Zuza Homem de Mello (1933-2020) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> História da leitura (III): a imprensa de Gutenberg
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Segunda-feira, 12/10/2020
Zuza Homem de Mello (1933-2020)
Julio Daio Borges

+ de 1700 Acessos

Não deu tempo de escrever a resenha - porque ele foi embora antes -, mas uma das melhores leituras desta quarenta, para mim, foi “A Era dos Festivais: uma parábola”, que li atrasado, dezessete anos depois.

Eu achava curioso que existisse uma história do rock dos anos 80 - que é “Dias de Luta”, do Ricardo Alexandre -, mas, não, uma da MPB. Eu sabia que Ruy Castro - o biógrafo da Bossa Nova - jamais a escreveria, porque ele, justamente, para (do verbo parar) em “Garota de Ipanema” (1962). O que eu não sabia é que Zuza já a havia escrito; eu é que não havia lido...

Porque contar a história dos festivais da canção dos anos 60 é contar a história da MPB. Afinal, praticamente todos os compositores e cantores da chamada “música popular brasileira” despontaram ou se consagraram nos festivais. De Chico Buarque a Geraldo Vandré, dos baianos a Paulinho da Viola, dos Mutantes ao nosso colega de Facebook, Guarabyra, passando, evidentemente, por Edu Lobo, Dori Caymmi, Egberto Gismonti e até os Novos Baianos (entre tantos outros).

Os festivais eram “a” plataforma de lançamento da época - e “defender” uma canção era uma espécie de batismo de fogo não só para a composição em si, mas também para o compositor e para o(a) intérprete. Alguns se especializaram, como Elis Regina e Jair Rodrigues, que se tornaram estrelas dessa era; como Chico Buarque, que, nos últimos, era convidado a participar.

O que se comenta mais raramente é que uns tantos foram vaiados, como Sérgio Ricardo (que jogou seu violão na plateia) e Tom Jobim (que teve o pior momento de sua carreira defendendo “Sabiá”). Alguns se perderam, e nunca mais foram os mesmos, como Vandré (depois de “Para dizer que não falei das flores”). E alguns, inclusive, morreram, como Erlon Chaves - o grande arranjador de Wilson Simonal, uma vítima do preconceito e dos costumes da época (falo de Erlon, mas igualmente serve para Simonal).

Quando assistimos a alguma performance solta no YouTube, ou mesmo em alguma efeméride da televisão, imaginamos que a coisa ficasse restrita a uma espécie de videoclipe - ou a uma programação musical, como a da MTV -, mas foi muito do que isso. Os festivais foram uma era, de fato, como foram os Beatles, o rock dos anos 60 - pois a música transcendia a questão estética e simbolizava um momento geracional, comportamental, social, político.

Zuza acerta em não se revelar nem de esquerda e nem de direita, o que importa, para ele, é a música - e suas consequências. Mas sem partidarismos. E sem torcida organizada. Ele consegue reconstituir toda a disputa que foi “Disparada” versus “A Banda”, em 1965, sem optar por nenhuma das duas, reconhecendo os méritos de cada qual e deixando para o leitor que faça a sua escolha. Ou nem faça, porque, como sabemos, foi um empate. E que empate! Dramático... Parou - literalmente - São Paulo.

Zuza era técnico de som da TV Record no seu auge, então assistiu a tudo de camarote. Mas, além disso, teve a paciência de reconstiuir os bastidores, um pouco da história de cada personagem, contextualizando para o leitor dos anos 2000, paciente e didaticamente, num texto acessível, com rigor de músico, emoção na hora certa, entretendo e informando, conforme reza o clichê - a ponto de Daniel Piza tê-lo considerado um must-read, a “leitura da estação” (algo com que concordo).

Eu avistava o Zuza em eventos musicais pela cidade, a que eu ia pelo Digestivo. Uma vez, na entrada do ex-Palace, perguntei a ele o que achava de Maria Rita. Zuza não quis se precipitar e evitou uma crítica mais dura. Disse apenas que não havia estado com ela “ainda”, mas que achava que Maria Rita tinha “problemas de repertório” (de *escolha* de repertório). Embalado que eu estava pela “onda” Maria Rita, considerei aquilo uma injustiça, que só fui entender agora - afinal de contas, qual década pode se comparar à dos anos 60 (em termos de repertório)?

Eu não sabia, mas estava perguntando a alguém que havia feito a última entrevista com Elis Regina, horas antes de ela ter sido encontrada morta. E não imaginava que os primeiros capítulos de “A Era dos Festivais” têm como figura central, de novo, Elis. Tudo bem que eu vinha de “Furação Elis”, de Regina Echeverria, e de “Eles e eu”, as memórias de Ronaldo Bôscoli... Podia ter sido influenciado pelas minhas leituras pregressas - mas, não: “A Era dos Festivais” poderia ter se convertido numa biografia da Elis. (Leiam e me digam.)

Tudo isso - todo esse transporte - para dar um pouco da dimensão da perda de Zuza Homem de Mello. Eu já o admirava pela imprensa, pelas entrevistas, pelos artigos, por suas intervenções no rádio, na televisão, por suas aulas, as preparadas e as “de improviso” - e, não, apenas pelo seu conhecimento enciclopédico de música, mas pela sua *vivência* musical. Zuza havia estado lá, e não só como testemunha ocular da História, mas compondo a paisagem, fazendo parte da ação.

Quando Nelson Motta foi lançar seu “Noites Tropicais”, fazia questão de ressaltar que era um livro de quem *viveu* a Bossa Nova (entre outras incursões musicais). Criticava, indiretamente, o “Chega de Saudade”, de Ruy Castro, que nasceu em 1948, em Caratinga (MG), e que não foi, assim, protagonista da Bossa Nova. Os livros importam mais que a troca de farpas, ainda bem. Mas o que eu queria dizer é que o Zuza poderia afirmar que, além de ter vivido, *escreveu* um livro com o rigor de um biógrafo (maior que o rigor de um memorialista). “A Era dos Festivais” é, portanto, o melhor de dois mundos. E, Zuza, vamos sentir a sua falta.


Julio Daio Borges
São Paulo, 12/10/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
02. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
03. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
04. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait
05. Realeza de Daniel Bushatsky


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2020
01. Doutor Eugênio (1949-2020) - 7/12/2020
02. Confissões pandêmicas - 13/12/2020
03. Minha biblioteca de sobrevivência - 30/3/2020
04. Eddie Van Halen (1955-2020) - 9/10/2020
05. Zuza Homem de Mello (1933-2020) - 12/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Semiologia Médica e Propedêutica Clínica 2
Fioravanti Di Piero
Do Autor
(1985)



Poder Popular no Século XXI
Hilary Wainwright
Xama
(2005)



Ruminâncias de um Camelo Aposentado
Pedro Abarca
Rumo
(1992)



Clebynho: o Babalorixa Aprendiz - 1ª Edição
Leandro Muller
Pallas
(2010)



Os Templários
Piers Paul Read
Imago
(2001)



As Grandes Batalhas da História Vols 1 e 2
Stéphane Audoin- Prefácio
Larousse
(2009)



Iluminação
Leo Gough
Pensamento
(2005)



Bridge En 7 Sesiones Sistema Natural
Magin Tusquets
Lumen
(1975)



Como Não Aprender Inglês - Erros Comuns do Aluno Brasileiro
Michael A. Jacobs
Do Autor
(1999)



101 Jogos para Motricidade Limitada e Espacos Reduzidos
Juan José Jurado & Manuel Lópes de La Nieta
Vozes
(2016)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês