una discoteca
Jorge D'Urbano
Atlántida
(1970)
R$ 9,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês