Zuza Homem de Mello (1933-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
>>> Amor fati
Mais Recentes
>>> Fábulas Fabulosas 5ª Edição Ilustrada de Millôr Fernandes pela Nórdica
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 4 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
>>> O livreiro de cabul de Asne Seierstad; Grete Skevik pela Record (2006)
>>> O livro do bar de Carlos hauber pela Ediouro (1987)
>>> Ramses v.2 - the eternal temple de Christian Jacq pela Warner Books (1998)
>>> A Travessa Americana de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (1985)
>>> Educar sem Culpa - a Gênese da Ética de Tania Zagury pela Record (2003)
>>> A História da Aranha de Berny Stringle (Autor), Jackie Robb (Autor) pela Atica (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/10/2020
Zuza Homem de Mello (1933-2020)
Julio Daio Borges

+ de 1900 Acessos

Não deu tempo de escrever a resenha - porque ele foi embora antes -, mas uma das melhores leituras desta quarenta, para mim, foi “A Era dos Festivais: uma parábola”, que li atrasado, dezessete anos depois.

Eu achava curioso que existisse uma história do rock dos anos 80 - que é “Dias de Luta”, do Ricardo Alexandre -, mas, não, uma da MPB. Eu sabia que Ruy Castro - o biógrafo da Bossa Nova - jamais a escreveria, porque ele, justamente, para (do verbo parar) em “Garota de Ipanema” (1962). O que eu não sabia é que Zuza já a havia escrito; eu é que não havia lido...

Porque contar a história dos festivais da canção dos anos 60 é contar a história da MPB. Afinal, praticamente todos os compositores e cantores da chamada “música popular brasileira” despontaram ou se consagraram nos festivais. De Chico Buarque a Geraldo Vandré, dos baianos a Paulinho da Viola, dos Mutantes ao nosso colega de Facebook, Guarabyra, passando, evidentemente, por Edu Lobo, Dori Caymmi, Egberto Gismonti e até os Novos Baianos (entre tantos outros).

Os festivais eram “a” plataforma de lançamento da época - e “defender” uma canção era uma espécie de batismo de fogo não só para a composição em si, mas também para o compositor e para o(a) intérprete. Alguns se especializaram, como Elis Regina e Jair Rodrigues, que se tornaram estrelas dessa era; como Chico Buarque, que, nos últimos, era convidado a participar.

O que se comenta mais raramente é que uns tantos foram vaiados, como Sérgio Ricardo (que jogou seu violão na plateia) e Tom Jobim (que teve o pior momento de sua carreira defendendo “Sabiá”). Alguns se perderam, e nunca mais foram os mesmos, como Vandré (depois de “Para dizer que não falei das flores”). E alguns, inclusive, morreram, como Erlon Chaves - o grande arranjador de Wilson Simonal, uma vítima do preconceito e dos costumes da época (falo de Erlon, mas igualmente serve para Simonal).

Quando assistimos a alguma performance solta no YouTube, ou mesmo em alguma efeméride da televisão, imaginamos que a coisa ficasse restrita a uma espécie de videoclipe - ou a uma programação musical, como a da MTV -, mas foi muito do que isso. Os festivais foram uma era, de fato, como foram os Beatles, o rock dos anos 60 - pois a música transcendia a questão estética e simbolizava um momento geracional, comportamental, social, político.

Zuza acerta em não se revelar nem de esquerda e nem de direita, o que importa, para ele, é a música - e suas consequências. Mas sem partidarismos. E sem torcida organizada. Ele consegue reconstituir toda a disputa que foi “Disparada” versus “A Banda”, em 1965, sem optar por nenhuma das duas, reconhecendo os méritos de cada qual e deixando para o leitor que faça a sua escolha. Ou nem faça, porque, como sabemos, foi um empate. E que empate! Dramático... Parou - literalmente - São Paulo.

Zuza era técnico de som da TV Record no seu auge, então assistiu a tudo de camarote. Mas, além disso, teve a paciência de reconstiuir os bastidores, um pouco da história de cada personagem, contextualizando para o leitor dos anos 2000, paciente e didaticamente, num texto acessível, com rigor de músico, emoção na hora certa, entretendo e informando, conforme reza o clichê - a ponto de Daniel Piza tê-lo considerado um must-read, a “leitura da estação” (algo com que concordo).

Eu avistava o Zuza em eventos musicais pela cidade, a que eu ia pelo Digestivo. Uma vez, na entrada do ex-Palace, perguntei a ele o que achava de Maria Rita. Zuza não quis se precipitar e evitou uma crítica mais dura. Disse apenas que não havia estado com ela “ainda”, mas que achava que Maria Rita tinha “problemas de repertório” (de *escolha* de repertório). Embalado que eu estava pela “onda” Maria Rita, considerei aquilo uma injustiça, que só fui entender agora - afinal de contas, qual década pode se comparar à dos anos 60 (em termos de repertório)?

Eu não sabia, mas estava perguntando a alguém que havia feito a última entrevista com Elis Regina, horas antes de ela ter sido encontrada morta. E não imaginava que os primeiros capítulos de “A Era dos Festivais” têm como figura central, de novo, Elis. Tudo bem que eu vinha de “Furação Elis”, de Regina Echeverria, e de “Eles e eu”, as memórias de Ronaldo Bôscoli... Podia ter sido influenciado pelas minhas leituras pregressas - mas, não: “A Era dos Festivais” poderia ter se convertido numa biografia da Elis. (Leiam e me digam.)

Tudo isso - todo esse transporte - para dar um pouco da dimensão da perda de Zuza Homem de Mello. Eu já o admirava pela imprensa, pelas entrevistas, pelos artigos, por suas intervenções no rádio, na televisão, por suas aulas, as preparadas e as “de improviso” - e, não, apenas pelo seu conhecimento enciclopédico de música, mas pela sua *vivência* musical. Zuza havia estado lá, e não só como testemunha ocular da História, mas compondo a paisagem, fazendo parte da ação.

Quando Nelson Motta foi lançar seu “Noites Tropicais”, fazia questão de ressaltar que era um livro de quem *viveu* a Bossa Nova (entre outras incursões musicais). Criticava, indiretamente, o “Chega de Saudade”, de Ruy Castro, que nasceu em 1948, em Caratinga (MG), e que não foi, assim, protagonista da Bossa Nova. Os livros importam mais que a troca de farpas, ainda bem. Mas o que eu queria dizer é que o Zuza poderia afirmar que, além de ter vivido, *escreveu* um livro com o rigor de um biógrafo (maior que o rigor de um memorialista). “A Era dos Festivais” é, portanto, o melhor de dois mundos. E, Zuza, vamos sentir a sua falta.


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/10/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como ser um Medina de Ana Elisa Ribeiro
02. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini
03. A vida subterrânea que mora em frente de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vôo de Pássaro
Lúcia Pimentel Góes
Nacional
(1985)



Oab Nacional 1ª Fase. Teoria Unificada
Simone Diogo Carvalho Figueiredo
Saraiva
(2011)



Vodu Urbano
Edgardo Cozarinsky
Iluminuras
(2005)



Marley & Me Marley & Eu
John Grogan
Ediouro Publicações Sa
(2000)



Renato Russo: O filho da revolução
Carlos Marcelo
Agir
(2012)



Mercadores de Sentido (lacrado)
Veneza Mayora Ronsini
Sulina
(2007)



Psicologia e Educação
Ercília Maria de Paula Fernando Wolff
Iesde
(2009)



Atrás do Espelho - Cartas de Meus Pais
Afonso Arinos Filho
Record
(1994)



Novo Código de Processo Civil Comentado
Daniel Amorim Assumpção Neves
Juspodivm
(2016)



Sql Guia Pratico
Rogerio Luis de C Costa
Brasport
(2006)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês